Curso Online de Institucionalização da Educação Pública no Brasil

Curso Online de Institucionalização da Educação Pública no Brasil

Discorre sobre a institucionalização da Educação Pública no Brasil no Período Colonial e no Período Imperial.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Discorre sobre a institucionalização da Educação Pública no Brasil no Período Colonial e no Período Imperial.

Graduada em Direito. Licenciada em Filosofia.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • A institucionalização da educação pública no Brasil

    Meados do século XVIII e século XIX

    A institucionalização da educação pública no Brasil

    Gleide Alcântara
    Licenciada em Filosofia

  • Período Colonial

    Período Colonial

    Reforma Protestante – Contra Reforma;

    Regime de Padroado: Tratava-se de um instrumento jurídico tipicamente medieval que possibilitava um domínio direto da Coroa nos negócios religiosos, especialmente nos aspectos administrativos, jurídicos e financeiros;

    Companhia de Jesus – Instituição das Missões: catequese dos silvícolas e a educação das novas gerações;

    Ensino religioso com ênfase na doutrina da religião Católica Apostólica Romana;

  • Período Colonial

    Período Colonial

    Missão jesuítica: catequização dos índios, formação básica (ler e escrever) para os filhos dos colonos e manter todos afastados da influência protestante;

    Catequese como instrumento de manipulação, utilizada para dominar, explorar e evangelizar os índios e os escravos, modificando a sua concepção de mundo, sua mentalidade, desenvolvendo assim atitudes de submissão;

    Pedagogia: caracterizada pelo apego à autoridade, pela transmissão disciplinada de uma cultura literária, retórica, enciclopédica e mnemônica que inibia a criatividade e toda atividade inovadora. Ordem – Disciplina – Método.

  • Período Colonial

    Período Colonial

    D. José I – Reformas Pombalinas

    Como primeiro-ministro, o Marquês de Pombal cuidou de toda a administração do Estado português. Trabalhou para fortalecer o poder real, racionalizar a administração, libertar Portugal da dependência econômica em relação à Inglaterra e desenvolver a administração colonial;

    Na educação o sistema de ensino é retirado da responsabilidade da Igreja e passa ao controle do Estado. A Universidade de Évora, pertencente aos jesuítas é extinta, e a Universidade de Coimbra sofre profunda reforma, sendo totalmente modernizada.

  • Período Colonial

    Período Colonial


    D. José I – Reformas Pombalinas

    A ação reformadora de Pombal estendeu-se ao âmbito da política e do estado. Nesse campo o primeiro-ministro empenhou-se no fortalecimento do absolutismo do rei e no combate a setores e instituições que poderiam enfraquecê-lo. Diminuiu o poder da Igreja, subordinando o Tribunal do Santo Ofício (Inquisição) ao Estado, e em 1759, expulsou os jesuítas da metrópole e da colônia, confiscando seus bens, sob a alegação de que a companhia de Jesus agia como um poder autônomo dentro do estado português;

    O Estado assume diretamente a responsabilidade sobre a instrução escolar e regulamenta as Missões afastando os padres de sua administração, e cria, em 1757, o Diretório para gerir os antigos aldeamentos.

  • Período Colonial

    Período Colonial

    D. José I – Reformas Pombalinas
    Expulsão dos jesuítas (1759);

    Instrução pública (1759);

    Extinção das Escolas Jesuíticas e criação das Escolas Menores (Alvará Régio de 28/06/1759);

  • Período Colonial

    Período Colonial

    D. José I – Reformas Pombalinas
    Criação da Real Mesa Censória (Alvará de 05/04/1768);
    Subsídio Literário (Alvará 10/11/1772);
    Aulas régias (1774);
    Professores régios (1760).

  • Período Colonial

    Período Colonial

    D. Maria I – A Piedosa

    Na educação se manteve a estrutura montada por Pombal com ligeira ampliação do número de escolas de Primeiras Letras, a criação de novas cadeiras e aulas avulsas de estudos intermediários, além de incentivos à instrução de meninas;

    Estímulos à educação e à ciência, com a criação de vários órgãos e instituições voltados para a pesquisa científica;

    Inconfidência Mineira: importante expressão das ideias iluministas e liberais com significante produção cultural.

  • Período Colonial

    Período Colonial

    D. João VI
    Transferência da Corte para o Brasil (1808);
    Real Horto (1808) – Jardim Botânico/RJ (1818);
    Criação da Imprensa Régia (1808);
    Criação da Escola Anatômico-cirúrgica e Médica (1808);

  • Período Colonial

    Período Colonial

    D. João VI
    Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro (1810);
    Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios (1816);

    Apesar da importância das mudanças implantadas por D. João VI, todas as medidas e instituições serviram somente a elite e tiveram como objetivo formar uma casta dirigente brasileira.

  • Império

    Império


    Primeiro Reinado

    Constituição de 1824: Art. 179. (...) garantia da “instrução primária gratuita a todos os cidadãos”;

    Lei de 15 de outubro de 1827: determinou a criação de escolas de Primeiras Letras em todas as vilas, cidades e lugares. Propunha ainda a abertura de escolas para meninas;

    Método de Ensino: Ensino Mútuo ou Método Lancaster para a Instrução Pública (1827);


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • A institucionalização da educação pública no Brasil
  • Período Colonial
  • Império
  • A Escola Elementar no Século XIX Método Mútuo/Método Lancaster
  • Referências