Curso Online de Seguranca no Trabalho em Altura
5 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de Seguranca no Trabalho em Altura

Objetivos ? Estabelecer os procedimentos necessários para a realização de trabalhos em altura, visando garantir segurança e integridade...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Objetivos
? Estabelecer os procedimentos necessários para a realização de trabalhos em
altura, visando garantir segurança e integridade física dos colaboradores e empresas
de terceiros (contratadas) que realizaram este tipo de trabalho e a proteção dos que
transitam nas áreas próximas.

Empresa voltada para o desenvolvimento de cursos livres profissionalizantes, com profissionais qualificados nos mais diversos ramos de atuação, especializados na elaboração de cursos para Ensino à Distância. Nosso objetivo é expandir e compartilhar o conhecimento por meio de uma equipe de profissionais de diversas áreas.


- Lucas Willian Da Silva Jardim

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • objetivos
    • estabelecer os procedimentos necessários para a realização de trabalhos em
    altura, visando garantir segurança e integridade física dos colaboradores e empresas
    de terceiros (contratadas) que realizaram este tipo de trabalho e a proteção dos que
    transitam nas áreas próximas.

    legislação
    nr 06 – equipamento de proteção individual
    nr 18 – obras de construção, demolição e reparos
    nbr 15475 – acesso por corda e certificação de pessoas
    nr 06 – equipamento de proteção individual
    iv - proteção contra quedas com diferença de nível:
    a) cinto de segurança para trabalho em altura superior a 2 (dois) metros em que haja
    risco de queda;
    b) cadeira suspensa para trabalho em alturas em que haja necessidade de
    deslocamento vertical, quando a natureza do trabalho assim o indicar;
    c) trava-queda de segurança acoplada ao cinto de segurança ligado a um cabo de
    segurança independente, para os trabalhos realizados com movimentação vertical
    em andaimes suspensos de qualquer tipo.

  • epi é todo dispositivo de uso individual, para proteger a saúde e a integridade física
    do trabalhador. só poderá ser comercializado e utilizado, se possuir o certificado de
    aprovação - ca, expedido pelo mte, nº que consta no próprio equipamento.
    obriga-se o empregador, quanto ao epi, a:
    a) adquirir o tipo adequado à atividade do empregado;
    b) treinar o trabalhador sobre o seu uso adequado e tornar seu uso obrigatório;
    c) substituí-lo quando danificado ou or alterações que torne seu uso impróprio.

    exemplos de epi's para trabalhadores em atividades de manutenção dextraviado, higienizá-lo e fazer sua manutenção;
    obriga-se o empregado, quanto ao epi, a:
    a) usá-lo p/ o fim a que se destina e responsabilizar-se por sua guarda e
    conservação;
    b) comunicar o empregade
    fachadas:

  • •a: trava queda ligado a cabo guia. b: cinto de segurança pára-quedista.

  • campo de aplicação

    manutenção em telhados (telhas, rufos, chaminés, exaustores etc.);
    troca de telhas;
    pintura, limpeza, lavagem e serviços de alvenaria nas fachadas e estruturas;
    instalação e manutenção elétrica;
    manutenção de redes hidráulicas aéreas.

    o que é trabalho em altura?
    • é toda a atividade executada acima de 2 metros do piso de
    referência.

    uma das principais causas de mortes de trabalhadores se deve a acidentes
    envolvendo queda de pessoas e materiais.
    • 30% dos acidentes de trabalho ocorridos ao ano são
    decorrentes de quedas.
    fonte mte
    • o risco de queda existe em vários ramos de atividades, devemos intervir nestas
    situações de risco regularizando o processo e tornando os trabalhos mais seguros.

  • devemos tomar medidas preventivas em todos os trabalhos realizados com risco
    de queda visando à segurança dos trabalhadores e terceiros.
    acidentes fatais por queda de atura ocorrem principalmente em:
    • obras da construção civil;
    • serviços de manutenção e limpeza em fachadas;
    • serviços de manutenção em telhados;
    • pontes rolantes;
    • montagem de estruturas diversas;
    • serviços em ônibus e caminhões;
    • depósitos de materiais;
    • serviços em linha de transmissão e postes elétricos;
    • trabalhos de manutenção em torres;
    • serviços diversos em locais com aberturas em pisos e paredes sem proteção, etc.

    atos que podem levar a acidentes fatais
    • excesso de confiança;
    • não uso ou uso incorreto dos epi´s;
    • descumprimento e/ou desconhecimento dos padrões de
    execução.

  • nr 8 – edificações

    • 8.3.2. as aberturas nos pisos e nas paredes devem ser protegidas de forma que
    impeçam a queda de pessoas e objetos.
    • importante: as proteções quando feitas em madeiras deve ser de 1° qualidade sem
    nós e devem ser pintadas com identificação de epc para impedir que sejam
    retiradas inadvertidamente.

    nr 18 - medidas de proteção contra quedas
    • 18.13.1. é obrigatório a instalação de proteção coletiva resistente onde houver risco
    de quedas de trabalhadores ou projeção e materiais.
    • 18.13.2. as aberturas nos pisos devem ter fechamento provisório resistente.
    • 18.13.3. os vãos de acesso às caixas dos elevadores devem ter fechamento
    provisório de, no mínimo, 1,20m (um metro e vinte centímetros) de altura, constituído
    de material resistente e seguramente fixado à estrutura, até a colocação definitiva
    das portas.
    • 18.13.5. a proteção contra quedas, quando constituída de anteparos rígidos, em
    sistema de guarda-corpo e rodapé deve atender aos seguintes requisitos:

    a) ser construída com altura de 1,20m (um metro e vinte centímetros) para o
    travessão superior e 0,70m (setenta centímetros) para o travessão intermediário;

  • b) ter rodapé com altura de 0,20m (vinte centímetros);
    c) ter vãos entre travessas preenchidos com tela ou outro dispositivo que garanta o
    fechamento seguro da abertura.

    movimentação e transporte de materiais e pessoas
    • 18.14.1.1 a montagem e desmontagem devem ser realizadas por trabalhador
    qualificado
    • 18.14.2 todos os equipamentos de movimentação e transporte de materiais e
    pessoas só devem ser operados por trabalhador qualificado, o qual terá sua função
    anotada em carteira de trabalho
    • 18.14.3 no transporte vertical e horizontal de concreto, argamassas ou outros
    materiais, é proibida a circulação ou permanência de pessoas sob a área de
    movimentação da carga, sendo a mesma isolada e sinalizada.
    • 18.14.19 é proibido o transporte de pessoas por equipamento de guindar.
    andaimes
    • 18.15.3. o piso de trabalho dos andaimes deve ter forração completa,
    antiderrapante, ser nivelado e fixado de modo seguro e resistente.
    • 18.15.6. os andaimes devem dispor de sistema guarda-corpo e rodapé, inclusive
    nas cabeceiras, em todo o perímetro, conforme subitem 18.13.5, com exceção do
    lado da face de trabalho.

  • • 18.15.8. é proibida, sobre o piso de trabalho de andaimes, a utilização de escadas
    e outros meios para se atingirem lugares mais altos.
    • 18.15.13. é proibido o deslocamento das estruturas dos andaimes com
    trabalhadores sobre os mesmos
    • 18.15.14. os andaimes cujos pisos de trabalho estejam situados a mais de 1,50m
    (um metro e cinqüenta centímetros) de altura devem ser providos de escadas ou
    rampas.
    obs. o uso de cinto de segurança, talabartes duplos e conectores de grande
    abertura satisfazem perfeitamente a todos os requisitos de segurança.

    • andaime suspenso mecânico
    • largura mínima útil: 65 cm

  • • largura máxima útil: 90 cm
    • comprimento máximo: 8 m
    • carga mínima em qualquer ponto deve ser de 200kgf.

    18.15.31 - o trabalhador deve utilizar
    cinto de segurança tipo pára-quedista,
    ligado ao trava-quedas de segurança
    este, ligado a cabo–guia fixado em
    estrutura independente da estrutura de
    fixação e sustentação do andaime
    suspenso.

    18.15.32 - a sustentação dos andaimes
    suspensos deve ser feita por meio de vigas, afastadores ou outras estruturas
    metálicas de resistência equivalente a, no mínimo, três vezes o maior esforço
    solicitante.

  • ponto de ancoragem:
    • é um dispositivo para ancoragem de cordas para
    retirada de vítimas e acesso de bombeiros na
    edificação e área de risco. deve ser constituído de
    material resistente a intempéries, não provocar
    abrasão ou esforços cortantes nas cordas e resistir
    a esforços de tração de 3.000 kgf.

    • exemplo de pontos de ancoragem definitivos em
    edifício p/ serviços de manutenção de fachada. ancoragem deve ser de aço inox,
    fixada em parte estrutural do edifício;

  • • construtoras não costumam deixar pontos de
    ancoragem definitivos nos edifícios. anos após
    a construção, a necessidade de realizar
    serviços de manutenção em fachadas induz a
    ancoragem de cabos guia e de sustentação em
    pontos improvisados, com risco de acidentes.
    é proibida a fixação de sistemas de sustentação
    dos andaimes por meio de sacos com areia,
    pedras, latas ou qualquer outro meio similar.

    pode-se utilizar sistema contrapeso como forma
    de fixação dos andaimes suspensos, desde que
    este atenda as seguintes especificações mínimas:


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail: