Curso Online de O educador e a saúde emocional

Curso Online de O educador e a saúde emocional

Motivação para professores;Fatores que enfraquecem o trabalho do educador.Tipos de violencia vivenciadas pelos profissionais da educação ...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 6 horas


Por: R$ 120,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Motivação para professores;Fatores que enfraquecem o trabalho do educador.Tipos de violencia vivenciadas pelos profissionais da educação e as doenças relacionadas a profissão.Diferençças entre extrese síndrome de bournot.Dicas de prevenção a uma boa saúde.

Psicologa Especialista em Psicanálise Clinica. psicopedagoga Clinica e Institucional com mais de 10 anos de experiencia. Cursando Sexologia.Mestranda em Psicologia da Saúde.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • SAUDE EMOCIONAL DO EDUCADOR

    SAUDE EMOCIONAL DO EDUCADOR

  • COMO VOCE SE VÊ ATUALMENTE?

    COMO VOCE SE VÊ ATUALMENTE?

  • Sabemos que as condições dos trabalhadores de educação não são muito animadoras.Entretanto, qual seria o papel do professor para modificar essa realidade?Como fazer que o dia não seja desgastante ao ponto de o professor ter vontade de desistir e atuar em sala de aula de forma mecânica?

    Sabemos que as condições dos trabalhadores de educação não são muito animadoras.Entretanto, qual seria o papel do professor para modificar essa realidade?Como fazer que o dia não seja desgastante ao ponto de o professor ter vontade de desistir e atuar em sala de aula de forma mecânica?

  • 1-Motivação. Conjunto de motivos que vai fazer com que o indivíduo aja de determinada maneira.São fatores psicológicos que levam a pessoa a fazer esforços para determinado resultado. Mas quem motiva os professores?

    1-Motivação. Conjunto de motivos que vai fazer com que o indivíduo aja de determinada maneira.São fatores psicológicos que levam a pessoa a fazer esforços para determinado resultado. Mas quem motiva os professores?

  • Quais fatores enfraquecem o trabalho do Educador? *Problemas Funcionais; *Baixa Remuneração *Carga horária de trabalho; *Reações explosivas às pressões do dia a dia. *Violência no ambiente de trabalho;

    Quais fatores enfraquecem o trabalho do Educador? *Problemas Funcionais; *Baixa Remuneração *Carga horária de trabalho; *Reações explosivas às pressões do dia a dia. *Violência no ambiente de trabalho;

  • Pesquisa feita pelo IBGE, nos mostra o índice de violência nas escolas:

    Pesquisa feita pelo IBGE, nos mostra o índice de violência nas escolas:

  • Tipos de violência vivenciadas pelos professores: *Violência Institucional; *Violência Comportamental; *Violência Verbal;

    Tipos de violência vivenciadas pelos professores: *Violência Institucional; *Violência Comportamental; *Violência Verbal;

  • 1.0-Doenças Relacionadas ao Trabalho Docente. A escola é o ambiente de trabalho onde ocorrem as maiores incidências de afastamentos por problemas relacionados aos transtornos de ansiedade: síndrome do pânico,fobia escolar,depressão,transtorno de estresse pós traumático.

    1.0-Doenças Relacionadas ao Trabalho Docente. A escola é o ambiente de trabalho onde ocorrem as maiores incidências de afastamentos por problemas relacionados aos transtornos de ansiedade: síndrome do pânico,fobia escolar,depressão,transtorno de estresse pós traumático.

  • 1.1-Alterações Vocais; O instrumento mais importante de um educador é a voz. Um dos primeiros passos que o professor pode dar em direção à boa saúde vocal é ter percepção em relação aos problemas.

    1.1-Alterações Vocais; O instrumento mais importante de um educador é a voz. Um dos primeiros passos que o professor pode dar em direção à boa saúde vocal é ter percepção em relação aos problemas.

  • Sintomas mais comuns do desgaste vocal. *Enfraquecimento ou perda da voz no final do período de aula; *Quebra na voz durante as explicações; *Voz rouca por vários dias; *Dificuldade em cantar ou modular a voz; *Diminuição do volume da voz; *Voz mais grave do que no inicio da profissão; *Necessidade de limpar a garganta, de pigarrear; *Respiração curta enquanto fala; *Dor na garganta; *Sensação de queimação; *Esforço para falar; *Tosse seca; *voz mais rouca na sexta feira e boa qualidade após o descanso no final de semana.

    Sintomas mais comuns do desgaste vocal. *Enfraquecimento ou perda da voz no final do período de aula; *Quebra na voz durante as explicações; *Voz rouca por vários dias; *Dificuldade em cantar ou modular a voz; *Diminuição do volume da voz; *Voz mais grave do que no inicio da profissão; *Necessidade de limpar a garganta, de pigarrear; *Respiração curta enquanto fala; *Dor na garganta; *Sensação de queimação; *Esforço para falar; *Tosse seca; *voz mais rouca na sexta feira e boa qualidade após o descanso no final de semana.

  • Dicas para prevenção da voz. *Beba água regularmente, em temperatura ambiente; *Articule bem as palavras; *Mantenha boa alimentação; *Evite consumo de cigarros e bebidas alcoólicas; *Espreguice-se na hora de acordar e levantar da cama; *Na sala de aula, utilize recursos que mantenham a participação de alunos; *Utiliza intervalos para descansar a voz.

    Dicas para prevenção da voz. *Beba água regularmente, em temperatura ambiente; *Articule bem as palavras; *Mantenha boa alimentação; *Evite consumo de cigarros e bebidas alcoólicas; *Espreguice-se na hora de acordar e levantar da cama; *Na sala de aula, utilize recursos que mantenham a participação de alunos; *Utiliza intervalos para descansar a voz.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 120,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • SAUDE EMOCIONAL DO EDUCADOR
  • COMO VOCE SE VÊ ATUALMENTE?
  • Sabemos que as condições dos trabalhadores de educação não são muito animadoras.Entretanto, qual seria o papel do professor para modificar essa realidade?Como fazer que o dia não seja desgastante ao ponto de o professor ter vontade de desistir e atuar em sala de aula de forma mecânica?
  • 1-Motivação. Conjunto de motivos que vai fazer com que o indivíduo aja de determinada maneira.São fatores psicológicos que levam a pessoa a fazer esforços para determinado resultado. Mas quem motiva os professores?
  • Quais fatores enfraquecem o trabalho do Educador? *Problemas Funcionais; *Baixa Remuneração *Carga horária de trabalho; *Reações explosivas às pressões do dia a dia. *Violência no ambiente de trabalho;
  • Pesquisa feita pelo IBGE, nos mostra o índice de violência nas escolas:
  • Tipos de violência vivenciadas pelos professores: *Violência Institucional; *Violência Comportamental; *Violência Verbal;
  • 1.0-Doenças Relacionadas ao Trabalho Docente. A escola é o ambiente de trabalho onde ocorrem as maiores incidências de afastamentos por problemas relacionados aos transtornos de ansiedade: síndrome do pânico,fobia escolar,depressão,transtorno de estresse pós traumático.
  • 1.1-Alterações Vocais; O instrumento mais importante de um educador é a voz. Um dos primeiros passos que o professor pode dar em direção à boa saúde vocal é ter percepção em relação aos problemas.
  • Sintomas mais comuns do desgaste vocal. *Enfraquecimento ou perda da voz no final do período de aula; *Quebra na voz durante as explicações; *Voz rouca por vários dias; *Dificuldade em cantar ou modular a voz; *Diminuição do volume da voz; *Voz mais grave do que no inicio da profissão; *Necessidade de limpar a garganta, de pigarrear; *Respiração curta enquanto fala; *Dor na garganta; *Sensação de queimação; *Esforço para falar; *Tosse seca; *voz mais rouca na sexta feira e boa qualidade após o descanso no final de semana.
  • Dicas para prevenção da voz. *Beba água regularmente, em temperatura ambiente; *Articule bem as palavras; *Mantenha boa alimentação; *Evite consumo de cigarros e bebidas alcoólicas; *Espreguice-se na hora de acordar e levantar da cama; *Na sala de aula, utilize recursos que mantenham a participação de alunos; *Utiliza intervalos para descansar a voz.
  • 1.2 - Depressão. Fatores atrelados á profissão docente tem deixado os professores com a saúde emocional abalada:salas lotadas, falta de apoio dos gestores, indisciplina dos alunos, violência etc. A depressão pode estar associada a vários fatores: *Origem biológica; *Ingestão de determinada medicações; *Outras enfermidades; *Pensamentos inadequados No caso dos professores a depressão é associada aos sintomas de estresse.
  • 21 passos para driblar o estresse. Estratégias Educativas: *Saber o que é estresse; *saber reconhecer no corpo, na mente e nas relações interpessoais; *Identificar as formas externas do estresse; *Identificar os estressores internos. Estratégias Situacionais: *Tente eliminar os estressores possíveis de serem eliminados; *Aceitar os estressores inevitáveis; *Reinterpretar os estressores inevitáveis, ou seja, ver o lado positivo de cada estressor em sua vida.
  • Estratégias de enfrentamento duradouro; *Aprender a reconhecer seus limites; *Aprender a respeitar seus limites; *Tomar uma atitude ativa diante da vida; *Usar estratégias no enfrentamento do estresse, concentrando-se na busca de soluções e não nas emoções geradas pelos estressores; *Assumir a responsabilidade pela sua vida; *Aprender a dizer não; *Utilizar o apoio dos colegas no seu ambiente de trabalho; *lembrar que nada ruim dura para sempre;
  • Estratégias de enfrentamento para atenuar os sintomas. *Rir, brincar, fantasiar, usar o senso de humor; *Tirar férias mentais, *Usar técnicas de relaxamento; *Utilizar alimentos antiestresse; *Praticar atividades físicas; *Amar e sentir-se amado (a).
  • 1.3- Perda da Memória. A memória é dividida em três dimensões: imediata, intermediária e a remota. A primeira coisa a fazer, é identificar o problema.Por que há perda da memória constante? Há algum problema que possa ser identificado e eliminado?. Depois de identificado o problema é preciso acompanhá-lo e tratá-lo.
  • Atitudes que amenizam a perda da memória. *Foque sua atenção; *Reduza o estresse; *Durma bem; *Organize-se; *Experimente técnicas de memorização;
  • 1.4-Síndrome do Pânico. È também uma forma de ansiedade, que muitas vezes, tem origem dos quadros freqüentes de estresse. A rotina do professor é completamente vulnerável a esse tipo de transtorno. Com tantas cobranças, o próprio profissional também se cobra e se preocupa excessivamente e como conseqüência, a síndrome do pânico.
  • Características de pessoas que podem desenvolver a síndrome do pânico. *Tendência a preocupação excessiva; *Necessidades de estar no controle da situação; *Expectativas altas; *Dificuldades em aceitar mudanças; *Julgam-se perfeitamente controlados; *São extremamente produtivos; *Assumem grandes responsabilidades; *Perfeccionistas; *São exigentes consigo mesmo; *Não aceitam bem os erros ou imprevistos.
  • A maioria dos portadores da síndrome do pânico são pessoas extrovertidas, alegres, produtivas, corajosas e sem precedentes de problemas emocionais. Os sintomas manifestam por meio de ansiedade aguda, medo de morrer, medo de que algo aconteça algo de ruim, etc. Alguns sintomas da síndrome do pânico: *Palpitações; *Sudorese; *Tremores ou abalos; *Sensação de falta de ar ou sufocamento; *Náuseas ou desconforto abdominal, tonturas; *Medo de perder o controle, de morrer; *Formigamentos, calafrios.
  • Síndrome de Bournout e o Trabalho Docente. Desgaste que vem de fora pra dentro; ou seja, é como perder o fogo, perder a energia ou forças.
  • A síndrome de Bournout se manifesta em trabalhadores que chegaram ao seu limite de estafa mental e física, quem sofre desse mal não é capaz de se envolver com seu trabalho. È um processo que se inicia com o estresse crônico, porém é importante ressaltar que o estresse e a síndrome de bournout são diferentes. O estresse é resultado da pressão do dia a dia, o bournout tem origem do estresse mais prolongado, mas em geral, é resultado da frustração no ambiente de trabalho.
  • A síndrome de burnout se manifesta em três escalas diferentes: * Exaustão Emocional (EE); * Despersonalização (DP); * Falta de Envolvimento Pessoal no Trabalho (EPT), sendo que nem todas as pessoas que sofrem dessa síndrome experimentam os três níveis da doença.  
  • Exaustão Emocional. A Exaustão Emocional é considerada a dimensão que mais provoca danos ao portador da síndrome de burnout. O idealismo que os professores têm no início da carreira faz com que os mesmos desprendam grande quantidade de energia na busca por alcançar seus objetivos quanto ao desempenho de sua função. Com o tempo muitos desafios se colocam a sua frente, a convivência com as diversas angústias de seus alunos e a impossibilidade de ajudar a todos faz com que suas energias sejam sugadas.
  • Despersonalização . A despersonalização caracteriza-se pelo afastamento emocional do professor em relação ao seu trabalho, aos alunos e aos colegas de profissão. Ele cria uma couraça que o impede de sentir emoções, de se envolver afetivamente, ou seja, fica insensível emocionalmente. Nesta fase, o professor trata o aluno como objeto de trabalho apenas. “... tanto faz sobre o que estou dando aula, sequer me interessa se foi boa ou não, o que me interessa é que mais uma aula passou.”
  • Baixa Realização Pessoal no trabalho. A baixa realização pessoal no trabalho é a terceira dimensão da síndrome de burnout, de modo que nessa fase o educador passa a se autoavaliar negativamente, se sente fracassado e insatisfeito com seu desenvolvimento profissional. É a dimensão mais cruel da síndrome. Muitos profissionais, por se acharem incompetentes para a função, abandonam o trabalho, e os que não podem, abandonam de forma figurada, estão lá na função docente, mas é como se não estivessem. Os meses, os dias, as aulas e os alunos se tornam apenas números, A CHAMA SE APAGA, ENTRA EM BURNOUT: “...
  • Os sintomas da SB são divididos em quatro categorias:   Físicos: Perda da resistência imunológica, alterações na tireóide, vulnerabilidade às doenças cardíacas, crises hipertensivas, diabetes. Esses sintomas podem acarretar problemas graves, como insuficiência renal, infartos, AVC etc. Comportamentais: Cinismo, impotência, isolamento, irritabilidade, apatia, comportamentos excessivos de fuga – sexo, bebidas, jogos, medicamentos. Afetivos: Esgotamento psicológico e emocional, estresse crônico, deteriorizacão da qualidade de vida, esgotamento emocional, desesperança, frustração, sensação de estar aprisionado, desespero, ressentimento, culpa etc. Cognitivos: Despersonalização do profissional, disfunções no desempenho profissional, falta de concentração, esquecimento, desconexão etc..pois é algo semelhante a remar contra a maré.
  • Professores que trabalham com alunos de comportamento irregular ou indisciplinado têm propensão a sofrer com o estresse gerado no trabalho. As causas desse desconforto podem se manifestar por meio dos seguintes fatores: * Políticas (ou falta delas) inadequadas da escola para casos de indisciplina; * Atitude, comportamento distante e falta de apoio por parte dos gestores; * Avaliação negativa dos administradores e supervisores; * Atitude e comportamentos individualistas de outros professores e profissionais; * Carga de trabalho excessiva;
  • * Oportunidades de carreira pouco interessantes (baixos salários, péssimas condições de trabalho); * Baixo status da profissão de professor; *Falta de reconhecimento por parte dos alunos e gestores de ensino; * Alunos barulhentos, indisciplinados e desinteressados; * Lidar com a cobrança dos pais.  
  • Os efeitos da SB se manifestam da seguinte forma: * Sentimento de exaustão; * Oportunidades de carreira pouco interessantes (baixos salários, péssimas condições de trabalho); * Baixo status da profissão de professor; * Falta de reconhecimento por parte dos alunos e gestores de ensino; * Alunos barulhentos, indisciplinados e desinteressados; * Lidar com a cobrança dos pais.  
  • * Sentimento de frustração; * Sentimento de incapacidade; * Sentir-se culpado por não fazer o bastante; * Irritabilidade.
  • A principal causa da síndrome de burnout é a falta de reconhecimento da profissão por parte da sociedade em geral.   Os agentes dessa falta de reconhecimento são três: * Sistema: A desvalorização do professor por parte do sistema se dá por meio das péssimas condições de trabalho, desequilíbrio na distribuição de fundos da educação básica, falta de material de apoio, atraso na aplicação de planos de educação, baixos salários, acúmulo de carga horária, falta de programas de capacitação e formação continuada, que não corresponde à realidade vivida em sala de aula; * Alunos: Indisciplina na sala de aula, violência, falta de compromisso, apatia etc.;   * Sociedade: Perguntas como: “O que você faz além de dar aulas?”; “Além de dar aulas, você trabalha?” são recorrentes na sociedade em geral. Os pais não valorizam os professores, mas delegam a estes a função de educar seus filhos, isso é resultado de uma falsa idéia inculcada na cabeça das pessoas de que o professor é preguiçoso, responsável pela apatia e indisciplina dos alunos etc.
  • Dicas para prevenir a síndrome de burnout: Peça Ajuda. Procure um profissional de saúde. Dê um tempo. Se o burnout parece inevitável, dê um tempo total do trabalho. Cuide da sua saúde. É importante manter um bom nível de saúde física, por isso coma bem, durma o bastante e faça com que os exercícios sejam parte da sua rotina. Cuide de você. É importante que você preste atenção às suas necessidades, e encontre maneiras de satisfaz. Utilize técnicas antiestresse. Como o burnout está relacionado com o estresse, muitas das técnicas de administração e prevenção do estresse ajudam a prevenir e minimizar os efeitos do burnout. Cultive relacionamentos. É importante cultivar relacionamentos com outras pessoas, e passar tempo se sociabilizando. Poucos relacionamentos e isolamento podem contribuir para a síndrome de burnout, enquanto relacionamentos positivos podem reduzir o seu impacto.
  • 5.2.2 Principais Consequências. As conseqüências da síndrome de burnout nos professores e no sistema de ensino são muito graves. Na questão do envolvimento pessoal com o trabalho, a situação é mais crítica, pois muitos professores não se sentem capazes de ensinar, há muito absenteísmo e muitas vezes o docente abandona o cargo por se sentir incapaz ou abandona figurativamente a função: está na escola para ensinar, mas se torna apático e suas aulas não surtem o efeito esperado. A seguir os doze estágios da síndrome de burnout:
  • *Necessidade de se afirmar; *Dedicação intensificada - com predominância da necessidade de fazer tudo sozinho; * Descaso com as necessidades pessoais - comer, dormir, sair com os amigos começa a perder o sentido; * Recalque de conflitos - o portador percebe que algo não vai bem, mas não enfrenta o problema. É quando ocorrem as manifestações físicas; * Reinterpretação dos valores - isolamento, fuga dos conflitos. O que antes tinha valor sofre desvalorização: lazer, casa, amigos, e a única medida da autoestima é o trabalho; * Negação de problemas - nessa fase os outros são completamente desvalorizados e tidos como incapazes. Os contatos sociais são repelidos, cinismo e agressão são os sinais mais evidentes;
  • * Recolhimento; * Mudanças evidentes de comportamento; * Despersonalização; * Vazio interior; * Depressão - marcas de indiferença, desesperança, exaustão. A vida perde o sentido; * E, finalmente, a síndrome do esgotamento profissional propriamente dita, que corresponde ao colapso físico e mental. Esse estágio é considerado de emergência e a ajuda médica e psicológica uma urgência.
  • Algumas estratégias que podem ser usadas para amenizar esse estresse são: * Utilização de técnicas de respiração e relaxamento; * Organização do tempo e definição das prioridades;   * Manutenção de uma dieta equilibrada ou balanceada; * Prática de exercícios físicos; * Discussão de problemas com colegas de profissão; * Maior tempo para o lazer; * Ajuda profissional da medicina convencional ou de terapias alternativas.
  • Além de suas próprias atribuições e conhecimentos, o professor precisa receber apoio constante da equipe gestora, que é composta por um trio que inclui o diretor, o coordenador pedagógico e o supervisor pedagógico: 1. Diretor: responsável legal, judicial e pedagógico pela instituição e o líder que garante o funcionamento da escola. 2. Coordenador pedagógico: profissional que responde pela formação dos professores. 3. Supervisor de ensino: representante da secretaria de Educação que dá apoio técnico, administrativo e às escolas.
  • Promova seu Bem Estar. Busque Apoio no Grupo.
  • Estude Mais.
  • Compartilhe, Trabalhe em Equipe.
  • Dicas de Filmes: *Entre os muros da escola; *Ao mestre com carinho: *O sorriso de Mona Lisa
  • Escola Cândido Portinari/Priscila Rodrigues Chagas. Professora/Psicopedagoga: Jane Gonçalves Reis. Fonte: Curso on line Saúde Emocional do Educador.