Curso Online de Conheça a História dos licores e suas receitas.

Curso Online de Conheça a História dos licores e suas receitas.

História do Licor Tipos de Licor Amaretto Chartreuse Cointreau Grand Marnier Kümmel Sambuca Baileys Irish Cream As Matérias Prima...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

História do Licor

Tipos de Licor
Amaretto

Chartreuse

Cointreau

Grand Marnier

Kümmel

Sambuca

Baileys Irish Cream

As Matérias Primas

Procedimentos

Lista de Licores
1-Cravinho
2-Licor de Amêndoas
3-Licor de Anisette
4-Licor Básico de Frutas
5-Licor de Cacau
6-Licor de Café
7-Licor de Caroço de Pêssego
8-Licor de Coco
9-Licor de Folha de Figo
10-Licor de Hortelã
11-Licor de Hortelã-Pimenta
12-Licor de Jabuticaba
13-Licor de Jenipapo
14-Licor de Laranja
15-Licor de Leite
16-Licor de Leite e Chocolate
17-Licor de Leite Transparente
18-Licor de Maracujá
19-Licor de Uva
20-Licor de Coco
21-Licor de Mate
22-Licor de Menta
23-Licor de Vinho
24-Licor de Uvaia
25-Licor Nutritivo
26-Licor Verdinho
27-Licor de chocolate branco com nozes
28-Licor de café com gengibre flambado
29-Licor "Amarulla"
30-Licor de Pétalas de Rosas
31-Licor de chocolate
32-Licor de figo
33-Licor de jabuticaba
34-Licor de Jenipapo
35-Licor de Laranja
36-Licor de mexerica (tipo mandarino)
37-Licor de Creme
38-Licor de Ameixas
39-Licor de Caroços de Ameixa preta
40-Licor de Kumel
41-Licor Krupinik

FORMADO EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA PELA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA (UNOESTE)PRESIDENTE PRUDENTE SP. ESPECIALISTA PELA UNIVERSIDADE FACINTER DE CURITIBA PR.DIRETOR DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DO MUNICIPIO. COM VÁRIOS CURSOS NA AREA DA SAUDE,DO TRABALHO E EDUCAÇÃO.CONTINUA PESQUISANDO VARIAS AREAS,E FORMANDO NOVOS CURSOS ONDE FAVORECEM O CONHECIMENTO DE UMA POPULAÇÃO DE ALUNOS ENRIQUECENDO SEU CONHECIMENTO.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • História do Licor
    A destilação da água com líquidos aromáticos é conhecida desde a Antiguidade. Pensadores como Hipócrates, Galeno e Plínio escreveram sobre o assunto. Mas somente em 900 A.C. os árabes inventaram a produção do álcool por meio da fermentação. É improvável, entretanto, que isto tenha ocorrido com cereais fermentados no Norte da Europa, pouco depois dos arabes.
    A produção de licores aconteceu depois. No início, só adocicavam álcoois aos quais, grosseiramente, adicionavam xaropes e ervas (estas, tanto para dar gosto quanto para fins terapêuticos).
    Na Idade Média, o vinho (e mais tarde o álcool) era o principal antisséptico.
    Mas as plantas, raízes e ervas eram pesquisadas pelos monges para a cura de várias doenças. Os alquimistas levaram tais pesquisas adiante.
    Registros apontam Arnauld de Villeneuve, sábio catalão nascido em 1240, aproximadamente, como o inventor “das tinturas modernas nas quais as virtudes das ervas são extraídas pelo
    álcool”. Com seu discípulo Ray Lulle, foi o primeiro a escrever o tratado sobre o álcool e divulgar receitas de licores curativos. Ao álcool açucarado eram misturados limão, rosa e flor-de-laranjeira.
    Há indícios da adição de pepitas de ouro às misturas, consideradas panaceias (remédios para todos os males).
    Villeneuve enfrentou problemas com a Inquisição por suas ideias avançadas. Mas, ao salvar a vida do Papa com uma poção de vinho, ervas e ouro, livrou-se da morte. Quando a Peste Negra espalhou-se pela Europa, no século 15, os licores associados a bálsamos vegetais e tônicos tornaram-se medicamentos preciosos.

  • Além da aguardente de vinho, outros álcoois eram utilizados para fazer licores, tais como o rum. Era comum a fabricação doméstica de licores e a utilização na cozinha e confeitaria. Durante o século XIX, a indústria da destilação cresceu. Surgiram no mercado muitas variedades de licores, e os caseiros começaram a desaparecer.
    Os italianos sofisticaram a produção de licores. A rainha Catarina de Medicis, em visita à Itália, levou algumas receitas para a França. Luís XIV, apreciador da bebida, deliciava-se com um licor de âmbar e grãos de anis, canela e almíscar.
    Hoje em dia, a produção de licores artesanais volta à cena, com uma roupagem nova e cheia de glamour, o que o torna um artigo muitas vezes de luxo e requinte, tornando-se um produto de fácil venda e o mais importante – um produto lucrativo.
    Tipos de Licor
    Amaretto
    Feito na Itália tem sabor de amêndoas. Sua primeira produção aconteceu em Saronno (1525), em homenagem ao pintor Bernadino Luini. Vai bem a pratos tanto salgados quanto doces.
    Bénédictine Criado por monges beneditinos na Normandia (França) em 1510, sua receita quase desapareceu durante a Revolução Francesa (1789). Foi reencontrada em 1863 pelo comerciante Alexandre le Grand. O Bénédictine é feito com 27 ervas, plantas e cascas, muitas delas típicas da região. Sua produção é delicada e demorada: uma garrafa leva 3 anos para ficar pronta, seguidos de mais 4 anos de envelhecimento. Por isso, transformou-se em um
    dos licores mais famosos do mundo. As letras D.O.M. (Deo Optimo Maximo, que significa “para Deus, só o melhor e o maior”) estão no rótulo.

  • Chartreuse
    Apreciado licor de ervas, é encontrado nas versões verde e amarelo (sem a utilização de corantes). É produzido a partir de 130 ervas e especiarias. É o mais antigo licor ainda feito por monges: sua fórmula, criada no século 16, começou a ser vendida em 1848.
    Depois de guerras e revoluções, os monges se exilaram na Espanha, onde fundaram uma destilaria de Chartreuse que funciona até hoje, em Tarragona. A cada ano ela é visitada pelos 3
    únicos monges que conhecem a fórmula do licor. A destilaria principal fica próxima ao Monastério de Chartreuse, nos Alpes franceses, perto de Grenoble.
    Cointreau
    É o mais conhecido triple sec (seco) do mundo. Produzido na França, o Cointreau é feito de Curaçao incolor, um licor produzido com a casca de pequenas laranjas verdes originárias da ilha de Curaçao. A marca é pioneira no mundo na produção de Curaçao, que é também uma especialidade entre os holandeses.
    Grand Marnier
    Feito a partir do licor de laranjas de Curaçao, maceradas no conhaque. Com várias versões, a da garrafa que leva uma fita amarela igual a uma condecoração é a que possui menor teor
    alcoólico.
    Kümmel
    Foi desenvolvido no século 16 pelo destilador holandês Lucas Bols, em Amsterdã, onde até hoje é feito pela firma que leva seu nome. Alguns de seus ingredientes: cariz, cominho, erva-doce, lírio florentino. Sua receita foi difundida em vários países. Na Alemanha, é feito em versão cristalina, com teor alcoólico de 60%,pela firma Wolfschmidt e, em Hamburgo, pela firma que detém a marca Gilka, bastante famosa. A determinação dos fabricantes de kümmel em manter secreta a sua fórmula tem sido cumprida.

  • Sambuca
    Há uma tradição ao se degustar este famoso licor italiano: flambando-o. Primeiramente, são adicionados 3 grãos de café em um copo cheio de sambuca. O licor é flambado e as chamas
    permanecem por alguns segundos até que os grãos sejam torrados. A chama, então, é Assoprada. Os grãos tostados dão um aroma suave ao licor. O nome deste drinque é sambuca com mosche (moscas), numa referência aos grãos de café. Existe também uma versão já aromatizada com café, a sambuca negra. Diferentemente do que muitos acreditam, seu ingrediente principal é o amieiro, e não o anis.
    Baileys Irish Cream
    É o original creme de licor irlandês. Feito a partir do uísque da Irlanda, foi criado nos anos 70 e teve sucesso imediato: sua subida meteórica atingiu um quarto do mercado mundial de licores. Hoje, um dos maiores problemas é a imitação da bebida, feita a partir de técnicas desenvolvidas depois de muitas pesquisas.
    As Matérias Primas
    O Açúcar:
    Apesar de ser utilizado com muita freqüência, o açúcar refinado não é o açúcar ideal para a fabricação de licores. Estudos recentes informam que o açúcar cristal, devido às suas propriedades se encaixa melhor na fabricação do licor ;
    A Água:
    A água utilizada deve ser sempre potável, límpida e “mole”, ou seja, livre de grandes concentrações de cálcio e magnésio em sua composição. De preferência deve ser destilada ou se não for possível o uso desta, fazer uso de água filtrada, o que garante um licor límpido, visto
    que a água dura (com grandes quantidades de Ca e Mg) pode precipitar estes íons e turvar o licor.

  • A Fruta/Folha:
    Deve-se ter extremo cuidado na limpeza da fruta/folha, escolhendo aquelas com melhor aparência e livre de doenças e fungos. Também se deve ter muita atenção na leitura da receita para se utilizar a parte da planta correta. Por exemplo, no licor de laranja, se utiliza as folhas e não o fruto que quando utilizado promove um gosto ocre/azedo ao licor, o que não é Interessante.
    O Álcool:
    Muitas vezes, na produção do licor se utiliza o álcool na forma de aguardente (pinga), o que é uma boa opção, pois se sabe o grau (concentração) em que a solução alcoólica esta. De outro modo, pode-se utilizar o Álcool de Cereais, e nunca o álcool de limpeza, ou outros vendidos em supermercados, que podem ter em sua composição substancias tóxicas ou mesmo Contaminantes.
    Procedimentos
    Maceração: Deve sempre ser feita em frascos/garrafões de VIDRO e NUNCA em plásticos. O tempo de maceração sugerido pela receita deve ser seguido e nunca se deve deixar por um período menor que o recomendado. Outra coisa importante é a constante agitação, tratada no próximo item.
    Agitação
    Sempre que possível (pelo menos uma vez ao dia), os licores que ficam em maceração (contato entre o fruto/folha e o álcool) devem ser agitados para melhorar a extração do bouquet (sabor) da matéria-prima.
    Filtração
    SEMPRE após o termino da fabricação de um licor, o produtor deve fazer a filtragem do Mesmo, utilizando para isto, papel de filtro ou mesmo algodão hidrófilo (esses que se encontra na farmácia), obtendo-se ai um licor de maior transparência, tendo portanto, maior aceitação por parte do publico.
    Envase: Deve sempre ocorrer em frascos/garrafões de VIDRO, nunca em plástico e/ou outros recipientes.

  • Assim se evita que a preparação adquira sabor do local onde esta acondicionado.
    Graduação Alcoólica Final do Licor, Estudos recentes indicam que o licor deve ter sua
    graduação alcoólica entre 14-18ºGL, para se apresentar como um produto de gosto agradável e não irritante à garganta do consumidor. Chegar a esta graduação, de modo empírico (em casa) é quase impossível, somente em ambientes industriais.
    Venda do Produto
    A venda de um licor não pode ser feita em uma embalagem qualquer, muito menos a um preço que desmereça o produto, visto que este produto é feito de maneira artesanal (o que já é um atrativo), controlando-se concentrações de álcool no produto final, com uma embalagem final atraente etc...
    Deste modo, o licor pode ser envasado em garrafas de vidro que se encontra em lojas de artesanato, que custam em torno de R$ 2,00 a R$2,50 (e são muito bonitas e atraentes,
    pois possuem formas variadas), pode-se também desenvolver um rótulo no computador ( e não à mão como muitos produtores insistem em fazer), chegando-se a um produto final com preço que pode variar (sendo modesto) entre R$10,00 e R$15,00, obtendo-se lucro substancial.
    Lista de Licores
    1-Cravinho
    2-Licor de Amêndoas

  • 3-Licor de Anisette
    4-Licor Básico de Frutas
    5-Licor de Cacau
    6-Licor de Café
    7-Licor de Caroço de Pêssego
    8-Licor de Coco
    9-Licor de Folha de Figo
    10-Licor de Hortelã
    11-Licor de Hortelã-Pimenta
    12-Licor de Jabuticaba
    13-Licor de Jenipapo
    14-Licor de Laranja
    15-Licor de Leite
    16-Licor de Leite e Chocolate
    17-Licor de Leite Transparente
    18-Licor de Maracujá
    19-Licor de Uva

  • 20-Licor de Coco
    21-Licor de Mate
    22-Licor de Menta
    23-Licor de Vinho
    24-Licor de Uvaia
    25-Licor Nutritivo
    26-Licor Verdinho
    27-Licor de chocolate branco com nozes
    28-Licor de café com gengibre flambado
    29-Licor "Amarulla"
    30-Licor de Pétalas de Rosas
    31-Licor de chocolate
    32-Licor de figo
    33-Licor de jabuticaba
    34-Licor de Jenipapo
    35-Licor de Laranja
    36-Licor de mexerica (tipo mandarino)
     

  • 37-Licor de Creme
    38-Licor de Ameixas
    39-Licor de Caroços de Ameixa preta
    40-Licor de Kumel
    41-Licor Krupinik
     
     
    Cravinho
    Ingredientes :
    2 litros de cachaça ou vodka;
    1 litro de mel de abelha;
    125g de cravo-da-índia;
    500g de açúcar cristal;
    1,5 litro de água;
    Modo de Fazer :
    Ferva em fogo brando c/ tampa o cravo, o açúcar e a água durante 2 dias, 2 horas por dia, para a bebida ir curtindo. Depois, o líquido deve ser coado com o auxílio de um pano. Junte a cachaça e o mel. Guarde em garrafas de vidro.

  • Licor de Amêndoas
    Ingredientes :
    1 garrafa (cerveja) de vinho Palmeiras licoroso;
    1/2 kg de açúcar;
    1 copo de pinga;
    1 copo de água;
    1 colher de (sopa) de essência de baunilha;
    1/2 vidro de essência de amêndoa.
    Modo de Fazer :
    Bater tudo no liquidificador e engarrafar. Lembre-se de que quanto mais velho, melhor.
    Licor de Anisette
    Ingredientes :
    2 litros de álcool;
    20 gotas de essência de anis;
    3 kg de açúcar.

  • Modo de Fazer:
    Dissolver o açúcar em 1 litro e 1/2 de água fervida, fazendo-o em fogo brando. o anis é dissolvido no álcool para não toldar o licor. Juntar então o xarope e filtrar.
    Essa quantidade dá para 5 litros.
    Licor Básico de Frutas
    Modo de Fazer:
    Coloque a fruta escolhida em infusão no álcool, de 4 a 5 dias. Coe e meça. Para cada medida de infusão, coloque duas de açúcar, fazendo uma calda.
    Misturar a infusão coada e guardar em garrafas fechadas. Sirva apenas depois de 10 dias
    Licor de Cacau
    Ingredientes :
    2 litros de álcool;
    100 g de cacau;
    1 fava de baunilha;
    1 kg de açúcar cristal;
    1/2 litro de água.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.