Curso Online de Comportamento  Organizacional

Curso Online de Comportamento Organizacional

Este curso possibilitará o entender de uma tríade inseparável no processo de comportamento e desen- volvimento organizacional, iniciando...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 19 horas


Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso possibilitará o entender de uma tríade inseparável no processo de comportamento e desen- volvimento organizacional, iniciando pelo individual, inserindo-se no momento do grupo e seus estágios de crescimento e, por fim, focando o sistema organizacional e sua dinâmica. A ideia é que se possa entender a grandiosidade e a complexidade que o ambiente de trabalho apresenta.

Consultora Educacional e Empresarial.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • Comportamento Organizacional

  • Tendências nas organizações

    Introdução
    As mudanças são necessárias e inevitáveis, ocorrendo em três níveis: tecnológico, pessoal e organi- zacional. No mundo corporativo a tecnologia traz temores, bem como oportunidades, o que significa que a “morte” industrial é cada vez mais um fato real no mundo dos negócios. Nos últimos anos, foi possível observar setores inteiros de determinados segmentos serem varridos do mercado pelo progresso tecno- lógico.
    As pessoas precisam se adaptar às novas exigências. Antigamente era comum a permanência em um emprego por toda a vida. No entanto, na economia global não existe mais um único caminho, exigindo uma adaptação na trajetória profissional, acarretando na busca constante pelo aprendizado e gerenciamento no estilo de vida.
    A importância da liderança
    A liderança é um papel-chave no novo cenário, sem apego em ideologias, mas com preocupa- ção central no processo de desenvolvimento e na busca por resultados práticos. É essencial disseminar

  • 10 | Tendências nas organizações
    o conhecimento certo objetivando construir uma base sólida, adquirindo as qualificações e técnicas necessárias para aplicar esse conhecimento em situações ambíguas. A visão deve determinar a direção a ser seguida e a velocidade para se atingir o alvo, com adoção de postura flexível, fazendo em todo percurso os ajustes adequados e necessários.
    O líder deve ser capaz de inspirar seus colaboradores, despertando a curiosidade e a ousadia em assumir responsabilidades e riscos inerentes à sua área de atuação. Deve, ainda, procurar sensibilizá-los sobre as mudanças do poder advindas por parte dos clientes, que renascem como os agentes principais do mundo dos negócios, com poder de escolha e tomada de decisão como jamais visto anteriormente. Despertar a ousadia significa sobrevivência no mundo corporativo, é impossível ficar apenas observan- do enquanto os fatos ocorrem, sob pena de acomodação ou desaparecimento.
    A tecnologia ganha importância, mas não irá substituir a relevância dos líderes. De uma forma geral, as empresas reconhecem que a tecnologia tem enorme potencial para criar uma organização que aprende, sendo possível observar que usam a tecnologia visando disseminar conhecimentos para manter as pessoas interligadas, facilitando o trabalho em equipe e permitindo o acesso ao capital repre- sentado pelo conhecimento da organização.
    As tendências apontam que o local de trabalho do milênio será aquele em que haverá quantida- de de dados distribuídos de maneira ampla, com rápida absorção do e-mail, celulares, pagers, internet e outros recursos. No entanto, a inteligência do ser humano será imprescindível para transformar as infor- mações em conhecimento. Algumas organizações irão enfrentar a ausência de conexão entre o avanço acelerado da tecnologia e a capacidade do indivíduo em se adaptar aos novos desafios. As organizações que acreditarem que mensagens simples de comunicação resolverão o problema ou que as pessoas se adaptarão de qualquer forma, provavelmente passarão por dificuldades. As organizações que aposta- rem no desenvolvimento de uma cultura que desafie processos perceptivos, serão as mais capazes de absorver novas informações e reagirão de forma diferenciada à mudança.
    Segundo relata o pesquisador John Naisbitt, em seu livro O Líder do Futuro (2007), existem 11 con- ceitos essenciais para se ter clareza em um mundo de incertezas, e quem sabe conhecendo algumas das tendências seja possível colocar em prática uma postura de proatividade. São 11 modelos mentais que podem nos orientar rumo a uma caminhada com segurança, nesse mundo repleto de informações, em direção a um entendimento claro do presente, mas com uma perspectiva que possa estar representan- do a chave para a compreensão do futuro, conforme veremos a seguir.

    Embora muitas coisas mudem, a maioria delas permanece constante
    Segundo Duran:
    A civilização é um rio com margens. Às vezes, o rio está cheio de sangue que vem de pessoas que estão matando, rou- bando, gritando e fazendo coisas que os historiadores costumam registrar; enquanto nas margens, sem serem notadas, pessoas constroem casas, criam os filhos que tiveram, cantam canções, escrevem poesias e até esculpem estátuas. A história da civilização é a história do que aconteceu nas margens. (DURANT, 1990 )
    A maior parte da mudança não está no que fazemos, e sim em como fazemos. Dentro de todo esse movimento, quanto mais se percebe diferenças entre o que é constante e o que muda, mais eficá- cia se terá para reagir a novos mercados e às transformações que são contínuas.
    Naisbitt (2007), relata que o DNA da mudança gira em torno dos pilares da constância. Um obje- tivo comum aos modelos mentais é a preocupação de não nos perdermos no não essencial e sim nos

  • Tendências nas organizações | 11
    concentrarmos nas coisas e situações que exercem e exercerão maior influência em nossa vida. Diz, ainda, que é importante diferenciar a modificação real da aparente e mudanças básicas e modismos, ressaltando que na história do mundo a maioria das coisas permanece constante e que é essencial que possamos diferenciar o básico do supérfluo, entre as regras e as técnicas, entre as tendências e o modis- mo e, principalmente, entre as descobertas e os aperfeiçoamentos.

    O futuro está embutido no presente
    É importante focalizar o que está de fato embutido no presente. Faz-se necessário encontrar um terreno sólido para iniciar um processo de reflexão. Quanto a afirmação de que o futuro está embutido no presente, não é a mesma coisa que projetar todas as ações em tempos que estão por vir. Se fizermos uma análise, o futuro representa uma extensão das situações como elas se apresentam no momento presente, demonstrando que somente encontraremos as sementes do futuro no solo e não na imensi- dão do céu.
    É importante distinguir os detalhes e do cenário geral, que nem sempre podem ser observados e vivenciados de forma abrangente. Fazendo uma analogia com uma floresta, podemos perceber que a árvore sozinha não fornece um panorama geral da floresta, e sim de uma forma solitária e isolada. É pre- ciso identificar os eventos que estabelecem precedentes e monitorá-los a distância, se não adotarmos tal postura, os modismos poderão bloquear nossa visão com muita facilidade. É importante ressaltar que as tendências não sofrem alterações frequentes, servindo como um norte. Contudo, os modismos acabam inspirando as pessoas a colocarem o processo de mudança em prática, de forma constante e passageira.
    O autor ainda aborda que a mudança básica não resulta de uma só força, e sim é o resultado de uma confluência de forças. Antes de tomarmos uma decisão, ou de fazermos um julgamento é preciso se perguntar se há forças suficientes pressionando na mesma direção. Caso não encontre uma quanti- dade satisfatória de indicadores e de respostas, é melhor fazer uma nova pesquisa. A leitura e a visão ampla são fatores importantes para que possamos ficar informados. A relevância não está na seleção e na qualidade dos dados coletados, e sim no nível de consciência com que recebemos essas informa- ções. Após um processamento profundo de análise, é possível encontrar ali os componentes que vão delinear os cenários do futuro.

    Concentre-se no placar do jogo
    Tanto nos negócios, quanto na política ou na vida privada, existe um distanciamento muito gran- de entre palavras e ações; sendo ainda acentuado pelo orgulho e a vaidade pessoal envolvidos no pro- cesso. Geralmente as promessas feitas não são o problema, mas os desafios e as dificuldades que se encontram obscuras, difíceis de serem visualizadas. No cotidiano o jogo de poder em demonstrar o desempenho e a obrigação do acerto acaba preponderando e dominando a situação. Por isso é impor- tante ficar atento, não se deixar enganar e conferir a todo instante o placar do jogo.
    Naisbitt (2007) afirma que não é possível adulterar o placar do jogo, devemos sim utilizar o es- porte como um modelo para o cotidiano. Com o término de uma partida de futebol o resultado não muda por causa de justificativas, de elogios nem dos argumentos utilizados pelo time perdedor ou pela

  • 12 | Tendências nas organizações

    argumentação da equipe vencedora. No mundo corporativo na área de business, o desempenho não melhora em razão da forte argumentação dos CEOs1. As dinâmicas do cotidiano não são moldadas pelo que é dito, mas pelo que se faz ou se deixa de fazer. O importante é o que está ocorrendo no momento e qual é o valor agregado da situação. A simplicidade deve ser utilizada com confiabilidade, fornecendo assim um padrão que possa servir como medida de precisão e de relevância das informações presen- tes. Todas essas questões acabam sendo relevantes para que possamos entender o presente e ter uma compreensão clara do futuro.

    Compreenda o poder que há em não precisar estar certo
    É preocupante perceber o quanto perdemos por um posicionamento errôneo, uma argumen- tação feita de forma precipitada, sem pensar nas consequências e no mal-estar que podem ocasionar na vida das pessoas, nas empresas e na sociedade de uma forma geral. É importante que possamos mensurar os custos coletivos causados ou que podem vir a ocasionar tal atitude. A falta de humildade e preparo para reconhecer e admitir estar errado pode ser um fato a ser considerado.
    A obrigação de estar certo tolhe a mente. As pessoas são culturalmente condicionadas a terem que estar certas. Os pais têm razão, o professor tem razão, o gerente tem razão. Quem está certo predomina sobre o que está certo. Casais envolvem-se em brigas homéricas sobre assuntos que são esquecidos assim que a discussão sobre quem tem razão passa a dominar. Os partidos políticos institucionalizaram a obrigação de estar certo. Com que frequência um deles acolhe a posição de um adversário? Imagine se toda a energia de tentar provar que o outro lado está errado fosse ca- nalizada para uma reflexão a respeito do que seria melhor, qualquer que fosse o tema da discussão. Ainda mais grave: a obrigação de estar certo torna-se uma barreira ao aprendizado e à compreensão. Impede que o indivíduo cresça, pois não há aprimoramento sem mudança, correção e autoquestionamento.
    Se a pessoa precisa ter razão, ela se coloca num caminho cercado. No entanto, uma vez que experimenta o poder de não ter que estar certa, ela se sentirá como se estivesse andando por um campo aberto, com uma perspectiva abran- gente e pés livres para dar qualquer guinada. (NAISBITT, 2007)

    Veja o futuro como um jogo de quebra-cabeça
    Os pesquisadores se utilizam de uma série de acontecimentos sequenciais para justificar e expli- car as mudanças e principalmente o passado. É importante compreender que o passado, o presente e o futuro estão interligados de forma efetiva, cada fato que ocorre rompe com conceitos antigos, não per- dendo o foco de que as descobertas normalmente surgem a partir de algo que normalmente já existe. As pessoas muito criativas e inovadoras costumam observar os detalhes que a grande maioria das pessoas visualizam, mas são incapazes de fazer associações e criar um cenário compreensível e com sentido.
    É importante ter em mente que os 11 modelos mentais podem servir como uma bússola de orien- tação para cenários do futuro. É importante procurar as peças e encaixá-las não tendo medo de errar, fazer as associações adequadas e esperar que o novo cenário comece a se formar. Naisbitt (2007) diz que está tendo início uma nova cultura visual que está conquistando o planeta. Outro detalhe importante a ser pensado é que as peças do quebra-cabeça econômico do mundo serão ajustadas em novas formas de avaliação e de realização. Os limites dos novos cenários que se apresentam serão decididos pelos indivíduos, pela iniciativa e pela capacidade de ver o todo.

    1 CEO Chief Executive Officer: o cargo mais elevado em uma empresa.

  • Tendências nas organizações | 13
    Evite ficar muito à frente do desfile para não parecer que você faz parte dele
    Quando paradigmas são quebrados em um ambiente corporativo, normalmente o preço pago costuma ser a inveja, o ressentimento, muita resistência e apego a situações antigas. Os japoneses têm um ditado popular que relata que o prego que se levanta costuma ser martelado. Quando se esbarra com os jogos de poder, quando se contesta o sistema ou quando se esbarra em restrições, os resultados aparecem de uma forma rápida. Segundo Naisbitt (2007), a metáfora do desfile tem a ver com a questão relacionada a não se afastar demais do foco rumo ao desconhecido. É importante que o emissor possa permanecer ao alcance do receptor.
    É preciso muita flexibilidade para determinar a que distância alguém deve permanecer da frente do desfile, essa questão vai depender do contexto e das circunstâncias. No mundo corporativo observa-
    -se que os profissionais devem ter conhecimentos, habilidades e atitudes para estarem ligeiramente à frente dos processos de trabalho e também para poderem expressar sua visão. Com a postura de se manter à frente e adiante dos desfiles, com a capacidade de antecipação e análise, tomando o cuidado de não se adiantar demais, e nem cometer o erro de fazer revelações sobre o futuro. É preciso cautela, ética e principalmente equilíbrio.

    A resistência à mudança diminuirá se os benefícios forem reais
    No mundo dos negócios, às vezes as mudanças são resultados de teimosias ou até mesmo da falta de conhecimento sobre o assunto, no entanto, observa-se que as pessoas tendem a aceitar mu- danças quando as percebem como benéficas. Naisbitt (2007) aborda que ninguém se abaixa até o chão sem que haja algo que valha a pena apanhar. O papel de mobilizar as pessoas para o processo de mudança é do líder. É ele quem deve fazer com que essa seja entendida por todos. É importante ressal- tar que só ocorrerá o processo de engajamento e apoio às mudanças se o grupo perceber e acreditar no processo.
    As pessoas precisam ser respeitadas e não subestimadas. Quando elas resistem às mudanças ou a uma transformação, um dos motivos pode ser devido às falhas no processo de comunicação, nesse caso é preciso encontrar as causas e agir de forma efetiva.

    As coisas pelas quais esperamos são as que demoram mais para acontecer
    A história tem demonstrado que na corrente das evoluções tecnológicas surgem inúmeras opor- tunidades de negócios. Requerendo, muitas vezes, tempo necessário para que as ideias possam ser pesquisadas, ajustadas e concretizadas, e que ainda tenham tempo para o desenvolvimento adequado. Podemos tomar como exemplo a nanotecnologia e a biotecnologia, que são os grandes destaques do século XXI e que estão apresentando brilhantes resultados.
    Quase todas as mudanças são evolucionárias e não revolucionárias. Elas precisam ser ajustadas e aprimoradas, fruto de dedicação e pesquisas de pessoas perseverantes, questionadoras e diferen- ciadas, que acreditam nas possibilidades e nos resultados, mesmo que eles demorem a chegar.

  • 14 | Tendências nas organizações

    Não se obtém resultados resolvendo problemas, mas explorando oportunidades
    John Naisbitt (2007) escreve que as janelas de oportunidades costumam se abrir e fechar como numa tempestade. É preciso estar preparado para agarrá-las. Louis Pasteur descobriu que a maioria das doenças infecciosas é causada por germes, criando, com esse trabalho, a base da microbiologia, disse: “A mudança favorece a mente preparada. Eu estava pronto”.
    Existe uma enorme diferença entre pessoas que solucionam problemas e aquelas que exploram oportunidades. Em The Future and Its Enemies (O Futuro e seus Inimigos), Virginia Postrel (1998) identifi- ca as linhas divisórias entre os que buscam estase2 e os que abraçam o dinamismo.
    Como nos sentimos sobre o futuro em evolução revela quem somos como indivíduos e como civilização: buscamos es- tase em um mundo regulado, projetado? Ou abraçamos o dinamismo em um mundo de constante criação, descoberta e competição? Valorizamos a estabilidade e o controle ou a evolução e o aprendizado?
    Tempos de mudanças podem ser vistos como oportunidades grandiosas de se fazer algo dife- rente, de promover grandes transformações, ficando sob responsabilidade das pessoas desenvolverem essa capacidade em fazer a diferença. São momentos de crise para uma grande maioria e oportunidade de criar para outras. É preciso fazer escolhas e sair da zona de conforto. Para se ter algo diferente temos que agir de forma diferente. Se não o fizermos continuaremos com os mesmos resultados.

    Só acrescente se puder subtrair
    Existem algumas formas de pensar diferente que podem ser essenciais no ambiente de trabalho, principalmente no que se refere ao comportamento organizacional, dados estes levantados por Naisbitt (2007), mas não relacionados nos 11 modelos mentais. Percebeu-se que é importante observar o que recebe recompensa e o que recebe punição. Tanto nas relações entre as sociedades quanto nas relações pessoais essa observação pode revelar muitas coisas sobre as pessoas e as formas de organização social.
    Outra questão essencial comentada por Naisbitt é que uma proposição não precisa ser verdadeira, basta que seja interessante. Essa ideia do grande fisósofo Alfred North Whitehead não é de aplicação geral, mais é interessante para estimular o pensamento.
    Para avaliar a viabilidade de uma sociedade ou empresa, examine sua capacidade de se autocorrigir. Esse é outro pensamento considerado essencial para o autor, podemos assim inferir que se as pessoas percebem de forma inadequada, provavelmente decidirão também de forma a não prestarem atenção nos sinais que as circundam e que estão presentes na vida cotidiana.
    Crescer é reagrupar-se num nível mais alto. Pessoas, instituições e sociedades crescem quando con- tinuam a reconceituar seu papel ou sua missão em níveis de exigência maiores. O processo de desen- volvimento é contínuo, é preciso percorrer o sonho, visualizar as possibilidades e percorrer o caminho almejado, pois o único lugar em que o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário. A prática tem nos mostrado que o sucesso é composto de 99% de transpiração e 1% de inspiração. É necessário perseve- rar na meta estipulada, fazendo os ajustes necessários sem, no entanto, perder a visão.
    Outros detalhes e analogias são de grande relevância para contextualizar o tema. Os cemitérios de informações são uma questão essencial. Naisbitt (2007) relata não ser possível fazer compras em um

    2 Estase: incapacidade de agir, estado de impotência (Dicionário Houaiss).

  • Tendências nas organizações | 15
    supermercado de barriga vazia, é uma regra antiga, acabamos comprando uma série de coisas desne- cessárias. Assim é com o intelecto, temos que ter cuidado para não agir da mesma forma. Acessamos uma série de informações que não agregam valor e são irrelevantes para nós. Acabamos criando os cemitérios de informações, de generalidades que muitas vezes não servem para nada a não ser nos con- fundir. Devemos sim criar berços de conhecimento e inspiração.
    “Para adquirir conhecimentos, inclua coisas todos os dias. Para ganhar sabedoria, descarte coisas todos os dias” (Lao Tse).

    Não se esqueça da ecologia da tecnologia
    É importante ter em mente questões essenciais ligadas à tecnologia. Na opinião de John Naisbitt (2007), o verdadeiro objetivo da educação é aprender a aprender. É importante que nas salas de aula cada criança possa utilizar um computador, mas que se faça presente também a poesia, a música e a arte. O ser humano não deve ser nutrido apenas de habilidades intelectuais, mas deve equilibrar a razão e a emoção e também a alta tecnologia com o suporte relacional, fazendo uma reflexão e procurando respostas aos seguintes pontos:
    O que será aumentado? O que será diminuído? O que será substituído?
    ::::
    ::::
    ::::
    Toda pedra que é lançada na água gera ondulações, trazendo consequências diversas que preci- sam ser analisadas com cuidado. Sempre que uma pedra for lançada e ocorrerem ondulações é impor- tante formular as questões acima relacionadas e pensar nas oportunidades que estão sendo oferecidas.
    A voz do cliente
    No tocante à comunicação é preciso haver diálogo entre as partes envolvidas em todos os seg- mentos, pois é na interação e no debate que as pessoas descobrirão a verdade sobre os possíveis acon- tecimentos. O advento do consumidor exigente foi, de forma gradual e cumulativa, levando a profun- das mudanças culturais nas empresas. Clientes não estão preocupados com estrutura organizacional, financeira, nem com plano estratégico; estão interessados no valor que a empresa oferece.

    Gerenciando a multiculturalidade
    Com a era da globalização aumentaram os contatos entre pessoas e empresas de diferentes países, culturas e civilizações. Cada vez mais as empresas serão confrontadas com outros modos de ver e pensar os negócios e terão que adotar outras formas de trabalhar e de se inserir em uma organização.
    As fusões e aquisições entre empresas de diferentes países serão uma constante, a tendência é a de haver cada vez mais empresas a serem adquiridas, de forma amigável ou hostil, por estrangeiras.

  • 16 | Tendências nas organizações
    Na complexidade dos produtos e serviços associada a uma necessidade de cooperação, as em- presas tendem a encontrar parceiros em outras empresas de nacionalidade diferente, nomeadamente para adquirir know-how, fazendo parcerias técnicas, comerciais e financeiras, bem como, adotando pro- cessos de cooperação e alianças.
    A integração de pessoas de nacionalidades e culturas diferentes deverá ter origem no próprio projeto da empresa e precisará enquadrar-se perfeitamente nas suas linhas de orientação de política empresarial. Se os horizontes dos mercados da empresa se alargam, incluindo outros países, a empresa só tem a ganhar se incluir, no seu interior, elementos que a ajudem a perceber os novos clientes.
    Os dirigentes organizacionais deverão adotar uma postura diferenciada, no sentido de aprovar e apoiar a inclusão de elementos estrangeiros na equipe de trabalho em todos os níveis. Com isso será possível vencer resistências internas que podem impedir o bom funcionamento da organização. Outras práticas podem incluir acordos com universidades e instituições estrangeiras, objetivando abrir espaços para estágios e desenvolvimento de pesquisas. É essencial programar encontros formais e informais, interprofissionais e internacionais. A participação em feiras e exposições fora do país poderá denotar a presença forte e constante em atividades transfronteiriças de acordo com os interesses da empresa, não esquecendo que a participação de associações empresariais poderá ser um diferencial organizacional.
    Novos modelos de trabalho e organização
    No futuro, o foco do gerenciamento será voltado para a missão, visão, inovação e principalmente diversidade. Transformar a organização não é possível da noite para o dia, é necessário dedicação, experimentação, persistência, energia e acreditar no empreendimento. As pessoas envolvidas nos processos de trabalho precisam gostar do que fazem, devem apreciar o trabalho compartilhado e devem ser capazes de resolver os desafios que se apresentam no cotidiano, administrando conflitos de forma eficaz, aprendendo novas maneiras de desenvolver as suas atividades, direcionando os seus potenciais e talentos a serviço da organização, de uma entidade ou de uma causa. O comprometimento com os resultados a serem alcançados será o ponto alto na estratégia organizacional com um sentido claro de prioridades, de prazos e principalmente de finalização. Outra característica importante será a de assumir a dianteira, utilizando-se da iniciativa quando há comodismo. Correr riscos será outro fator preponderante, oferecendo inclusive auxílio, mesmo quando não solicitado, e o trabalho em equipe assume grau de relevância na integração das necessidades individuais, organizacionais e do mercado.
    Criar uma rede para vencer resistências na estrutura interna é essencial, encontrando novas for- mas de demonstrar as vantagens de dispor de pessoas vindas de outras origens, com maneiras de agir e de trabalhar diferentes, mas que se enquadram no projeto da empresa.
    Vantagem competitiva
    As pessoas no ambiente organizacional estão sendo estimuladas cada vez mais a buscarem apoio, colaboração e parcerias lateralmente, o que nos faz pensar que essa atitude provocará alterações no

  • Tendências nas organizações | 17
    poder das organizações. O vínculo entre a pessoa e a empresa vem sendo substituído pelo vínculo com o trabalho realizado e com os componentes da equipe. Se tomarmos como base a trajetória profissional, antigamente a experiência e o tempo na organização eram fatores preponderantes, que auxiliavam no crescimento profissional. As perspectivas sinalizam que as pessoas precisarão investir cada vez mais em sua credibilidade e reputação pessoal, para que possam ser colocadas em prática em qualquer situação e circunstância.
    Comunicação caleidoscópica
    Os mercados que haviam sido aprisionados pelo poder dos monopólios de comunicações nacio- nais foram abertos e muitas empresas de comunicações tendem cada vez mais a operar juntas, fazendo alianças, parcerias e até mesmo fusões, da mesma forma que o mundo das comunicações foi modifi- cado de uma “colcha de retalhos” de monopólios estatais para um “caleidoscópio” dinâmico e colorido, ultrapassando fronteiras regionais e nacionais, tornando-se globais.
    A organização e os talentos
    A vantagem econômica para as organizações será atrair, desenvolver e reter as pessoas mais competentes. Contudo, elas requerem reconhecimento e remuneração diferenciada pelo desempenho apresentado. As organizações deverão trabalhar no sentido de reter os melhores talentos. A preocupa- ção será cuidar das pessoas, adotando uma comunicação clara e objetiva, ficando atento na aquisição de competências e no caráter do colaborador. A capacidade de aprendizado diário será um fator rele- vante e não podemos deixar de mencionar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.
    Desafios complexos
    Na sociedade global, ainda é possível observar desafios complexos ligados a diversas áreas como meio ambiente, desemprego, desestruturação familiar, desigualdades sociais, recessão, multicultura- lidade e muitos outros fatores. Pensar em um novo cenário significa desconstrução e reconstrução de uma nova sociedade, que deverá pensar nos seus valores e no trabalho solidário. A população de uma forma geral será ainda mais seletiva com postura de avaliação no mundo dos negócios, principalmente no que se refere às organizações, o cliente fará suas escolhas, irá comparar preços, atendimento e pa- drão de qualidade e se existe por parte da organização uma preocupação com a responsabilidade social de forma ampla. A confiança torna-se, cada vez mais, um fator preponderante e ocorrendo ruptura é quase impossível a reconstrução da imagem.

  • Desemprego

    18 | Tendências nas organizações
    Até bem pouco tempo dizia-se que o progresso tecnológico resultaria na redução da jornada de trabalho e que o espaço de tempo para lazer aumentaria muito. Isso não ocorreu, e as perspectivas ten- dem a não se efetivar, pois estamos vivendo o estresse do emprego e o estresse do desemprego. O medo do futuro tem como um dos principais fatores o temor de perder o emprego e não adianta sonhar com a volta da estabilidade: será preciso inventar um novo modo de viver e de trabalhar. É essencial lembrar que a falta de trabalho ocasiona traumas profundos nas pessoas, acarretando insegurança, sofrimento e falta de perspectiva de vida. O desemprego proporciona o aumento da violência e da criminalidade.
    Não existe solução mágica para os desafios do desemprego, é preciso mudar o foco centralizando no ser humano. A sociedade demanda por liberdade de ação, mas a cidadania não pode ser entendida como a conquista dos direitos para o indivíduo e as responsabilidades deixadas para o governo. Cida- dãos da democracia devem cada vez mais cumprir suas responsabilidades e obrigações para com a sociedade, além de desfrutarem de direitos e privilégios. O objetivo da comunidade será o de capacitar a pessoa a ter maior controle sobre sua vida e contribuir para o bem comum.
    Observa-se que as pessoas estão lutando para redescobrir o sentido de viver e de trabalhar em conjunto. Inclusão e participação serão palavras que ouviremos com maior frequência e, para isso, o aumento do voluntariado fará das organizações sem fins lucrativos um setor vital para a viabilização de uma vida mais digna. Todos precisarão estar envolvidos na solução dos problemas, especialmente na eliminação da pobreza generalizada.
    Faz-se necessário um entendimento de que o mundo do trabalho vem sofrendo grandes altera- ções o conceito do que é trabalho, do seu valor, dos seus propósitos carece de uma nova significação. Alguns caminhos são necessários e quase inevitáveis para os profissionais e para as organizações que queiram tornar-se produtivas, sendo essencial reconhecer as mudanças no mercado profissional, aban- donando os antigos paradigmas de acomodação. É preciso o desenvolvimento do autoconhecimento, identificando os pontos fortes e fracos e as habilidades diferenciadas; buscar novas alternativas, saber diferenciar o que é sua responsabilidade, o que é limitação do mercado. A negociação não é configu- rada pelo que você ou o outro propõem, mas sim, pelo que aceitam. Negociar está em uma relação de interdependência.
    Nesse cenário de conectividade, advindo do avanço das tecnologias de informação e comunica- ção, surge uma nova cultura corporativa em que a matéria-prima é o conhecimento e as relações entre os indivíduos passam a ser mediadas pela tecnologia.
    Inteligência organizacional
    O autor Karl Albrecht (2003), experiente consultor internacional de empresas, relata que pessoas inteligentes reunidas em uma organização manifestam um comportamento comum e bastante des- trutivo, pois competem e disputam provocando um desperdício de energia que poderia ser canalizada de forma construtiva. Os profissionais se protegem, escondem informações uns dos outros, o poder coletivo se perde e se tal potencial não pode ser utilizado, a empresa estará fadada à incapacidade e à incompetência organizacional.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • 1 Tendências nas organizações
  • 2 O ser humano no ambiente de trabalho
  • 3 O processo motivacional
  • 4 O líder como agente de transformação
  • 5 Novos fundamentos do comportamento
  • 6 A percepção e a tomada de decisões
  • 7 O processo de comunicação como diferencial competitivo
  • 8 Grupos e equipes de trabalho
  • 9 As mudanças e a cultura organizacional
  • 10 O conflito e a negociação