Curso Online de Primeiros Socorros - Manual Básico
4 estrelas 2 alunos avaliaram

Curso Online de Primeiros Socorros - Manual Básico

Guia prático de primeiros socorros, atuação nas situações corriqueiras, queimaduras, entorses, quedas Escala de Glasgow. Não fique perdid...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 6 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 10 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Guia prático de primeiros socorros, atuação nas situações corriqueiras, queimaduras, entorses, quedas Escala de Glasgow. Não fique perdido, saiba como agir e não agir,Deixar de prestar socorro a quem não tenha condições de socorrer a si próprio ou comunicar o evento a autoridade pública que o possa fazê-lo, quando possível, é crime.

Formação em Segurança do Trabalho e Higiene Ocupacional- Na área da Mineração- Consultor em Segurança do Trabalho- Professor de Segurança- Treinamentos e Palestras, Experiência no monitoramento ocupacional e ambiental calibração de aparelhos dosímetros, bomba gravimétrica e haivol PM 10 (poeira total menor que 10 mícrons); Análise de condições inseguras no canteiro de obra acompanhamento de colocação de guarda-corpo (NR 18 Aperfeiçoamento), Análise e investigação de acidentes- FUNDACENTRO.


- Katia Denisia Das Neves Carneiro

- Rodrigo Soares De Oliveira

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • Manual Básico de Primeiros Socorros

    Manual Básico de Primeiros Socorros

  • Definição de Primeiros Socorros

    Primeiro socorros, é um conjunto de procedimentos de emergência que deve ser aplicado a uma pessoa em perigo de vida, para evitar agravamento de seu estado, até que receba assistência médica especializada.

    Definição de Primeiros Socorros

  • Objetivos

    Objetivos

    Salvar a vida humana
    Minimizar a dor
    Evitar complicações

  • Função do Socorrista

    Manter a vítima viva até a chegada do socorro, avaliando as condições clinicas do paciente.
     Avaliação da Vítima
    Até pouco tempo atrás, a avaliação do paciente era realizada em duas etapas - a avaliação primária e a avaliação secundária. A primeira abordava a identificação e os cuidados merecidos pela vítima nas situações de risco de vida iminente. A segunda constituía-se na identificação de outras alterações de risco ou agravos na condição do paciente.
    Atualmente, a maioria dos programas de capacitação em primeiros socorros ou atendimento pré-hospitalar estão sofrendo alterações e passando a abordar o processo de avaliação geral do paciente em, pelo menos, cinco fases distintas, a saber:

    Função do Socorrista

  • Cuidados com ferimentos

    Cuidados com ferimentos

    Em ferimentos superficiais (escoriações) , lavar com água e sabão ou água corrente
    Em ferimentos mais profundos, estancar através de compressão local a hemorragia evitando o choque
    Cobrir o ferimento com gaze limpa ou pano com certeza que esteja limpo

  • Processo de Avaliação em primeiros Socorros 1- Dimensionamento (avaliação) da cena; 2- Avaliação inicial do paciente; 3- Avaliação dirigida (para trauma ou para problemas médicos); 4- Avaliação física detalhada; 5- Avaliação continuada.

    Processo de Avaliação em primeiros Socorros 1- Dimensionamento (avaliação) da cena; 2- Avaliação inicial do paciente; 3- Avaliação dirigida (para trauma ou para problemas médicos); 4- Avaliação física detalhada; 5- Avaliação continuada.

  • 1- DIMENSIONAMENTO DA CENA 1) A verificação das condições de segurança: segurança pessoal;do paciente e de terceiros (familiares, acompanhantes, testemunhas e curiosos); 2) A adoção de medidas de proteção pessoal ; 3) A observação dos mecanismos de trauma ou a natureza da doença; 4) A determinação da necessidade de recursos adicionais. Após dimensionar o problema o socorrista deverá iniciar o gerenciamento dos riscos e o controle da cena. Esta tarefa geralmente inclui medidas de sinalização do local, delegar uma pessoa para chamar uma equipe médica; ambulância( Samu); afstar curiosos e entre outros.

    1- DIMENSIONAMENTO DA CENA 1) A verificação das condições de segurança: segurança pessoal;do paciente e de terceiros (familiares, acompanhantes, testemunhas e curiosos); 2) A adoção de medidas de proteção pessoal ; 3) A observação dos mecanismos de trauma ou a natureza da doença; 4) A determinação da necessidade de recursos adicionais. Após dimensionar o problema o socorrista deverá iniciar o gerenciamento dos riscos e o controle da cena. Esta tarefa geralmente inclui medidas de sinalização do local, delegar uma pessoa para chamar uma equipe médica; ambulância( Samu); afstar curiosos e entre outros.

  • 2- AVALIAÇÃO INICIAL Durante a avaliação inicial, os problemas que ameaçam a vida, por ordem de importância são: 1. Vias aéreas = Estão abertas/permeáveis? Existe comprometimento da coluna cervical? 2. Respiração = A respiração está adequada? 3. Circulação = Existe pulso palpável? Existe algum sangramento grave? Existe sinais indicativos de choque? O socorrista deverá posicionar-se ao lado da vítima e executar a avaliação rapidamente, geralmente em um prazo inferior a 45 segundos. A avaliação inicial deve ser executada na seguinte seqüência: 1. Forme uma impressão geral do paciente; 2. Avalie o nível de consciência ; 3. Avalie a permeabilidade das vias aéreas/coluna cervical; 4. Avalie a respiração; 5. Avalie a circulação (presença de pulso e hemorragias graves); 6. Decida a prioridade para o transporte do paciente. 

    2- AVALIAÇÃO INICIAL Durante a avaliação inicial, os problemas que ameaçam a vida, por ordem de importância são: 1. Vias aéreas = Estão abertas/permeáveis? Existe comprometimento da coluna cervical? 2. Respiração = A respiração está adequada? 3. Circulação = Existe pulso palpável? Existe algum sangramento grave? Existe sinais indicativos de choque? O socorrista deverá posicionar-se ao lado da vítima e executar a avaliação rapidamente, geralmente em um prazo inferior a 45 segundos. A avaliação inicial deve ser executada na seguinte seqüência: 1. Forme uma impressão geral do paciente; 2. Avalie o nível de consciência ; 3. Avalie a permeabilidade das vias aéreas/coluna cervical; 4. Avalie a respiração; 5. Avalie a circulação (presença de pulso e hemorragias graves); 6. Decida a prioridade para o transporte do paciente. 

  • 3- AVALIAÇÃO DIRIGIDA A avaliação dirigida tem por objetivo a identificação e o tratamento de lesões e problemas médicos apresentados pelo paciente. Essa etapa do atendimento visa obter os componentes necessários para que o socorrista possa fazer a decisão correta sobre os cuidados merecidos pelo paciente. Podemos conceituá-la como sendo um processo ordenado para obter informações, descobrir lesões ou problemas médicos que, se não tratados, poderão vir a ameaçar a vida do paciente. A avaliação dirigida é realizada logo após o término da avaliação inicial e é dividida em três etapas distintas, são elas: 1. Entrevista (paciente, familiares ou testemunhas); 2. Aferição dos sinais vitais; 3. Exame físico (limitado a uma lesão ou problema médico ou completo da cabeça aos pés).

    3- AVALIAÇÃO DIRIGIDA A avaliação dirigida tem por objetivo a identificação e o tratamento de lesões e problemas médicos apresentados pelo paciente. Essa etapa do atendimento visa obter os componentes necessários para que o socorrista possa fazer a decisão correta sobre os cuidados merecidos pelo paciente. Podemos conceituá-la como sendo um processo ordenado para obter informações, descobrir lesões ou problemas médicos que, se não tratados, poderão vir a ameaçar a vida do paciente. A avaliação dirigida é realizada logo após o término da avaliação inicial e é dividida em três etapas distintas, são elas: 1. Entrevista (paciente, familiares ou testemunhas); 2. Aferição dos sinais vitais; 3. Exame físico (limitado a uma lesão ou problema médico ou completo da cabeça aos pés).

  • AVALIAÇÃO FÍSICA DETALHADA A avaliação do socorrista , visar verificar os seguintes seguimentos corporais: 1) Verificar a região cervical; 2) Verifique a cabeça ; 3) Verifique a testa e a face do paciente. Inspecione os olhos e pálpebras. Verifique o diâmetro, a simetria e a reação a luz das pupilas. 4) Inspecione ombros apalpando a clavícula e a escápula do paciente; 5) Inspecione e apalpe as regiões anterior e lateral do tórax do paciente. Avalie os movimentos respiratórios, deformidades, fraturas, áreas de contusão ou edemas; 6) Inspecione e apalpe todas as extremidades superiores e inferiores do paciente. 7) Caso apresente alguma anormalidade, conforme descrito acima , coloque em uma maca o paciente.

    AVALIAÇÃO FÍSICA DETALHADA A avaliação do socorrista , visar verificar os seguintes seguimentos corporais: 1) Verificar a região cervical; 2) Verifique a cabeça ; 3) Verifique a testa e a face do paciente. Inspecione os olhos e pálpebras. Verifique o diâmetro, a simetria e a reação a luz das pupilas. 4) Inspecione ombros apalpando a clavícula e a escápula do paciente; 5) Inspecione e apalpe as regiões anterior e lateral do tórax do paciente. Avalie os movimentos respiratórios, deformidades, fraturas, áreas de contusão ou edemas; 6) Inspecione e apalpe todas as extremidades superiores e inferiores do paciente. 7) Caso apresente alguma anormalidade, conforme descrito acima , coloque em uma maca o paciente.

  • AVALIAÇÃO CONTINUADA A avaliação ou assistência continuada é usualmente utilizada pelas equipes de socorro pré-hospitalar durante o transporte do paciente até a unidade hospitalar mais adequada ao seu tratamento definitivo. Após o término da avaliação física detalhada, o socorrista deverá verificar periodicamente os sinais vitais e manter uma constante observação do aspecto geral do paciente.

    AVALIAÇÃO CONTINUADA A avaliação ou assistência continuada é usualmente utilizada pelas equipes de socorro pré-hospitalar durante o transporte do paciente até a unidade hospitalar mais adequada ao seu tratamento definitivo. Após o término da avaliação física detalhada, o socorrista deverá verificar periodicamente os sinais vitais e manter uma constante observação do aspecto geral do paciente.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Manual Básico de Primeiros Socorros
  • Definição de Primeiros Socorros
  • Objetivos
  • Função do Socorrista
  • Cuidados com ferimentos
  • Processo de Avaliação em primeiros Socorros 1- Dimensionamento (avaliação) da cena; 2- Avaliação inicial do paciente; 3- Avaliação dirigida (para trauma ou para problemas médicos); 4- Avaliação física detalhada; 5- Avaliação continuada.
  • 1- DIMENSIONAMENTO DA CENA 1) A verificação das condições de segurança: segurança pessoal;do paciente e de terceiros (familiares, acompanhantes, testemunhas e curiosos); 2) A adoção de medidas de proteção pessoal ; 3) A observação dos mecanismos de trauma ou a natureza da doença; 4) A determinação da necessidade de recursos adicionais. Após dimensionar o problema o socorrista deverá iniciar o gerenciamento dos riscos e o controle da cena. Esta tarefa geralmente inclui medidas de sinalização do local, delegar uma pessoa para chamar uma equipe médica; ambulância( Samu); afstar curiosos e entre outros.
  • 2- AVALIAÇÃO INICIAL Durante a avaliação inicial, os problemas que ameaçam a vida, por ordem de importância são: 1. Vias aéreas = Estão abertas/permeáveis? Existe comprometimento da coluna cervical? 2. Respiração = A respiração está adequada? 3. Circulação = Existe pulso palpável? Existe algum sangramento grave? Existe sinais indicativos de choque? O socorrista deverá posicionar-se ao lado da vítima e executar a avaliação rapidamente, geralmente em um prazo inferior a 45 segundos. A avaliação inicial deve ser executada na seguinte seqüência: 1. Forme uma impressão geral do paciente; 2. Avalie o nível de consciência ; 3. Avalie a permeabilidade das vias aéreas/coluna cervical; 4. Avalie a respiração; 5. Avalie a circulação (presença de pulso e hemorragias graves); 6. Decida a prioridade para o transporte do paciente. 
  • 3- AVALIAÇÃO DIRIGIDA A avaliação dirigida tem por objetivo a identificação e o tratamento de lesões e problemas médicos apresentados pelo paciente. Essa etapa do atendimento visa obter os componentes necessários para que o socorrista possa fazer a decisão correta sobre os cuidados merecidos pelo paciente. Podemos conceituá-la como sendo um processo ordenado para obter informações, descobrir lesões ou problemas médicos que, se não tratados, poderão vir a ameaçar a vida do paciente. A avaliação dirigida é realizada logo após o término da avaliação inicial e é dividida em três etapas distintas, são elas: 1. Entrevista (paciente, familiares ou testemunhas); 2. Aferição dos sinais vitais; 3. Exame físico (limitado a uma lesão ou problema médico ou completo da cabeça aos pés).
  • AVALIAÇÃO FÍSICA DETALHADA A avaliação do socorrista , visar verificar os seguintes seguimentos corporais: 1) Verificar a região cervical; 2) Verifique a cabeça ; 3) Verifique a testa e a face do paciente. Inspecione os olhos e pálpebras. Verifique o diâmetro, a simetria e a reação a luz das pupilas. 4) Inspecione ombros apalpando a clavícula e a escápula do paciente; 5) Inspecione e apalpe as regiões anterior e lateral do tórax do paciente. Avalie os movimentos respiratórios, deformidades, fraturas, áreas de contusão ou edemas; 6) Inspecione e apalpe todas as extremidades superiores e inferiores do paciente. 7) Caso apresente alguma anormalidade, conforme descrito acima , coloque em uma maca o paciente.
  • AVALIAÇÃO CONTINUADA A avaliação ou assistência continuada é usualmente utilizada pelas equipes de socorro pré-hospitalar durante o transporte do paciente até a unidade hospitalar mais adequada ao seu tratamento definitivo. Após o término da avaliação física detalhada, o socorrista deverá verificar periodicamente os sinais vitais e manter uma constante observação do aspecto geral do paciente.
  • Escala CIPE È uma escala utilizada , pelos socorrista para avaliar a condição do paciente. Onde representa uma situação de risco, conforme definido abaixo. - Crítico: Paciente em parada respiratória ou parada cardiorrespiratória, onde devem ser transportados imediatamente para o hospital. Nesse caso, a avaliação dirigida e a avaliação física detalhada poderão ser realizadas durante o transporte para o hospital, no interior do salão da viatura de emergência, simultaneamente com as medidas de suporte básico de vida. - Instável: Paciente inconsciente, com choque descompensado e/ou dificuldade respiratória severa, lesão grave de cabeça ou tórax. - Potencialmente instável: Paciente vítima de mecanismo agressor importante, em choque compensado, portador de lesão isolada importante ou lesão de extremidade com prejuízo circulatório ou neurológico. - Estável: Paciente portador de lesões menores, sem problemas respiratórios e com sinais vitais normais.
  • PARADA DOS MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS
  • Procedimento Para Atuar em uma Parada Respiratória
  • Parada Cardiorrespiratória
  • AUSÊNCIA DOS BATIMENTOS CARDÍACOS
  • Procedimento Para Atuar em uma Parada Cardiorrespiratória
  • QUEIMADURAS
  • CAUSAS DE QUEIMADURAS
  • CLASSIFICAÇÃO DAS QUEIMADURAS
  • PEQUENAS QUEIMADURAS TÉRMICAS
  • PEQUENAS QUEIMADURAS (AGENTE QUÍMICO)
  • PRIMEIROS SOCORROS GRANDES QUEIMADURAS TÉRMICAS
  • QUEIMADURAS NOS OLHOS
  • O que fazer em crise convulsiva - Evitar que a vítima se machuque, afastando tudo o que possa feri-la; - Retire da boca dentaduras, proteses e eventuais restos de alimentos; - Se possível afrouxe as roupas; - Não introduzir nada entre os dentes; - Não administre nenhuma medicação ou líquidos até que ela esteja bem desperta; - Vigiar a respiração; - Monitorar sinais vitais; - Deixe-a debater-se, não a segure forte, cuidando para que a cabeça não sofra nenhum traumatismo pois dentro de alguns minutos, tudo cessará; - Procure socorro médico.
  • Conduta do Socorrista em caso de Fratura - Colocar a vítima em posição confortável, evitando movê-la demasiadamente, nem permitindo levantar-se ou sentar-se. -  Verificar a condição do local lesado, imobilizando a região da fratura com a finalidade de impedir os movimentos das articulações próximas à lesão. Para isso poderá usar madeiras, tábuas, jornais dobrados ou similar. - Nos casos em que o acidente e grave, acompanhado de hemorragias, devemos estancar o sangue; - Encaminhar o acidentado a um serviço médico. Nota: Não tentar colocar o osso no fraturado no lugar, principalmente em fraturas expostas. Não fazer massagens no local do traumatismo.
  • AVE Acidente Vascular Encefálico e escala de Glasgow
  • Pode ser dividido em duas categorias diferentes:
  • Algumas características do AVE tanto Isquêmico como Hemorrágico, podem ser verificadas abaixo:
  • Êmbolo
  • Hemorragia Cerebral
  • Sinais e Sintomas
  • Fatores de Risco
  • Como identificar um AVE
  • Conseqüências
  • Escala de Glasgow
  • Escala de Coma de Glasgow Pediátrica
  • Transporte de Acidentados A movimentação ou transporte de um acidentado ou doente devem ser feitos com cuidado a fim de não complicar as lesões existentes.   Procedimento para Remoção Controle a hemorragia, caso houve; imobilize todos os pontos suspeitos de fraturas; manter o corpo se, em linha reta, não ser dever curva o corpo; evite ou controle o estado de choque; coloque a vítima na maca com auxílio de demais socorrista; levar ao hospital mais próximo.
  • LEGISLAÇÃO Conforme a NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional no item 7.5. que trata Dos primeiros socorros. Todo estabelecimento deverá estar equipado com material necessário à prestação dos primeiros socorros, considerando-se as características da atividade desenvolvida; manter esse material guardado em local adequado e aos cuidados de pessoa treinada para esse fim. A caixa de primeiros socorros deve estar sempre presente, nas empresas, em locais de fácil acesso. Por medida de precaução, não é conveniente trancá-la, facilitando, assim, o seu manuseio. CAIXA DE PRIMEIROS SOCORROS - Luvas descartáveis - proteção imprescindível; Soro Fisiológico; Éter e Álcool ; Gazes; Rolos de Atadura de Crepom;Esparadrapo ; Tesoura; Material de Apoio - Colar cervical - 3 tamanho; Imobilizadores laterais de cabeça; maca ; máscara facial para RCP; Ambú-máscara - para auxílio ventilatório
  •   Omissão de Socorro Segundo o Código Penal Brasileiro, qualquer indivíduo, mesmo o leigo na área da saúde (pertencente a qualquer outra área de trabalho, ocupação ou estudo), tem o dever de ajudar um necessitado ou acidentado ou simplesmente chamar ajuda para estes. Do contrário, sofrerá complicações penais. “Artigo 135” Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública: Detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa. Parágrafo único. “A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão corporal de natureza grave, e triplicada, se resulta a morte."
  • Obrigado pela Atenção de todos. Instrutor Mário Sérgio