Curso Online de CLAMIDIAS

Curso Online de CLAMIDIAS

Características gerais Fatores de virulência Patogenia Manifestações clinicas Complicações Diagnóstico Tratamento Profilaxia

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

De: R$ 50,00 Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Mais de 0 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Características gerais
Fatores de virulência
Patogenia
Manifestações clinicas
Complicações
Diagnóstico
Tratamento
Profilaxia

Graduado em Farmácia pela Universidade Federal do Maranhão (1981), Mestrado em Microbiologia e Imunologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1985) e Doutorado em Ciências (Microbiologia) pela Universidade de São Paulo (1996). Pós-doutorado em nanotecnologia pela Universidade de Brasilia (2012). Atualmente é professor titular da disciplina de microbiologia da Universidade Federal do Maranhão e Professor Adjunto do Curso de Medicina da Universidade Estadual do Maranhão.Tem experiência na área de ensino superior desde 1985, estando apto para ministrar as seguintes disciplinas: microbiologia, imunologia, patologia, farmacologia, biofisica, saúde ambiente, epidemiologia, genética e embriologia. Endereço para acessar o CV: http://lattes.cnpq.br/9584161299199568



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • 1

    CHLAMYDIA

  • 2

    • bacilos pequenos, gram-negativos
    • parasitas intracelulares obrigatórios
    • sem a camada de peptidioglicano

    Apresentam 2 formas distintas

    • corpúsculo elementar (CE ou EB)
    menor, infeccioso
    resistente a numerosos fatores ambientais

    • corpúsculo reticulado (CR ou RB)
    maior, não infeccioso
    metabolicamente ativo
    forma de reprodução
    osmoticamente frágil
    localização intracelular

    Componentes estruturais importantes:

    • LPS (Gênero específico)

    • Proteínas de membrana externa – espécie e cepas –específicas (MOMP)

    Chlamydia CARACTERÍSTICAS GERAIS

  • 3

    As clamídias são bactérias diminutas, que transportam um cromossomo de aproximadamente 1.000Kb, capaz de codificar em torno de 600 proteínas.
    As suas células possuem membranas externa e interna, á primeira é semelhante á das bactérias Gram-Negativas, ou seja, são bactérias Gram-Negativas sem peptídeo-glicano.
    Falta na célula clamidial a camada peptídeo-glicano, embora os genes que a codificam estejam presentes no cromossomo da bactéria.

  • 4

    As clamídias são parasitas intracelulares obrigatórios. Possuem membranas interna e externa semelhantes às das bactérias Gram-negativas, contém DNA e RNA; possuem ribossomos; sintetizam suas próprias proteínas, ácidos nucléicos e lipídios; e mostram-se suscetíveis a numerosos antibióticos.
    Ocorrem em duas formas: o pequeno corpúsculo elementar (CE) infeccioso e o corpúsculo reticuloso, maior e não-infeccioso.
    As clamídias são infecciosas na forma de CE, mas não se multiplicam neste estado; o CR é a forma de multiplicação metabolicamente ativa das clamídias.

  • 5

    O gênero chlamydia compreende um grupo de parasitas intracelulares obrigatórios, três espécies sendo reconhecidas:
    C. psitacci,
    C. pneumoniae (cepa TWAR) e
    C. trachomatis;

  • 6

    As clamydias são classificadas como bactérias gram-negativas, altamente especializadas.
    O sorotipo Twar da C. pneumoniae causa bronquite, pneumonia e doença arterial.
    Em relação a C. trachomatis, 15 sorotipos são reconhecidos: L1, L2 e L3, causadores do linfogranuloma venéreo;
    A,B, Ba e C, causadores do tracoma ocular;
    D,E,F, G, e H, causadores da conjuntivite de inclusão observada no recém-nascido (RN) e
    os sorotipos I,J e K, causadores da pneumonia do recém-nascido (RN) e do lactente, da uretrite, da cervicite, da salpingite e da epididimite

  • 7

    Abrasões de mucosa

    Inclusões citoplasmáticas diagnóstico

    Corpúsculos elementares

    sangue, linfa.
    outras células

    • receptores de EB em vários tipos de células não ciliadas – trato genital, uretra, reto,
    trato respiratório e conjuntivas
    • fusão fagolisossomal é inibida (se a membrana externa da bactéria estiver intacta)

    • RB --- metabolicamente ativos, sintetizam DNA, RNA e proteínas mas, não tem as vias
    para produção de energia PARASITAS DE ENERGIA
     

    Chlamydia Ciclo de Crescimento

  • 8

    As clamídias apresentam um ciclo de desenvolvimento bifásico e, por esta razão, existem duas formas celulares, conhecidas como corpúsculo e corpúsculo reticular, a forma celular não-infecciosa.
    As clamídias não crescem em meios de cultura artificiais, e, por isso, são bactérias intracelulares obrigatórias.
    A principal razão para isto é a incapacidade de produzir ATP.
    Como dependem do ATP da célula do hospedeiro, são consideradas parasitas da energia celular.

  • 9

    As clamídias multiplicam-se através de um ciclo de crescimento que ocorre no interior das células hospedeiras.
    O ciclo é iniciado quando os CE infecciosos fixam-se às microvilosidades das células, sendo a fixação seguida de penetração ativa no interior da célula hospedeira.
    Uma vez internalizadas, as clamídias permanecem no interior de fagossomas citoplasmáticos, onde prossegue o ciclo de multiplicação.
    Se a membrana externa for lesada, ou se as clamídias forem inativadas pelo calor ou recobertas com anticorpos, as bactérias são rapidamente destruídas.

  • 10

    Dentro de 6 a 8 horas após penetração na célula, os CE reorganizam-se em CR metabolicamente ativos.
    Os CR são capazes de sintetizar seus próprios DNA, RNA e proteínas, porém carecem das vias metabólicas necessárias para a produção de seus próprios compostos de fosfato de alta energia; algumas cepas também podem depender do hospedeiro para o suprimento de aminoácidos específicos.
    Os CR replicam-se por divisão binária, que continua nas próximas 18 a 24 horas.

  • 11

    O fagossoma com CR acumulados é denominado inclusão e pode ser facilmente detectado com corantes histológicos.
    Aproximadamente 18 a 24 horas após a infecção, os CR começam a se reorganizar em CE menores e, entre 48 e 72 horas, a célula sofre ruptura, liberando os CE infectantes.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • FATORES DE VIRULENCIA
  • PATOGENIA
  • Manifestações Clinicas
  • COMPLICAÇÕES
  • DIAGNÓSTICO
  • TRANSMISSÃO
  • TRATAMENTO
  • PROFILAXIA