Curso Online de Extensão em Enfermagem- Saúde do Adulto 101Horas/aula
5 estrelas 24 alunos avaliaram

Curso Online de Extensão em Enfermagem- Saúde do Adulto 101Horas/aula

curso de extensão em enfermagem-saúde do adulto 101Horas/aula

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 101 horas

De: R$ 100,00 Por: R$ 69,90
(Pagamento único)

Mais de 1300 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

curso de extensão em enfermagem-saúde do adulto 101Horas/aula

ESPECIALISTAS EM ENFERMAGEM; BACHAREIS EM ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA; Experiência em: -Urgência e Emergência, -Clinica Médica, -Clinica Círurgica, -UTI, -Oncologia, -Nefrologia e -SAÚDE PUBLICA E ETC; PROFESSORES DE CURSOS TECNICO DE ENFERMAGEM EM DIVERSAS ÁREAS.


- Heles Cley Vicente Da Silva

"muito bom"

- Jocimara De AraÚjo Ferreira FranÇa

- Edemir Jose Da Silva

- Vera Lucia Ferreira Sampaio Rodrigues

- Adriana Cassia Ferreira

- Marcus Filipe Borges Marangon

- Suelen Oechsler

- Luciana Moreira Tomaz Cordova

"O conteudo do curso e muito bom, foi muito proveitoso e enriquecedor"

- Joel Cunha Dos Santos

"otimo"

- Ana Maria Fonseca

- Saane Santos Gonçalves Oliveira

"otimo"

- Cleomar Goncalves Oliveira

"Este curso é muito bom, foi bem elaborado e amplifica o conhecimento do aluno sobre os quadros clinicos. para que uma boa assistencia seja prestada é necessario se conhecer as manifestaçoes clinicas e como o tratamento age sobre o paciente."

- Lívia Magalhães Dos Santos

"excelente"

- José Fernandes Da Silva

"muiiiito bom"

- Jackeline Do Amparo Oliveira Gaspar

"Muito bom."

- Cristina Maria Da Costa

- Tállice Andressa Ibarra Da Silva Defant

- Arieli Rosa De Souza

- Marlene Da Silva Almeida

- Letícia Boscato Dos Santos

- Ana Maria Lopes De Oliveira

- Rose Angeli Machado Silva

- Adeniza Ribeiro Da Silva

- Silvana Dias

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • curso de extensão em enfermagem-saúde do adulto 101Horas/aula

    curso de extensão em enfermagem-saúde do adulto 101Horas/aula

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Conceito: Ato operatório sem a clássica abertura da parede abdominal, com o emprego de um laparoscópio para visualizar o interior da cavidade.
    Pneumoperitônio (fundamental)
    Via de acesso através de portas especiais (trocáteres)
    Manipulação de pinças, bisturi, aspirador, etc.

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Vantagens da videolaparoscopia:
    Minimamente invasiva.
    Melhor visão do campo operatório para a maioria dos órgãos abdominais.
    Menor dor no pós-operatório.
    Menor tempo de hospitalização.
    Melhor efeito estético.

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Desvantagens da videolaparoscopia:
    Alto custo.
    Equipamento dependente (qualidade).
    Curva de aprendizado longa.
    Necessidade de anestesia geral sempre.

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Eventos mais importantes na evolução da cirurgia laparoscópica:
    1901 – 1ª Peritonioscopia feita em cão com citoscópio de Nietz.
    1910 – Primeiras laparoscopias em humanos (Jacobeus).
    1938 – Surgimento da agulha de Verress.
    1952 – Introdução do sistema de luz fria (Fourestier).
    1966 – Melhora do sistema delentes do laparoscópio (Hopkins)
    Anos 60 – Insuflador automático de CO2 (Semm)
    1985 – 1ª Colecistectomia em cão. (Filipi)
    1985-1987 – Primeiras colecistectopmias laparoscópicas em humanos (Muhe e Mouret).

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Qual o mínimo necessário?
    Laparoscópio ou óptica.
    Câmera de vídeo.
    Monitor.
    Fonte de Luz.
    Insuflador.
    Gravador de DVD (opcional).

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    1. Laparoscópio ou óptica
    Fornece imagens ampliadas.
    Tubo metálico rígido
    Sistema de lentes especiais no centro, cilíndricas e alongadas (rod-lens).
    Luminosidade, contraste, resolução muito superiores X lentes convencionais.

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Peça ocular
    (eyepiece)

    Entrada da
    fonte de luz

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    Bases da Cirurgia Videolaparoscópica

    2. Câmera de Vídeo
    Transmitir a imagem final à unidade de processamento à qual se liga.
    Reconstrução da imagem.
    Possui funções: White balance e gain (intensificação de imagem).


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 69,90
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • curso de extensão em enfermagem-saúde do adulto 101Horas/aula
  • Bases da Cirurgia Videolaparoscópica
  • Cirurgia Abdominal
  • CIRURGIA UROLÓGICA
  • CIRURGIA UROLÓGICA GLÂNDULA ADRENAL
  • CIRURGIA UROLÓGICA CIRUGIA RENAL
  • Cirurgia Urológica Nefrectomia
  • CIRURGIA UROLÓGICA Pielolitotomia
  • Cirurgia Urológica Nefrostomia
  • CIRURGIA UROLÓGICA URETER
  • CIRURGIA UROLÓGICA BEXIGA
  • CIRURGIA UROLÓGICA URETRA
  • CIRURGIA UROLÓGICA Próstata
  • CIRURGIA UROLÓGICA
  • TRANSPLANTE RENAL
  • É um tecido retirado de qualquer parte do corpo e colocado em outro.
  • O efeito adverso mais importante é a leucopenia, expondo o paciente a um risco aumentado de infecção.
  • Tipos de cirurgia
  • ENF.:MARCELO
  • HIPÓCRATES - 400AC
  • LAENNEC - 1816
  • Wilhelm Conrad Roentgen (1845-1923)
  • ECG – 1912 – SIR THOMAS LEWIS
  • PRIMEIROS MARCA-PASSOS - 1955
  • TRATAMENTO DE I.A.M. EM 1956
  • HÁ 50 ANOS PARA O TRATAMENTO DE ANGINA...
  • A CIRURGIA HÁ 50 ANOS...
  • CIRURGIA CARDÍACA – INÍCIO DOS ANOS 60
  • MASON SONES - 1962
  • CHRISTIAN BARNARD - 1967
  • ERA DA IMAGEM
  • ECOCARDIOGRAFIA
  • ELETROFISIOLOGIA
  • ANGIOTOMOGRAFIA
  • RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
  • CINTILOGRAFIA MIOCÁRDICA
  • HOLTER E MAPA
  • TESTE ERGOMÉTRICO
  • GRANDES TRIALS
  • ANGIOPLASTIA E STENTS (GRÜNTZIG - 1977)
  • Infecção em Cirurgia
  • Inflamação
  • CLASSIFICAÇÃO DAS INFLAMAÇÕES
  • Inflamação Purulenta
  • Aftas – estomatite bucal
  • Abscesso
  • Furúnculo
  • Foliculite
  • Hidrosadenite
  • Cisto pilonidal
  • Erisipela
  • Celulite
  • Infecção necrotizante
  • Sindrome de Fournier
  • INFECÇÃO HOSPITALAR
  • POS-OPERATORIO
  • POS - OPERATORIO
  • CONTROLE DO POS-OPERATORIO
  • Controle pos-operatorio
  • CONTROLE POS-OPERATORIO
  • CONTROLE DA DOR
  • CONTROLE DA INFECCAO
  • RETORNO
  • CATETERISMO Vesical
  • Sondagem Vesical
  • complicações
  • Sondagem Vesical
  • Sondagem feminina
  • Sondagem Vesical
  • Cuidados com CVD
  • BIOSSEGURANÇA
  • PRECAUÇÕS POR CONTATO
  • PRECAUÇÕES POR GOTÍCULAS
  • ESTADO DE COMA COM AUDIO
  • Introdução
  • Fisiologia da consciência
  • Conteúdo da consciência
  • Nível da consciência - SRAA e Córtex
  • Fisiopatologia básica do COMA
  • etiologia
  • Etiologia
  • Avaliação
  • Avaliação - Exame físico geral
  • Avaliação - Exame neurológico
  • Alterações pupilares no COMA
  • Avaliação - Exame neurológico
  • Avaliação – Exame neurológico
  • Avaliação - Exame neurológico
  • Indicadores clínicos - etiologia/localização
  • Conduta no doente em coma
  • Dissecção Venosa e Acesso venoso Central
  • Dissecção Venosa
  • Cateter venoso central
  • Indicações
  • Vias de acesso
  • Contra-indicação
  • Materiais necessários
  • Complicações
  • TRANSPLANTE RENAL
  • É um tecido retirado de qualquer parte do corpo e colocado em outro.
  • O efeito adverso mais importante é a leucopenia, expondo o paciente a um risco aumentado de infecção.
  • Cateter de Swan-Ganz
  • Indicação
  • Medida do debito cardíaco pelo método de termodiluição
  • Complicações
  • Materiais necessários
  • Assistência de enfermagem
  • PVC E PAM
  • Pressão venosa central (PVC)
  • finalidades
  • Valor informativa
  • Materiais necessários
  • Ponto de referência
  • Assistência de enfermagem
  • Cateter arterial (PAM)
  • Indicações
  • Locais para canulação
  • Materiais
  • Complicações
  • Assistência de enfermagem
  • Intubação endotraqueal
  • Indicações para intubação
  • Formas de intubação
  • Os objetivos da assistência ventilatória são:
  • Equipamentos
  • Cuidados na intubação
  • Assistência de enfermagem
  • Complicações mais comuns
  • É possível reduzir a incidência de complicações dando-se devida atenção as pressões de insuflação do manguito (tribuições da fisioterapia). São recomendados alto volume e baixa pressão no balonete.
  • HEMORRAGIAS l
  • HEMORRAGIAS
  • Vasos sangüíneos
  • Fluxo constante de sangue perfusão.
  • Sangue Constituição
  • HEMORRAGIA
  • CLASSIFICAÇÃO
  • Hemorragia interna
  • Hemorragia arterial
  • Tipo de hemorragia
  • Hemorragia venosa
  • Hemorragia capilar
  • Gravidade
  • Sinais e sintomas de hemorragia
  • Outros sinais
  • MÉTODO DA PRESSÃO DIRETA
  • LEMBRE-SE PRESSÃO DIRETA É O MÉTODO MAIS RÁPIDO E EFICIENTE PARA O CONTROLE DA HEMORRAGIA EXTERNA.
  • ELEVAÇÃO DA ÁREA TRAUMATIZADA
  • METODO DA PRESSÃO INDIRETA:PRESSÃO DIGITAL SOBRE O PONTO DE PULSO (esmagamento, extremidades presas em ferragens).
  • 4. Aplicação de gelo
  • CONTROLE DE HEMORRAGIA INTERNA
  • Alguns sinais de alerta para suspeitar de hemorragia interna:
  • Tratamento
  • CHOQUE HIPOVOLÊMICO
  • SINAIS E SINTOMAS
  • CUIDADOS DE EMERGÊNCIA
  • Posição de choque
  • CHOQUE HIPOVOLÊMICO NA CRIANÇA
  • TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO
  • ASSISTÊNCIA VENTILATÓRIA : VENTILAÇÃO PULMONAR MECÂNICA (VPM)
  • QUANDO ESTÁ INDICADA
  • Observação
  • APARELHOS
  • VARIÁVEIS DO RESPIRADOR
  • ACESSÓRIOS
  • PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO
  • CUIDADOS DE ENFERMAGEM
  • DESFIBRILAÇÃO
  • Desfibrilação elétrica
  • Desfibrilação:
  • FINALIDADE TÉCNICA:
  • Importância da desfibrilação precoce
  • Energia necessária para desfibrilação
  • Procedimentos importantes
  • Assistência importante
  • CARDIOVERSÃO
  • MATERIAL :
  • Contra- indicação
  • MEDICAÇÃO PARA CARDIOVERSÃO
  • Assistência de enfermagem
  • Balão intra-aótico
  • Indicações
  • Contra-indicações
  • Cuidados de enfermagem
  • complicações
  • 3. Arritmias ventriculares # extra-sístoles ventriculares # taquicardia ventricular # fibrilação ventricular(LETAL)
  • bloqueios
  • 1. BLOQUEIO ATRIOVENTRICULAR DE 1º GRAU:
  • Cuidados de enfermagem
  • EPIDEMIOLOGIA
  • O que é Derrame Cerebral?
  • O Fluxo de Sangue para o Cérebro
  • Derrame Cerebral Isquêmico
  • Derrame Cerebral Hemorrágico
  • Quem é a vítima mais comum?
  • Os Números
  • Derrame Cerebral pode ser evitado
  • Fatores de Risco que não podem ser alterados
  • Quais são os sintomas?
  • Quais são as seqüelas?
  • Como evitar?
  • Atividade física
  • Hipertensão arterial
  • Diabetes Mellitus
  • Tabagismo
  • Bebidas alcoólicas
  • Obesidade
  • Doenças cardíacas prévias
  • Colesterol
  • Medicamentos
  • Cirurgia
  • Derrame cerebral é uma emergência
  • DIABETES MELLITUS
  • Aspectos conceituais
  • Importância do diabetes mellitus
  • Ações da Insulina
  • Efeitos da deficiência de insulina
  • Efeitos da deficiência de insulina no metabolismo lipídico
  • Patogênese do Diabetes Mellitus Tipo 1
  • Patogênese do Diabetes Mellitus Tipo 2
  • Patogênese do DM2
  • OBESIDADE DIAGNÓSTICO Perímetro da cintura
  • Complicações Agudas
  • Definição de hipoglicemia
  • Sinais e sintomas
  • Condições de Risco
  • Choque: Hemodinâmica Básica
  • mortalidade humana fim do Século XX
  • mortalidade humana no Brasil Fim do Século XX
  • Pandemia das Moléstias Evitáveis fim do Século XX
  • Moléstias Evitáveis Perspectivas para o Século XXI
  • Morte por choque: distribuição trimodal
  • Introdução
  • Definição de Choque #1
  • A oferta de O2 (DO2)
  • O remanescente venoso de O2
  • O consumo de O2 (VO2)
  • Resumo da Conciliação bancária de O2 Oferta, Consumo e Remanescente
  • Débito, Oferta e Consumo normais
  • Alto débito e Alto consumo de O2
  • baixo débito e baixo consumo de O2
  • baixo débito, ainda basal e altíssima extração de O2
  • Como é a relação entre oferta de Oxigênio (DO2) e consumo de Oxigênio (VO2) ?
  • A relação entre oferta e consumo (débito/DO2 normal)
  • A relação entre oferta e consumo (débito/DO2 em declínio)
  • A relação entre oferta e consumo
  • A relação entre oferta e consumo (débito/DO2 crítico)
  • A relação entre oferta e consumo (débito/DO2 insuficiente)
  • A relação entre oferta e consumo (débito/DO2 criticamente insuficiente)
  • Existem duas relações diferentes entre DO2 e VO2
  • Definição de Choque #2
  • Modalidades de choque
  • Choque hipovolêmico por hemorragia
  • Refill de hemácias? De onde vem?
  • Refill plasmático? De onde vem? Em condições normais ...
  • Na condição de choque hipovolêmico
  • edema celular no choque: um caso particular
  • Distribuição normal do débito cardíaco
  • Redistribuição após hemorragia
  • O conceito de hora dourada
  • História natural do choque hipovolêmico
  • Generalidades
  • Manifestações iniciais de hipovolemia
  • Conseqüências da ativação de receptores
  • Sinais precoces característicos
  • Sinais tardios ou mais graves
  • Fisiologia do tratamento
  • Conceitos básicos
  • Reanimação primária
  • A logistística do socorro precoce
  • Cristalóides: 3 vezes o volume perdido
  • Cristalóides: vantagens e desvantagens
  • Expandindo com cristalóides (2L)
  • água total depois de cristalóides
  • Resolução do edema intracelular com cristalóides
  • Como nos livramos do edema i-celular?
  • Soluções hipertônicas:
  • HS/HSD são expansores poderosos
  • Soluções hipertônicas:
  • HS: distribuição compartimental (4ml/kg NaCL 7,5% acrescenta 128 mEq Na+/L de plasma)
  • HS: distribuição compartimental
  • HS: compartmental distribution
  • Soluções hipertônicas:
  • edema celular no choque: cristalóides vs HSD
  • Soluções hipertônicas:
  • Restaurar transporte de O2
  • Sangue: Vantagens limitações
  • A logística do socorro pré-hospitalar ...
  • Sangue: Indicação
  • Assistência de Enfermagem ao Portador de Traqueostomia
  • Conceitos
  • Indicações da Traqueostomia
  • Tipos de Traqueostomias
  • Classificação quanto a localizaçao da abertura
  • Classificação quanto à localização da abertura
  • Posicionamento transoperatório
  • Complicações de Traqueostomia
  • Conclusão
  • HANSENIASE
  • Objetivos
  • Hanseníase
  • Definição de caso
  • Aspectos históricos
  • Mycobacterium leprae
  • Transmissão
  • Patogenia
  • Formas clínicas
  • Hanseníase indeterminada
  • Tuberculóide
  • Hanseníase tuberculóide
  • Tuberculóide
  • Virchowiana
  • Hanseniase virchowiana
  • Virchowiana
  • Fenômeno de lúcio
  • Boderline
  • Bodereline
  • Lesões Neurais
  • Estados Reacionais
  • Diagnóstico
  • Pesquisa de sensibilidade
  • Palpação nervos
  • avaliação de força muscular
  • Avaliação da força muscular
  • Tratamento HANSENÍASE TEM CURA
  • Contactantes
  • Anafilaxia E REAÇÃO ANAFILATICA
  • Ação imediata
  • Sintomas
  • Causas
  • Tratamento
  • ACLS
  • Sobrevida na FV
  • Cadeia de sobrevivência
  • C-A-B
  • Algoritmo ACLS 2010
  • Acessar responsividade
  • Abertura das vias aéreas com trauma cervical
  • Ventilação
  • Desfibrilação ?
  • DESFIBRILAÇÃO
  • Posição de recuperação
  • Após análise de ritmo e/ou choque
  • Intubação Orotraqueal
  • Acesso venoso
  • Sequência do atendimento na FV/TV
  • Sequência do atendimento na assistolia / AESP
  • Jornada de Enfermagem 214 horas