Curso Online de Transplante hepático - Assistência de enfermagem

Curso Online de Transplante hepático - Assistência de enfermagem

A prática da enfermagem no transplante de fígado durante o pós-operatório na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 6 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

A prática da enfermagem no transplante de fígado durante o pós-operatório na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

MBA Gestão em Saúde e Controle de Infecção Especialização em Enfermagem Urgência e Emergência Especialização em Enfermagem Hospitalar ênfase em Terapia Intensiva Graduação em Enfermagem



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Transplante Hepático Assistência de Enfermagem

    transplante hepático assistência de enfermagem

    enfª intensivista gilvânia l. nogueira

  • o objetivo do curso é descrever a prática da enfermagem no transplante de fígado durante o pós-operatório na unidade de terapia intensiva (uti).

  • o primeiro transplante de fígado foi realizado em 1963 por starzl.

    no brasil, o primeiro transplante de fígado foi realizado por monteiro da cunha em 1968, e, com doador vivo, em 1989 por raia.

  • lei n. 5.479, de 10 de agosto de 1968, revogada pela lei n. 8489 de 18 de novembro de 1992 - regulamentação sobre a retirada e transplante de tecidos, órgãos e partes de cadáver para fins terapêuticos e científicos.

  • o brasil lidera o ranking mundial de transplantes de órgãos financiados pelo sistema único de saúde (sus), de onde partiu criação de uma coordenação nacional para um sistema de transplantes e a definição de critérios técnicos e de destinação de órgãos claros e transparentes.

  • lei n. 9434, de 4 de fevereiro de 1997 – dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante, juntamente com a lei n. 10211, de 2001, além do decreto n. 2.268, de 30 de junho de 1997, que regulamenta a destinação dos órgãos.

  • sistema nacional de transplantes (snt, 1997) ;

    listas únicas de receptores, centrais, estaduais de transplantes que normatizam a atividade, cadastram e autorizam serviços e equipes especializadas, estabelecem critérios de financiamento e impulsionam a realização dos procedimentos.

  • a distribuição de fígado é realizada pelas centrais de notificação, captação e distribuição de órgãos (cncdo).

  • PACIENTE SUBMETIDO AO TRANSPLANTE DE FÍGADO CANDIDATOS AO TRANSPLANTE

    paciente submetido ao transplante de fígado candidatos ao transplante

    o transplante de fígado é uma excelente modalidade terapêutica para pacientes com doença hepática aguda ou crônica em fase terminal, atingindo níveis de sobrevivência ao redor de 90% no primeiro ano e 85% após cinco anos.

  • CANDIDATOS AO TRANSPLANTE

    candidatos ao transplante

    algumas perguntas devem ser feitas antes de se indicar um transplante de fígdo:
    os sintomas do paciente decorrem de uma doença do fígado?
    existe algum tratamento menos agressivo?

  • CANDIDATOS AO TRANSPLANTE

    candidatos ao transplante

    o transplante vai “curar” o paciente?
    existe problema técnico impeditivo?
    o paciente quer ser transplantado?
    qual o melhor momento para o transplante?


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Transplante Hepático Assistência de Enfermagem
  • PACIENTE SUBMETIDO AO TRANSPLANTE DE FÍGADO CANDIDATOS AO TRANSPLANTE
  • CANDIDATOS AO TRANSPLANTE
  • AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOADOR
  • CUIDADOS E MANUTENÇÃO DO DOADOR FALECIDO
  • PROCEDIMENTOS PARA O TRANSPLANTE
  • Técnicas cirúrgicas convencionais
  • PIGGY-BACK
  • ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-OPERATÓRIO
  • Risco para infecção: risco aumentado para a invasão de organismos patogênicos.
  • Ansiedade
  • ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO
  • Déficit no autocuidado para banho/higiene
  • Integridade tissular prejudicada
  • Mobilidade física prejudicada
  • Risco para aspiração: devido ao rebaixamento do nível de consciência e da mobilidade gastrintestinal diminuída ou ausente
  • Risco para infecção
  • Risco para integridade da pele prejudicada
  • Risco para quedas
  • Proteção ineficaz relacionada à imunidade deficiente causada pela imunossupressão, à cicatrização prejudicada e à coagulopatia
  • Risco para constipação
  • Nutrição desequilibrada
  • Volume de líquidos excessivos
  • Padrão respiratório ineficaz
  • COMPLICAÇÕES PRECOCES
  • DISFUNÇÃO PRIMÁRIA DO ENXERTO
  • FALÊNCIA PRIMÁRIA DO ENXERTO
  • DISFUNÇÃO INICIAL DO ENXERTO
  • HEMORRAGIA
  • INSUFICIÊNCIA RENAL
  • TROMBOSE DA ARTÉRIA HEPÁTICA
  • REJEIÇÃO CELULAR AGUDA
  • COMPLICAÇÕES BILIARES
  • INFECÇÃO POR CITOMEGALOVÍRUS
  • COMPLICAÇÕES PULMONARES
  • TRANSPLANTE DE FÍGADO E SOBREVIDA