Curso Online de MUSEOLOGIA
5 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de MUSEOLOGIA

Este curso de aborda muitos assuntos relativos a esta ciência, sendo por isso um curso muito completo e intensivo

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 22 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso de aborda muitos assuntos relativos a esta ciência, sendo por isso um curso muito completo e intensivo

EUROPA LEARNING é um programa especializado em ensino à distância. Apresentamos cursos em todas as areas, criados a pensar em voce. Investimos não só na qualidade de nosso material didático, como também em novos meios para difundir conceitos e técnicas de forma eficiente para todos alunos. Por isso hoje este projeto orgulhosamente traz ao Brasil cursos de primeira linha criando novas tendências de mercado quando o assunto é e-learning


- Haryella Nittyele Juvenal

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Gestão de Museus

    Gestão de Museus

  • Gestão de Museus Património: seu conceito Museus: o que são? para que servem? Gerir um Museu

    Gestão de Museus Património: seu conceito Museus: o que são? para que servem? Gerir um Museu

  • Património: seu conceito

    Património: seu conceito

  • Definição de Património: conceito alargado

    Portugal: Decreto-Lei n. 120/97 de 16 de Maio

    «Considera-se património arquitectónico de interesse cultural ou, em equivalência, bens culturais imóveis integrantes do património cultural português ou património cultural arquitectónico as estruturas imóveis criadas e implantadas no território pelo homem, ou que o homem produziu transformando a Natureza, dotadas de um valor simbólico».

    França: Lei de 31 de Dezembro de 1913

    O património é «um conjunto de antigos monumentos e sítios construídos revestindo-se de interesse artístico, histórico e cultural».

    França. P. Bady – Les monuments français. 1984

    O património «são quer os edifícios, por exemplo: castelos, palácios, catedrais, igrejas, cuja conservação se reveste, do ponto de vista da história ou da arte, de interesse público, quer os objectos móveis (...) cuja conservação se reveste, do ponto de vista da história, da arte, da ciência ou da técnica de interesse público».

  • Definição de Património: conceito alargado

    Itália. C. Bodo – Rapport sur le patrimoine en Italie. 1987

    «O património é o conjunto dos bens artísticos, históricos e arqueológicos».

    Alemanha. X. Dupuis; X. Greffe – La valorisation économique du patrimoine. 1986

    «O património são as coisas úteis para conhecer a nossa sociedade, feitas com esse objectivo e cuja salvaguarda é de interesse público por motivos artísticos, científicos, técnicos, históricos ou urbanísticos».

  • Porquê valorizar o património

    É a imagem vivida da identidade cultural de um povo, de uma região, de um local.
    O património é, em primeiro lugar para ser fruído, respeitado e amado pelos que nele vivem, só, em segundo lugar, pelos que o visitam;
    O património, como os museus, são «os olhos do Passado, postos no Futuro»;
    É um factor de desenvolvimento económico

    Insere-se, valoriza e é valorizado pelo «Turismo cultural».

    Gera emprego
    Gera receitas

  • O património e os seus intervenientes

    Em que perspectiva se deve analisar, para depois gerir, o património?
    Começar por identificar os intervenientes.

    Emissor o objecto do fluxo: edifício / colecção
    Transmissor o agente cultural que ajuda a explicar (e que dinamiza e divulga) o que se vai ver
    Receptor o visitante / o público

    Emissor

    Receptor

    Transmissor

  • Análise dos intervenientes

    O emissor
    (edifício / colecção / centro histórico / exposição)

    Como «agarrar» o emissor de modo a que seja requerido pelo visitante
    Definir a quem se destina o emissor
    Por quanto tempo?
    Como patrimonializar. Ou seja, como fazer com que o emissor seja sentido como de quem o visita, «nosso»
    Como o gerir?
    Deve ou não pagar-se bilhete para visitar?

  • Análise dos intervenientes

    O receptor
    (público / visitantes)

    Quem é, quem são os receptores?
    O que o(s) leva a visitar o emissor
    Quem visita?
    Como visita?
    Durante quanto tempo visita?
    A importância dos inquéritos
    Diferença entre o receptor e o emissor exógeno
    A importância do marketing

  • Análise dos intervenientes

    O transmissor
    (Gestor / Director de Museu / Comissário de exposição)

    Que qualidades deve ter o transmissor?

    Postura profissional
    Ter conhecimento do meio envolvente
    Bom gestor de pessoas, objectos e meios
    Espírito de equipa
    Senso comum (teórico-prático)
    Postura social
    Qualidades de animação e divulgação
    Criatividade
    Inovação constante
    Iniciativa
    Idealismo
    Pragmatismo

    Que defeitos deve o transmissor evitar?

    Autismo (muito grave!)
    Trabalho individual (Ghetto; ilha)
    Autoritarismo
    Inação
    Desprezo pelo meio envolvente
    Arrogância

  • Museus: o que são? Para que servem?

    Museus: o que são? Para que servem?


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Gestão de Museus
  • Gestão de Museus Património: seu conceito Museus: o que são? para que servem? Gerir um Museu
  • Património: seu conceito
  • Museus: o que são? Para que servem?
  • Gerir um Museu
  • OFICINA DE MUSEOLOGIA
  • Definições de museu
  • BREVE HISTÓRIA DOS MUSEUS
  • Ashmolean Museum - 1683
  • Museu Britânico - 1753
  • Museu do Louvre - 1793
  • Louvre
  • HISTÓRICO DOS MUSEUS NO BRASIL
  • Prédio da Rocinha, na entrada do Parque Zoobotânico, 1902.
  • 1871 – a cidade de Belém no ano de fundação do museu
  • Urna funerária – coleção de arqueologia
  • Estação Científica Ferreira Penna, na Floresta Nacional de Caxiuanã
  • Museu Paulista - 1895
  • Décadas de 20 e 30
  • Neste contexto são criadas as seguintes instituições:
  • Década de 60
  • Década de 70
  • Museus no mundo contemporâneo
  • O que deve pertencer a um museu e as suas coleções?
  • TIPOLOGIAS DE MUSEUS
  • 1. Museu Tradicional 1.1 Museu Tradicional Ortodoxo (acadêmico)
  • Museu Histórico Nacional – RJ
  • Capela Imperial do Paço de São Cristóvão (MHN).
  • Exposição de ex-votos (MHN)
  • Exposição “E por falar em moda”, 2002 (MHN)
  • Museu Nacional de Belas Artes - RJ
  • A Cultura em Tempos de AIDS - MNBA
  • Museu Imperial – Petrópolis/RJ
  • Entrada
  • MASP
  • Museu de Girona - Espanha
  • Museu de História Natural - Paris
  • 1.2 Museu Tradicional do Tipo Interativo (exploratório)
  • Museu de Astronomia e Ciências Afins - RJ
  • 1.3 Museu Tradicional com Coleções Vivas
  • Jardim Zoológico
  • Oceanário - Lisboa
  • 2. Museus de Território
  • 2.1 Museus Comunitários e Ecomuseus
  • Norsk Folkemuseum
  • 2.2 Parques Nacionais e outros sítios naturais musealizados
  • Parque Nacional das Emas – GO/MS
  • Parque Nacional da Serra da Capivara - PI
  • 2.3 Cidades monumentos
  • Ouro Preto - MG
  • Olinda - PE
  • Parati - RJ
  • 2.3 Museus Virtuais
  • PROJETO/PLANO MUSEOLÓGICO
  • Antes do ato de criação do Museu é necessário a apresentação de um projeto
  • Criação de museus
  • Termo de criação
  • Documentos obrigatórios
  • Regimento interno
  • Termo de extinção
  • Outros documentos importantes para o Museu
  • PLANO MUSEOLÓGICO: UMA FERRAMENTA INDISPENSÁVEL PARA A GESTÃO DE MUSEUS
  • MISSÃO
  • PLANO MUSEOLÓGICO
  • Razões para não planejar (segundo Davies, 2001)
  • Vantagens de se planejar (segundo Davies, 2001)
  • Não existe a “maneira certa” para preparar um plano museológico
  • Mas, que partes você esperaria encontrar em um plano museológico bem estruturado?
  • Diagnóstico da situação atual
  • Análise SWOT (segundo Davies, 2001)
  • Estabelecendo metas estratégicas
  • Cada meta estratégica estará, provavelmente, relacionada a uma área de atividade essencial do museu, por exemplo:
  • Objetivos:
  • Relacionando Metas estratégicas, Estratégia e Objetivos
  • Avaliação de desempenho
  • Dicas dos especialistas
  • Projeto museográfico
  • Século XVI / XVII
  • 2. Século XVIII
  • Século XIX
  • Fim do século XIX
  • Século XX
  • Exposição
  • Caracteriza a exposição
  • Uma exposição também é:
  • Sob o ponto de vista técnico uma exposição também é uma composição cujos elementos se encontram dispostos num espaço pré-determinado, harmonicamente combinados.
  • É importante perceber a realidade
  • Quatro métodos básicos de técnicas expositivas:
  • Conjunto de elementos que devem formar uma composição
  • Em todas as exposições você parte de um espaço real para o espaço criado museográficamente, para atender o projeto.
  • Relação existente entre o espaço real e o espaço criado
  • Ampliar o espaço:
  • Reduzir espaço
  • Recursos visuais: não modificam fisicamente o espaço
  • Elaboração do projeto museográfico Etapas do desenvolvimento do projeto
  • Proposta
  • Ante-projeto
  • Projeto
  • Relatório
  • Detalhamento das informações técnicas
  • 2. Planta de definição de núcleos
  • 3 . Planta de suporte de vitrines
  • 4. Planta/potencial de circulação
  • Faz-se um estudo de circulação considerando:
  • 5. Planta de iluminação
  • É importante a localização dos pontos de luz
  • 6. Estudo de segurança
  • Noções de conservação Estes materiais não devem ser expostos mais do que três meses
  • Manuseio e embalagem de obras de arte
  • Textos em sala: