Curso Online de .TEORIA MUSICAL.

Curso Online de .TEORIA MUSICAL.

O objetivo desse CURSO BUZZERO.COM é fornecer uma boa base teórica sobre música, mas de uma maneira simples e fácil de compreender, ao co...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 5 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

O objetivo desse CURSO BUZZERO.COM é fornecer uma boa base teórica sobre música, mas de uma maneira simples e fácil de compreender, ao contrário de tudo o que você já viu por aí. Vamos preencher as lacunas do seu conhecimento, sejam elas quais forem, até que você possa utilizar sua criatividade na essência, com conhecimento sólido. Esperamos que esse site não seja apenas mais um para se esquecer, mas que sirva de referência e resolva (de verdade) suas complicações.

formação pedagógica de professor de música



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • TEORIA MUSICAL

    TEORIA MUSICAL

    O que é música?
    A pergunta “o que é música” tem sido alvo de discussão há décadas.
    Alguns autores defendem que música é a combinação de sons e silêncios de uma maneira organizada. Vamos explicar com um exemplo: Um ruído de rádio emite sons, mas não de uma forma organizada, por isso não é classificado como música. Essa definição parece simples e completa, mas definir música não é algo tão óbvio assim. Podemos classificar um alarme de carro como música? Ele emite sons e silêncios de uma maneira organizada, mas garanto que a maioria das pessoas não chamaria esse som de música.

  •   Então, o que é música afinal?

      Então, o que é música afinal?

     De uma maneira mais didática e abrangente, a música é composta por melodia, harmonia e ritmo.

  • Melodia

    Melodia

     
    Melodia é a voz principal do som, é aquilo que pode ser cantado.

  • Harmonia

    Harmonia

    Harmonia é uma sobreposição de notas que servem de base para a melodia. Por exemplo, uma pessoa tocando violão e cantando está fazendo harmonia com os acordes no violão e melodia com a voz. Cada acorde é uma sobreposição de várias notas, como veremos adiante em outros tópicos. Por isso que os acordes fazem parte da harmonia.
    Obs: Vale a pena destacar que a melodia não necessariamente é composta por uma única voz; é possível também que ela tenha duas ou mais vozes, apesar de ser menos frequente essa situação. Para diferenciar melodia de harmonia nesse caso, podemos fazer uma comparação com um navio no oceano. O navio representa a harmonia e as pessoas dentro do navio representam a melodia. Tanto o navio quanto as pessoas estão se mexendo, e as pessoas se mexem dentro do navio enquanto ele trafega pelo oceano. Repare que o navio serve de base, suporte, para as pessoas. Elas têm liberdade para se movimentar apenas dentro do navio. Se uma pessoa pular para fora do navio, será desastroso. Com melodia e harmonia, é a mesma coisa.

  • Ritmo

    Ritmo

    Ritmo é a marcação do tempo de uma música. Assim como o relógio marca as horas, o ritmo nos diz como acompanhar a música.
    Cada um desses três assuntos precisa ser tratado à parte. Um conhecimento aprofundado permite uma manipulação ilimitada de todos os recursos que a música fornece, e é isso o que faz os “sons e silêncios” ficarem tão interessantes para nosso ouvido. Aqui no curso de teoria musical você vai aprender como trabalhar tudo isso. Afinal, mais importante do que saber o que é musica, é saber como trabalhar em cima dela. 

  •   Notas musicais

      Notas musicais

    Notas musicais são os elementos mínimos de um som. Quando uma corda vibra, ela movimenta as moléculas de ar ao seu redor. Essa agitação das moléculas ocorre na mesma frequência de vibração da corda.
    O ouvido humano capta essa vibração do ar e a processa atribuindo um som ao cérebro.  Para cada frequência de vibração, o cérebro atribui um som diferente (uma nota diferente).
    Como representar as notas musicais?
    As notas musicais podem ser identificadas por letras para facilitar a escrita e aumentar a velocidade de leitura. A notação utilizada é universal, o que facilita a comunicação com músicos de outros países.
    Existem 7 letras para representar as notas musicais. A definição das letras e suas notas correspondentes é a seguinte:
    C –> dó D –> ré E –> mi F –> fá G –> sol A –> lá B –> si  (H no alemão)
     Existe também outra representação para as notas musicais, que não depende de letras. É a famosa partitura. Você já deve ter visto por aí algo parecido com isto:

    Pois bem, isso é uma representação por partitura. Como ela é bem mais detalhada e completa (envolve ritmos e tudo o mais),
    criamos um tópico específico para explicar e ensinar tudo o que você precisa saber sobre partitura.

  • Timbre

    Timbre

    Timbre é a característica peculiar de cada som. Apesar de aprendermos no colégio que o som é uma onda, essa onda não é bonitinha (senoidal) como aparece nos livros:

     Cada onda sonora apresenta um formato característico, que depende do material que produziu o som.
    Isso é o que define o timbre do som. Timbre é o que diferencia dois sons de mesma frequência (mesma nota).
    Por exemplo, a nota Dó tocada no violão tem um som muito diferente da nota Dó tocada no teclado ou na flauta.
    Isso significa que esses instrumentos possuem timbres diferentes.

  • Timbre dos instrumentos

    Timbre dos instrumentos

  • Quanto mais prática e experiência um músico desenvolver, mais apurado ficará o seu ouvido para conseguir distinguir o timbre peculiar de cada instrumento. Por exemplo, dois violões de mesmo modelo e mesmo fabricante podem possuir timbres diferentes. Isso ocorre pelo fato da fabricação não ser exatamente igual para todos os instrumentos em uma linha de montagem. Qualquer milímetro de diferença no posicionamento ou encaixe de uma peça já altera o timbre de um instrumento acústico e, muitas vezes, esses detalhes passam despercebidos pela maioria dos músicos.

  • Obs: nos instrumentos eletrônicos, as diferenças de timbre se devem à fabricação dos autofalantes, cabos, portas lógicas e demais itens que compõe os circuitos desses instrumentos.
    Quanto mais apurado seu ouvido estiver, melhor será sua escolha no momento de comprar um instrumento, pois conseguirá perceber a diferença e característica peculiar de cada modelo, tipo, fabricante, etc.
    Ao conhecer a definição de timbre você já deu o primeiro passo. Agora é hora de treinar seu ouvido para ficar sensível a diferentes timbres. Experimente tocar em instrumentos parecidos, fazer algumas alterações como trocar o encordoamento (nos instrumentos de corda), entre outras ideias para analisar os diferentes sons.

  • Sustenido e bemol

    Sustenido e bemol

    O que significa sustenido e bemol?
    Na música ocidental, há 12 notas: dó, dó#, ré, ré#, mi, fá, fá#, sol, sol#, lá, lá# e si. O símbolo “#” significa sustenido. Dessas 12 notas, 7 delas recebem um nome específico (dó, ré, mi, fá, sol, lá, si) e as demais são identificadas por um sustenido (#) ou bemol (b) dessas notas, também chamados de alterações. Um sustenido, por definição, é a menor distância entre duas notas na música ocidental, assim como um bemol. A diferença de nomenclatura (bemol ou sustenido) serve apenas para indicar se estamos nos referindo a uma nota acima ou abaixo. Por exemplo: Ré bemol é o mesmo que Dó sustenido. Leia a próxima seção “o que são tons e semitons” para complementar esse conceito. Abaixo seguem algumas representações e suas equivalências, para facilitar o entendimento:
    Ré # # = Mi
    Mi b b = Ré
    Mi # = Fá
    Fá b = Mi
    Na prática, não se costuma usar a escrita (# #) ou (b b) por que é muito mais fácil dizer, por exemplo, Mi do que Ré ##. Não faz muito sentido usar essa segunda representação; mostramos aqui apenas para fins de entendimento. Da mesma forma, não se costuma utilizar a nomenclatura Mi#, nem Si#, por se tratarem das notas Fá e Dó, respectivamente.
    Sustenidos no piano
    No piano, as teclas brancas contêm as notas com nome específico (C, D, E, F, G, A, B) e as teclas pretas contêm as alterações (C#, D#, F#, G#, A#).
     


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • TEORIA MUSICAL
  •   Então, o que é música afinal?
  • Melodia
  • Harmonia
  • Ritmo
  •   Notas musicais
  • Timbre
  • Timbre dos instrumentos
  • Sustenido e bemol
  • Tom e semitom
  • Notas violão e notas teclado
  • Notas no violão
  • Escalas musicais
  • Escala menor
  • Escala Dó maior
  • Escala Dó menor
  •   Mais que um curso de teoria musical
  • ARPEGGIO.
  • Arpeggio de Dm (Ré menor, nos cinco formatos menores:
  • - Substituindo acordes de mesma função harmônica:
  • FUNÇÃO HARMÔNICA