Curso Online de Planejamento na ESF

Curso Online de Planejamento na ESF

Planejamento na ESF

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Planejamento na ESF

ESPECIALISTAS EM ENFERMAGEM; BACHAREIS EM ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA; Experiência em: -Urgência e Emergência, -Clinica Médica, -Clinica Círurgica, -UTI, -Oncologia, -Nefrologia e -SAÚDE PUBLICA E ETC; PROFESSORES DE CURSOS TECNICO DE ENFERMAGEM EM DIVERSAS ÁREAS.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Planejamento na ESF

    planejamento na esf

    enf.: marcelo neves

  • O QUE É PLANEJAR?

    o que é planejar?

  • TRAÇAR UMA META, UM OBJETIVO PARA QUE O MESMO SEJA ALCANÇADO COM ORGANIZAÇÃO

    traçar uma meta, um objetivo para que o mesmo seja alcançado com organização

  • Para Tancredi e cols (1988), planejar é a arte de elaborar o plano de um processo de mudança. Compreende um conjunto de conhecimentos práticos e teóricos ordenados de modo a possibilitar interagir com a realidade, programar as estratégias e ações necessárias e tudo o mais que seja delas decorrente no sentido de tornar possível alcançar os objetivos e metas desejados.

    para tancredi e cols (1988), planejar é a arte de elaborar o plano de um processo de mudança. compreende um conjunto de conhecimentos práticos e teóricos ordenados de modo a possibilitar interagir com a realidade, programar as estratégias e ações necessárias e tudo o mais que seja delas decorrente no sentido de tornar possível alcançar os objetivos e metas desejados.

  • Mudança e estratégia são pré-requisitos do planejamento. O exercício de planejar pressupõe a busca de situações diversas das inicialmente detectadas e que possam ser construídas mediante estratégias que avaliem os interesses de sustentação ou oposição a esse processo de mudanças.

    mudança e estratégia são pré-requisitos do planejamento. o exercício de planejar pressupõe a busca de situações diversas das inicialmente detectadas e que possam ser construídas mediante estratégias que avaliem os interesses de sustentação ou oposição a esse processo de mudanças.

  • QUAIS OS ATORES ENVOLVIDOS NO ATO DE PLANEJAR?

    quais os atores envolvidos no ato de planejar?

    recursos humanos

  • COMO PLANEJAR?

    como planejar?


    elaborar um cronograma de atividades, criando um projeto, priorizando problemas

  • ao formular a crítica ao planejamento normativo, matus (1989) sugere outra maneira de planejar: o planejamento estratégico situacional, que é definido por ele como a arte de governar em situações de poder compartido, identificando quatro momentos do planejamento a saber: o explicativo, normativo, o estratégico e o tático-operacional.

    planejamento estratégico situacional - pes

  • matus elaborou o método tomando como ponto de partida a situação (realidade explicada por um ator,que nela vive, em função de sua ação).

    ação, situação e ator formam um todo complexo
    que não pode ser desagregado em seus
    elementos componentes.

  • Na concepção integral de um planejamento situacional, o sistema ( Conjunto de elementos que interrelacionados que interagem no desempenho de uma função) compreende:

    na concepção integral de um planejamento situacional, o sistema ( conjunto de elementos que interrelacionados que interagem no desempenho de uma função) compreende:

    1º nível- planejamento estratégico situacional (pes) – é um planejamento do “estado maior” no mais alto nível;
    2º nível – método zoop (zielorrientierte projeckplanung, propagado pela gtz do governo da alemanha) – é um método de planejamento por projetos orientados a partir de objetivos.aqui projeto é qualquer tarefa humana criativa. trata-se de um método mais simples que o pes, de grande utilidade nos níveis intermediários que tem capacidade técnica própria ou podem obter suporte de equipes de técnicos.
    3ºnível - método mapp (método altadir de planejamento popular)
    desenhado para planejar na base popular e fazer efetivas as propostas de democratização e participação popular. é um método ainda mais simples que o zoop

  • Os três métodos são coerentes e utilizam categorias equivalentes,mas se diferenciam pelo grau de complexidade

    os três métodos são coerentes e utilizam categorias equivalentes,mas se diferenciam pelo grau de complexidade


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Planejamento na ESF
  • O QUE É PLANEJAR?
  • TRAÇAR UMA META, UM OBJETIVO PARA QUE O MESMO SEJA ALCANÇADO COM ORGANIZAÇÃO
  • Para Tancredi e cols (1988), planejar é a arte de elaborar o plano de um processo de mudança. Compreende um conjunto de conhecimentos práticos e teóricos ordenados de modo a possibilitar interagir com a realidade, programar as estratégias e ações necessárias e tudo o mais que seja delas decorrente no sentido de tornar possível alcançar os objetivos e metas desejados.
  • Mudança e estratégia são pré-requisitos do planejamento. O exercício de planejar pressupõe a busca de situações diversas das inicialmente detectadas e que possam ser construídas mediante estratégias que avaliem os interesses de sustentação ou oposição a esse processo de mudanças.
  • QUAIS OS ATORES ENVOLVIDOS NO ATO DE PLANEJAR?
  • COMO PLANEJAR?
  • Na concepção integral de um planejamento situacional, o sistema ( Conjunto de elementos que interrelacionados que interagem no desempenho de uma função) compreende:
  • Os três métodos são coerentes e utilizam categorias equivalentes,mas se diferenciam pelo grau de complexidade
  • CARACTERÍSTICAS DO PES
  • O sentido estratégico do planejamento supõe formulação de objetivos e superação de dificuldades que outros atores sociais apresentam....
  • ...assim, o cálculo estratégico supõe uma relação com o outro “ e isto coloca problemas psicológicos, éticos e afetivos numerosos e complexos”, que dificilmente são tratados nos modelos normativos.(Matus, 1996 )
  • O aspecto situacional dessa concepção de planejamento considera que a objetividade pura e simples não existe, pois o sujeito está incluído no objeto de planejamento que por sua vez, inclui outros sujeitos que também planejam....
  • .... “há várias explicações à realidade e todas estão condicionadas pela inserção particular de cada ator na mesma realidade...o diagnóstico único e a verdade objetiva já não são possíveis.
  • Não é possível predizer comportamentos, mas apenas prever as relações interativas entre adversários e aliados a cada situação.
  • Planejar é pactuar com um grupo de pessoas o que se pretende fazer...
  • Para o PES “as forças sociais são o centro do plano”...
  • Como outros atores também planejam e opõe resistências a quem está planejando, é mais adequado falar em poder ser do que deve ser, em termos de futuro
  • MOMENTOS DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL
  • MOMENTO EXPLICATIVO
  • MOMENTO NORMATIVO
  • MOMENTO ESTRATÉGICO
  • MOMENTO TÁTICO-OPERACIONAL
  • Para garantir efetividade às ações:
  • MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO
  • COMO APLICAR O MÉTODO?
  • EXEMPLO
  • ÁRVORE DE PROBLEMAS E NÓS CRÍTICOS
  • NÓS CRÍTICOS
  • MÉTODO ALTADIR DE PLANEJAMENTO POPULAR (MAPP) Passo 1 – Seleção dos Problemas
  • Passo 2 – Identificação do ator que explica o problema e definição dos descritores e dos indicadores do problema Problema: Alto índice de cárie em escolares Ator: Profissionais (dentistas) Espaço: Escolas municipais do Município de Jaboatão dos Guararapes
  • Passo 3 – Identificação de outros atores Problema: Alto índice de cárie em escolares
  • Passo 4 e 5 – Árvore Explicativa Explicação do problema, suas conseqüências e identificação dos nós críticos.
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS