Curso Online de Estudo do Dinheiro e Sistema Monetário Brasileiro

Curso Online de Estudo do Dinheiro e Sistema Monetário Brasileiro

O Curso ? Estudo do Dinheiro e Sistema Monetário Brasileiro nos leva a uma viagem bem distante no qual é preciso entender o funcionamento...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 8 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

O Curso ? Estudo do Dinheiro e Sistema Monetário Brasileiro nos leva a uma viagem bem distante no qual é preciso entender o funcionamento do comércio, o surgimento do dinheiro e suas transformações no decorrer dos anos. E ao final, estudaremos sobre a evolução da moeda brasileira.

Formação: Pós-graduação em Matemática, Licenciatura em Matemática e Técnica em Processamento de dados - Experiência Profissional: Professora desde 1994 - Experiências alcançadas: Ensino Fundamental, Ensino Médio (regular e EJA), Pré-vestibular e Preparatório para concurso.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • matemática

    estudo do dinheiro
    &
    sistema monetário brasileiro

  • apresentação

    o curso – estudo do dinheiro e do sistema monetário brasileiro nos leva a uma viagem bem distante no qual é preciso entender o funcionamento do comércio, o surgimento do dinheiro e suas transformações no decorrer dos anos. e ao final, estudaremos sobre a evolução da moeda brasileira.

  • o comércio

  • O Comércio - Conceito

    o comércio - conceito

    o comércio baseia-se na troca voluntária de produtos. as trocas podem ter lugar entre dois parceiros (comércio bilateral) ou entre mais do que dois parceiros (comércio multilateral). na sua forma original, o comércio fazia-se por troca direta de produtos de valor reconhecido como diferente pelos dois parceiros, cada um valoriza mais o produto do outro. os comerciantes modernos costumam negociar com o uso de um meio de troca indireta, o dinheiro. é raro fazer-se troca direta hoje em dia, principalmente nos países industrializados. como consequência, hoje podemos separar a compra da venda. a invenção do dinheiro (e subsequentemente do crédito, papel-moeda e dinheiro não-físico) contribuiu grandemente para a simplificação e promoção do desenvolvimento do comércio.

  • a maioria dos economistas aceita a teoria de que o comércio beneficia ambos os parceiros, porque se um não fosse beneficiado ele não participaria da troca, e rejeitam a noção de que toda a troca tem implícita a exploração de uma das partes. o comércio, entre locais, existe principalmente porque há diferenças no custo de produção de um determinado produto comerciável em locais diferentes. como tal, uma troca aos preços de mercado entre dois locais beneficia a ambos.
    o comércio pode ser realizado entre países, o que chamamos de comércio exterior. nesse caso, o país se organiza para importar e exportar. exportar é quando um produto ou bem é vendido para fora do país e importar consiste na entrada de um produto estrangeiro no país. o comércio atacadista vende produtos em grandes quantidades visando donos de mercados que recebem descontos maiores por ainda revenderem a mercadoria enquanto o varejista vende produtos unitários e visa os consumidores finais para o próprio consumo do produto.

  • O Comércio - História

    precisar o período em que as atividades comerciais foram inventadas é um tipo de tarefa praticamente impossível de ser cumprida. contudo, podemos realizar uma breve projeção sobre como as primeiras trocas comerciais apareceram no cotidiano de certas civilizações. inicialmente, devemos imaginar que nas primeiras comunidades cada indivíduo ou chefe familiar detinha um tipo especifico de habilidade de trabalho.
    para que a produtividade desse trabalhador se ampliasse, era necessário que ele gastasse um número maior de tempo na realização de suas atividades. desse modo, garantiria o sustento de sua família com a coleta ou produção necessária para certo intervalo de tempo. apesar de ser uma solução eficiente, esses trabalhadores não teriam condições suficientes para dedicar seu tempo à realização de outras atividades que também integravam seu universo de necessidades essenciais.

    o comércio - história

  • dessa forma, um trabalhador poderia recorrer aos produtos de um outro para que então pudesse satisfazer as suas necessidades. por exemplo, um pescador poderia trocar parte de sua mercadoria com um agricultor que tivesse batatas disponíveis para a troca. assim, as primeiras atividades comerciais se baseavam em trocas naturais em que as partes estipulavam livremente a quantidade e os produtos que poderiam envolver as suas negociações.
    com o passar do tempo, vemos que essas trocas comerciais se tornaram cada vez mais complexas e envolviam uma gama cada vez maior de produtores. em algumas situações, o produto de troca oferecido por um trabalhador não era aquele que atendia às demandas de outro. além disso, a comercialização de determinadas mercadorias de grande porte e de difícil transporte poderia tornar as trocas diretas muito complicadas para as partes envolvidas.

  • podemos considerar que o comércio entre os povos, ou na forma de troca de mercadorias (escambo) ou envolvendo produtos considerados valiosos, como metais e pedras preciosas, se iniciou ao mesmo tempo que a formação da sociedade. no início tinha como objetivo satisfazer a necessidade de sobrevivência e era totalmente baseado em uma relação de troca. trocava-se uma pele curtida por dois porcos, etc. o que se tinha sobrando, trocava-se pelo que faltava. as trocas também se davam somente no nível familiar e não havia uma organização formal para sua efetivação. com a formação das vilas e povoados, foram aparecendo as feiras, esta sim já uma forma mais formal de comércio, mas que ainda era personalizada pelos próprios produtores que iam trocar as mercadorias que produziam. uma característica deste período é que não se precisava de vendedores. 

  • com o aparecimento das chamadas grandes civilizações - egípcia, grega e romana, principalmente, surgiram cidades e toda a estrutura típica de uma grande metrópole, como lojas, armazéns, padarias, etc. surgiram também necessidades mais sofisticadas, requeridas pelas classes dominantes em cada cultura, como os faraós, suas famílias e sacerdotes, os imperadores, senadores e senhores do poder : toda uma classe de ricas famílias de políticos e figuras importantes. iniciou-se então um forte intercâmbio de mercadorias entre as várias partes do velho mundo e a ásia, especialmente o egito. todas as mercadorias eram transportadas por caravanas ou por povos navegadores como os fenícios. podemos considerar estes como os primeiros vendedores de fato, comprando e vendendo mercadorias de um lado para o outro.

  • progressivamente, vemos que o desenvolvimento do comércio estipulou uma valoração não limitada ao custo natural da mercadoria. transporte, impostos, salários e outros gastos foram incorporados paulatinamente ao processo de fabricação de tais riquezas. foi dessa forma que a atividade comercial passou a ganhar ainda mais complexidade entre seus envolvidos. no mundo atual, vemos que a compreensão das atividades comerciais abarca um universo cada vez maior de fatores e variantes.

  • o dinheiro


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • O Comércio - Conceito
  • O Comércio - História
  • O Dinheiro - Conceito
  • Os Inventores do Dinheiro
  • O Dinheiro – História
  • Moeda-Mercadoria
  • Metal
  • Moeda em Formato de Objetos
  • Moedas Antigas
  • Ouro, Prata e Cobre
  • Moeda de Papel
  • Formatos Diversos
  • Sistema Monetário
  • Cheque
  • Dinheiro e Economia
  • História do Dinheiro no Brasil