Curso Online de curso de especialização de  gestão educacional
5 estrelas 2 alunos avaliaram

Curso Online de curso de especialização de gestão educacional

especialização de gestão educacional

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 6 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 70 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

especialização de gestão educacional

Micro Empresária Formada em Administraçao


- Gislaine Sviech Valle Gelinski

- Elizamara Granel Dos Anjos

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • Curso de Especialização de Gestão Educacional

    curso de especialização de gestão educacional

    módulo: estado, políticas públicas e educação

  • analisar o estado moderno na perspectiva histórica.

    discutir o estado brasileiro sua relação com as políticas públicas com ênfase as políticas educacionais.

    objetivos

  • Concepção de Estado

    concepção de estado

    “estado é um poder político que se exerce sobre um território e um conjunto demográfico (população) sendo a maior organização política que a humanidade conhece.” (gruppi)

    tem papel de destaque em relação às outras instituições sociais

    três poderes: executivo, legislativo e judiciário

    tarefas: produzir leis, cobrar impostos e aplicar sanções

  • estado é constituído por um conjunto de instituições permanentes.

    governo é elemento transitório que estabelece programas e projetos.

    estado x governo

  • O Estado Medieval

    o estado medieval

    a sociedade feudal era essencialmente agrária, sendo a terra a principal fonte de riqueza;
    a produção econômica se concentrava no feudo, pertencente a um senhor feudal, leigo ou eclesiástico;
    a produção se destinava a subsistência de seus habitantes e seu excedente destinava-se ao escambo;
    o feudo concentrava, não só a atividade agrícola, mas também a criação, a indústria caseira e o comércio local, onde era restrita a circulação monetária.
    o feudo, entretanto, não era apenas uma unidade econômica do sistema, constituindo ainda uma unidade territorial e político-jurídica da sociedade feudal.
    o feudo compreendia três partes fundamentais: reserva senhorial, as terras arrendadas e as terras comuns;
    do ponto de vista político-jurídico, o feudo - a base material concreta do poder - deve ser entendido como benefício - a terra;
    a igreja católica era a dona espiritual, instituição que podia oferecer proteção e socorro às populações indefesas. assumindo, assim, um papel político de destaque à medida que conseguia assegurar a ordem e a disciplina.
    o cristianismo, com sólida organização, centralizado e hierarquizado fez dele um verdadeiro estado, cujos limites se sobrepunham às fronteiras e instituições dos reinos medievais.

  • O Estado Moderno

    o estado moderno

    estado unitário, dotado de um poder próprio independente de quaisquer outros poderes.

    características que o diferem do estado do passado:
    autonomia
    distinção entre estado e sociedade civil
    identificação absoluta entre o estado e o monarca.

  • Tópico para reflexão posterior:

    tópico para reflexão posterior:

    do que veremos a seguir, sobre os principais pensadores do estado moderno, vamos observar em suas teorias o que identificamos na nossa atualidade...

  • Pensadores sobre o Estado

    pensadores sobre o estado

  • Nicolau Maquiavel (1469-1527)

    nicolau maquiavel (1469-1527)

    político ativo, diplomata experiente;
    elaborou uma teoria de como se formam os estados, de como se constitui o poder moderno;
    escreveu sobre a arte de conquistar o poder e conservá-lo e sobre os erros a serem evitados por um príncipe para manter-se no exercício de sua função;
    considerava-se como conselheiro dos príncipes e sua única preocupação era que conseguissem realizar a sua vontade;
    republicano, percebia mais claramente do que seus compatriotas a impossibilidade de qualquer estado prosperar onde a moral tinha falhado. denunciava a podridão existente, observava que a bondade, o constitucionalismo e a moralidade tradicionais não representavam bases suficientes para uma sociedade estável;
    preconizava a doutrina do poder;
    sociedade deve ter uma autoridade central para conseguir obediência;
    em todos os estados existe um poder supremo, soberano;
    o controle do poder é a justificação da soberania;
    as massas necessitavam de moralidade e religião, mas o governo não deveria sentir-se preso à essas regras. a força era a única justificação do poder.
    o estado faz política, segue suas técnicas e suas próprias leis.

  • Jean Bodin (1530-1596)

    jean bodin (1530-1596)

    polemizou contra maquiavel. enquanto maquiavel pretendia construir um estado, bodin teorizava um estado unitário que já existia;

    o estado é constituído essencialmente pelo poder: nem o território e nem o povo definem o estado tanto quanto o poder.

    a soberania é o verdadeiro alicerce;

    o estado é poder absoluto, é a coesão de todos os elementos da sociedade (monarca, classe dominante e povo).

    soberania = poder absoluto que o chefe de estado tem de fazer leis para todo o país, sem estar, entretanto, sujeito a elas nem às de seus predecessores, porque "não pode dar ordens a si mesmo".

    ao exercer a soberania, o governante deve criar órgãos, associações ou conselhos (como os "estados gerais", na frança) que facilitem a administração. porém o poder de decisão em última instância é sempre do príncipe, sob pena de desmoronamento da soberania, que é tão alta e tão sagrada.

  • "nada havendo de maior sobre a terra, depois de deus, que os príncipes soberanos, e sendo por ele estabelecidos como seus representantes para governarem os outros homens, e necessário lembrar-se de sua qualidade, a fim de respeitar-lhes e reverenciar-lhes a majestade com toda a obediência, a fim de sentir e falar deles com toda a honra, pois quem despreza seu príncipe soberano, despreza a deus, de quem ele é a imagem na terra".

    (bodin, jean. "a república". citado por chevalier jean-jacques. as grandes obras políticas de maquiavel a nossos dias. rio de janeiro, livraria agir editora, 1966,1 p. 58.).


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Curso de Especialização de Gestão Educacional
  • Concepção de Estado
  • O Estado Medieval
  • O Estado Moderno
  • Tópico para reflexão posterior:
  • Pensadores sobre o Estado
  • Nicolau Maquiavel (1469-1527)
  • Jean Bodin (1530-1596)
  • Thomas Hobbes (1588-1679)
  • John Locke (1632-1704)
  • Emmanuel Kant (1724-1804)
  • Jean-Jacques Rousseau (1712-1778)
  • Benjamin Constant (1767-1830)
  • Charles Tocqueville (1805-1859)
  • Benedetto Croce (1866-1952)
  • Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831)
  • Concepção Crítica do Estado
  • Karl Marx (1818-1883)
  • A questão da democracia
  • Estado x Sociedade
  • Teoria do Estado Ampliado em Gramsci
  • Estado = Sociedade Política + Sociedade Civil
  • Princípios da Ideologia Liberal
  • Estado de Bem-Estar Social John Maynard Keynes(1887-1946) Teoria do Pleno Emprego, dos juros e do dinheiro (renda)
  • Brasil - 1930-1945 - Autoritarismo Populista
  • Lei n 4024/61 - 1ª LDB
  • Lei n 5692/71 - 2ª LDB