Curso Online de Curso Curso Cirrose Hepática e suas Causas

Curso Online de Curso Curso Cirrose Hepática e suas Causas

O tipo mais comum de cirrose, a cirrose hepática, afeta o fígado e surge devido ao processo crônico e progressivo de inflamações (hepatit...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 8 horas

De: R$ 350,00 Por: R$ 244,00
(Pagamento único)

Mais de 100 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

O tipo mais comum de cirrose, a cirrose hepática, afeta o fígado e surge devido ao processo crônico e progressivo de inflamações (hepatites), fibrose e por fim ocorre a formação de múltiplos nódulos, que caracterizam a cirrose. A cirrose é considerada uma doença terminal do fígado para onde convergem diversas doenças diferentes, levando a complicações decorrentes da destruição de suas células, da alteração da sua estrutura e do processo inflamatório crônico.

ok



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • Cirrose Hepática Alcoólica

    Cirrose Hepática Alcoólica

    Ângela Silva Benjamim Constantino

  • Introdução

    Introdução

    Cirrose é o nome dado à patologia que afeta um órgão, transformando o tecido formado pelas suas células originais em tecido fibroso, por um processo habitualmente chamado fibrose ou esclerose. Geralmente o termo cirrose é utilizado para designar a fibrose no fígado.

  • Cirrose hepática e regeneração

    Cirrose hepática e regeneração

    O tipo mais comum de cirrose, a cirrose hepática, afeta o fígado e surge devido ao processo crônico e progressivo de inflamações (hepatites), fibrose e por fim ocorre a formação de múltiplos nódulos, que caracterizam a cirrose. A cirrose é considerada uma doença terminal do fígado para onde convergem diversas doenças diferentes, levando a complicações decorrentes da destruição de suas células, da alteração da sua estrutura e do processo inflamatório crônico.
    A capacidade regenerativa do fígado é conhecida e até faz parte da mitologia grega (a história de Prometeu). É possível retirar cirurgicamente mais de dois terços de um fígado normal e a porção restante tende a crescer até praticamente o tamanho normal, com um processo demultiplicação celular que se inicia logo nas primeiras 200 horas, através de mecanismo ainda não bem esclarecido (o mesmo acontece com o transplante hepático intervivos, em que o receptor recebe uma porção do fígado do doador e depois ambos crescem). No entanto, a cirrose é o resultado de um processo crônico de destruição e regeneração com formação de fibrose. Nessa fase da hepatopatia, a capacidade regenerativa do fígado é mínima.

  • Causas

    Causas

    Apesar da crença popular de que a cirrose hepática é uma doença de alcoólatras, todas as doenças que levam a inflamação crônica do fígado (hepatopatia crônica) podem desenvolver essa patologia:
    Hepatite autoimune
    Lesão hepática induzida por drogas ou toxinas
    Lesão hepática induzida pelo álcool
    Hepatites virais B, C e D
    Doenças metabólicas
    Deficiência de alfa-1-antitripsina
    Doença de Wilson
    Hemocromatose
    Distúrbios vasculares
    Insuficiência cardíaca direita crônica
    Síndrome de Budd-Chiari
    Cirrose biliar
    Cirrose biliar primária
    Cirrose biliar secundária a obstrução crônica
    Colangite esclerosante primária
    Atresia biliar
    Insuficiência congênita de ductos intra-hepáticos (Síndrome de Alagille)
    Cirrose criptogênica (causa desconhecida)

  • Sintomas

    Sintomas

    No início não há praticamente nenhum sintoma, o que a torna de difícil diagnóstico precoce, pois a parte ainda saudável do fígado consegue compensar as funções da parte lesada durante muito tempo. Numa fase mais avançada da doença, podem surgir desnutrição,hematomas, aranhas vasculares, sangramentos de mucosas (especialmente gengivas),icterícia ("amarelão"), ascite ("barriga d'água"), hemorragias digestivas (por diversas causas, entre elas devido a rompimento de varizes no esôfago,levando o doente a expelir sangue pela boca e nas fezes) e encefalopatia hepática (processo causado pelo acúmulo de substâncias tóxicas que leva a um quadro neurológico que pode variar entre dificuldade de atenção e coma).

  • Tratamento

    Tratamento

    O único tratamento totalmente eficaz para portadores de cirrose hepática é o transplante de fígado, mas também pode haver melhoras se for suspenso o agente agressor que originou a cirrose, como o álcool ou o vírus da hepatite. Como o transplante está indicado apenas em situações em que o risco do procedimento é inferior ao risco esperado sem o procedimento, se não houver indicação de transplante deve-se manter acompanhamento médico periódico para a detecção precoce de complicações como desnutrição, ascite, varizes esôfago-gastricas, hepatocarcinoma, procedendo-se intervenção, se necessária.

  • Dicionário do Portador de Doença Hepática (A)

    Dicionário do Portador de Doença Hepática (A)

    Adefovir: medicação antiviral de uso diário indicada no tratamento da hepatite viral B. É administrada por via oral.
    ALT ou TGP: exame laboratorial que avalia se há inflamação no fígado. Em algumas hepatites este exame pode estar normal, e existir inflamação no fígado.
    AST ou TGO: exame laboratorial que avalia se há inflamação no fígado. Em algumas hepatites este exame pode estar normal, e existir inflamação no fígado. Pode também estar alterado em alguns casos especiais de anemia (quando há destruição dos glóbulos vermelhos do sangue) e em doenças do coração (como o infarto agudo do miocárdio).
    Anemia: diminuição da quantidade de glóbulos vermelhos no sangue. Os glóbulos vermelhos (hemácias) são responsáveis pelo transporte de oxigênio para todas as células do nosso corpo. Quando o indivíduo tem anemia, dependendo da gravidade, ele pode sentir desânimo, fraqueza, sonolência, falta de ar quando caminha, etc.
    Ascite: “água na barriga”. Em indivíduos com doença no fígado, geralmente ocorre como sintoma de cirrose avançada.
    Ascite refratária: é aquela que não diminui com o uso de diuréticos (medicamentos que estimulam a diurese (urina)).
    Azatioprina: medicamento imunossupressor (que inibe o sistema de defesa do organismo) utilizado no tratamento de doenças autoimunes, como a hepatite autoimune, por exemplo.

  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(B)

    Dicionário do Portador de Doença Hepática(B)

    Biópsia hepática: exame realizado com agulha, sob anestesia local, onde é retirado um pequeno pedaço do fígado, que é analisado por um médico patologista no microscópio. Esse exame é utilizado na investigação diagnóstica, para identificar as causas de algumas doenças do fígado, avaliar a gravidade da doença e definir se é necessário iniciar ou não um tratamento.

  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(©)

    Dicionário do Portador de Doença Hepática(©)

    Cirrose: é a substituição do fígado normal por fibrose (cicatriz), que causa um “endurecimento” do fígado e dificulta seu funcionamento, o que acarreta na diminuição na produção de proteínas, por exemplo.
    Cirrose Hepática Alcoólica: é a substituição do fígado normal por fibrose (cicatriz), que causa um “endurecimento” do fígado e dificulta seu funcionamento, em função do alto consumo de bebidas Alcoólicas, o que acarreta uma diminuição na produção de proteínas, como por exemplo. Endurecimento por alto consumo de álcool.
    Cirrose Biliar Primária: é uma doença autoimune (causada pelo sistema de defesa do organismo) que provoca colestase (acúmulo de bile), inflamação e destruição dos ductos biliares que se localizam dentro do fígado.
    Colangiopancreatografia Retrógrada Endoscópica (CPRE): exame realizado com duodenoscópio de visão lateral (um aparelho semelhante ao utilizado para endoscopia), que permite visualizar e tratar doenças das vias biliares e o ducto pancreático.
    Colangite Esclerosante Primária: é uma doença autoimune (causada pelo sistema de defesa do organismo) que provoca colestase (acúmulo de bile), inflamação e destruição dos ductos biliares que se localizam, principalmente, fora do fígado.

  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(D)

    Dicionário do Portador de Doença Hepática(D)

    Diuréticos: medicamentos utilizados para estimular a diurese (urina).

    Doença de Wilson: ocorre em função do acúmulo de cobre no organismo. Pode ocorrer inflamação e cicatrização (fibrose) no fígado.

  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(E)

    Dicionário do Portador de Doença Hepática(E)

    Edema: acúmulo de líquidos conhecido popularmente como inchume ou inchaço.
    Encefalopatia hepática: alterações no comportamento de indivíduos cuja função do fígado é insuficiente para eliminar substâncias tóxicas para o sistema nervoso.
    Endoscopia Digestiva Alta: exame de endoscopia realizado sob sedação que permite a visualização e tratamento de doenças que acometem o esôfago, o estômago e o duodeno.
    Entecavir: medicação antiviral de uso diário indicada no tratamento da hepatite viral B. É administrada por via oral.
    Eritropoetina: substância produzida pelos rins e responsável por estimular a produção dos glóbulos vermelhos para combater a anemia. Nos pacientes com hepatite C em tratamento com ribavirina é comum ocorrer anemia, e muitas vezes, é necessário o uso de eritropoitina durante o tratamento.
    Esquistossomose: doença que pode prejudicar o fígado quando os ovos do Esquistosoma mansoni se acumulam no fígado causando inflamação e dificultando a chegada de sangue pela principal veia do fígado, a veia porta. Assim, indivíduos com esquistossomose podem apresentar hipertensão portal (aumento de pressão na veia porta) e varizes de esôfago.
    Esteatose hepática: presença de infiltração gordurosa no fígado.
    Esteatohepatite: infiltração gordurosa no fígado associada à inflamação e destruição de células do fígado.
    Esplenomegalia: aumento no tamanho do baço.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 244,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Cirrose Hepática Alcoólica
  • Introdução
  • Cirrose hepática e regeneração
  • Causas
  • Sintomas
  • Tratamento
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática (A)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(B)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(©)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(D)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(E)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(H)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(I)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(P)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(Q)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(®)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(T)
  • Dicionário do Portador de Doença Hepática(V)
  • O Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática
  • O Fígado do Portador de Doença Hepática (Figura 1)
  • Portador de Doença Hepática
  • A Doença Hepática
  • Doença Hepática não alcoólica
  • O Portador de Doença Hepática -(biliar primária)
  • O Portador de Doença Hepática (Outras doenças)
  • Portador de Doença Hepática (Sintomas da Cirrose)
  • Portador de Doença Hepática (hipertensão portal?)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática(Figura 2)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática (Figura 3)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática(Figura 4)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática (Fig. 5)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática(Fig 6)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática (Fig. 7)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática(Fig. 8)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática (Figura 9)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática(Fig. 10)
  • Portador de Doença Hepática
  • O que é a veia porta?
  • Portador de Doença Hepática
  • Sintomas do fígado 4 Circulação colateral (aparência física da Pessoa)
  • Portador de Doença Hepática
  • Sintomas do fígado -Teleangiectasias
  • Portador de Doença Hepática (Figura 12)
  • Portador de Doença Hepática
  • Tratamento da ascite
  • Portador de Doença Hepática (ascite)
  • Tratamento da ascite
  • Portador de Doença Hepática (Fig. 13)
  • Portador de Doença Hepática
  • Portador de Doença Hepática (Transmissão Mundial)
  • (Presença de ) Portador de Doença Hepática Fig.14)
  • Portador de Doença Hepática (Figuras com amostras das aparências do Fígado)
  • Portador de Doença Hepática (Figura 16)
  • Portador de Doença Hepática – Aparência Física dos Olhos - Cirrose Hepática e Nutrição Alimentar (Fig.16)
  • Cirrose Hepática e suas Complicações
  • Cirrose – Hepática Biliar Por Sintomas de agressão
  • Cirrose – Hepática Biliar Por Sintomas de agressão e associação ao álcool
  • Portador de Doença Hepática
  • O Consumo de álcool nos jovens
  • Cirrose não é causada apenas por bebidas alcoólicas (hábitos Alimentares)
  • O Consumo de álcool nos jovens
  • Portador de Doença Hepática
  • REFERÊNCIAS
  • BIBLIOGRAFIA
  • F I M