Curso Online de FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
5 estrelas 3 alunos avaliaram

Curso Online de FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SEJA BEM VINDA O CURSO FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA CARGA HORÁRIA 110 HORAS AULA. IDEAL PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 110 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

SEJA BEM VINDA O

CURSO

FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

CARGA HORÁRIA 110 HORAS AULA.

IDEAL PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE.

ORGANIZAÇÃO QUE BUSCA APRESENTAR CURSOS EM DIVERSAS ÁREAS DE ATUAÇÃO E FORMAÇÃO POR UM BAIXO CUSTO PARA OS USUÁRIOS.


- Lúcia Rojas Além

- Claudio Dos Santos Cachoeira

- Onias Rodrigues Damascena

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

    FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

    CURSO 110 HORAS

  • SEJA BEM VINDO (A)

    CURSO

    FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

  • PREZADO(A)S Aluno(a)s,

    É com grande prazer que desenvolvemos um curso voltado a todos os que labutam e lutam no seu cotidiano pelo DIREITO SOCIAL à SAÚDE.

    SAÚDE É DIREITO DE TODOS E DEVER DO ESTADO!

  • A PARTICIPAÇÃO NO CURSO NÃO TEM PRE REQUISITO PARA A PARTICIPAÇÃO DO CURSO.

    CURSO É DESTINADO A TODOS AQUELES QUE BUSCAM CONHECIMENTO NA ÁREA DA SAÚDE. PROFISSIONAIS, PESQUISADORES, ESTUDANTES E SOCIEDADE.

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    SAÚDE DIREITO DE TODOS E DEVER DO ESTADO.

    É ASSEGURADO A TODOS OS MORADORES E VISITANTES NO BRASIL O DIREITO A SAÚDE. SENDO ELES BRASILEIROS NATOS OU NÃO. A VERDADE É QUE A SAÚDE É BASEADA NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – IDENTIFICADO COMO SUS.

  • O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE É O MAIOR SISTEMA PÚBLICO DE SAUDE. E MESMO QUE VOCÊ TENHA PLANOS PARTICULARES DE SAÚDE VOCÊ ACESSA DIARIAMENTE O SUS – COMO PROCESSOS FUNDAMENTADOS PELA VIGILÂNCIA SANITÁRIA COM AS FISCALIZAÇÕES NO COTIDIANO.

  • A iniciativa privada pode participar de maneira complementar na saúde. È direito de todos e dever do Estado que estabelece que todos possam acessar a saúde com igualdade e universalidade. Complementação por intermédio de atos de convênio e contratos.

  • CONCEITO

    CONCEITO

    É um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doenças.

    OMS

  • O CONCEITO ANTES ERA APRESENTADO COMO SOMENTE NÃO TER DOENÇA.

    PERCEBE-SE QUE SAÚDE É MAIS DO QUE A AUSÊNCIA DE DOENÇA;

  • SAÚDE É SIM O RESULTADO DA PROTEÇÃO SOCIAL.

    PROTEÇÃO SOCIAL QUE VISA A SAÚDE INTEGRAL. ENGLOBA ´PARTE FÍSICA, MENTAL, PSICOSOCIAL E CONVIVÊNCIA SOCIAL.

  • A SAÚDE NÃO É SOMENTE INDIVIDUAL, MAS PARTE DO COLETIVO.

    A COLETIVIDADE É IMPORTANTE PARA OS DETERMINANTES DE SAÚDE.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
  • INTRODUÇÃO
  • CONCEITO
  • DETERMINANTES DE SAÚDE
  • Evolução da mortalidade infantil no Brasil
  • Mortalidade infantil: determinantes
  • Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde
  • A CNDSS e a Constituição
  • Objetivos da CNDSS I
  • Composição da CNDSS
  • Grupo intersetorial da CNDSS
  • HISTÓRIA
  • LEI 8080 DE 1990.
  • PRINCÍPIOS
  • COMISSÕES
  • CONSELHOS
  • LEI No 9.836, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999
  • LEI Nº 11.108, DE 7 DE ABRIL DE 2005
  • LEI Nº 10.424, DE 15 DE ABRIL  DE 2002
  • LEI Nº 8.142, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1990
  • PORTARIA 2203 DE 1996
  • PORTARIA Nº 373, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2002
  • CONSTITUIÇÃO E SAÚDE
  • PORTARIA SAS/MS N.° 119, DE 9 DE SETEMBRO DE 1993.
  • PORTARIA INTERMINISTERIAL MPAS/MS N.º 11, DE 4 DE JULHO DE 1995.
  • PORTARIA INTERMINISTERIAL MPAS/MS N.º 14, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1996.
  • PORTARIA N.º 1.969/GM/MS, DE 25 DE OUTUBRO DE 2001.
  • PORTARIA N.º 3.120, DE 1.º DE JULHO DE 1998.
  • NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR (NOST)
  • PORTARIA N.° 3.908, DE 30 DE OUTUBRO DE 1998.
  • NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR (NOST-SUS)
  • PORTARIA N.º 1.679, DE 19 DE SETEMBRO DE 2002.
  • PORTARIA N.º 656, DE 20 DE SETEMBRO DE 2002.
  • PORTARIA N.º 666, DE 30 DE SETEMBRO DE 2002.
  • PORTARIA N.º 777, DE 28 DE ABRIL DE 2004.
  • CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ
  • CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS
  • CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA BAHIA (1989)
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE
  • POLÍTICA DE SAÚDE
  • LEGISLAÇÃO
  • EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 51, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2006
  • EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 29, DE 13 DE SETEMBRO DE 2000
  • LEI COMPLEMENTAR Nº 101, DE 4 DE MAIO DE 2000
  • LEI No 6.050, DE 24 DE MAIO DE 1974
  • LEI Nº 8.142, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1990
  • LEI Nº 8.689, DE 27 DE JULHO DE 1993
  • LEI Nº 9.782, DE 26 DE JANEIRO DE 1999
  • LEI No 9.961 DE 28 DE JANEIRO DE 2000
  • LEI No 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001
  • LEI Nº 10.424, DE 15 DE ABRIL  DE 2002
  • ÓRGÃOS DIRETO
  • SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL
  • DOENÇA OCUPACIONAL
  • ACIDENTE DE TRABALHO
  • NORMA REGULAMETADORA
  • MAPA DE RISCO
  • OBJETIVOS DOS MAPAS DE RISCOS
  • ETAPAS DA ELABORAÇÃO
  • GRUPO VERDE
  • GRUPO VERMELHO
  • GRUPO MARROM
  • GRUPO AMARELO
  • GRUPO AZUL
  • PORTARIA N. 25 DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994
  • PPRA
  • NR 15
  • LEGISLAÇÃO
  • LIMITE DE TOLERÂNCIA
  • GRAU DE INSALUBRIDADE
  • ELIMINAÇÃO
  • LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDO CONTÍNUO OU INTERMITENTE
  • LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA RUÍDOS DE IMPACTO
  • LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA EXPOSIÇÃO AO CALOR
  • RADIAÇÕES IONIZANTES
  • TRABALHO SOB CONDIÇÕES HIPERBÁRICAS
  • TRABALHO SUBMERSO
  • PLATAFORMA DE MERGULHO
  • PADRÕES PSICOFÍSICOS PARA SELEÇÃO DOS CANDIDATOS À ATIVIDADE DE MERGULHO
  • PADRÕES PSICOFÍSICOS PARA CONTROLE DO PESSOAL EM ATIVIDADE DE MERGULHO
  • TABELAS DE DESCOMPRESSÃO
  • TABELAS PARA RECOMPRESSÃO TERAPÊUTICA
  • VIBRAÇÃO
  • FRIO
  • UMIDADE
  • AGENTES QUIMICOS
  • LIMITES DE TOLERÂNCIA PARA POEIRAS MINERAIS
  • MANGANÊS E SEUS COMPOSTOS
  • SÍLICA LIVRE CRISTALIZADA
  • AGENTES QÚÍMICOS
  • ARSÊNICO
  • CARVÃO
  • CHUMBO
  • CROMO
  • FÓSFORO
  • HIDROCARBONETOS E OUTROS COMPOSTOS DE CARBONO
  • MERCURIO
  • SILICATOS
  • SUBSTÂNCIAS CANCERÍGENAS
  • Insalubridade de grau máximo
  • Insalubridade de grau médio
  • Insalubridade de grau mínimo
  • BENZENO
  • AGENTES BIOLÓGICOS
  • SEGURANÇA NO TRABALHO DO SERVIÇOS DE SAÚDE
  • RESOLUÇÃO RDC Nº 306, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004
  • PGRSS
  • RSS GRUPO A1
  • RSS GRUPO A2
  • RSS GRUPO A3
  • RSS GRUPO A4
  • RSS GRUPO A5
  • RSS GRUPO B
  • RSS GRUPO C
  • TRATAMENTO
  • RSS GRUPO D
  • RSS GRUPO E
  • SEGURANÇA OCUPACIONAL
  • Incompatibilidade das principais substâncias utilizadas em Serviços de Saúde  
  • SUBSTÂNCIAS QUE REAGEM COM PEAD
  • INATIVAÇÃO MICROBIANA 
  • CLASSE DE RISCO 4
  • NORMAS DE BIOSEGURANÇA
  • VIGILÂNCIA
  • Lei Federal Nº 5.991 de 17 de dezembro de 1973
  • Lei Federal Nº 6.360 de 23 de setembro de 1976
  • Lei Federal Nº 6.437 de 20 de agosto de 1977
  • HISTÓRIA DA VIGILÂNCIA
  • LEI Nº 13.235, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2015.
  • REFERÊNCIA
  • AGRADECIMENTO