Curso Online de Urbanização e Rede de Cidades

Curso Online de Urbanização e Rede de Cidades

Trata sobre alguns aspectos referentes à urbanização, além da questão das redes de cidades.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 9 horas

Por: R$ 35,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Trata sobre alguns aspectos referentes à urbanização, além da questão das redes de cidades.

Bacharel em Arquivologia. Licenciatura em Geografia. Mestrado em Geografia na Universidade Federal de Santa Maria.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • REDES DE CIDADES
    E
    URBANIZAÇÃO

  • Capitalismo Financeiro são verificadas diversas mudanças no espaço das cidades, como a da megalópole e a da metrópole.

    Revolução Industrial e as cidades:
    A partir da Revolução Industrial, a relação entre o capitalismo e a urbanização se intensifica. (MOREIRA,1999)

    O nascimento da indústria deu origem a cidades insalubres, marcadas pela aglomeração dos pobres em pequenos quartos de cortiços do século XIX na Europa e nos EUA.

    Beco de Slum em Glasgow, Escócia durante a Revolução Industrial.
    Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki

  • 1. AS INTERAÇÕES URBANAS
    CONTEMPORÂNEAS

    Os sistemas urbanos constituem redes, formadas por um conjunto hierarquizado de cidades com tamanhos diferentes, ou seja, onde se observa a influência exercida pelos centros maiores sobre os centros menores. (MOREIRA, 1999)
    Em que sentido??

    A HIERARQUIA URBANA SE ESTABELECE A PARTIR DOS PRODUTOS E DOS SERVIÇOS QUE AS CIDADES TÊM PARA OFERECER. Sua evolução ocorre pelo avanço dos meios de transportes e comunicações. Atualmente surge um novo processo e forma espacial gerado pela “informação”.

  • 2. AS METRÓPOLES CONTEMPORÂNEAS

    As metrópoles correspondem aos centros urbanos de grande porte. Dessa forma, eles são populosos, modernos e dotados também de graves problemas de desigualdades sociais.
    Nas metrópoles há o predomínio do trabalho assalariado que, junto ao tamanho expressivo de população existente acaba formando um significativo mercado consumidor.
    Mesmo que as indústrias, as empresas agrícolas, os grandes bancos e as grandes empresas comerciais estejam localizados nas regiões mais diversas, a sede sempre se instala na metrópole.

  • O processo de metropolização concentra de maneira crescente, os homens, as atividades, em aglomerações de milhares de habitantes, conectadas na economia internacional.

    Ele acompanha as transformações das grandes cidades e de sua periferia, constituindo espaços urbanizados cada vez mais vastos, heterogêneos, descontínuos, formados as vezes, de várias grandes cidades, diminuindo sua relação com a economia regional, nas quais a periferia se transforma em espaços e serviços de lazer (ASCHER, 1995).

  •  
    2.1. PROBLEMAS DA METROPOLIZAÇÃO

    Os problemas da metropolização envolvem alguns temas urbanos que ocorrem também em cidades menores. (SCARLATO, 1998, p.434).
    Desde 1966 o IBGE vem-se preocupando com os estudos dessas grandes manchas urbanas e suas relações com a redes de cidades.

    Critérios adotados pelo IBGE para classificar a hierarquia das cidades:

    rede viária e dos movimentos de massa (fluxos de passageiros);

    => estudo do fluxo de bens e serviços entre os diferentes centros do país (comércio varejista, atacadista, prestação de serviços de saúde, educação e bancos)

  • Crescimento das cidades e seus problemas:

    Quanto mais se fortalecem os centros polarizadores (metrópoles e centros regionais) do território nacional, mais crescem os problemas de habitação, transporte e saneamento básico, sendo o mais grave o da habitação, o qual resulta da natureza monopolista do mercado do solo urbano.

    Dessa forma, os lotes adquirem estimula a verticalização, ou seja, o chamado solo criado, cada vez menos acessível as classes de baixa renda, que acabam nas periferias e nos cortiços.

    O adensamento do centro, a poluição, o congestionamento, a baixa qualidade de vida levam pessoas que tem condições a se deslocar de seus imóveis para áreas mais bem servidas. Assim, elas vendem ou sublocam estes imóveis, até mesmo dividindo-os em vários cômodos para obter maior renda.
     
    A necessidade de planos diretores e as leis de zoneamento devem servir para controlar e planejar o desenvolvimento das cidades com racionalidade, mas na realidade estes instrumentos legais apenas servem para beneficiar os bairros mais nobres do que para melhorar os já deteriorados.

  • A partir dos estudos do IBGE foi possível identificar uma hierarquia de importância entre os grandes centros urbanos, resultando no seguinte:

    metrópoles nacionais: (São Paulo e Rio de Janeiro);

    metrópoles regionais: (Recife, Salvador, Belém, Curitiba, Porto Alegre, Fortaleza e Belo Horizonte);

    centros regionais: (Brasília, Goiânia , Campinas, Campina Grande, Londrina, Santa Maria, Caxias do Sul etc.)

  • SÃO PAULO - SP

    RIO DE JANEIRO - RJ

  • Belo Horizonte - MG

    Porto Alegre - RS

  • SANTA MARIA -RS


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 35,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • CIDADES PEQUENAS, MÉDIAS E GRANDES
  • Cidades Pequenas
  • As cidades médias