Curso Online de O  ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Curso Online de O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Este curso é indicado para professores que precisam trabalhar com a Língua Portuguesa e ainda não possuem formação, principalmente profes...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 10 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso é indicado para professores que precisam trabalhar com a Língua Portuguesa e ainda não possuem formação, principalmente professores de reforço, ou projeto Mais Educação. Trata - se de um curso que habilita o professor a ensinar aos alunos, prioritariamente os do ensino fundamental o uso da língua materna. Fundamenta - se nos PCNs.

Advogada,Pedagoga, Psicopedagoga,Bacharel em Teologia Sistemática. Pós graduação em Gestão Pública e em Direitos Culturais, em Docência do Ensino Superior.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • O Ensino da Língua Portuguesa

    O Ensino da Língua Portuguesa

    P

  • 1- Considerações iniciais sobre o Ensino da Língua Portuguesa

    1- Considerações iniciais sobre o Ensino da Língua Portuguesa


    A língua portuguesa é um instrumento de trabalho de todo profissional que trabalha a língua materna no Brasil e, como afirma Dacanal (1987), a língua é essencialmente um fenômeno social e político. A língua também é uma convenção e uma imposição da classe economicamente favorecida; ela varia de acordo com a localização geográfica e varia também, em função dos estrangeirismos (palavras originadas, de outros países que se incorporam ao léxico da língua portuguesa).

  • Até os anos 1970, o processo de aprendizagem da Língua Portuguesa era comparado a um foguete em dois estágios, como bem pontuam os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). O primeiro ia até a criança ser alfabetizada, aprendendo o sistema de escrita. Já o seguinte começaria quando ela tivesse o domínio básico dessa habilidade e seria convidada a produzir textos, notar as normas gramaticais e ler produções clássicas.

  • A partir dos anos 1980, o ensino não é mais visto como uma sucessão de etapas, e sim um processo contínuo. "O aluno precisa entrar em contato com dificuldades progressivas do conteúdo. Desse modo, desenvolve competências e habilidades diferentes ao longo dos anos", diz Maria Teresa Tedesco, professora do Colégio de Aplicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

  • As situações didáticas essenciais para o Ensino Fundamental passaram a ser: ler e ouvir a leitura do docente, escrever, produzir textos oralmente para um educador escriba (quando o aluno ainda não compreende o sistema) e fazer atividades para desenvolver a linguagem oral, além de enfrentar situações de análise e reflexão sobre a língua e a sistematização de suas características e normas.


  • Em pouco tempo, no entanto, as correntes acadêmicas avançaram mais. Mikhail Bakhtin (1895-1975) apresentou uma nova concepção de linguagem, a enunciativo-discursiva, que considera o discurso uma prática social e uma forma de interação - tese que vigora até hoje. A relação interpessoal, o contexto de produção dos textos, as diferentes situações de comunicação, os gêneros, a interpretação e a intenção de quem o produz passaram a ser peças-chave.

  • 2- O uso da Língua Portuguesa

    2- O uso da Língua Portuguesa

    A língua portuguesa possui mais de 240 milhões de falantes, sendo a quinta língua mais falada no mundo e a terceira mais falada no mundo ocidental. É o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

  • A Língua Portuguesa, no Brasil, possui muitas variedades dialetais. Identificam-se geográfica e socialmente as pessoas pela forma como falam. Mas há muitos preconceitos decorrentes do valor social relativo que é atribuído aos diferentes modos de falar: é muito comum se considerarem as variedades linguísticas de menor prestígio como inferiores ou erradas. O problema do preconceito disseminado na sociedade em relação às falas dialetais deve ser enfrentado, na escola, como parte do objetivo educacional mais amplo de educação para o respeito à diferença. 

  • A escola precisa livrar-se de alguns mitos: o de que existe uma única forma “certa” de falar — a que se parece com a escrita — e o de que a escrita é o espelho da fala — e, sendo assim, seria preciso “consertar” a fala do aluno para evitar que ele escreva errado. Essas duas crenças produziram uma prática de mutilação cultural que, além de desvalorizar a forma de falar do aluno, tratando sua comunidade como se fosse formada por incapazes, denota desconhecimento de que a escrita de uma língua não corresponde inteiramente a nenhum de seus dialetos, por mais prestígio que um deles tenha em um dado momento histórico.

  • 3- Objetivos do ensino da Língua Portuguesa

    3- Objetivos do ensino da Língua Portuguesa

    Propiciar aos professores, conhecimentos teóricos e metodológicos relativos ao processo de ensino e aprendizagem da língua materna na alfabetização e no início do ensino fundamental, capacitando-o para uma atuação competente e efetiva na escola; estabelecer a reflexão em torno da problemática do ensino de língua portuguesa em suas especificidades, discutindo as alternativas existentes e as possibilidades de integrar teoria e prática; desenvolver a reflexão em torno da problemática do letramento e da alfabetização, promovendo discussões a respeito dos caminhos existentes e das possibilidades de interagir teoria e prática.

  • Ensinar o aluno a utilizar a linguagem oral nas diversas situações comunicativas, especialmente nas mais formais: planejamento e realização de entrevistas, debates, seminários, diálogos com autoridades, dramatizações, etc. Trata-se de propor situações didáticas nas quais essas atividades façam sentido de fato, pois seria descabido “treinar” o uso mais formal da fala. A aprendizagem de procedimentos eficazes tanto de fala como de escuta, em contextos mais formais, dificilmente ocorrerá se a escola não tomar para si a tarefa de promovê-la.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • O Ensino da Língua Portuguesa
  • 1- Considerações iniciais sobre o Ensino da Língua Portuguesa
  • 2- O uso da Língua Portuguesa
  • 3- Objetivos do ensino da Língua Portuguesa
  • 4- Linha do tempo do ensino da Língua Portuguesa no Brasil
  • 5- Os Novos Modos de Aprender Língua Portuguesa
  • 6- Aprender e ensinar Língua Portuguesa na escola
  • 6. 1 - Tríade: o aluno, a língua e o ensino
  • 6.2 A importância e o valor dos usos da linguagem
  • 7- Linguagem e participação social .
  • 7- Linguagem, atividade discursiva e textualidade
  • 7.1 - O texto como unidade de ensino
  • 7.2- Produção de textos
  • 7. 3 - Algumas situações didáticas para a prática de produção de textos
  • 7.4- A seleção de textos
  • 7.4.1 -Cartuns
  • 7.4.2 -Cordel
  • 8. - Produção escrita e reflexão sobre a língua
  • 8.1- Revisão de texto
  • 8.2- Ortografia
  • 8.3- Pontuação
  • 8.4 – Gramática
  • 9- Organização dos conteúdos
  • 9.1 – Critérios de sequência e organização dos conteúdos
  • 9.2- Tratamento didático dos conteúdos
  • 10 - Os recursos didáticos e sua utilização
  • 11- Critério de Avaliação
  • Considerações Finais
  • Fim!
  • Referências Bibliográficas