Curso Online de POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL
5 estrelas 3 alunos avaliaram

Curso Online de POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL

CURSO É DESTINADO A TODOS QUE BUSCAM CONHECIMENTO NA ÁREA DE SAÚDE MENTAL. NÃO EXISTE PRÉ REQUISITO PARA A MATRÍCULA. PÚBLICO ALVO: PRO...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 26 horas

De: R$ 50,00 Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Mais de 30 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

CURSO É DESTINADO A TODOS QUE BUSCAM CONHECIMENTO NA ÁREA DE SAÚDE MENTAL.

NÃO EXISTE PRÉ REQUISITO PARA A MATRÍCULA.

PÚBLICO ALVO: PROFISSIONAIS QUE ATUAM NA ÁREA DA SAÚDE, ENFERMEIROS, MÉDICOS, FISIOTERAPEUTAS, TERAPEUTAS, PSICÓLOGOS, ASSISTENTES SOCIAIS, ODONTÓLOGOS, TÉCNICOS DE ENFERMAGEM, FONODIOLOGOS, NUTRICIONISTAS, EDUCADORES FÍSICOS, GESTORES EM SAÚDE E TODOS AQUELES QUE TEM INTERESSE NA ÁREA EM QUESTÃO.

ASSUNTOS ABORDADOS?
CONJUNTURA DA POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL
CONHECENDO A SAÚDE MENTAL NO BRASIL
CONSULTÓRIO DE RUA
CENTRO DE ATENDIMENTOS PSICOSSOCIAL
SRT
PROGRAMAS QUE ATUAM NESTA ÁREA
EXPERIÊNCIAS DE ATUAÇÃO NA ÁREA E MUITAS NOVIDADES E CONHECIMENTOS QUE IRÃO FAZER VC REVER OS SEUS CONCEITOS.

PREPARE-SE PARA UMA AVENTURA!

ORGANIZAÇÃO QUE BUSCA APRESENTAR CURSOS EM DIVERSAS ÁREAS DE ATUAÇÃO E FORMAÇÃO POR UM BAIXO CUSTO PARA OS USUÁRIOS.


- Clenilda De Fatima Correia

- Cezar Nery Iervolino Souza

- Renato Ramalho Motta

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL NO BRASIL

    POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL NO BRASIL

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    A saúde como preconizada na sua totalidade tem em vista o estado de bem estar integral do individuo.

    Compreendo a saúde não como preconizado pelo modelo hegemônico biomédico. Não se trata exclusivamente da saúde e doença, mas de compreender as nuanças referente a toda a complexidade da saúde como fatores externos e psicossociais.

  • Pensando saúde

    Pensando saúde

    A definição de saúde possui implicações legais, sociais e econômicas dos estados de saúde e doença; sem dúvida, a definição mais difundida é a encontrada no preâmbulo da Constituição da Organização Mundial da Saúde: saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças.

    Pensar saúde é sair do envolvimento direcionado a doença e ampliar o conceito de saúde. È certo que a saúde por muitos não é compreendida na sua totalidade. Desenvolver uma visão crítica da saúde é fundamental para qualquer profissional de saúde ou estudiosos na área.

  • Relatório lalonde

    Relatório lalonde

    “A visão tradicional sobre a Saúde indica que, quanto mais desenvolvido e tecnológico for o sistema médico-hospitalar que atende a população, maior será a expectativa de vida e melhor será a qualidade de vida das pessoas. Nesse sentido, o foco sobre a saúde encontra-se voltado ao aparato médico; "o médico como herói". É essa a perspectiva que assombra grande parte da população mundial, ainda no século XXI.”

    Disponível em; http://www.ogamita.com.br/giro-cb-20140720-relatoriolalonde.php

  • No entanto, pesquisas – datadas de 1974 – demonstraram que, apesar do excelente sistema médico-hospitalar, os canadenses estavam vivendo menos anos do que o previsto, segundo a expectativa de vida. Ao investigarem as principais causas de morte precoce dos canadenses, os pesquisadores revelaram que acidentes de automóveis, enfartos, suicídios, câncer pulmonar e outros tipos de acidentes contribuíram significativamente para a perda de anos de vida. Com isso, perceberam que os riscos autoimpostos pelo indivíduo e o ambiente sociocultural são fatores que desencadeiam as cinco maiores causas de morte precoce, conforme citado.

  • Com isso, é evidente que a perspectiva da saúde atrelada ao sistema médico não é suficiente para promover e explicar, efetivamente, melhorias na saúde da população, já que, conforme vimos, o indivíduo e a sociedade exercem grande influência sobre a saúde e qualidade de vida. Marc Lalonde apresenta uma nova visão sobre a saúde, distanciando-a do sistema médico e aproximando-a da relação interdependente de quatro aspectos: a) biologia humana; b) o ambiente; c) o estilo de vida. d) organização e cuidado com a saúde.

  • A biologia humana inclui os fatores relativos ao funcionamento do corpo, à carga genética, ao desgaste natural do homem. O ambiente refere-se àquilo que influencia a saúde e é externo ao homem que, por isso, exerce pouco controle, como a qualidade da água, a contaminação dos alimentos. O estilo de vida refere-se às decisões e aos hábitos que o indivíduo tem e que determinam, substancialmente, a saúde, como o uso de drogas, de bebidas alcoólicas, má alimentação, uso inadequado de veículos. Por último, está a organização do sistema médico-hospitalar, que, sem dúvida, é fundamental à manutenção e à promoção da saúde.

  • É a partir do Relatório Lalonde que o mundo ocidental começa a perceber a saúde, e a promoção da saúde, como um fenômeno que abarca diversos fatores da vida humana, e não apenas restrita à Medicina. Com o propósito de melhorar a saúde dos canadenses, e consequentemente de outros países, Lalonde propõe setenta e quatro estratégias que se alinham à nova perspectiva da saúde; apresentaremos algumas delas: 1) criar programas e propagandas que estimulem a prática de atividade física; 2) criar campanhas educacionais para alertar as pessoas sobre as causas e gravidades dos acidentes de trânsito; 3) aumento do controle dos perigos de morte por doenças transmissíveis; 4) aumento do suporte para pesquisas sobre tratamentos de problemas mentais; 5) evidenciar as informações nutricionais dos alimentos; 6) criar programas que identifiquem e tratem pessoas com hipertensão arterial; 7) criar programas que discutam e combatam o uso de álcool e drogas.

  • Determinantes de saúde

    Determinantes de saúde

    Os determinantes de saúde são:
    -biologia humana.
    -estilo de vida.
    -assistência médica e
    -ambiente.

  • Compreendendo a reforma psiquiatrica

    Compreendendo a reforma psiquiatrica

    A Reforma Psiquiátrica pretende construir um novo estatuto social para o doente mental, que lhe garanta cidadania, o respeito a seus direitos e sua individualidade, promovendo sua contratualidade (resgate da capacidade do indivíduo de participar do universo das trocas sociais, de bens, palavras e afetos) e sua cidadania, inclusos aí não só seus direitos como seus deveres como cidadão.

    CIDADANIA – Palavra muito importante para compreender todas as demandas existenciais de um individuo.

  • Diretrizes da reforma

    Diretrizes da reforma

    A reforma psiquiátrica pretende modificar o sistema de tratamento clínico da doença mental, eliminando gradualmente a internação como forma de exclusão social. Este modelo seria substituído por uma rede de serviços territoriais de atenção psicossocial, visando a integração da pessoa que sofre de transtornos mentais à comunidade.

    Interessante é pensar a internação como um determinante que transforma ao indiviuo e estigmatiza como louco. Compreender que todos somos iguais perante a lei é fundamental para a compreensão da totalidade do ser humano.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • POLÍTICA DE SAÚDE MENTAL NO BRASIL
  • INTRODUÇÃO
  • Pensando saúde
  • Relatório lalonde
  • Determinantes de saúde
  • Compreendendo a reforma psiquiatrica
  • Diretrizes da reforma
  • Historia da saúde mental
  • Política pública de saúde mental
  • Justiça terapeutica
  • Marcha pela reforma psiquiatrica
  • Imagem de sanatório abandonado
  • Crianças ???
  • Internação – para que?
  • Alguém sabe o que está acontecendo?
  • Alimentação em grupo
  • Não sou animal
  • Os esquecidos
  • Isolamento social
  • Esconder a realidade
  • Terapia em grupo?
  • Sou ser humano!
  • A infância esquecida
  • A minha realidade
  • Grupo de cidadãos
  • Preciso de ajuda? Alguém me entende?
  • Qual a identidade desde cidadão?
  • Loucura não compreendida
  • Visão da decadência do sistema
  • ALGUÉM PODE ME AJUDAR?
  • ATIVIDADE EXTERNA
  • SEM VÍNCULOS FAMILIARES?
  • E AGORA?
  • CRIANÇAS E ADOLESCENTES
  • A SOMBRA DA REALIDADE
  • DORMITÓRIOS
  • CONSULTÓRIO DE RUA
  • Vídeo consultório de rua
  • PORTARIA Nº 2.488, DE 21 DE OUTUBRO DE 2011
  • PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011
  • PORTARIA Nº 123, DE 25 DE JANEIRO DE 2012
  • PORTARIA Nº 1.922, DE 5 DE SETEMBRO DE 2013
  • PORTARIA Nº 1.029, DE 20 DE MAIO DE 2014
  • PORTARIA Nº 1.238, DE 6 DE JUNHO DE 2014
  • não SomoS lixo
  • Centro de atendimento psicossocial
  • Estatística caps
  • O que São os caps?
  • QUAL O MODELO PROPOSTO PELO CAPS?
  • ACESSO E VÍNCULO CAPS
  • EQUIPE CAPS
  • PRINCÍPIOS E VALORES CAPS
  • MODALIDADES CAPS
  • FUNÇÕES DO CAPS
  • PORTARIA Nº 336, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002
  • PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012
  • Vídeo o que é caps
  • VÍDEO SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA
  • VÍDEO CONVERSANDO SOBRE O SUS E SAÚDE MENTAL
  • Residência terapeuticas
  • Portaria/GM nº 106 - De 11 de fevereiro de 2000
  • PROGRAMA DE VOLTA PARA CASA
  • LEI No 10.708, DE 31 DE JULHO DE 2003.
  • LEI No 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001.