Curso Online de  teoria sobre o arrebatamento
4 estrelas 4 alunos avaliaram

Curso Online de teoria sobre o arrebatamento

quer saber como sera a o arrebatamento da igreja? é só clicar e aprender

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 3 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 150 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

quer saber como sera a o arrebatamento da igreja?
é só clicar e aprender

Sou pastor da igreja casa de oração p/ todas as nações, no bairro industrial americano,professor de seminário bíblico teológico, sou casado com a mss Daniele Alexandra, tenho 2 filhas abençoadas, formações; teologia historia da igreja hermeneutica homiletica doutrinas biblicas etica pastoral. e entre outras.


"Pude aprender muito mais sobre o arrebatamento, pois tinha uma visão e com o estudo pude enchegar melhor."

- Fernanda Brasero Sampaio Da Silva

"muito otimom para quem deseja saber e aprender ainda mais sobre o referido curso ele é excelente quer se salvar leia mais atravez deste curso na Buzzero.com Obrigado"

- Joao Luiz Leme

"INTERESSANTE , AFINAL É SEMPRE BOM SABER MAS UM POUCO"

- Monica James Araujo Lima

"muito bom ! Obrigado!"

- Cristiano Andre Santos Da Silva

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • TEORIAS SOBRE O ARREBATAMENTO

    TEORIAS SOBRE O ARREBATAMENTO

    Seminário teológico

  • 1. INTRODUÇÃO
    O conteúdo deste trabalho visa tratar do evento mais esperado pela igreja. No entanto, esta não é
    unânime em sua crença, ou seja, não vê da mesma maneira como e quando será o arrebatamento.
    Neste trabalho serão apresentadas três das quatro teorias a seu respeito, é importante mencionar que
    esta discussão só existe em meio aos pré-milenistas já que os amilenistas e pós-milenistas não crêem
    que existirá arrebatamento.

  • 2. A TEORIA DO ARREBATAMENTO PARCIAL
    Na análise do arrebatamento parcial não discute quando será o evento referente a grande tribulação, ou
    seja, se antes, no meio ou depois, o que ela traz a discussão é quem participará dele. Para o parcialista
    não são todos os crentes, mesmo sendo autênticos, que serão arrebatados, mas somente um grupo
    formado por aqueles que estão ansiosamente aguardando seu retorno e são dignos de participar:
    Quanto ao tempo os parcialistas são pré-tribulacionistas, crêem que o arrebatamento será antes da
    grande tribulação, fazendo com que os salvos que não esperavam com ansiedade a volta do senhor
    passem por ela a fim de aguardarem o retorno visível de Cristo. pensamento parcialista:

  • Toda a estrutura desta teoria está baseada nas seguintes referências bíblicas: Mt 25:1-13; Lc 21:36
    “Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por digno de evitar todas essas coisas que hão de acontecer e de estar em pé diante do Filho do Homem”; Tt 2:13 “aguardando bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo”; Hb9:28 “assim também Cristo, oferecendo-se uma vez, para tirar os pecados de muitos, aparecerá
    segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para a salvão 1Jo 2:28 “E agora, filhinhos,
    permanecei nele, para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança e não sejamos confundidos
    por ele na sua vinda.” Em todas estas referências há uma exortação a vigilância, no entanto não há o
    menor indicio de que só serão salvos os “havidos por dignos ”até porque este grupo não existe;
    ninguém é digno.
    Para uma sustentação viável desta teoria o parcialista precisa negar pontos fundamentais da doutrina
    cristã como:

  • a) A eficácia do sacrifício de Cristo (Hb 10:11-12);
    b) A adoção divina através de Jesus (Rm 8:15-16);
    c) A unidade da verdadeira igreja de Cristo sob a qual ele é a cabeça (Ef 4: 4-6);
    d) A eficácia da graça de Deus (Rm 3:24);
    e) O fato de que nenhuma parte da verdadeira igreja de Jesus irá passar pela grande tribulação (Ap
    3:10).

  • O apóstolo Paulo nos dá a resolução final em sua primeira carta à Igreja de Corinto:
    “Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem o s dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar lho so, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão, e nós seremos transformado..” (1 Co 15:51-52)

    Paulo nos informa que “todos” os que estiverem em Cristo serão transformados, isto se baseia na Justiça divina e não na humana, seguidos por aqueles que morreram em Cristo que também foram justificados e isto sim nos torna dignos.

  • Paulo nos informa que “todos” os que estiverem em Cristo serão transformados, isto se baseia na
    Justiça divina e não na humana, seguidos por aqueles que morreram em Cristo que também foram
    justificados e isto sim nos torna dignos.
    Por tudo isso fica totalmente descartada a possibilidade de um arrebatamento parcial.

  • 

    A TEORIA SOBRE O ARREBATAMENTO MESO OU MIDI
    TRIBULACIONISTA

  • Diferente do parcialista este grupo entende que todos os que estiverem em Cristo serão arrebatados,
    sua discussão é referente ao tempo do arrebatamento, isto é, quando ele acontecerá. Para o meso-tribulacionista ocorrerá em meio a grande tribulação.
    O Meso-tribulacionismo tem suas bases firmadas em interpretações figuradas ou alegorizadas de passagens que deveriam ser interpretadas literalmente. Vejamos quais são seus argumentos.

  • 3.1. A grande tribulação é dividida em duas fases destintas
    Quanto à duração do período tribulacional surge o primeiro problema, que é referente a uma suposta
    divisão em duas fases distintas, no entanto ao olharmos para Daniel 9:27 não encontramos nenhuma
    divisão na septuagésima semana, é certo que Jesus disse em Mateus 24:21 que na segunda metade do
    período as coisas iriam se agravar, porém isto não permite dizer que existirão duas partes
    independentes a ponto de caracterizarmos apenas a segunda metade como sendo a verdadeira grande
    tribulação. Segundo Daniel o pacto com Israel dará inicio a semana profética, sendo que no meio desta
    o anticristo rompera’ este pacto (Dn 9:27) trazendo dura perseguição aos israelenses (Ap 12:6). Este
    agravamento da situação é devido o fim da falsa paz instituída pelo anticristo (Ap 6:2) que agora
    revela sua verdadeira face e não devido o inicio de um outro período distinto.

  • 3.2. O capitulo 11 de apocalipse revela a ocasião arrebatamento
    Para sustentar um arrebatamento em meio a grande tribulação utilizam o capitulo 11 de apocalipse
    com sendo um fato incontestável da ocasião em que este ocorrerá, porém isto também só é possível se
    desprezamos uma interpretação cuidadosa de todo o livro quanto à sua cronologia. Os defensores da
    teoria afirmam que do capitulo 4 ao 11 temos a primeira parte de grande tribulação seguindo o
    raciocínio, afirma que do capitulo 12 ao 19 temos a segunda parte. Tendo capitulo 11 bem no meio da
    semana profética usam o seguinte versículo para afirmarem o momento do arrebatamento: “E ouviram uma grande voz do céu, que lhes dizia: Subi ao céu em uma nuvem; e os seus inimigos os viram.” (Ap 11:12). Se usarmos de analogias com certeza chegaremos á mesma conclusão, no entanto se interpretarmos o texto de maneira coerente e de acordo com uma exegese perfeita veremos que tudo não passa de um mal entendido. Vejamos alguns pontos que não se encaixam quando interpretamos corretamente:


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • ?TEORIAS SOBRE O ARREBATAMENTO