Curso Online de Agroecologia

Curso Online de Agroecologia

Agroecologia pode ser interpretada de várias formas, como prática, ciência e movimento social; trata-se do desenvolvimento e uso de soluç...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 13 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 26,90
(Pagamento único)

Mais de 5 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Agroecologia pode ser interpretada de várias formas, como prática, ciência e movimento social; trata-se do desenvolvimento e uso de soluções ecologicamente sustentáveis para a agricultura. Entre algumas ideologias da agroecologia, estão a proibição de produtos químicos e agrotóxicos para fertilização do solo, procurando as maneiras mais naturais para isso. O Curso de Agroecologia lhe ensinará tudo o que você precisa saber sobre esse conceito, inclusive suas origens, ideias, práticas, e outras informações precisas e detalhadas.

Formação em Agronomia (UNICENTRO), pós-graduada em Pedagogia (UNICENTRO) e Educação Ambiental (UFPR). Experiência profissional como professora em diversas áreas de Ciências Agrárias; experiência em Educação à Distância; Tutora/Monitora; Palestras; Experiência em Cooperativa, Sindicato e Empresas Agrícolas. Experiência com cursos livres onlines desde 2012. Sou autodidata e busco incansavelmente o conhecimento das mais diversas áreas e uma frase que me define "Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção." (Paulo Freire)



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • AGROECOLOGIA

    Professora: Scheila de Fátima Scisloski

    AGROECOLOGIA

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    Em 1994, quando publicamos o texto intitulado por uma nova extensão rural: fugindo da obsolescência, dizíamos: "não podemos nos deixar levar pelo imobilismo conservador que continua aprisionando as organizações públicas de extensão rural".

    Ao mesmo tempo, propugnávamos por uma mudança drástica no papel da extensão rural pública, para que esta pudesse, de fato, dar conta dos novos desafios socioambientais impostos pela sociedade.

  • Não era sem sentido, portanto, o alerta formulado naquela época, quando sugeríamos, também, que "os ensinamentos da Agroecologia (...) poderão se tornar necessidades inadiáveis", com vistas a promover a recuperação e a conservação dos recursos naturais no âmbito das unidades familiares de produção.

    Igualmente, alertávamos para a necessidade imediata de um enfoque extensionista orientado a resolver a problemática socioambiental decorrente da aplicação do modelo convencional de desenvolvimento, em geral, e do modelo químico-mecânico na agricultura, em particular.

  • Com efeito, o presente curso procura discorrer sobre algumas das bases teóricas que estão dando suporte para a construção de uma nova Extensão Rural, aqui definida como Extensão Rural Agroecológica, que constitui-se num esforço de intervenção planejada para o estabelecimento de estratégias de desenvolvimento rural sustentável, com ênfase na participação popular, na agricultura familiar e nos princípios da Agroecologia como orientação para a promoção de estilos de agricultura socioambiental e economicamente sustentáveis.

  • Na realidade, se trata de um enfoque de intervenção rural oposto ao difusionismo reducionista homogeneizador que, desde meados do século X, auxiliou a implantação do modelo de agricultura de tipo Revolução Verde.

    Neste contexto, o curso inicia abordando alguns temas chaves da sustentabilidade, onde se destacam duas correntes principais e antagônicas:
    a ecotecnocrática e a ecossocial.

  • Isso ajuda à compreensão de que o conceito de desenvolvimento sustentável apresenta uma grande ambiguidade e que, portanto, para ser operacional, precisa ser relacionado não apenas com a sustentabilidade econômica, mas também, e principalmente, com a sustentabilidade socioambiental e cultural de sociedades concretas, permitindo assim a busca e a construção social de contextos de sustentabilidade crescente no curto, médio e longo prazos, cabendo à Extensão Rural um importante papel neste processo. 

  • Na sequência, se defende a adoção da Agroecologia como paradigma diretivo para promover o manejo adequado dos recursos naturais e para reduzir os impactos sociais, econômicos e ambientais negativos, causados pela mal denominada agricultura moderna.

    Após uma rápida abordagem do conceito de Agroecologia e sua gênese no pensamento social alternativo, são mencionadas as bases ou premissas epistemológicas que apóiam e dá sustentação a este novo campo de conhecimentos.

    Se faz referência ainda ao processo de ecologização, que representa precisamente a essência da transição que a agricultura estaria experimentando a partir deste final de século. 

  • A SUSTENTABILIDADE COMO EXIGÊNCIA

    A SUSTENTABILIDADE COMO EXIGÊNCIA

    O desenvolvimento, em sua formulação mais ampla, significaria a realização de potencialidades socioculturais e econômicas de uma sociedade em perfeita sintonia com o seu entorno ambiental.

    Sua conceituação pioneira provavelmente se deva a Caspar Friedrich Wolff, quando, ainda no século XVIII, se referia ao desenvolvimento embrionário como o crescimento alométrico (variação das relações entre as partes) em direção à forma apropriada do ser.

  • No entanto, a partir da construção do pensamento liberal, a aplicação do conceito de desenvolvimento passou a conotar uma idéia de crescimento econômico, adotando como parâmetro definidor do desenvolvimento os padrões de vida e de consumo alcançados pelas nações ocidentais industrializadas.

    O conceito de desenvolvimento passaria a significar, portanto, a corrida de sociedades distintas e heterogêneas em direção a um modelo de organização social e econômica considerado “desenvolvido”, ou seja, “passar de uma condição indigna”, chamada subdesenvolvimento, para um modelo de sociedade ocidental, capitalista e industrializada, mediante estratégias geradoras de crescimento econômico

  • A partir da década de 1970, os resultados da aplicação das estratégias convencionais de desenvolvimento já começavam a se mostrar insuficientes para dar conta das crescentes condições de desigualdade e de exclusão social.

    Apesar do crescimento do PIB, as análises destes resultados passavam a indicar que tais estratégias estavam ocasionando graves danos ao meio ambiente.

  • Os efeitos contaminantes dos agrotóxicos, dos resíduos, do lixo e das contaminações gasosas, assim como vários outros problemas derivados do estilo de F. R. Caporal e J. A. Costabeber vida próprio das sociedades altamente industrializadas, por exemplo, fariam nascer a consciência sobre a incapacidade de controlar-se as externalidades inerentes ao modelo hegemônico e, portanto, se impunha a necessidade de “outro desenvolvimento”. 


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 26,90
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • AGROECOLOGIA
  • INTRODUÇÃO
  • A SUSTENTABILIDADE COMO EXIGÊNCIA
  • PRINCIPAIS ENFOQUES DA SUSTENTABILIDADE
  • NOÇÕES SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
  • CONTEXTOS DE SUSTENTABILIDADE
  • A AGROECOLOGIA COMO PARADIGMA DIRETIVO PARA A AÇÃO EXTENSIONISTA
  • CONCEITO DE AGROECOLOGIA
  • AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL
  • PRINCÍPIOS OU BASES EPISTEMOLÓGICAS DA AGROECOLOGIA
  • A TRANSIÇÃO AGROECOLÓGICA NO CONTEXTO DA SUSTENTABILIDADE
  • MISSÃO INSTITUCIONAL DA EMATER OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DA EMATER
  • ESTRATÉGIAS DE AÇÃO DA EMATER
  • CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • BIBLIOGRAFIA