Curso Online de COMBATE A PEDOFILIA

Curso Online de COMBATE A PEDOFILIA

excelente

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 25 horas

Por: R$ 80,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

excelente

Willian Braga Magalhães Lima é Perito e Especialista em Inteligência Civil (Investigação Particular) Especialista em Inteligência Civil realiza coleta de dados para pessoas físicas é jurídica e capacitação profissional em formação de detetive particular. É autor de vários trabalhos disciplinares para a formação profissional de especialistas em inteligência civil, dentre elas Investigação de Sequestro de Pets, Localização de Veículos. Instrutor, palestrante e proprietário do Instituto Federal de Inteligência Civil empresa educacional e prestadora de serviços em investigação que desenvolve cursos de formação e capacitação nas áreas investigativas, treinamentos e desenvolvimento profissional, estudos, pesquisas, palestras educativas e preventivas, assessoria, investigativa.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Pedofilia

    Pedofilia

    Sinônimo: abuso de menores, incesto, molestação de menores
    A Pedofilia é um transtorno parafílico, onde a pessoa apresenta fantasia e excitação sexual intensa com crianças pré-púberes, efetivando na prática tais urgências, com sentimentos de angústia e sofrimento. O abusador tem no mínimo 16 anos de idade e é pelo menos 5 anos mais velho que a vítima.

    O abuso ocorre em todas as classes sociais, raças e níveis educacionais.
    A grande maioria de abusadores é de homens, mas suspeita-se que os casos de mães abusadoras sejam sub-diagnosticados. Existem 4 faixas etárias de abusadores:

    O sexo praticado com crianças geralmente é oro-genital, sendo menos freqüente o contato gênito-genital ou gênito-anal.

  • As causas do abuso são variáveis. O molestador geralmente justifica seus atos, racionalizando que está ofertando oportunidades à criança de desenvolver-se no sexo, ser especial e saudável, inclusive praticando sexo com a permissão desta. Pode envolver-se afetivamente e não ter qualquer noção de limites entre papéis ou de diferenças de idade.

    Quando ocorre dentro do seio familiar (o abusador é o pai ou padrasto, por exemplo), o processo é bastante complicado. Normalmente interna-se a criança para sua proteção, e toda uma equipe trabalha com o clareamento da situação. Por vezes, a criança é também espancada e deve ser tratada fisicamente. A família se divide entre os que acusam o abusador e os que acusam a vítima, culpando esta última pela participação e provocação do abuso. O tratamento, então, é inicialmente direcionado para a intervenção em crise.

  • Depois, tanto a criança, quanto o abusador e a família devem ser tratados a longo prazo.

    Devido ao fato de abuso de menores ser um crime, o tratamento do abusador torna-se mais difícil.

    As conseqüências emocionais para a criança são bastante graves, tornando-as inseguras, culpadas, deprimidas, com problemas sexuais e problemas nos relacionamentos íntimos na vida adulta.

  • Estupro

    Estupro

    Sinônimo: violência ou violação sexual, ataque sexual
    O Estupro é constranger MULHER à conjunção carnal, mediante violência ou grave ameaça. (Artigo 213 do Código Penal Brasileiro).
     
    O estuprador é sempre homem e tem sentimentos odiosos em relação às mulheres, sentimentos de inadequação e insegurança em relação a sua performance sexual. Pode apresentar desvios sexuais como o sadismo ou anormalidades genéticas com tendências à agressividade.

  • A vítima normalmente é estigmatizada, havendo uma tendência social de acusá-la direta ou indiretamente por ter provocado o estupro. Sente-se impotente até mesmo em delatar o estuprador, que muitas vezes é alguém já conhecido, sentindo-se muito culpada e temerosa de represálias. Muitas vezes, pode sentir que o estupro não foi um estupro, que foi uma atitude permitida por ela e de sua responsabilidade. Tal atitude dificulta o delato do crime. Os sentimentos de baixo auto-estima, culpa, vergonha, temor (fobias), tristeza e desmotivação são comuns. A ideação suicida também pode piorar o quadro. São comuns sintomas similares ao Estresse Pós-Traumático (Transtorno de Ansiedade comum em soldados pós guerra).

  • O tratamento da vítima consiste em conscientizá-la de que o estupro foi um ataque sexual, um crime, envolvendo pessoa conhecida ou mesmo uma pessoa desconhecida com a qual a vítima possa ter marcado um encontro às escuras.

  • Assédio sexual

    Assédio sexual

    Sinônimo: molestação, coação sexual
    O Assédio Sexual inclui uma aproximação sexual não-benvinda, uma solicitação de favores sexuais ou qualquer conduta física ou verbal de natureza sexual.
    Existem leis que protegem as pessoas de preconceitos sexuais, tomando-se por base tais situações.

  • Existem dois tipos de molestamento

    Existem dois tipos de molestamento

    O tratamento para essas vítimas consiste em ajudá-las a tomar medidas legais contra o molestador, treinando-as para identificar quando estão sendo submetidas a esse tipo de abuso.

  • Exploração sexual profissional

    Exploração sexual profissional

    A Exploração Sexual Profissional ocorre quando há algum tipo de envolvimento sexual (ou intimidade) entre uma pessoa que está prestando algum serviço (de confiança e com algum poder delegado) e um indivíduo que procurou a sua ajuda profissional.

    Pode ocorrer em todos os relacionamentos profissionais nos quais haja algum tipo de poder de um indivíduo sobre o outro (assimetria). Exemplos são relações como a do médico-paciente, psicólogo-paciente, advogado-cliente, professor-aluno e clérigo-paroquiano.

  • Restrições à intimidade sexual entre profissionais da área médica e pacientes são já citadas no juramento de Hipócrates, que data quatrocentos anos antes de Cristo, proibindo esse tipo de atividade sexual. Atualmente, tanto o código de ética médica como o código dos psicólogos postulam os mesmos princípios, considerando seríssimos os danos causados ao paciente.

    É sempre muito difícil tratar um paciente que foi explorado por um médico ou terapeuta. Há uma incapacidade da vítima para confiar novamente, impossibilitando a aliança terapêutica, extremamente necessária para desenvolver o relacionamento saudável médico-paciente e a obtenção de sucesso no tratamento.

  • O profissional abusador também enfrenta muitas dificuldades no seu próprio tratamento. Geralmente busca ajuda somente quando foi delatado e indiciado. Existem ainda poucos serviços especializados e direcionados ao tratamento dessas situações
    Voltemos a falar sobre pedofilia

    A pedofilia (também chamada de paedophilia erotica ou pedosexualidade) é a perversão sexual, na qual a atração sexual de um indivíduo adulto ou adolescente está dirigida primariamente para crianças pré-púberes (ou seja, antes da idade em que a criança entra na puberdade) ou no início da puberdade. A palavra pedofilia vem do grego παιδοφιλια (paidophilia) onde παις (pais, “criança”) e φιλια (philia, “amizade”, “afinidade”, “amor”, “afeição”, “atração”, “atração ou afinidade patológica” ou “tendência patológica”, segundo o Dicionário Aurélio).


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 80,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Pedofilia
  • Estupro
  • Assédio sexual
  • Existem dois tipos de molestamento
  • Exploração sexual profissional
  • Definição da pedofilia
  • A Criança Abusada
  • Diagnóstico
  • Causas
  • Correlações biológicas
  • Tratamento
  • Terapias de controle
  • Ocorrência
  • Em abusadores sexuais de crianças
  • Legislação
  • No Brasil
  • No mundo
  • Nas entidades religiosas
  • História
  • Dialética do ativismo
  • Ativismo pró-pedofilia
  • Ativismo anti-pedofilia
  • Idade de consentimento
  • Casamento
  • Prostituição
  • Idade de Consentimento nos Países de Língua Portuguesa Brasil
  • História
  • Portugal
  • História
  • Efebofilia
  • Etimologia
  • Relação com outros tipos de atração sexual
  • Efebofilia e pederastia
  • Efebofilia e pedofilia
  • Efebofilia e atração não preferencial por adolescentes
  • Informações complementares
  • Abuso sexual de menor
  • Formas de abuso sexual
  • Pessoas que cometem violência sexual
  • Etimologia
  • Pederastia
  • História
  • Pedofilia e pederastia
  • Crime militar de pederastia
  • Pornografia infantil
  • Relação entre pornografia infantil e abuso sexual infantil
  • Aspectos sociais
  • A indústria da pornografia infantil
  • Dados e estatísticas
  • Coalização de empresas contra a pornografia infantil
  • Definições e terminologia
  • O que é infantil
  • O que é pornografia
  • Situação legal
  • Divulgação e fornecimento de links ou endereços de páginas (URLs) a terceiros
  • Meios e serviços de armazenamento
  • Produção artística
  • Rede internacional de pedofilia
  • Causas e identificação
  • Combate internacional
  • Internet como veículo
  • Casos concretos
  • Turismo sexual
  • Participação dos pais
  • Caso Eugênio Chipkevitch
  • Pedófilo holandês preso no Brasil
  • Sexualidade infantil
  • Pesquisa
  • Primeiras pesquisas
  • Metodologia corrente de estudo
  • Comportamento
  • Comportamento normal e anormal
  • Sintomas comportamentais
  • Comportamento normal
  • Principio da infância
  • Masturbação e orgasmo
  • Início da idade escolar
  • Média infância
  • Abuso infantil
  • Diferentes Manifestações da Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes
  • Violência doméstica física
  • Violência doméstica psicológica
  • Violência sexual
  • Negligência
  • Violência Doméstica Fatal
  • Super-proteção
  • Organização Internacional do Trabalho
  • UNICEF
  • Legislação sobre o trabalho infantil
  • Casos de trabalho infantil definidos como crime
  • Violência doméstica
  • Disque 100
  • LEI Nº 12.650, DE 17 DE MAIO DE 2012.
  • LEI Nº 11.829, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2008.
  • Campanha de combate a pedofilia
  • Você sabe identificar sinais de abuso sexual?
  • Cartilha – Orientação aos pais no combate a pedofilia na internet
  • Recomendamos alguns sites às crianças, por faixa etária