Curso Online de TELEFONIA
4 estrelas 11 alunos avaliaram

Curso Online de TELEFONIA

A Equipe Promovendo Conhecimento está melhorando os cursos e aceitamos sujestoes e criticas via painel de contato O curso oferecido acim...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 18 horas

De: R$ 60,00 Por: R$ 40,00
(Pagamento único)

Mais de 700 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

A Equipe Promovendo Conhecimento está melhorando os cursos e aceitamos sujestoes e criticas via painel de contato

O curso oferecido acima é totalmente completo e garantimos que os usuarios tenham um excelente desempenho e aprendizado

Atenciosamente,
Promovendo Conhecimento

ESTAMOS OFERECENDO CURSOS DE TODAS AS AREAS A MAIORIA DELES EM TI (TECNOLOGIA DA INFORMAÇAO) POREM OFERECEMOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, GESTÃO EM GERAL, ANALISE, DESENVOLVIMENTO, ENGENHARIA E MUITOS OUTROS CONFIRAM


- Suelliton De Medeiros Soares

- Anderson Rodrigues Alves Cardoso

- Vildomar Barros Da Cunha

- Mauber Lopes De Sousa

"Tudo na vida depende de seus esforços pessoais, com a buzzero pude verificar um leque enorme de oportunidades para emu desenvolvimento, visto que eu já atuo na área de telefonia e estou totalmente satisfeito com o curso."

- Júlio Cesar Dos Santos Oliveira

"ola!!o curso parece ser bom"

- Gilmar Bueno

- Wallysson Silva Oliveira

- Edson Cesar Ribeiro

- Ivan Sartório Gomes

- Jesus Da Silva Feitosa

- Luis De Carvalho Gomes

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • CURSO DE TELEFONIA

    curso de telefonia

    capitulo 1: noções de acústica e telefonia

    prof. joão batista josé pereira, dr

  • Noções de acústica

    noções de acústica

    o som é a sensação causada no sistema nervoso pela vibração de membranas delicadas no ouvido, como resultado da energia proveniente de vibrações de corpos.
    sendo o som uma onda, cada oscilação irá corresponder a um ciclo da onda sonora. a freqüência é expressa em ciclos por segundo e sua unidade é o hertz (hz).
    o comprimento de onda é definido como a distância entre dois picos de máximo.
    pode-se determinar o comprimento de onda (l) de uma onda de freqüência (f) em hz, sabendo-se sua velocidade (v) de propagação da relação l=v/f.
    a faixa de freqüências audíveis vai de 20hz a 20khz.

  • Canal de Voz

    canal de voz

    o objetivo de um sistema telefônico é transmitir a palavra falada (voz), compensando a atenuação imposta pelo ar.
    as cordas vocais do ser humano são capazes de produzir vibrações sonoras numa faixa de aproximadamente 100hz a 10khz.
    cada som emitido é composto simultaneamente de vibrações de diversas freqüências, harmônicas de uma freqüência fundamental das cordas vocais, para o homem 125hz e para a mulher 250hz.
    para definição do canal de voz em telefonia foram basicamente levados em consideração a inteligibilidade e a energia da voz. a inteligibilidade é definida como o percentual de palavras perfeitamente reconhecidas numa conversação.
    baseado num compromisso entre a inteligibilidade e a energia da voz foi escolhida a faixa de voz entre 300hz e 3,4khz, o que garante 85% de inteligibilidade e 68% de energia da voz.

  • Espectro Acústico da Voz Humana e o Canal de Voz

    espectro acústico da voz humana e o canal de voz

  • Deterioração do Sinal

    deterioração do sinal

    em um sistema de comunicação o sinal recebido difere do sinal transmitido, devido algumas perturbações provenientes do meio de transmissão. são quatro as perturbações mais significantes:
    - atenuação:
    a potência de um sinal é inversamente proporcional a distância de transmissão, independente do meio de transmissão.
    a atenuação introduz três grandes preocupações no campo da engenharia de telecomunicações.
    - o sinal recebido deve ter suficiente potência para que os circuitos de recepção possam detecta-lo e interpreta-lo;
    - o sinal deve ser mantido a um nível suficientemente mais alto do que o ruído, para permitir a recepção sem erros; e
    - a atenuação no sinal é sensível a freqüência de transmissão.

  • os primeiro e segundo problemas são resolvidos através da utilização de amplificadores e repetidores.
    o terceiro problema é particularmente nocivo para sinais analógicos. como a atenuação varia com a freqüência, o sinal recebido é distorcido, reduzindo sua inteligibilidade.
    para contornar este problema, utilizam-se amplificadores equalizadores.
    a resposta plana melhora a qualidade do sinal de voz.

  • - distorção de fase:
    distorção de fase é um fenômeno peculiar ao meio de transmissão guiado. a distorção é causada devido a velocidade de propagação do sinal através do meio guiado variar com a freqüência.
    então as várias componentes de freqüências do sinal chegam ao receptor em tempos diferentes. técnicas de equalização de fase podem ser utilizadas para compensar esta distorção.

  • - distorção harmônica:
    esta é uma distorção usualmente associada com amplificadores. devido às características não lineares dos transistores, novas componentes de freqüências, que não estavam presentes no sinal original, são produzidas.
    - ruído:
    em qualquer sistema de comunicação, o sinal recebido consistirá do sinal transmitido, modificado pelas distorções impostas pelo meio de transmissão, acrescida de um sinal indesejável inserido de alguma maneira entre a transmissão e a recepção. este sinal indesejável é denominado ruído. o ruído pode ser dividido em três categorias:
    - ruído térmico:
    também denominado de ruído branco, ele é devido a agitação térmica dos elétrons no condutor e está presente em todos componentes eletrônicos e meios de transmissão, sendo função da temperatura.

  • - ruído de intermodulação:
    é produzido quando existe alguma não linearidade no transmissor, receptor ou intervenção no meio de transmissão.
    normalmente os dispositivos se comportam como sistemas lineares, isto é, a saída é igual a entrada vezes uma constante. em sistemas não lineares a saída é uma função mais complexa da entrada, podendo ter harmônicos de ordem elevada.
    - ruído impulsivo:
    é um ruído não contínuo, consistindo de pulsos irregulares, relativamente curtos e de grande amplitude.
    ele é gerado de varias maneiras, incluindo distúrbios eletromagnéticos externos.
    o ruído impulsivo não causa grandes problemas em sistemas analógicos. já em comunicações digitais o ruído impulsivo é uma fonte importante de erros.

  • Aparelho Telefônico com Bateria Local

    aparelho telefônico com bateria local

  • Componentes Básicos de um Aparelho Telefônico

    componentes básicos de um aparelho telefônico

    - cápsula transmissora (transdutor)


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 40,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • CURSO DE TELEFONIA
  • Noções de acústica
  • Canal de Voz
  • Espectro Acústico da Voz Humana e o Canal de Voz
  • Deterioração do Sinal
  • Aparelho Telefônico com Bateria Local
  • Componentes Básicos de um Aparelho Telefônico
  • CURSO DE TELEFONIA
  • Rede Telefônica Externa
  • CURSO DE TELEFONIA
  • Cabeamento Estruturado
  • CURSO DE TELEFONIA
  • Sistema Interligando 6 Usuários
  • Central Telefônica Manual (1.880)
  • Central Telefônica Manual
  • Central Telefônica Manual de Pegas
  • Central Telefônica Manual de Chave
  • Central Telefônica Manual Pública Duas fileiras de comutação telefônica manual (1.893)
  • Central Telefônica Automática (Rele) - São chaves eletromecânicas ativadas por corrente aplicada a uma bobina (solenóide) a qual produz uma força mecânica e consequentemente o deslocamento das lâminas de contato. - As chaves formadas pelos contatos podem ser do tipo: - Normalmente aberta; - Normalmente fechada; - De transferência; - De transferência contínua.
  • Central Telefônica Automática (1889) - Almon B. Strowger, Kansas City, EUA. - Este seletor podia selecionar assinantes de 00 a 99. - Comando Direto (pelos pulsos do disco).
  • Central Telefônica Automática de Strowger - Automatic Electric Company, La Porte, Indiana, EUA, 1892. - Tipo eletromecânicas, conhecidas como Passo-a-passo.
  • Seletor Matricial Eletromecânico Crossbar
  • Seletor Matricial Eletromecânico Crosspoint
  • Central Telefônica de Comando Indireto
  • CPA-T (Controle por Programa Armazenado - Temporal) - Central Telefônica Pública da Nortel
  • Estrutura Geral de uma CPA (Controle por Programa Armazenado)
  • Planos de numeração na RPTC
  • Planos de numeração na RPTC (NAMP)
  • Planos de numeração na RPTC (ITU-T)
  • Facilidades tipo CLASS
  • Veja Mídia sobre Telefonia Digital
  • CURSO DE TELEFONIA
  • Sinalização Telefônica
  • Sinalização Acústica
  • Sinalização de Linha
  • Tipos de Sinalização de Linha
  • Descrição dos Sinais
  • Sinalização de Loop
  • Sinalização E & M Pulsada
  • Sinalização E&M Contínua
  • Sinalização R2 Digital
  • Sinalização Associada a Canal
  • Exemplo de Sinalização Associada a Canal (CAS)
  • Sinalização por Canal Comum
  • Níveis Funcionais do SSCC UIT-T Número 7
  • Estrutura em níveis e o relacionamento com as camadas do OSI
  • Estrutura da Mensagem de Sinalização
  • Formatação do quadro MSU
  • Formatos de Quadros LSSU e FISU
  • Sumário das Mensagens do Protocolo TUP
  • Exemplo de Operação Sem Erro na Transmissão
  • Exemplo de Operação com a Perda de Quadro MSU
  • Exemplo de Sinalização por Canal Comum
  • Sumário das Mensagens do Protocolo ISUP
  • Exemplos de Chamadas com ISUP
  • Exemplo de Sinalização Mista (SSCC UIT-T Nr 7 / 5C)
  • Sinalização de Registro
  • Sinalização Decádica
  • Sinalização Multifrequencial
  • Interpretação dos Sinais para Frente
  • Interpretação dos Sinais para Trás
  • Sinalização DTMF e MFP
  • CURSO DE TELEFONIA
  • Convergência Tecnológica
  • Razões da Convergência entre Redes de Voz e Dados
  • Motivações para redes telefônicas sobre pacotes
  • Camada de Infra-estrutura de Pacotes Baseada em Padrões
  • Camada Aberta de Controle de Chamadas
  • Protocolos de Controle de Chamadas VoIP
  • Protocolo de Controle de Chamadas H.323
  • Fluxo de Chamada mais Simples do H.323
  • Estabelecimento de chamadas H.323
  • Protocolo de Controle de Chamadas MGCP
  • Protocolo de Controle de Chamadas SIP
  • Call Setup SIP, com Proxy Server
  • Call Setup SIP, com Redirect Server
  • Protocolo de Controle de Chamadas H.248/MEGACO
  • Camada Aberta de Aplicações e Serviços
  • Novo modelo de Infra-estrutura da RPTC
  • CURSO DE TELEFONIA
  • Gerência Integrada de Redes e Serviços
  • Definição de GIRS
  • Modelo Genérico da TMN
  • CURSO DE TELEFONIA
  • Tráfego Telefônico
  • Conceitos Básicos de Tráfego Telefônico
  • Intensidade ou Densidade de Tráfego
  • Métodos de Processamento do Tráfego
  • Acessibilidade
  • Graduação
  • Caracterização do Tráfego na HMM
  • Quantidade das Fontes de Tráfego
  • Distribuição dos Tempos de Ocupação
  • Padrões de Chegada de Chamadas
  • Tráfego Puramente Aleatório
  • Tráfego Excedente
  • Tipos de Tráfego
  • Grau de Serviço
  • Formulação Matemática para o Sistema de Perda
  • Fórmulas para o Tráfego Oferecido
  • Processamento do Tráfego para Acessibilidade Plena
  • Sistema de Perda com número Finito de Fontes
  • Probabilidade de Perda
  • Sistema de Demora com Número Infinito de Fontes de Tráfego e Acessibilidade Plena
  • Tráfego Excedente e Dispersão do Tráfego
  • Probabilidade de Espera
  • Tráfego Excedente e Dispersão do Tráfego
  • Medição de Tráfego
  • Exemplos Numéricos
  • Indicações Práticas para o uso das Tabelas de Dimensionamento
  • Exemplos de Utilização das Tabelas