Curso Online de Diagnóstico e Tratamento da Depressão na Atenção Básica

Curso Online de Diagnóstico e Tratamento da Depressão na Atenção Básica

O Ministério da Saúde tem estimulado os profissionais da atenção básica para um olhar diferenciado na saúde mental. Este estudo proporcio...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 10 horas

De: R$ 60,00 Por: R$ 39,00
(Pagamento único)

Mais de 10 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

O Ministério da Saúde tem estimulado os profissionais da atenção básica para um olhar diferenciado na saúde mental. Este estudo proporciona um aprimoramento e capacitação profissional para diferenciar o diagnóstico depressivo dos demais, atender, acolher e promover um tratamento adequado, seguindo protocolos.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • Diagnóstico e tratamento de depressão na atenção básica

    Diagnóstico e tratamento de depressão na atenção básica

    Enfermeira Rejane Dugaich Algazal
    Especialista em UTI, Saúde pública e Infecções Relacionadas a Saúde

  • Ninguém se livra de suas angústia, do sofrimento e da depressão, buscando causas externas ou a quem culpar... A cura só vem mesmo quando temos a coragem de olhar para dentro de nós... ( autor desconhecido)

    Ninguém se livra de suas angústia, do sofrimento e da depressão, buscando causas externas ou a quem culpar... A cura só vem mesmo quando temos a coragem de olhar para dentro de nós... ( autor desconhecido)

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    Nos últimos anos, estudos tem demonstrado que a depressão na população geral tem aumentado em grande proporção e que a atenção primária tem sido porta de entrada para esta demanda e casos mais graves aos especialistas.
    A Organização Mundial de Saúde tem estimulado nos últimos anos o treinamento de médicos não psiquiatras para o reconhecimento e tratamento dos quadros depressivos, justamente para traçar diretrizes para o seu reconhecimento.

  • A depressão afeta 350 milhões de pessoas no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), e é mais prevalente entre mulheres. No Brasil, cerca de uma em cada dez pessoas sofre com o problema. Embora seja uma doença comum, a moléstia carrega estigmas que dificultam seu diagnóstico precoce e a adesão ao tratamento adequado.

  • Reconhecer a Depressão

    Reconhecer a Depressão

    Além do reconhecimento patológico da depressão, ainda precisamos lidar com crenças errôneas e idéias distorcidas sobre esta doença, que levam ao não reconhecimento de que a pessoa atendida encontra-se em estado mórbido, podendo dificultar o diagnóstico de depressão.
    Alguns indivíduos acreditam por exemplo que o paciente tem que se cuidar sozinho, que é

  • uma questão de vontade própria, ou que , devido aos acontecimentos da vida dele é natural este quadro de tristeza.
    A cultura popular associa depressão como um estado de humor da pessoa e que ela pode se curar sozinha. Isso faz com que as pessoas não encarem a depressão como uma doença e não procurem ajuda médica.
    Sentir-se em baixo ou abatido é bastante comum na sociedade de hoje em que vivemos num ritmo acelerado.

  • As pessoas estão mais estressadas do que nunca, trabalham mais horas do que nunca. É natural, portanto que não se sintam a 100% em alguns dias. Isso é completamente normal.
    O primeiro passo para o reconhecimento profissional da depressão é avaliar em si mesmo as crenças que tem sobre o assunto e o que o outro entendi sobre o problema.
    Após este passo inicial, que coloca o profissional em uma posição de não julgamento e de maior receptividade ao outro,
    seguimos para o reconhecimento dos sintomas.

  • É importante entender que a depressão, em um primeiro momento, pode estar disfarçada, ou seja, não apresentar-se claramente com toda sua sintomatologia.
    As idéias errôneas e preconceitos podem interferir, também pelo lado do paciente. Este pode achar que não é adequado falar com a equipe sobre seus sentimentos, sobre seus infortúnios. Pode sentir-se envergonhado e não querer que sintam pena dele.

  • Além da auto estima do paciente, a depressão pode estar mascarada devido ao seu caráter polissintomático. Em um primeiro momento, o paciente pode ter queixas que não fazem o médico pensar em depressão. Pode se queixar de falta de memória e desatenção, ou de dores generalizadas, ou ainda de ganho ou pesa de peso importante, além da queixa mais comum, a insônia. Quaisquer destes sintomas devem levar ao questionamento mais aprofundado para investigar depressão.

  • E também as queixas de cansaço, fraqueza geral, fraqueza nas pernas, sono excessivo, sintomas psicossomáticos recorrentes e que não melhoram com os tratamentos habituais.
    O questionamento direcionado, após suspeita inicial ou queixa mais explícita do paciente, deve ser dirigido ao estado de humor e capacidade do paciente de sentir prazer pelas coisas. Portanto, deve-se perguntar: “tem se sentido triste a maior parte do tempo?”,

  • “Você sente vontade de chorar com frequência?”, “tem sentido muito desânimo para fazer suas atividades?”,sempre avaliando a frequência e intensidade dos sintomas.
    Se ocorrer na maior parte do tempo, nas últimas duas semanas e causar prejuízo para a vida do paciente, chamamos de humor depressivo.
    Em seguida é importante avaliar e perguntar:
    - se o paciente senti menos prazer pelas coisas que gostava;
    - se está sem entusiasmo;


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 39,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Diagnóstico e tratamento de depressão na atenção básica
  • Ninguém se livra de suas angústia, do sofrimento e da depressão, buscando causas externas ou a quem culpar... A cura só vem mesmo quando temos a coragem de olhar para dentro de nós... ( autor desconhecido)
  • INTRODUÇÃO
  • Reconhecer a Depressão
  • Rastreamento da depressão
  • Depressão x Tristeza
  • Classificação da depressão
  • Fatores contribuintes para depressão.
  • Transtorno afetivo bipolar
  • Tratamento na atenção básica
  • Tratamento farmacológico
  • Tricíclicos
  • Inibidores seletivos da recaptação da serotonina
  • Hábitos que colaboram o quadro depressivo
  • Alimentos que contribuem no tratamento.
  • Outros tratamentos de apoio
  • Grupos de atividade e apoio
  • Psicoterapia
  • Técnicas para não especialistas
  • Posturas a serem evitadas
  • Lembretes
  • Classificação internacional de doenças
  • Diagnósticos diferenciais
  • Bibliografia