Curso Online de TEORIA DA BUROCRACIA  MAX WEBER - AULA 2

Curso Online de TEORIA DA BUROCRACIA MAX WEBER - AULA 2

Max Weber (1864-1920), sociólogo alemão, foi o criador da Sociologia da Burocracia. Foi professor das Universidades de Friburgo e de Heid...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 9 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Max Weber (1864-1920), sociólogo alemão, foi o criador da Sociologia da Burocracia. Foi professor das Universidades de Friburgo e de Heidelberg e ficou famoso pela teoria das estruturas de autoridade. Com a tradução de alguns de seus livros para a língua inglesa, por Talcott Parsons, tomou corpo nos Estados Unidos a Teoria da Burocracia em Administração. Sua obra é realmente muito vasta. Seu principal livro, para o propósito deste estudo, é "A Ética Protestante e o Espírito de Capitalismo", São Paulo, Livrada Pioneira Editora, 1967.

Produziu cursos na área de Instrumentação Cirúrgica, onde é formado desde 2003. Autor de mais de 100 cursos na área da saúde onde atuou por mais de 10 anos na enfermagem onde é formado desde 2004. Também produziu aproximadamente 200 cursos na área da educação (Geografia e História principalmente) onde cursou Licenciatura em História de 2009 a 2013. Autor também de alguns cursos de Administração onde cursa atualmente o 3º semestre em Administração e Gestão pela IERGS em Porto Alegre - RS. Pós-Graduado em História do Brasil pela PROMINAS.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • TEORIA DA BUROCRACIA MAX WEBER - AULA 2

    TEORIA DA BUROCRACIA MAX WEBER - AULA 2

  • As disfunções da burocracia são basicamente as seguintes:

    1. Internacionalização das Regras e Exagerado Apego aos Regulamentos: As diretrizes da burocracia, emanadas através das normas e regulamentos, para atingir os objetivos da organização, tendem a adquirir um valor positivo, próprio e importante, independentemente daqueles objetivos, passando a substituí-los gradativamente.

    As disfunções da burocracia são basicamente as seguintes:

  • As normas e regulamentos passam a se transformar de freios em objetivos. Passam a ser absolutos e prioritários: o funcionário adquire "viseiras" e esquece que a flexibilidade é uma das principais características de qualquer atividade racional. Com isto, o funcionário burocrata torna-se um especialista, não por possuir conhecimento de suas tarefas, mas por conhecer perfeitamente as normas e os regulamentos que dizem respeito ao seu cargo ou função. Os regulamentos, de meios, passam a ser os principais objetivos do burocrata.

  • 2. Excesso de Formalismo e de Papelório:

    A necessidade de documentar e de formalizar todas as comunicações dentro da burocracia a fim de que tudo possa ser devidamente testemunhado por escrito pode conduzir à tendência ao excesso de formalismo, de documentação e, conseqüentemente, de papelório. Aliás, o papelório constitui uma das mais gritantes disfunções da burocracia, o que leva o leigo, muitas vezes, a imaginar que toda burocracia tem necessariamente um volume inusitado de papelório, de vias adicionais de formulários e de comunicações.

    2. Excesso de Formalismo e de Papelório:

  • 3. Resistência a Mudanças:

    Como tudo dentro da burocracia é rotinizado, padronizado, previsto com antecipação, o funcionário geralmente se acostuma a uma completa estabilidade e repetição daquilo que faz, o que passa a lhe proporcionar uma completa segurança a respeito de seu futuro na burocracia. Atendendo às normas e regulamentos impostos pela burocracia, o funcionário torna-se simplesmente um executor das rotinas e procedimentos, os quais passam a dominar com plena segurança e tranqüilidade com o passar do tempo.

    3. Resistência a Mudanças:

  • Quando surge alguma possibilidade de mudança dentro da organização, essa mudança tende a ser interpretada pelo funcionário como algo que ele desconhece, e, portanto, algo que pode trazer perigo à sua segurança e tranqüilidade. Com isto, a mudança passa a ser indesejável para o funcionário. E, na medida do possível, ele passa a resistir a qualquer tipo de mudança que se queira implantar na burocracia. Essa resistência à mudança pode ser passiva e quieta, como pode ser ativa e agressiva através de comportamentos de reclamação, tumultos e greves.

  • 4. Despersonalização do Relacionamento

    A burocracia tem com uma de suas características a impessoalidade no relacionamento entre os funcionários. Daí o seu caráter impessoal, pois ela enfatiza os cargos e não as pessoas que os ocupam. Isto leva a uma diminuição das relações personalizadas entre os membros da organização: diante dos demais funcionários, o burocrata não os toma mais como pessoas mais ou menos individualizadas, mas como ocupantes de cargos, com direitos e deveres previamente especificados.

    4. Despersonalização do Relacionamento

  • Daí a despersonalização gradativa do relacionamento entre os funcionários da burocracia. Os funcionários passam a conhecer os colegas não pelos seus nomes pessoais, mas pelos títulos dos cargos que ocupam. Algumas vezes, o conhecimento é feito pelo número do registro do colega ou por qualquer outra forma de identificação das pessoas imposta pela organização.

  •   5. Categorização como Base do Processo Decisorial:

    A burocracia se assenta em uma rígida hierarquização da autoridade. Portanto, quem toma decisões em qualquer situação será aquele que possui a mais elevada categoria hierárquica, independentemente do seu conhecimento sobre o assunto. Quem decide é sempre aquele que ocupa o posto hierárquico mais alto, mesmo que nada saiba a respeito do problema a ser resolvido.

      5. Categorização como Base do Processo Decisorial:

  • Por outro lado, categorizar significa uma maneira de classificar as coisas, estereotipadamente, a fim de lidar com elas com mais facilidade. Quanto mais se lançar mão da categorização no processo decisorial, menor será a procura de alternativas diferentes de solução.

  • 6. Superconformidade às Rotinas e Procedimentos:

    A burocracia baseia-se em rotinas e procedimentos, como meio de garantir que as pessoas façam exatamente aquilo que delas se espera. Como uma burocracia eficaz exige devoções estritas às normas e regulamentos, essa devoção às regras e regulamentos conduz à sua transformação em coisas absolutas: as regras e rotinas não mais são consideradas como relativas a um conjunto de objetivos, mas passam a ser absolutas. Com o tempo, as regras e as rotinas tornam-se sagradas para o funcionário.

    6. Superconformidade às Rotinas e Procedimentos:


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • TEORIA DA BUROCRACIA MAX WEBER - AULA 2
  • As disfunções da burocracia são basicamente as seguintes:
  • 2. Excesso de Formalismo e de Papelório:
  • 3. Resistência a Mudanças:
  • 4. Despersonalização do Relacionamento
  •   5. Categorização como Base do Processo Decisorial:
  • 6. Superconformidade às Rotinas e Procedimentos:
  • 7. Exibição de Sinais de Autoridade:
  • 8. Dificuldade no Atendimento a Clientes e Conflitos com o Público:
  • TEORIA ESTRUTURALISTA E SUA ORIGEM
  • A Teoria Estruturalista teve como origem os seguintes fatos, segundo Chiavenato (2003):
  • ABORDAGEM E CONCEITO DAS ORGANIZAÇÕES
  • CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DA ORGANIZAÇÃO NA TEORIA ESTRUTURALISTA
  • A análise das organizações do ponto de vista estruturalista é feita a partir de uma abordagem múltipla e envolve:
  • AMBIENTE E ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL
  • CONFLITOS ORGANIZACIONAIS
  •   PRINCIPAIS REPRESENTANTES
  • AborDagem Sistêmica da Administração
  • A Abordagem Sistêmica da Administração trata de três escolas principais:
  • CIBERNÉTICA E ADMINISTRAÇÃO  
  • Campo de Estudo da Cibernética
  •   Propriedades dos Sistemas Cibernéticos
  • Representação dos Sistemas: os Modelos
  • Existem três razões para a utilização de modelos:
  •   Conceito de Entrada, Saída e Caixa Negra
  • Conceito de Retroação
  • Podemos identificar dois tipos de retroação:
  • Conceito de Homeostasia
  • Conceito de Informação
  • O sistema de comunicação tratado pela teoria da informação consiste em seis componentes:
  • Conceito de Redundância
  • Conceitos de Entropia e Sinergia
  • Principais Conseqüências da Cibernética na Administração
  • 2.TEORIA MATEMÁTICA DA ADMINISTRAÇÃO
  • Necessidade de Modelos Matemáticos em Administração
  • Os problemas podem ser classificados em dois grandes grupos:
  • Pesquisa Operacional
  • TEORIA   DE   SISTEMAS
  • Conceito de Sistemas
  • Características dos Sistemas
  • Tipos de Sistemas
  • Quanto à sua natureza, os sistemas podem ser abertos ou fechados.
  • Parâmetros dos Sistemas
  • Os parâmetros dos sistemas são:
  • O Sistema Aberto
  •   A Organização como um Sistema Aberto:
  • O Homem Funcional