Curso Online de TRANSTORNO DA PERSONALIDADE BORDERLINE

Curso Online de TRANSTORNO DA PERSONALIDADE BORDERLINE

O presente curso trás, sob a abordagem da psicologia humanista, as possíveis motivações, propósitos e significados que o indivíduo com Tr...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 6 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

O presente curso trás, sob a abordagem da psicologia humanista, as possíveis motivações, propósitos e significados que o indivíduo com Transtorno da Personalidade Borderline (TPB) atribui seu comportamento automutilante.
São usadas as palavras automutilação e autolesão, pois entende-se como uma agressão praticada em si próprio.
Os objetivos específicos tratarão de compreender o que é o Transtorno da Personalidade Borderline/Limítrofe, apresentando os comportamentos automutilantes praticados em si próprio, auxiliando o portador da doença e seus familiares na compreensão da patologia e na busca de recursos para lidar com a doença.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • O COMPORTAMENTO AUTOMUTILANTE EM PESSOAS PORTADORAS DO TRANSTORNO DA PERSONALIDADE BORDERLINE

    Psicóloga Kathleen Aparecida Licimburg

  • As informações do presente curso foram extraídas da minha monografia realizada no ano de 2014 apresentado à banca examinadora, onde busco compreender, sob a abordagem da psicologia humanista, as possíveis motivações, propósitos e significados que o indivíduo com Transtorno da Personalidade Borderline (TPB) atribui seu comportamento automutilante. Baseia-se em pesquisas bibliográficas que se enquadram dentre livros, artigos e revistas com textos teóricos de autores que discutem da mesma problemática, incluindo a autobiografia da autora norte-americana Susanna Kaysen “Garota, Interrompida”, a qual foi diagnosticada com Transtorno da Personalidade Borderline.
    Propõe-se também a apresentar as particularidades desse transtorno, além de recursos para tratamento dessa patologia, uma vez que, a pessoa se conscientizando sobre a importância e necessidade do acompanhamento terapêutico ela poderá aliviar seu sofrimento.

  • LISTA DE ABREVIATURAS
     
     
    CID Classificação Internacional das Doenças
    DSM Manual Estatístico e Diagnóstico de Doenças Mentais (Diagnostic and Statistical Manual Mental Disorders)
    TPB Transtorno da Personalidade Borderline
    TPL Transtorno da Personalidade Limítrofe

  • 1. INTRODUÇÃO

    O presente curso trás, sob a abordagem da psicologia humanista, as possíveis motivações, propósitos e significados que o indivíduo com Transtorno da Personalidade Borderline (TPB) atribui seu comportamento automutilante.
    São usadas as palavras automutilação e autolesão, pois entende-se como uma agressão praticada em si próprio.
    Os objetivos específicos tratarão de compreender o que é o Transtorno da Personalidade Borderline/Limítrofe, apresentando os comportamentos automutilantes praticados em si próprio, auxiliando o portador da doença e seus familiares na compreensão da patologia e na busca de recursos para lidar com a doença.

  • O Transtorno da Personalidade Borderline (TPB), também conhecido como Transtorno da Personalidade Limítrofe (TPL), é definido como um transtorno da personalidade grave, caracterizado pela instabilidade emocional e/ou humor imprevisível e caprichoso, modo de agir imprevisível sem consideração pelas consequências, acessos de cólera e uma incapacidade de controlar seus impulsos.
    Pessoas com esse transtorno apresentam comportamentos briguentos causando conflitos com frequência, principalmente quando seus atos são contrariados ou censurados. São vistas como pessoas extremamente impacientes, são intolerantes às decepções e frustrações e abandonam com facilidade qualquer tarefa em que são exigidas demais.
    É de suma importância destacar que o medo excessivo de sofrerem um abandono ou rejeição, são características típicas do transtorno borderline, sendo assim apresentam comportamentos possessivos e ciumentos, e muitas vezes apresentam uma busca incessante para evitar o abandono, seja ele real ou imaginário.

  • Quando percebem um abandono, podem fazer ameaças suicidas e o principal distúrbio associado a esse transtorno é o suicídio e a automutilação.
    Pessoas com Transtorno da Personalidade Limítrofe tendem a apresentar atitudes autodestrutivas, muitas vezes propositais, ou conscientes, como forma de se punirem ou manipularem os outros.
    O Transtorno da Personalidade Borderline ou o Transtorno da Personalidade Limítrofe são distúrbios que acometem de forma significativa trazendo graves prejuízos a vida desses indivíduos e dos que os rodeiam.
    O Transtorno da Personalidade Borderline está classificado em dois tipos: o tipo impulsivo e o tipo borderline, que serão discutidos ao longo do trabalho.
    Os sintomas aparecem no período da adolescência ou no início da fase adulta e persistem por toda a vida. Por volta dos trinta a quarenta anos de idade, essas pessoas tendem a apresentar uma melhora, alcançando uma estabilidade em seus relacionamentos profissionais e pessoais, principalmente se houver o apoio de alguma figura significativa em sua vida.

  • O diagnóstico desse transtorno é feito através das características descritas pela própria pessoa ou por profissionais como psiquiatras e psicólogos, além dos critérios encontrados na CID 10 (Classificação Internacional de Doenças, 2003) ou no DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, 2014). No entanto, para realizar tal diagnóstico, é preciso que o indivíduo apresente entre cinco (ou mais) dos nove critérios descritos no DSM-V.
    O curso também irá colaborar com os profissionais da saúde, como a psicologia e afins, para que entendam o que está por detrás do comportamento automutilante e como trabalhar a fim de evitá-lo.
    No desenvolvimento do curso são discutidos o Transtorno da Personalidade de uma maneira geral assim como o Transtorno da Personalidade Borderline (TPB), seus critérios diagnósticos, suas características e particularidades.
    Apresento também as formas de alterações qualitativas na consciência, as perspectivas humanistas com diversos autores que discutem da mesma temática e as formas de tratamento, assim como recursos para que a família e a pessoa com TPB possam lidar com a doença.

  • 2. TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE

    2.1 Histórico da conceituação dos Transtornos da Personalidade
     
    Silva (2012, p. 21) afirma que, “Antes de descrever o que é o transtorno de personalidade borderline é preciso compreender o que é uma personalidade propriamente dita.”

    De acordo com Sadock (2007, p. 853):

    O termo personalidade tem sido utilizado como um rótulo descritivo do comportamento observável do indivíduo e de sua experiência interior subjetiva relatada. A totalidade do indivíduo descrita dessa forma representa tanto aspectos públicos como privados de sua vida.

    O autor salienta que ao sujeito, ou à personalidade do sujeito, também podem ser acrescidos adjetivos qualificativos com significados patológicos como, por exemplo, uma personalidade agressiva, ou sem significado patológico como uma personalidade amigável.

  • Considerava, ainda, que todos os adjetivos qualificativos dado ao sujeito compõem um diagnóstico de transtorno da personalidade, no que se refere à forma de como este se comportará em determinada circunstância.

    Identificar o tipo de personalidade da pessoa, segundo Sadock (2007, p. 853):
    Oferece ao clínico indícios sobre a incapacidade da pessoa e sobre como devem ser abordados para propósito de tratamento (p. ex., se o tratamento deve ser conduzido principalmente pela utilização de medicamentos, cirurgia ou entrevistas).

    Quer seja utilizado pelo médico, quer seja utilizados pela população, ambos os casos, a palavra personalidade é o que “define o sujeito”.
    “Assim, personalidade se refere aos aspectos do indivíduo que são percebidos pelos demais.” (LOUZÂ NETO, 2007, p. 346).

    Louzâ Neto (2007, p. 346) descreve que historicamente, o conceito desenvolveu-se a partir da observação de criminosos, tais como: psicopatas, sociopatas, pessoas com personalidade dissocial ou antissocial, relacionando-os a um caráter pejorativo.

  • 2. 2 Classificação diagnóstica

    De acordo com Sadock (2007, p. 853):
     
    A revisão de texto da quarta edição do Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (DSM-IV-TR) define os transtornos da personalidade como experiências subjetivas e comportamento persistentes que se desviam dos padrões culturais, são rigidamente generalizados, têm início na adolescência ou na vida adulta inicial, são estáveis ao longo do tempo e levam à infelicidade e a comprometimento.
    Os transtornos da personalidade são agrupados em três classes no DSM-IV-TR. O Grupo A cobre os transtornos da personalidade paranóide, esquizóide e esquizotípica; os indivíduos com tais condições costumam ser percebidos como estranhos e excêntricos. O Grupo B é formado pelos transtornos da personalidade antissocial, borderline, histriônica e narcisista; os indivíduos incluídos nesta categoria parecem dramáticos, emocionais e erráticos. O Grupo C inclui os transtornos da personalidade esquiva, dependente e obsessivo-compulsiva e uma categoria denominada transtorno na personalidade sem outra especificação (como o da personalidade passivo-agressiva e o da personalidade depressiva); nesses casos, os pacientes parecem ansiosos e medrosos.

  • No entanto, focaremos apenas em descrever o Grupo B em específico o Transtorno da Personalidade Borderline.

    3. TRANSTORNO DA PERSONALIDADE BORDERLINE

    3.1 Histórico da conceituação dos Transtornos da Personalidade Borderline/Limítrofe

    O termo hoje conhecido como borderline, tempos atrás, era chamado de histeria grave. A palavra histeria foi abolida da CID e do DSM V, porém o termo ainda é muito usado por profissionais principalmente da área psicanalítica.

    Para Hegenberg (2000, p. 67) as diferenças entre um transtorno e outro são explícitas. Ambas as patologias referem-se à instabilidade emocional, o que diferencia uma da outra, é que a pessoa que sofre do Transtorno da Personalidade Borderline, tende a agir de forma impulsiva e sem consideração aos demais, por exemplo, enquanto a histeria é uma neurose complexa caracterizada por conflitos internos que se manifestam de forma física, ou seja, que convergem ao corpo, como por exemplo, paralisia temporária dos membros, cegueira, surdez, e etc.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • 1. INTRODUÇÃO
  • 2. TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE
  • 2.1 Histórico da conceituação dos Transtornos da Personalidade
  • 2.2 Classificação diagnóstica
  • 3. TRANSTORNO DA PERSONALIDADE BORDERLINE
  • 3.1 Histórico da conceituação dos Transtornos da Personalidade Borderline/ Limítrofe
  • 3.2 Classificação diagnóstica
  • 3.3 Etiologia – fatores genéticos
  • 3.4 Os aspectos do comportamento automutilante
  • 3.5 Automutilação/ Agressividade/ Impulsividade
  • 3.6 Suicídio
  • 3.7 A família
  • 4. ALTERAÇÕES QUALITATIVAS DA CONSCIÊNCIA
  • 5. PSICOLOGIA HUMANISTA
  • TRATAMENTO
  • CONCLUSÃO
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS