Curso Online de Tipos de Choque

Curso Online de Tipos de Choque

Classificação dos tipos de choque, sistema compensatório no organismo, sinais e sintomas, tratamentos, diagnósticos de enfermagem e inter...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

Por: R$ 50,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Classificação dos tipos de choque, sistema compensatório no organismo, sinais e sintomas, tratamentos, diagnósticos de enfermagem e intervenções de enfermagem.

Enfermeira formada em 2011, credenciada como socorrista pela American Heart e Associantion e Cuidadora de Idosos.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • TIPOS DE CHOQUES

    TIPOS DE CHOQUES

  • Introdução

    Introdução

    O choque é um estado de hipoperfusão tecidular. Independentemente da causa, condiciona um desequilíbrio entre o transporte e as necessidades de oxigênio (O2) e substratos energéticos;
    Pode gerar sofrimento e morte celulares;
    As manifestações clínicas do choque resultam, por um lado, da resposta neuroendócrina à hipoperfusão, e, por outro, da disfunção orgânica induzida pela lesão celular.

  • Classificação

    Classificação

    Hipovolêmico, Cardiogênico, Obstrutivo e o Distributivo.
    Nenhum esquema de classificação é completamente satisfatório, já que é freqüente a combinação de duas ou mais causas de choque (choque combinado)

  • Resposta Orgânica à Hipoperfusão

    Resposta Orgânica à Hipoperfusão

    A perfusão adequada dos tecidos implica a integridade estrutural e funcional dos três constituintes básicos do sistema cardiovascular: coração, vasos e sangue;
    Alterações num ou mais destes constituintes representam possíveis causas de choque e resposta do organismo ao mesmo;
    Envolve mecanismos compensatórios e em algumas situações mecanismos descompensatórios podem sobrevir mais tarde.

  • Mecanismos Compensatórios

    Mecanismos Compensatórios

    Visam atenuar/reverter o estado de hipoperfusão protegendo os órgãos da subseqüente disfunção;
    Participação do sistema adrenérgico como resposta imediata, seguindo-se a ativação do córtex da supra-renal com liberação de cortisol e do sistema renina-angiotensina-aldosterona e a libertação do hormônio antidiurético pelo eixo hipotâlamo-hipofisário.

  • Mecanismos Descompensatórios

    Mecanismos Descompensatórios

    Parecem resultar do choque grave ou persistente, quando a intensa vasoconstrição mantida pelos mecanismos compensatórios provoca perfusão inadequada de vários órgãos, causando sua disfunção;
    Disfunção do trato gastrointestinal (TGI), do fígado, do rim e as alterações inflamatórias e metabólicas multiorgânicas;
    Alteração do DC e RVP, reduz ainda mais a PA e agrava a hipoperfusão.

  • Hipoperfusão Renal: insuficiência renal aguda;
    TGI e Fígado: perda da função de barreira e acumulação de bactérias e toxinas na corrente sistêmica, podendo levar a sépse;
    Nível multiorgânico: produção de metabólitos ácidos e liberação de mediadores inflamatórios;

  • Lesão Celular e Falência Multiorgânica

    Lesão Celular e Falência Multiorgânica

    A conseqüência última da hipoperfusão é a lesão celular e a disfunção orgânica. Relacionada com a hipóxia que a hipoperfusão provoca.
    Redução da formação de ATP pelas mitocôndrias
    Lesão celular extensa = perda da função do órgão como um todo;

  • No SNC: queda do nível de consciência podendo chegar ao coma;
    Disfunção pulmonar aguda: hipoxemia, da complacência pulmonar e do trabalho respiratório;
    Insuficiência renal e disfunção gastrointestinal: íleo paralítico, gastrite, colecistite aguda;
    Disfunção hepática: hiperbilirrubinemia e elevação das trasaminases e desidrogenase láctica.

  • ESTÁGIOS DO CHOQUE

    ESTÁGIOS DO CHOQUE

    Compensatório
    O corpo tenta superar os problemas utilizando seus mecanismos de defesa habitual procurando manter as funções.
    Sinais e sintomas: PA normal, taquicardia, pele fria e úmida, pele opaca (acinzentada), astenia.
    Progressivo
    O sangue dos membros (MMSS e MMII) e região abdominal é desviado para órgãos vitais (coração, cérebro, pulmões).
    Sinais e sintomas: Cianose, queda da PA, sudorese aumentada, sede, náuseas e vômitos, tonturas, alteração da consciência.
    Irreversível
    Desvio de sangue do fígado e rins para coração, cérebro, gerando falência de órgãos, fazendo com que o sangue se acumule afastado dos órgãos vitais, seguido de óbito.
    Sinais e sintomas: olhos opacos, pupilas dilatadas, respiração superficial e irregular, perda da consciência.

  • Choque Hipovolêmico

    Choque Hipovolêmico

    É o tipo mais comum de choque, e deve-se a redução absoluta e geralmente súbita do volume sangüíneo circulante em relação a capacidade do sistema vascular.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 50,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • TIPOS DE CHOQUES
  • Introdução
  • Classificação
  • Resposta Orgânica à Hipoperfusão
  • Mecanismos Compensatórios
  • Mecanismos Descompensatórios
  • Lesão Celular e Falência Multiorgânica
  • ESTÁGIOS DO CHOQUE
  • Choque Hipovolêmico
  • Sinais e Sintomas
  • Tratamento
  • Atendimento emergencial do choque
  • Diagnósticos de Enfermagem
  • Intervenções de enfermagem
  • Choque Obstrutivo
  • Choque Anafilático
  • Fisiopatologia
  • Causas
  • Como se identifica a anafilaxia?
  • Quadro Clínico
  • Manifestações Clínicas
  • Prevenção
  • Tratamento
  • Diagnósticos de Enfermagem
  • Ações de Enfermagem
  • Choque Séptico
  • Principais Agentes
  • Fatores de Risco
  • Sinais e Sintomas
  • Modelo PIRO: um método útil no reconhecimento e tendência dos pacientes com sepse
  • Definições para Promover o Reconhecimento e o Tratamento mais Precoce de Pacientes com Sepse – Conferência e Consenso 1991:
  • Tratamento
  • Diagnósticos de Enfermagem
  • Intervenções de Enfermagem
  • Choque cardiogênico
  • Etiologia
  • Fisiopatologia
  • Manifestações Clínicas:
  • Diagnósticos de Enfermagem
  • Plano de Intervenção/Tratamento
  • Choque Neurogênico
  • Fisiopatologia
  • Manifestações Clínicas
  • Diagnóstico de Enfermagem
  • Intervenções de Enfermagem/Tratamento
  • REFERÊNCIAS