Curso Online de Direção e Pilotagem Defensiva

Curso Online de Direção e Pilotagem Defensiva

este curso visa melhorar o desempenho do dia a dia do motorista

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

De: R$ 50,00 Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Mais de 0 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

este curso visa melhorar o desempenho do dia a dia do motorista



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • Curso de Direção Defensiva

  • COMO ESTÁ O SEU CARRO ?

    1) São deveres do condutor
    • Ter pleno domínio de seu veículo a todo o momento, dirigindo-o com atenção e cuidados indispensáveis à segurança do trânsito;
    • Verificar a existência e as boas condições de funcionamento dos equipamentos de uso obrigatório;
    • Transitar sem constituir perigo ou obstáculo para os demais elementos no trânsito. Todas as demais normas são derivadas deste preceito simples;
    2) Passos para dirigir um veículo automotor
    Possuir a CNH (Carteira Nacional de Habilitação)

    Conforme segue:

    Categorias
    A – Motos
    B – Veículos motorizados cujo peso não exceda 3.500 kg e não tendo mais de oito lugares, sem contar o do condutor.
    C – Veículos motorizados usados no transporte de mercadorias e cujo peso máximo exceda a 3.500 kg.
    D – Veículos motorizados usados no transporte de passageiros e tendo mais de oito lugares sem contar o do condutor.
    E – Cargas perigosas e transporte de passageiros.

  • 2.1) Equipamentos obrigatórios
    01 – Pára-choques, dianteiro e traseiro;
    02 – Protetor de rodas traseiras dos caminhões;
    03 – Espelhos retrovisores, interno e externo;
    04 – Limpadores de pára-brisa;
    05 – Pala interna de proteção contra o sol para o condutor;
    06 – Faroletes e faróis dianteiros de luz branca ou amarela;
    07 – Lanterna de luz vermelha na parte traseira;
    08 – Velocímetro;
    09 – Buzina;
    10 – Dispositivo de sinalização luminosa (triângulo);
    11 – Extintor de incêndio;
    12 – Silenciador de ruídos de explosão do motor;
    13 – Freios de estacionamento e de marcha, com comandos independentes;
    14 – Luz para o sinal “PARE”;
    15 – Iluminação da placa traseira;
    16 – Indicadores luminosos de mudança de direção, à frente e atrás;
    17 – Cinto de segurança;
    18 – Pneus que ofereçam condições mínimas de segurança;
    19 – Registrador de velocidade, nos veículos escolares;
    20 – Rodas sobressalentes (estepe);
    21 – Macaco;
    22 – Chave de roda;
    23 – Chave de fenda.

  • 3) Toda vez que entrar no carro Não saia de carro sem antes tomar todos os cuidados necessários para sua segurança. Eles vão desde os ajustes dos equipamentos básicos até a postura correta.
    3.1) Postura correta Ë importante que você esteja numa posição confortável, sem tensão no corpo.
    1) Ajuste os espelhos retrovisores com cuidado, principalmente se o carro não for aquele que você dirige sempre.
    2) Coloque o cinto de segurança e verifique se os outros passageiros também estão com ele afivelados.
    3) O encosto de cabeça não é enfeite: Ele evita lesões na coluna em caso de colisão traseira. Ajuste-o em posição reta e na altura dos olhos.
    4) Os braços e as pernas não devem estar muito esticados, e sim ligeiramente arqueadas.
    5) As costas precisam estar bem coladas ao banco, e este formando um ângulo reto com o acento. Caso contrario, a visibilidade e os movimentos podem ficar comprometidos.
    6) O pé deve chegar até o fim do pedal de embreagem sem esforço.
    3.2) Não esqueça - Cheque sempre se a sua documentação e a do carro estão com você. Ela será útil em caso de acidente, fiscalização e outras situações de emergência. - Procure dar a partida de forma à não desgastar o motor e a bateria, especialmente se o automóvel estiver parado há muito tempo. Espere o carro aquecer normalmente, sem pisar muito fundo no acelerador. Também evite acelerar repetidamente, pois isso provoca desperdício de combustível.

  • 4) Como agir em situações inesperadas Vejam quais são os procedimentos ideais para quando o imprevisível acontece. Estar alerta é um bom começo.
    4.1) Derrapagens Carros com tração dianteira:
    Veículos com este tipo de tração costuma derrapar com a frente saindo para fora da curva. Ao derrapar, tire o pé do acelerador e jamais pise no freio.
    4.1.1) Carros com tração traseira
    Automóveis com essa tração costumam derrapar com a parte de trás saindo para fora da curva. Tire o pé do acelerador, e sem frear, gire o volante para o lado contrario ao da.
    4.2) Estourou o pneu Como evitar que aconteça.
    - A tecnologia moderna de projeto e fabricação dos pneus tornou isso algo muito raro. Mesmo assim, é imprescindível fazer uma boa manutenção dos pneus: Examine-os em busca de bolhas ou rachaduras (geralmente causadas por impactos em buracos ou guias das calcadas).
    4.2.1) Se acontecer?
    - Não freie bruscamente. - Mantenha o carro em linha reta (ele tenderá a virar para o lado do pneu afetado) e reduza a velocidade.
    4.3) Freada brusca Como evitar que aconteça.
    - É melhor prevenir do que remediar. Por isso, não cole no carro da frente. Existe um truque para saber se você esta a uma distância segura do carro da frente. Em média, passam-se dois segundos entre o momento em que você percebe o problema e aquele em que seu carro efetivamente começa a frear.
    4.3.1) Se acontecer?
    - Independente da distância, existe um modo correto de frear. Se o seu carro tem sistema ABS, o certo é pisar fundo e fortemente no pedal, sem aliviar a pressão, até o fim da freada. A vibração do pedal é perfeitamente normal.

  • 4.4) Quando o carro quebra no meio da pista:
    4.4.1) O que fazer?
    - Sinalize claramente, com a seta e com as mãos para a faixa da direita em direção ao acostamento. - Se não puder ir para a pista direita: pare o carro e, somente então, ligue o pisca alerta.
    - Tome muito cuidado ao sair do veículo.E, se houver crianças ou outros passageiros nele, não os deixe descer antes de colocar o triângulo.
    4.5) Buracos: perigo a cada metro
    4.5.1) Como evitar:
    - Não corra! Quanto mais rápido você estiver dirigindo, mais difícil será desviar e piores serão as conseqüências ao passar pelo buraco (você pode perder o controle do carro ou ter a roda amassada e o pneu estourado).
    4.5.2) Se acontecer?
    - Se for possível desviar de um buraco, não freie bruscamente: desengate a marcha ou ao menos pise na embreagem ao atravessá-lo, evitando danos ao câmbio. - Mantenha o volante reto. Assim, danos mais prováveis serão causados aos pneus, e não à suspensão (mais cara e difícil de consertar).
    4.6) Será que vai atolar?
    4.6.1) Na terra, como evitar que aconteça.
    - Muitas vezes vale a pena descer do carro para analisar o trecho à frente. Com isso, você pode traçar uma rota melhor a seguir.
    4.6.2) Se acontecer?
    - Em primeiro lugar, pare de acelerar! Quanto mais você fizer isso, mais o carro afundará.
    - Tire todos os passageiros e alivie o peso do carro esvaziando o porta-malas, se ele estiver com bagagem. Quanto mais leve o carro, mais fácil de desatolar.
    - Tente tirar o máximo que puder de lama da frente da roda, para criar uma espécie de rampa sólida.
    - Para ajudar a endurecer o chão, vale tudo: desde calçar o pneu com pedras até usar o próprio tapete de borracha do carro. Mas o ideal é ter uma tábua.

  • 4.6.3) Na areia, como evitar que aconteça:
    - Cheque se o solo está firme e mantenha uma velocidade média (evite ir muito devagar para o carro não afundar).
    4.6.4) Se acontecer?
    - Tente tirar o máximo que puder de areia de perto da roda.
    - Esvazie um pouco o pneu para que ele fique chato, aumentando assim sua superfície de contato com o solo.
    4.7) Pára-brisa quebrado?
    4.7.1) Como evitar que aconteça:
    - Não trafegue colado na traseira de caminhões (muito menos dos carregados de pedras ou entulhos).
    4.7.2) Se acontecer?
    - Ao serem atingidos por um objeto, os vidros podem se comportar de duas formas. Até o começo da década de 90, os pára-brisas eram de vidro temperado. Ele se estilhaça em centenas de pedaços pequenos que costumam ficar no lugar, sem cair para dentro do carro.
    - Se o seu carro foi fabricado nos últimos cinco anos, certamente terá vidros laminados, que não se estilhaçam, em pedaços tão pequenos. Nesse caso, não será necessário quebrá-lo com o carro em movimento. Ainda assim, não é aconselhável seguir viagem com o vidro trincado.
    4.8) Reduzindo a velocidade na curva:
    Evite frenagens na curvas, pois o carro pode capotar se as rodas travarem. Se não houver outro jeito, tome alguns cuidados. Primeiro nunca pise fortemente nos freios. Isso causará uma derrapagem e, possivelmente, um acidente. Veja como proceder: Tire o pé do acelerador e reduza a marcha, mesmo que o motor suba de rotação rapidamente, fazendo muito barulho. Isso lhe permitirá diminuir a velocidade com maior controle do carro. Só então use os freios, moderadamente.
    .

  • 4.9) Quando o sono ataca:
    4.9.1) Como evitar que aconteça.
    - Nunca comece uma viaje cansado. Só viaje a noite se puder descansar no dia anterior. Caso contrário, durma e saia pela manhã. Você perde algumas horas, e ganha muito em segurança.
    4.9.2) Se acontecer?
    - Não insista e nem lute contra o sono. Tenha em mente que um cochilo de dois ou três segundos é mais do que suficiente para causar um acidente fatal. Por isso, pare o carro e durma. - Se estiver convencido de que o local é seguro para uma parada (sem um acostamento razoável ou com um histórico de assaltos), prossiga apenas o suficiente para chegar a um posto de combustível ou de polícia.
    4.10) Não leve uma fechada:
    4.10.1) Como evitar que aconteça.
    - A maioria das fechadas ocorre porque o outro motorista decide fazer uma manobra de ultima hora, como para pegar um passageiro ou dobrar uma esquina. A regra é estar atento não apenas ao carro que está na sua frente, mas aos que estão ao lado dele e ao seu lado. 4.10.2) Se acontecer?
    - Na maioria dos casos, tentarem desviar para o lado pode ser pior do que ser atingido pelo carro que está fechando. Isso porque, ao desviar, você corre o risco de atingir outro veículo (e, nesse caso, a culpa será sua) ou, pior ainda, perder o controle do carro, causar um acidente maior ou atropelar um pedestre na calçada. Faróis: no fim da tarde ou durante a chuva, mantenha sempre os faróis acesos. Isso permite aos outros perceberem seu carro mais facilmente.
    4.11) Como dirigir com segurança na chuva
    As estatísticas mais recentes mostram que a chance de você sofrer um acidente é 107% maior na chuva do que no tempo seco. Veja como evitar os riscos da água.
    4.11.1) As primeiras gotas são perigosas:
    Ainda que não pareça, o início de uma garoa ou chuvisco é uma situação de alto risco. A água se mistura a poeira e aos resíduos de óleo impregnados na pista, formando uma camada de um tipo de lodo muito escorregadio.

  • 4.11.2) O que fazer?
    Com os primeiros pingos, diminua a velocidade. Evite mudanças bruscas de direção e tome cuidado nas curvas. Esguiche água no pára-brisa, para que a poeira não forme uma pasta com as primeiras gotas. Não deixe o vidro embaçar: O que causa o embaça mento dos vidros é uma diferença de temperatura entre a parte de dentro e a de fora do carro. No interior (que em geral é mais quente), a umidade do ar se condensa ao entrar em contato com o vidro, que está mais frio. Ficar limpando com a mão ou com um pano não adianta muito. Em pouco tempo o vidro acaba embaçando de novo.
    4.11.3) Se acontecer?
    O ideal é reduzir a diferença de temperatura entre o interior e o exterior. Isso pode ser feito abrindo um pouco os vidros laterais. Outra forma é usar o sistema de ventilação do carro. O botão do ventilador, em geral, possui um símbolo indicando a posição de desembaçamento. Se o carro tiver ar condicionado, deixe-o ligado. Além dessas medidas, você pode ainda tentar um antiembaçante nos vidros. Na falta dele, pode-se improvisar, esfregando fumo de cigarro no vidro, pelo lado de dentro.
    4.12) Garantindo a visibilidade:
    Outro problema numa chuva é a visibilidade. Uma providência obrigatória por lei é acender a lanterna ou os faróis. Eles permitem aos outros motoristas perceberem o seu carro mais facilmente. Mas não é só isso. Os primeiros pingos da chuva se misturam a poeira e a fuligem existentes na superfície do vidro, formando uma pasta que prejudica sua transparência. O limpador sozinho não remove essa sujeira.
    4.12.1) O que fazer?
    Acione o esguicho do limpador, jogando o máximo de água possível no pára-brisa. Com isso, as /palhetas limpam melhor a superfície do vidro, em vez de sujá-la mais. É bom colocar um pouco de detergente dentro do reservatório do esguicho, para eliminar resíduos e evitar entupimentos. Não ande atrás de caminhões e ônibus, que levantam muito mais água da pista.

  • 4.13) Evite aquaPlanagem:
    Não é só a água que vem de cima que complica a vida do motorista. A que está em baixo do carro também representa grande perigo. Quando uma camada de água de vários centímetros de altura ocupa a pista, as rodas podem perder completamente o contato com o solo e passar a deslizar como se fossem esquis. Isso se chama aquaplanagem e acontece a partir dos 50 km/h. Acima dos 80 km/h, o carro passa a planar desgovernado.
    4.13.1) Se acontecer?
    Resista a tentação de frear se perceber que o carro esta aquaplanando. A frenagem trava as rodas e, com isso, o veículo pode sair do prumo. Primeiro, tire o pé do acelerador. Espere sentir que os pneus entraram novamente em contato com o chão.
    4.14) Enfrentando as enchentes:
    Durante uma inundação, é preciso estar de olho em buracos escondidos sob a água. Nem sempre dá para adivinhar a profundidade deles. Uma forma de evitar sustos é observar o que ocorre com veículos maiores, como ônibus e caminhões, quando passam.
    4.15) Diminua a velocidade:
    Se o nível da água começar a atingir a roda, reduza a velocidade, pois pode haver risco de aquaplanagem. Siga com calma: Com a enchente no meio da roda, engate a primeira e mantenha o motor acelerado, para impedir a entrada de água no escapamento.
    4.15.1) Abandone o veículo:
    Com a água no nível dos faróis, já não há muito que fazer. A melhor solução é desligar o automóvel e sair. Se possível, deixe o carro voltado contra a enxurrada e numa subida, o que evita a entrada da água pelo cano de escapamento.
    4.15.2) Aguarde o socorro:
    Se a água já está batendo nos vidros e você ainda não saiu, mantenha a calma. Caso o carro comece a boiar, espere por socorro dentro dele. Não tente sair, pois você pode se afogar na enxurrada.

  • 4.15.3) Para sair da água.
    - Quando estiver deixando um trecho alagado, engate a primeira e acelere. Os freios costumam estar molhados. Por isso, precisam de um tempo para voltar ao normal. Pise suavemente no pedal para secá-los.
    4.15.4) Para resgatar o carro
    Se você deixou o carro no meio da inundação, veja o que fazer para revivê-lo:
    - Coloque-o em uma subida, para que a água escoe pelo escapamento.
    - Remova o lixo que ficou preso no motor e jogue água para lavar as partes mais sujas.
    - A água pode entrar pelo escapamento e chegar ao motor, causando um travamento dos pistões conhecido como calço hidráulico.
    - Se o motor estiver estragado, o melhor a fazer é desligar o carro e chamar um guincho.
    4.16) Saiba frear no molhado:
    Antes de tudo, não se esqueça de verificar periodicamente se os freios e os pneus estão em bom estado. Em pista molhada, a aderência diminui e é grande o risco de uma derrapagem
    4.16.1) Se acontecer?
    - Para evitar o travamento das rodas, pise no pedal de freio de forma leve e progressiva.
    - Tenha sempre em mente que, em pista molhada, à distância percorrida entre o início da frenagem e a parada total do carro é muito maior que na pista seca.
    4.17) Como dirigir a noite:
    Se a chuva é um problema de dia, à noite ela causa ainda mais preocupações, pois existe menos visibilidade. O pior acontece quando há carros vindos no sentido contrário: a luz soa faróis acaba ofuscando muito mais que o normal, pois os pingos de chuva no pára-brisa difundem a luminosidade.
    4.17.1) O que fazer?
    Evite olhar diretamente para os faróis dos outros carros. Dirija seus olhos para o lado, em direção ao acostamento ou à calçada. Sua visão periférica permitirá que você perceba o que acontece ao redor. Lembre-se de que quanto maior a velocidade, menor será seu campo de visão.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.