Curso Online de A DINÂMICA DO RELEVO E A IMPORTÂNCIA NO CLIMA BRASILEIRO

Curso Online de A DINÂMICA DO RELEVO E A IMPORTÂNCIA NO CLIMA BRASILEIRO

Este curso traz uma simples abordagem da dinâmica do relevo e a importância no clima brasileiro. tem como objetivo ajudá-lo os estudantes...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 12 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso traz uma simples abordagem da dinâmica do relevo e a importância no clima brasileiro. tem como objetivo ajudá-lo os estudantes e os profissionais da área de geografia a entender melhor a formação do relevo e a importância no clima brasileiro.

Pós Graduação: Metodologia do ensino superior, Licenciatura em Geografia, Mestranda em geografia e graduada em Pedagogia pela Universidade federal da Bahia. Experiencia em educação.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • A DINÂMICA DO RELEVO E A IMPORTÂNCIA NO CLIMA BRASILEIRO

    A DINÂMICA DO RELEVO E A IMPORTÂNCIA NO CLIMA BRASILEIRO

    O RELEVO E OS CLIMAS DO BRASIL

    Autora: Rosalena Barbosa Mota

    Julho/ 2015

  • 1 CAPÍTULO: O RELEVO BRASILEIRO.

    Compreendendo a formação do relevo.

    2 CAPÍTULO: A DINÂMICA INTERNA DO RELEVO.

    3 CAPÍTULO: A DINÂMICA EXTERNA DO RELEVO.

    O TRABALHO EROSIVO DAS ÁGUAS.

    AS ÁGUAS DOS RIOS.

    COMO OS RIOS ESCAVAM OS CÂNIONS.

    O TRABALHO EROSIVO DAS ÁGUAS DO MAR.

    O TRABALHO EROSIVO DO GELO.

    OS TRABALHOS EROSIVO DOS VENTOS

    . 4 CAPÍTULO: ESTRUTURA GEOLÓGICA.

  • CLASSIFICANDO O RELEVO BRASILEIRO.

    PRINCIPAIS FORMAS DO RELEVO BRASILEIRO.

    PLANALTO, DEPRESSÕES, PLANICIE E ALTITUDES.

    5 CAPÍTULO: COMPREENDENDO O CLIMA.

    AS TEMPERATURAS, E AS PRECIPITAÇÕES.

    OS CLIMAS DO BRASIL.

    BRASIL: PAÍS TROPICAL.

    DINÂMICA CLIMÁTICA, PRECIPITAÇÃO E MASSAS DE AR.

    OS TIPOS DE CLIMA DO BRASIL.

    6 CAPÍTULO: A IMPORTANCIA DOS FATORES CLIMATICO NA VEGETAÇÃO BRASILEIRA

  • 1 capítulo O RELEVO BRASILEIRO

    1 capítulo O RELEVO BRASILEIRO

    Compreendendo a formação do relevo
    Podemos conceituar o relevo como um
    conjunto de formas do terreno, formado por montanhas, planaltos, depressões, planícies , serras, chapadas, vales etc.

  • Ou seja, é um elemento natural muito importante na paisagem, podendo influenciar na circulação da água, na vegetação e no clima.

    Também influencia nas atividades humanas, como a agricultura, a construção de casas e prédios e o transporte.

  • FORMAS DO RELEVO TERRESTRE

    FORMAS DO RELEVO TERRESTRE

  • A FORMAÇÃO DO RELEVO

    A FORMAÇÃO DO RELEVO

    O relevo se origina e se transforma pela ação de dois tipos de agentes: internos e externos.

    Os internos são do interior da terra e que estão relacionados aos movimentos das placas tectônicas.

    Os externos são os que atuam sobre as formas existentes, modificando-as ou recriando-as, proveniente da superfície terrestre como a água, o vento e os seres humanos.

  • 2 CAPÍTULO A DINÂMICA INTERNA DO RELEVO

    2 CAPÍTULO A DINÂMICA INTERNA DO RELEVO

    Os agentes internos são: Tectonismo ou diastrofismo, Movimentos epirogênicos, movimentos orogênicos, Vulcanismo e Abalos sísmicos.

  • Tectonismo ou diastrofismo: são todos os movimentos que deslocam e deformam as rochas que constituem a crosta terrestre.

    O diastrofismo se manifesta por movimentos verticais (epirogênicos – do grego épeiros = continente) e movimentos horizontais (orogênicos – do grego õros = montanha).

  • Imagem de Tectonismo ou diastrofismo

    Imagem de Tectonismo ou diastrofismo

  • Movimentos epirogênicos: são os movimentos verticais que provocam abaixamento ou soerguimento da crosta terrestre. Esses movimentos realizam-se bem lentamente e são consequência da isostasia.

    O princípio da Isostasia: segundo os estudiosos o volume relativamente menos denso da crosta continental, em relação ao manto, permite que altas montanhas se equilibrem, do mesmo modo que o volume submerso do iceberg, mais leve do que o volume da água deslocando, permite que o iceberg flutue.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • A DINÂMICA DO RELEVO E A IMPORTÂNCIA NO CLIMA BRASILEIRO
  • 1 capítulo O RELEVO BRASILEIRO
  • FORMAS DO RELEVO TERRESTRE
  • A FORMAÇÃO DO RELEVO
  • 2 CAPÍTULO A DINÂMICA INTERNA DO RELEVO
  • Imagem de Tectonismo ou diastrofismo
  • EXEMPLO DE ISOSTASIA
  • 3 CAPÍTULO A DINÂMICA EXTERNA DO RELEVO
  • Erosão laminar, quando a quantidade de material levado pela água é maior do que na erosão superficial.
  • Erosão de sulcos, quando a enxurrada abre pequenos ?buracos? no solo.
  • Erosão de ravinamento, quando forma verdadeiras ?crateras?, que tendem a aumentar com a falta de vegetação e o mau uso do solo.
  • Portanto, a inclinação do terreno e a falta de vegetação tornam mais intenso o desgaste provocado pela água dá chuva.
  • COMO OS RIOS ESCAVAM OS CÂNIONS
  • Restingas - são cordões da areia que se formam paralelamente à costa, quando o mar realiza um lento trabalho de acumulação ou deposição.
  • 4 Capítulo ESTRUTURA GEOLÓGICA
  • CLASSIFICANDO O RELEVO BRASILEIRO
  • PRINCIPAIS FORMAS DO RELEVO BRASILEIRO
  • PLANALTOS
  • DEPRESSÕES
  • PLANÍCIES
  • ALTITUDES
  • 5 Capítulo COMPREENDENDO O CLIMA
  • AS TEMPERATURAS
  • AS PRECIPITAÇÕES
  • OS CLIMAS DO BRASIL
  • BRASIL: PAÍS TROPICAL
  • ZONAS CLIMATICAS
  • A IMPORTÂNCIA DOS TRÓPICOS NA CLASSIFICAÇÃO DAS NOZAS CLIMÁTICAS
  • DINÂMICA CLIMÁTICA
  • MASSAS DE AR
  • MAPA DAS MASSAS DE AR
  • OS TIPOS DE CLIMA DO BRASIL
  • MAPA DOS CLIMAS BRASILEIRO
  • 6 capítulo A IMPORTANCIA DOS FATORES CLIMATICOS NA VEGETAÇÃO BRASILEIRA