Curso Online de URINÁLISE (MEDICINA VETERINÁRIA) - COMPÊNDIO COM FOTOS
3 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de URINÁLISE (MEDICINA VETERINÁRIA) - COMPÊNDIO COM FOTOS

RESUMO COMPLETO E DETALHADO DE URINÁLISE EM MEDICINA VETERINÁRIA COM VÁRIAS FOTOS ILUSTRATIVAS E AVALIAÇÃO FINAL.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 7 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 25,00
(Pagamento único)

Mais de 60 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

RESUMO COMPLETO E DETALHADO DE URINÁLISE EM MEDICINA VETERINÁRIA COM VÁRIAS FOTOS ILUSTRATIVAS E AVALIAÇÃO FINAL.

Médica Veterinária formada pela Universidade Federal Fluminense no ano de 2008. Experiência como docente / monitora (aulas teóricas e práticas) na disciplina de Bioterismo / Animais de Laboratório na UFF durante os anos de 2004 até 2007. Elaboração de trabalhos relacionados à disciplina e apresentação destes aos alunos e em reuniões científicas de forma oral, através slides e pôsteres. Bolsista PIBIC na Fiocruz (Centro de Criação de Animais de Laboratório / Primatologia) de 2005 a 2007; analisei o comportamento dos símios em cativeiro a fim de implantar um programa eficaz de Enriquecimento Ambiental visando o bem-estar dos animais e consequentemente maior percentual prolífero e maior confiabilidade nos resultados das pesquisas em tais animais eram utilizados. Os resultados dos estudos foram expostos através da elaboração de trabalhos científicos e apresentação destes em reuniões científicas de forma oral, através slides e pôsteres.


- Mylena Terra

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • Urinálise EM MEDICINA VETERINÁRIA

  • Introdução

  • Introdução

    O rim é um órgão de extrema importância para o organismo devido às suas inúmeras funções vitais. Esse órgão é responsável por: manter a homeostase corporal, manutenção do equilíbrio hídrico-eletrolítico, manutenção do ph sanguíneo (sistema tampão), excreção de produtos finais do metabolismo, produção e liberação de hormônios (renina eritropieitina e prostaglandinas) e metabolismo da vitamina D.
    A unidade funcional renal é o néfron . É composto pelo glomérulo, cápsula de Bowman, Túbulo contorcido proximal (TCP), Alça de Henle (Ramo descendente delgado, Ramo ascendente delgado, Ramo ascendente espesso), Túbulo contorcido Distal, Túbulo coletor cortical e Ducto Coletor. Este último deságua na Pelve Renal.

  • As três funções básicas do rim são filtração, reabsorção e secreção.
    A formação da urina se dá pela entrada de sangue na arteríola aferente com pressão tal que o liquido sofre processo de filtração pelo glomérulo. O liquido se acumula na e vai para o túbulo contornado proximal. E o sangue sai na arteríola eferente voltando para a circulação. São filtrados vários elementos que são tóxicos para o organismo se em altas concentrações séricas e elementos que não pode ser perdidos pelo organismo como proteínas de médio e alto peso molecular.
    Para que não ocorra perda de elementos essenciais há o processo de reabsorção renal, onde são mandados de volta para o organismo principalmente água e eletrólitos. A reabsorção pode ser feita ativamente, como é o caso do sódio, da glicose, dos aminoácidos, cálcio, cloro, urato, e passivamente, como é o caso da água (pode ser absorvida ativamente também), uréia, solutos. Há substancias que não são reabsorvida pelos rins como a creatinina, manitol, insulina, sacarose.

  • Além disso, todos os segmentos dos néfrons podem secretar H+ e amônia e reabsorver HCO3- . Assim o rim consegue compensar alteração de PH que possa acontecer no sangue.
    A taxa de filtração glomerular deve se manter constante no organismo. Fatores como aumento ou diminuição de pressão sangüínea e fluxo sangüíneo renal alterados podem afetar a filtração. O sistema renina-angiotensina-aldosterona é ativado toda vez que a perfusão renal diminui ele é o principal mecanismo de regulação da pressão.
    O método de colheita da urina deve ser levado considerado ao se examinar a urina para a correta interpretação dos resultados.
    São três os métodos de colheita da urina: micção natural (mais indicado para grandes animais), cateterismo (pode causar traumatismos da uretra) e cistocentese (técnica mais adequada para pequenos animais – confiabilidade do resultado do exame).

  • O acondicionamento da urina coletada deve ser feita em frascos limpos e estéreis. A urina deve ser processada imediatamente após a colheita, pois após duas horas já há alteração dos componentes iniciais. A amostra deve ser conservada sob refrigeração (4 a 8º C) e não deve ser congelada. É importante a correta identificação e preenchimento da requisição.

  • Urinálise

  • Urinálise

    Definição: Avalia afecções do sistema urinário. Entretanto, por sua função de excretar substâncias espúrias, é capaz de indicar transtornos sistêmicos. Tem como objetivo avaliar o sistema urinário e as funções hepática e pancreática.
    Consiste na análise da urina visando avaliar suas características físicas, químicas e do sedimento. É portanto dividida em Exame Físico, Exame Químico e Exame do sedimento.
    Para uma boa avaliação do teste é necessário um bom histórico e anamnese, seguido de um bom exame clinico. Deve se levar em conta a espécie do animal, sua alimentação, idade, raça, sexo, e o método da colheita a ser utilizado.

  • Urinálise

    Exame físico:

    Esse exame consiste na observação e anotação das características macroscópicas da urina. São cinco os itens observados: volume, cor, odor, aspecto e densidade.

  • Exame físico:
    - Volume: A quantidade de urina excretada por dia por animais normais depende de alguns fatores como dieta, ingestão de líquidos, temperatura ambiente e umidade relativa do ar, atividade, tamanho e peso do animal. Como em animais a obtenção de urina padrão de 24 horas é muito difícil, o volume é na verdade a quantidade de urina recebida pelo laboratório. O volume mínimo para a realização adequada de exame é de 10 ml. Em condições de saúde, o volume urinário é inversamente proporcional à densidade específica; portanto, o aumento da quantidade de urina excretada , ou poliúria, está associada à densidade específica baixa; e a oligúria, ou diminuição do volume urinário está associada à densidade específica elevada.

  • Causas de Poliúria:
    - Não patológica (não há alteração funcional do nefrón, mas há aumento da eliminação): Elevada ingestão de água, terapia diurética, fluido terapia, corticóides (aumenta a resistência periférica das células à entrada de glicose nas células).
    - Patológicas: Diabetes mellitus, Diabetes insipidus (deficiência de secreção de ADH), nefrite aguda ou crônica, IRA, IRC (fase inicial), piometra, hiperadrenocorticismo.
     
    Causas de oligúria:
    - Não patológica: Baixa de água, temperatura elevada, hiperventilação, alta atividade física.
    - Patológica: Desidratação, insuficiência cardíaca (baixa perfusão glomerular), febre, nefrite aguda, IRA (início), IRC (final).


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 25,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • INTRODUÇÃO
  • URINÁLISE
  • DEFINIÇÃO
  • EXAME FÍSICO: VOLUME (CAUSA DE POLIÚRIA E OLIGÚRIA), COR, ODOR, ASPECTO E DENSIDADE;
  • EXAME QUÍMICO: PH (C0NDIÇÕES DE ELEVAÇÃO E DIMINUIÇÃO), PROEÍNAS, GLICOSE, CORPOS CETÔNICOS, BILIRRUBINA, UROBILINOGÊNIO E SANGUE OCULTO;
  • EXAME DO SEDIMENTO: SEDIMENTO ORGÂNICO: CÉLULAS EPITELIAIS DE DESCAMAÇÃO (CÉLULAS DO TRATO URINÁRIO BAIXO - BEXIGA E URETRA; CÉLULAS DO EPITÉLIO DE TRANSIÇÃO - PARTE SUPERIOR DA BEXIGA E URETER; CÉLULAS DO EPITÉLIO RENAL; CÉLULAS VAGINAIS E CÉLULAS TUMORAIS), HEMÁCIAS, LEUCÓCITOS, CILINDROS (HIALINOS, HEMÁTICOS, LEUCOCITÁRIOS, EPITELIAIS, GRANULOSOS, CÉREOS E GORDUROSOS), BACTÉRIAS E OUTROS (ESPERMATOZÓIDES, CÉLULAS VAGINAIS, FUNGOS, LEVEDURAS, OVOS E PARASITAS). SEDIMENTO INORGÂNICO: CRISTAIS.
  • ANEXO DE FOTOS
  • BIBLIOGRAFIA
  • SITES CONSULTADOS
  • AVALIAÇÃO FIN