Curso Online de TRICOLOGIA PARA CABELEIREIROS
4 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de TRICOLOGIA PARA CABELEIREIROS

Tricologia essencial para profissionais de beleza. Estudo aprofundado de toda a estrutura capilar. Como ter mais segurança ao executar qu...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 19,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Tricologia essencial para profissionais de beleza. Estudo aprofundado de toda a estrutura capilar. Como ter mais segurança ao executar qualquer serviço químico.

Bacharel em Ciências Econômicas UNESA Licenciando em Letras UFRRJ Cabeleireiro Profissional com vasta experiência Em caso de dúvidas entre em contato: hairdresser30@gmail.com


- Doralice Do S Mendes Amorim

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • TRICOLOGIA
    PARA
    CABELEIREIROS

  • Curso de Tricologia

    Curso de Tricologia

    Para Cabeleireiros

  • Tricologia

    Tricologia

    Origem da palavra:
    Do grego thricos (cabelos) + logos (estudos).
    Estudo do Cabelo Humano

  • Fisiologia, Alterações Genéticas e Adquiridas

    Fisiologia, Alterações Genéticas e Adquiridas

    Desde a aurora da história humana, o cabelo tem constituído um meio personalizado de exibição. Na sociedade contemporânea, a aparência de nossos cabelos está muitas vezes ligada à percepção da saúde e sentimento de autoconfiança. De fato, foi sugerido que a perda do cabelo pode ter sido o impulso para o interesse de Hipócrates pelos caminhos da medicina... Os cabelos provavelmente se desenvolvem como parte de unidade mecanorreceptora nos répteis, que foram os primeiros ancestrais a deixarem o ambiente aquático para o meio externo. Nos mamíferos os cabelos são uns importantes fatores de sobrevivência, através do fenômeno de camuflagem e isolamento para a termorregulação, além de exercer importantes funções de defesa e desempenho sexual. Nossos ancestrais pré-sapiens viveram principalmente em regiões tropicais e subtropicais e, quando a população humana na qual eles se desenvolveram deixou a floresta tropical e passou para ambientes mais abertos adotando a vida de caçador, houve uma dependência do suor para a dissipação térmica e para a perda de calor do corpo. Com o tempo, pressões seletivas agiram em níveis genéticos, determinando perda desta função de isolamento térmico, passando ter apenas uma função decorativa. Darwin, em 1871, relata que a seleção sexual da mulher a favor de homens cabeludos contra as mulheres cabeludas levou gradualmente a diferenças características entre o masculino e o feminino.

  • Origem do Cabelo

    O folículo piloso e um dos poucos tecidos humanos que contem células indiferenciadas (germinativas). As células germinativas encontram-se imiscuídas (intrometidas) dentro da camada basal da bainha externa da raiz do pelo e em uma área chamada saliência (protuberância). A partir deste reservatório as células germinativas migram ate a matriz do pelo e começam a se dividir e se diferenciar. Seu comportamento é controlado por numerosas citoquinas produzidas pelas células da papila dérmica. As células da papila dérmica e algumas células das bainhas interna e externa do folículo de cabelos androgeno-dependentes têm receptores androgênios em seus citoplasma e núcleo. Os andrógenos controlam indiretamente o crescimento capilar através da influencia na síntese e liberação de citoquinas das células da papila dérmica. Drogas que afetam o crescimento capilar pertencem a um dos seguintes grupos: drogas citotoxicas, antiandrogenos e drogas atuantes nos canais de potássio. O futuro desenvolvimento de drogas seletivas para certas etapas do processo do crescimento do cabelo possibilitará terapias mais eficazes nas doenças do crescimento deste fânero.
    Fânero: [Do grego. phanerós, 'visível'.]1. Qualquer formação, visível e persistente, na superfície da pele, como, por exemplo, cabelos e os pêlos.

  • FOLÍCULO PILOSO

    FOLÍCULO PILOSO

    O pêlo tem uma haste que se projeta da superfície da pele e, uma raiz representada pela região mergulhada na pele que é proveniente de uma invaginação (Formação de uma bainha) tubular da epiderme, conhecida como folículo piloso. A parte mais profunda de um folículo piloso em desenvolvimento dá origem a um importante grupo de células denominadas, matriz de pêlo. Esta matriz encaixa-se sobre uma diminuta papila de tecido conjuntivo, contendo capilares que servem de fonte de fluído tecidual.
    À parte da proliferação epidérmica que conecta a matriz com a superfície torna-se canalizada, após o que passa a ser chamada de bainha radicular externa do folículo piloso. A bainha radicular externa é revestida, próxima a superfície da pele, por queratina mole, que é contínua no orifício do folículo com a queratina mole da epiderme. No fundo do folículo, onde a bainha radicular externa circunda e torna-se contínua com a matriz, esta é constituída apenas pelo extrato germinativo.
    Ao folículo piloso estão anexadas umas glândulas sebáceas, um músculo eretor e, dependendo da localização, uma glândula apócrina. A bainha epitelial da raiz se divide em duas camadas: bainhas radiculares internas e externas. A externa dá continuidade às células da camada espinhosa da epiderme superficial.

  • Anatomia e Morfologia Capilar

    Anatomia e Morfologia Capilar

    A presença de melanócitos dá a cor ao pêlo, e estão dispostos entre a papila e o epitélio da raiz do pêlo e fornecem melanina às células da raiz e córtex do pêlo. A partir dessa descrição, é possível entender que toda a estrutura do pêlo origina-se a partir do folículo piloso, que também está relacionado ao seu suprimento sangüíneo, nervoso e muscular. É interessante notar, contudo, que as variações que observamos, quanto a quantidade de pêlos das pessoas, não está relacionada ao número de folículos pilosos de cada um. Na verdade, há uma variação no tipo de pêlos produzidos por homens ou por mulheres, e por diferentes populações humanas. Um controle genético e hormonal é que determina se os pêlos serão mais finos ou mais grossos.

  • Anatomia e Morfologia Capilar

    Anatomia e Morfologia Capilar

    O corpo humano ao nascer é revestido por cerca de 5 milhões de folículos pilosos, não sendo formados folículos adicionais após o nascimento.
    As glândulas sebáceas são estruturas lobulares e saculares que com seus canais excretores abrem-se no terço superior do folículo abaixo de sua abertura externa; produzem o sebo cuja função é lubrificar os pelos e a pele. Cada folículo é provido de uma a seis glândulas sebáceas que nele se abrem.

  • Anatomia e Morfologia Capilar

    Anatomia e Morfologia Capilar

    Em certas regiões as glândulas sebáceas podem se abrir diretamente na superfície da pele, particularmente no nariz, na região genital , perianal, na aréola, no mamilo e na pálpebra. No nariz os ductos maiores podem ser obstruídos por impurezas originando os cravos.
    As glândulas sebáceas são constituídas de células epiteliais denominadas sebócito. O sebócito indiferenciado contem pouco citoplasma sendo dominado pelo núcleo, mas durante a diferenciação o citoplasma se distende com gotículas de lipídios que se coalescem e rompem a célula, constituindo a secreção do sebo.
    O tamanho da glândula sebácea é inversamente proporcional ao do pelo do mesmo folículo piloso, as maiores sendo localizadas em regiões da pele cobertas com pêlos velares.

  • Anatomia e Morfologia Capilar

    Anatomia e Morfologia Capilar

    Na puberdade há um aumento na secreção de sebo pelas glândulas sebáceas estimuladas pelos androgênios o que explica a elevada incidência de comedões, pústulas e acne na adolescência.
    Os androgênios estimulam o desenvolvimento das glândulas sebáceas e a secreção de sebo, enquanto os estrogênios suprimem a secreção de sebo. O ácido retinóico provoca uma redução do tamanho da glândula sebácea e uma acentuada diminuição da secreção do sebo.
    Estrogênios, antiandrogênios e ácido retinóico podem ser usados no tratamento da acne vulgaris.
    O músculo eretor do pêlo é um pequeno feixe de fibras musculares lisas presas à bainha conjuntiva do folículo piloso ao nível da porção mediana do mesmo. Sua contração determina que o pelo fica "arrepiado" e também comprime as glândulas sebáceas ocasionando excreção de sebo para a superfície.

  • Anatomia e Morfologia Capilar

    Anatomia e Morfologia Capilar

    A unidade pilos sebácea compreende o folículo piloso anexado a uma ou mais glândulas sebáceas; localiza-se na derme.
    No corpo humano, somente as regiões palmar das mãos, planta dos pés, lábio inferior e pênis não contêm unidades pilos sebáceas.
    O folículo piloso é a estrutura que dará origem ao pelo; seu desenvolvimento é iniciado em torno do terceiro mês da vida fetal quando a epiderme começa a enviar invaginações para a derme subjacente que irão se transformar em folículo piloso e darão origem aos pelos e cabelos. Seu desenvolvimento está completo em torno do oitavo mês de gestação, o que explica a presença de hirsutismo durante a vida fetal e na primeira infância.
    Hirsutismo, acne e alopecia androgenética são dermatoses da unidade pilos sebácea com manifestação cutânea e são dependentes dos androgênios.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 19,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Curso de Tricologia
  • Tricologia
  • Fisiologia, Alterações Genéticas e Adquiridas
  • FOLÍCULO PILOSO
  • Anatomia e Morfologia Capilar
  • O Pêlo e Cabelos
  • Morfologia do Folículo Piloso e Estrutura do Pêlo
  • FOLÍCULO PILOSO
  • O Cabelo
  • Origem do Cabelo
  • Mutação Capilar
  • Origem do Cabelo
  • Crescimento Cíclico Capilar
  • Ciclo do Folículo Piloso
  • Morfologia Capilar
  • Estrutura do Cabelo
  • Estrutura Básica do Cabelo
  • As ligações químicas dentro do cabelo mantêm sua forma
  • PROTEÍNAS
  • COMPOSIÇÃO
  • FUNÇÕES
  • Devido as proteínas exercerem uma grande variedade de funções na célula, estas podem ser divididas em dois grandes grupos:
  • Classificação das proteínas quanto a composição
  • Quanto ao número de cadeias polipeptídicas:
  • Quanto à forma:
  • Referências
  • Quanto à Forma:
  • Esquemas de proteínas globulares e fibrosas
  • Queratina
  • Estrutura da queratina
  • Colágeno
  • Benefícios das gelatinas na reposição de colágeno no organismo
  • Função e Composição Química do Cabelo
  • Tipos de Cabelos
  • Quanto às características os cabelos são:
  • pH Fisiológico
  • Quando o pH é Neutro ?
  • A Cor dos Cabelos
  • Pigmentos Naturais