Curso Online de Higiene e Segurança nas escolas
5 estrelas 4 alunos avaliaram

Curso Online de Higiene e Segurança nas escolas

Este curso tem como objetivo central levar os(as) funcionários(as) a refletirem sobre a higiene e a segurança na escola e sobre seu papel...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 14 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso tem como objetivo central levar os(as) funcionários(as) a refletirem sobre a higiene e a segurança na escola
e sobre seu papel na construção de uma escola onde educadores e educandos primem pela limpeza pessoal e do ambiente,
bem como se sintam seguros e responsáveis pela construção de uma cultura de paz na escola e na comunidade.

Nosso objetivo é promover a satisfação de nossos alunos, através de cursos com qualidade em diversas áreas para o rápido desenvolvimento profissional de todos. Veja bem, a palavra do Senhor é suficiente para nos dar o conforto, a fé, o amor, a cura, a esperança e a renovação da mente. Paulo e Tomé talvez tiveram o privilégio de ver Jesus com seus olhos naturais, mas bem-aventurado é aquele que nunca O viu e mesmo assim creu nele. Que possamos ser os bem-aventurados, cuja a palavra de Deus e combate dos irmãos (com testemunhos, orações) sejam suficientes para o fortalecimento da nossa fé em Cristo Jesus e possamos vê-lo no Seu dia.


- Angelica Mizue Kamigashima Kohmann

- Uilzinete Jesus De Oliveira

- Maria De Lourdes Dos Santos

- Sueli Silva Da Mota GonÇalves

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Higiene e Segurança nas escolas

  • Higiene: construção histórica do conceito

    Higiene: construção histórica do conceito

  • Higiene é uma palavra que veio da Grécia. Vem de
     hygeinos, que significa, em grego, “o que é são”,
    “o que é sadio”. Antes em sua origem, era um adjetivo usado para qualificar a saúde. As pessoas deviam ter uma “saúde higiênica”. Depois, a palavra virou um substantivo, um conjunto de hábitos que se deve ter para conseguir o bem-estar e a saúde.
    A palavra higiene pode ser também entendida como a limpeza corporal, o asseio. Pode denominar, ainda, uma parte da medicina que busca preservar a saúde, estabelecendo normas e recomendações para prevenir as doenças.

  • Algumas práticas religiosas muito antigas têm relação com a higiene e com a saúde.
    A circuncisão, por exemplo, teria surgido na África há mais de 5 mil anos. Essa retirada cirúrgica do prepúcio é até mesmo relatada pela Bíblia. A circuncisão já era conhecida e praticada na época de Abraão e, ainda hoje, meninos judeus e muçulmanos do mundo inteiro são circuncidados. Para os antigos filósofos judeus, a circuncisão garantiria uma maior higiene ao órgão genital masculino, evitando uma série de doenças. Para os judeus, a circuncisão tem importância religiosa. Para os mulçumanos, ela significa uma purificação corporal.

  • Entretanto, seja por imposições religiosas, seja por consequência de mudanças culturais, as práticas de higiene alteram-se com o passar do tempo. Hoje em dia, povos que não praticam a circuncisão não são julgados menos higiênicos por isso. Assim, o conceito de higiene vem mudando ao longo da história da humanidade. Na Idade Média, até os reis usavam a água de poço e só lavavam as mãos e o rosto. Havia uma enorme quantidade de pulgas e piolhos.

  • Em 1347, pulgas contaminadas chegaram ao Sul da Itália, mais precisamente na Sicília, agarradas nos pêlos dos ratos. Elas se espalharam de tal forma que, em poucas semanas, se estima que 25 por cento da população local contraiu peste bubônica.
    A partir daí, por causa das péssimas condições de higiene, a peste passou rapidamente para o continente e devastou a Europa no século XIV.


  • A peste bubônica também é conhecida como peste negra. Esta denominação surgiu num dos momentos mais aterrorizantes da história da humanidade. Esta doença dizimou cerca de 25 milhões de pessoas na Europa no século XIV. A peste é causada pela bactéria Yersinia pestise apesar de ser comum entre roedores, como ratos e esquilos, pode ser transmitida por suas pulgas para o homem.

  • Nessa época, o verão europeu era marcante por causa dos cheiros fortes que envolviam cidades e vilarejos sem esgotos. Os franceses combatiam essa cheiro ruim, não com banhos ou lavagens das ruas, mas com perfumes fortes. Até hoje os franceses são famosos por seus perfumes, no entanto a origem dessa fama não é tão bacana assim.
    Na Idade Média, um jarro servia para lavar as mãos à mesa. Ainda não existiam os talheres, mas mesmo assim, as pessoas civilizadas tinham que higienizar as mãos. Os médicos da Idade Média diziam que era suficiente, para a limpeza corporal, a lavagem das mãos e do corpo.

  • A preocupação das pessoas era manter asseado o que fosse visível. A atenção e a hospitalidade de quem recebia uma pessoa em sua casa era demonstrada quando o dono da casa oferecia água para as mãos do visitante. Havia, no período medieval, muitos mitos e fantasias a respeito da limpeza, da higiene e da saúde. Nem aristocratas nem pobres gostavam de tomar banho. Uma rainha da Espanha Isabella, orgulhava-se do fato de ter tomado apenas dois banhos na vida, um ao nascer e outro no dia de seu casamento.

  • Raramente, a população trocava de roupa. Pessoas refinadas usavam óleos perfumados de rosa e madressilva. Para ter um bom hálito, era comum que as pessoas mascassem canela e erva-doce, entre outras. Nos séculos XVI e XVII, considerava-se que a água era capaz de penetrar no corpo das pessoas e causar doenças. A água quente, ainda por cima era apontada como capaz de enfraquecer o organismo, abrindo os poros para a entrada de ar doentio e impedindo o crescimento das crianças.

  • A rainha Elizabeth I, da Inglaterra tomava um banho a cada três meses e era considerada uma mulher de hábitos estranhos. Luís XIII da França, tomou seu primeiro banho aos sete anos de idade. Nessa época, a população de seu país tomava, em média, um banho por ano. No século XVII, até mesmo os critérios de limpeza eram definidos pelos livros sobre boas maneiras. Não era um caso de higiene pessoal, como entendemos hoje. De acordo com as posses das pessoas, as bacias e os jarros de lavar as mãos eram feitos de determinado material. Tanto poderiam ser feitos de simples barro cozido, como de porcelana, prata, estanho e até de ouro.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Higiene: construção histórica do conceito
  • Higiene e educação
  • Higiene no trabalho do funcionário
  • Segurança: construção histórica do conceito
  • Segurança na sociedade e na comunidade
  • Segurança na escola