Curso Online de REDES DE COMPUTADORES
4 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de REDES DE COMPUTADORES

A Equipe Promovendo Conhecimento está melhorando os cursos e aceitamos sugestões e criticas via painel de contato O curso oferecido acim...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 37 horas

Por: R$ 130,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

A Equipe Promovendo Conhecimento está melhorando os cursos e aceitamos sugestões e criticas via painel de contato

O curso oferecido acima é totalmente completo e garantimos que os usuarios tenham um excelente desempenho e aprendizado

Atenciosamente,
Promovendo Conhecimento

ESTAMOS OFERECENDO CURSOS DE TODAS AS AREAS A MAIORIA DELES EM TI (TECNOLOGIA DA INFORMAÇAO) POREM OFERECEMOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, GESTÃO EM GERAL, ANALISE, DESENVOLVIMENTO, ENGENHARIA E MUITOS OUTROS CONFIRAM


- Ariovaldo Ferreira Pires

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Componentes de rede

    2

    componentes de rede

    redes de computadores

  • Organizações - Normas

    3

    organizações - normas

    ieee - institute of electrical and electronics engineers - define uma padronização para redes locais das camadas 1 e 2 (física e enlace).
    ul - underwriters laboratories - publica especificações de cabeamento que estão preocupadas, sobretudo com padrões de segurança.
    ietf - internet engineering task force – manutenção e apoio aos padrões de internet e tcp/ip (rfc)
    eia - electrical industries association
    tia - telecommunications industry association
    as duas últimas organizações publicaram, em conjunto, uma lista de padrões que ficou conhecida como tia/eia.

  • TIA/EIA 568A – 568B

    4

    tia/eia 568a – 568b

    especificam os requisitos  mínimos para ambientes de vários produtos e de vários fabricantes.

  • TIA/EIA-568 A

    5

    tia/eia-568 a

    entrada no edifício: as instalações de entrada no edifício fornecem o ponto no qual é feita a interface entre o cabeamento externo e o cabeamento backbone intra-edifício. também conhecida como distribuidor geral
    sala de equipamentos: geralmente alojam equipamentos de maior complexidade que os do armário de telecomunicações. qualquer uma ou todas as funções de um armário de telecomunicações podem ser atendidas por uma sala de equipamentos.
    cabeamento backbone: interligação entre os armários de telecomunicações, salas de equipamento e instalações de entrada. cabos homologados: utp de 100 ohms (22 ou 24 awg), stp de 150 ohms, fibra multimodo 62,5/125µm e monomodo 9/125µm

  • TIA/EIA-568 A

    6

    tia/eia-568 a

    armário de telecomunicações: área dentro de um edifício que aloja o equipamento do sistema de cabeamento de telecomunicações.
    cabeamento horizontal: estende-se da tomada de telecomunicações da área de trabalho até o armário de telecomunicações. três tipos de meios de transmissão homologados todos para a distância máxima de 90 metros: utp de 4-pares - 100 ohms (24 awg), cabo stp de 2-pares 150 ohms e cabo de fibra óptica 62,5/125μm
    área de trabalho: estendem-se da tomada de telecomunicações até o equipamento da estação. a fiação da área de trabalho é projetada para ser de interconexão relativamente simples, de forma que deslocamentos, expansões e alterações possam ser efetuadas com facilidade

  • Padrões IEEE

    7

    padrões ieee

  • Meios

    8

    meios

    carregam o fluxo de informações, na forma de bits e bytes, através de uma lan.
    componentes da camada 1 do modelo osi.
    os meios são classificados em guiados (fio de cobre, fibra) ou não guiados (ondas de rádio, raio laser)
    as informações que trafegam em uma rede são referidas como dados, pacotes ou pacotes de dados.
    as redes sem fio usam a atmosfera ou o espaço como meio. os sinais sem-fio são ondas eletromagnéticas que se propagam através do ar. as redes sem-fio usam radiofreqüências (rf), laser, infravermelho (ir) ou satélite/microondas para transportar os sinais de um computador a outro
    transceiver é um adaptador que converte um tipo de conexão em outra. tipicamente, um transceiver converte um aui em um conector rj-45, em coaxial ou fibra óptica.

  • CABOS COAXIAL (Geralmente 50 Ohms)

    9

    cabos coaxial (geralmente 50 ohms)

    consiste de um condutor de cobre envolto por uma camada isolante flexível. a trança de lã de cobre ou uma folha metálica age como um segundo fio no circuito e como blindagem para o fio interior.
    cobre maiores distâncias que o cabo de par trançado
    mais barato que fibra óptica
    quanto maior a expessura, maior a dificuldade de instalação

  • CABOS UTP (Geralmente 100 Ohms)

    10

    cabos utp (geralmente 100 ohms)

    par trançado não blindado (utp) . composto por quatro pares de fios
    esse cabo usa apenas o efeito de cancelamento, produzido pelos pares de fios trançados para limitar a degradação do sinal.
    mais fácil de ser instalado (espessura) e mais barato que outros tipos de meios de rede.
    utilizam conectores rj 45

  • CABOS STP (Geralmente 150 Ohms)

    11

    cabos stp (geralmente 150 ohms)

    par trançado blindado (stp) combina as técnicas de blindagem, cancelamento e trançamento de fios.
    maior proteção contra todos os tipos de interferências externas, mas é mais caro e difícil de instalar do que o cabo de par trançado não blindado.
    utilizam conectores rj 45.

  • Fibra óptica

    12

    fibra óptica

    transmissão da luz ocorre com o lançamento de um feixe de luz em uma extremidade da fibra e esse feixe percorre a fibra através de consecutivas reflexões.
    elevada capacidade de transmissão, imunidade a interferências eletromagnéticas, atenuação reduzida e maior segurança.
    fibra fina de vidro ou plástico.
    conectores mais utilizados: st e sc.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 130,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Componentes de rede
  • Organizações - Normas
  • TIA/EIA 568A – 568B
  • TIA/EIA-568 A
  • Padrões IEEE
  • Meios
  • CABOS COAXIAL (Geralmente 50 Ohms)
  • CABOS UTP (Geralmente 100 Ohms)
  • CABOS STP (Geralmente 150 Ohms)
  • Fibra óptica
  • Fibra Óptica Monomodo
  • Fibra Óptica Multimodo
  • Redes – Unidades de informação
  • Bits e Bytes
  • Mecanismos de transmissão
  • Termos utilizados
  • Base 10 - Decimal
  • Base 2 - Binário
  • Base 16 - Hexadecimal
  • Base 16 – Hexadecimal – 0x
  • Modelo OSI
  • Modelo OSI - Vantagens
  • OSI – Fluxo de comunicação
  • OSI - Comunicação
  • Camada 7 – Camada de Aplicação – L7PDU
  • Camada 6 – Camada de Apresentação – L6PDU
  • Camada 5 – Camada de Sessão – L5PDU
  • Camada 4 – Camada de Transporte – L4PDU
  • Camada 3 – Camada de Redes – L3PDU
  • Camada 2 – Camada de Enlace L2PDU
  • Camada 2 – Camada de Enlace
  • Pacotes e Quadros
  • Camada 1 – Camada Física – L1PDU
  • Encapsulamento
  • Comutação
  • Funções da Camada de Enlace
  • Protocolos de acesso múltiplo
  • Métodos de acessos - Arbitragem
  • Protocolos de divisão de canal - Multiplexação
  • Endereçamento
  • Tecnologias de Camada de Enlace
  • Ethernet – 802.3
  • Quadro Ethernet
  • IEEE 10Mbps – Ethernet – 802.3
  • IEEE 100Mbps – Fast Ethernet – 802.3u
  • IEEE 1000Mbps - Gigabit Ethernet – 802.3z
  • IEEE 10000Mbps - 10Gigabit Ethernet – 802.ae
  • Token ring
  • FDDI
  • Circuitos Virtuais
  • Circuitos Virtuais – PVC/SVC
  • Topologias
  • Redes
  • Topologias
  • Barramento
  • Anel
  • Estrela
  • Malha completa
  • Dispositivos
  • Modelo OSI e os dispositivos
  • Redes - Dispositivos
  • Repetidores
  • Hubs - Concentradores
  • Bridges - Pontes
  • Switch - Comutador
  • Switch – comutador – Modos de operação
  • Duplex e Auto negociação
  • Detecção paralela
  • Domínio de colisão e Domínio de broadcast
  • Spanning Tree Protocol - STP - 802.1D
  • VLAN
  • VLAN Trunking - métodos
  • VLAN
  • Trunking
  • Classe 1 - Switches fixos low–end
  • Classe 2 - Switches flexíveis low–end
  • Classe 3 - Switches de médio porte
  • Classe 4 - Switches high-end
  • Roteador
  • Gateway
  • Pilha TCP/IP
  • Pilha de protocolos TCP/IP
  • RFC - Requests for comments
  • Relação modelo OSI e TCP/IP
  • Fluxo de comunicação TCP/IP
  • Arquitetura do TCP/IP
  • Camada de Aplicação
  • UDP – User Datagram Protocol
  • UDP – User Datagram Protocol - Estrutura
  • TCP – Transmission Control Protocol
  • TCP - Conexão
  • TCP - UDP - Multiplexação
  • Detecção de erros
  • TCP - Controle de Fluxo
  • TCP – Transmission Control Protocol
  • Socket / Soquete
  • IP
  • IP – Estrutura
  • IGMP - Internet Group Management Protocol
  • ICMP - Internet Control Message Protocol
  • ARP - Address Resolution Protocol
  • RARP – Reverse Address Resolution Protocol
  • Como ARP resolve endereço IP
  • Proxy ARP
  • IP
  • Classes de endereço
  • Classes de endereços
  • Máscara de sub-rede
  • Diretrizes para endereçamento IP
  • Máscaras de sub-rede
  • Bits e máscaras
  • Default Gateway
  • Comunicação do IP no mesmo segmento
  • Comunicação do IP em segmentos diferentes
  • Sub-rede
  • Como determinar se o IP é local ou remoto
  • Roteador
  • Como o IP seleciona a rota
  • Subnetting – VLSM (Variable Length Subnet Masks)
  • Definindo identificações de sub-redes
  • Supernetting – CIDR (Classless InterDomain Router)
  • Como CIDR é utilizado para Supernetting
  • Dicas para escolha da máscara de sub-rede
  • Roteamento estático e dinâmico
  • Protocolos de roteamento
  • Tabela de roteamento
  • Protocolo de Roteamento
  • Protocolo de Roteamento - Hierarquia
  • Algoritmo Vetor de distância
  • Algoritmo Estado de enlace – Link State
  • Vetor de distância e Estado de enlace
  • Evitando Loops – Vetor de distância
  • Métricas
  • Protocolos de roteamento
  • RIP – Routing information Protocol
  • OSPF – Open Shortest Path First
  • BGP - Border Gateway Protocol
  • IP Privado e Público
  • Alocação de endereços IPv4
  • Endereços privados - RFC 1918
  • NAT - Network Address Translation – RFC 3022
  • Endereço IP estático e dinâmico
  • DHCP
  • BOOTP
  • DHCP - Dynamic Host Configuration Protocol
  • Processo de aquisição de IP
  • Escopo
  • Agente de retransmissão - Relay
  • Automatic Private IP Addressing ou IPv4 Link-Local (IPV4LL)
  • DNS
  • Arquivo Hosts
  • DNS
  • Componentes do DNS
  • Root Hints
  • Consulta recursivas
  • Consultas iterativas (repetidas vezes)
  • Encaminhadores
  • Tipos de registros
  • Zona
  • Tipos de zona
  • Zona de pesquisa direta e inversa
  • Delegação de zona
  • HTTP (HyperText Transfer Protocol)
  • E-MAIL
  • FTP (File Transfer Protocol)
  • SNMP
  • Agente SNMP
  • Sistema de Gerenciamento
  • Funcionamento
  • Comandos
  • Comunidades SNMP
  • Configuração do SNMP
  • MIB (Management Information Base)
  • RMON (Remote Monitoring)
  • LDAP
  • LDAP - Lightweight Directory Access Protocol
  • LDAP - Schema
  • LDAP - Operações
  • LDIF - LDAP Interchange Format
  • Controle de congestionamento
  • QoS - Quality of Service
  • Técnicas para minimizar o congestionamento
  • Princípios de QOS
  • QoS – Algoritmos de escalonamento
  • QoS – Disciplinas de regulação
  • Arquitetura Intserv (serviços integrados)
  • Arquitetura DiffServ (Serviços Diferenciados - DS)
  • MPLS - MultiProtocol Label Switching
  • Wireless – 802.11
  • Wireless Network – Wi-Fi
  • Wireless – Termos utilizados
  • Wireless
  • Components of a Wireless Connection
  • Wireless - Método de acesso
  • Wireless - Métodos de segurança
  • Autenticação - Wireless
  • Criptografia - Wireless
  • Wireless