Curso Online de Curso de Direito Administrativo Vol. 2

Curso Online de Curso de Direito Administrativo Vol. 2

Curso de Direito Administrativo para Concurso Público Vol.2. Material elaborado por profissionais da área de concurso públicos, que visa ...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 16 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 80 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Curso de Direito Administrativo para Concurso Público Vol.2. Material elaborado por profissionais da área de concurso públicos, que visa aproximar o conhecimento do candidato às exigências das principais organizadoras de concursos do país.

Integrante de grupo de estudos para Concursos Públicos a 3 anos (Concurseiro). Produtor Multimídia.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • direito administrativo
    vol. 2

  • 1. Teoria da Imprevisão

    1. teoria da imprevisão

    a teoria da imprevisão estabelece que eventos novos, não previstos e imprevisíveis pelas partes, que causem reflexos na execução ou no equilíbrio econômico-financeiro do contrato, autorizam a sua revisão. a utilização dessa teoria restabelecerá o equilíbrio entre o encargo e a retribuição, tornando o contrato justo para as partes.
    o art. 65, inc. ii, “d”, da lei n. 8.666/93 dispõe sobre a cláusula rebus sic stantibus, que vigora nos contratos privados e tem a finalidade de evitar a ruína do contratado. os contratos regidos pela lei em estudo poderão ser alterados, por acordo das partes, para restabelecer a relação pactuada inicialmentee tendo por objetivo a manutenção do equilíbrio econômico-financeiro na hipótese de ocorrência de fatos imprevisíveis – ou previsíveis com conseqüências incalculáveis, ou ainda, em caso de força maior, caso fortuito ou fato do príncipe –, configurando álea econômica extraordinária e extracontratual.

  • requisitos
    para a aplicação da teoria da imprevisão, é necessária a ocorrência de:
    fatos supervenientes;
    fatos imprevisíveis, ou previsíveis de conseqüências incalculáveis.
     
    hipóteses
    autorizam a aplicação da teoria da imprevisão, desde que preenchidos os requisitos anteriores:
    o caso fortuito;
    a força maior;
    o fato do príncipe;
    o fato da administração.

  • 1.2.1. caso fortuito e força maior
    caso fortuito é o evento da natureza. exemplo: contrato para construir uma escola; choveu além do previsível, o prazo do contrato não pode ser cumprido.
    força maior consiste no ato humano. exemplo: o contratado se compromete a construir uma obra, mas seus funcionários entram em greve.
    tanto o caso fortuito como a força maior são hipóteses que autorizam a aplicação da teoria da imprevisão, pois ou criam para o contratado um desequilíbrio econômico-financeiro ou impedem a execução do contrato.

  • 1.2.2. fato do príncipe e fato da administração
    fato do príncipe e fato da administração são os fatos produzidos pelo poder público que possibilitam a aplicação da teoria da imprevisão.
    o fato do príncipe incide sobre todos os contratos, demandando alteração das cláusulas iniciais. ocorrerá quando um fato geral, por determinações estatais, positivas ou negativas, imprevisíveis, onerar substancialmente a execução do contrato. exemplo: o aumento de um tributo tem repercussão em todos os contratos do poder público com particulares nos quais incida aquele tributo. verifica-se o fato do príncipe quando uma determinação geral do poder público afeta o cumprimento do contrato de maneira substancial.
    o fato da administração é a atitude, omissiva ou comissiva, adotada pelo poder público que incide direta e especificamente sobre um contrato individualizado. exemplo: construção de uma escola em local habitado, sem que o poder público providencie a desapropriação necessária. a determinação do poder público, no fato da administração, não é geral – é isso que o diferencia do fato do príncipe.

  • 1.2.3. observações
    circunstâncias, situações imprevistas e imprevisíveis são, para hely lopes meirelles, aquelas que já existiam antes de o contrato ser celebrado, mas que as partes desconheciam, porque foram omissas em sondar as possibilidades de execução do pactuado; exemplo: o contrato visa a construção em terreno arenoso e descobre-se que esse é rochoso, fazendo-se necessária a explosão do perímetro.
    há autores que não consideram tal situação imprevisível, porque não é superveniente.

  • Agentes Públicos – 1.Classificação

    agentes públicos – 1.classificação

    agente é expressão que engloba todas as pessoas lotadas na administração.
    agentes públicos é denominação genérica que designa aqueles que servem ao poder público. esses servidores subdividem-se em:
    agentes políticos;
    servidores públicos;
    particulares em colaboração com o estado.
    os servidores públicos, por sua vez, são classificados em:
    funcionário público;
    empregado público;
    contratados em caráter temporário.

  • agentes políticos, definidos por celso antonio bandeira de melo, “são os titulares dos cargos estruturais à organização política do país (...), presidente da república, governadores, prefeitos e respectivos vices, os auxiliares imediatos dos chefes de executivo, isto é, ministros e secretários das diversas pastas, bem como os senadores, deputados federais e estaduais e os vereadores”.
    funcionário público é o servidor que titulariza um cargo. está sob o regime estatutário.
    empregado público é o servidor que titulariza um emprego. está sob o regime celetista, que não é o mesmo regime celetista da iniciativa privada. pelo art. 37, inc. ii, da constituição federal a investidura acontece por concurso público.
    a semelhança existente entre funcionário e empregado é que ambos surgem como servidores, ou seja, são agentes públicos. a nomeação ocorre após aprovação em concurso público.

  • contratados em caráter temporário são servidores contratados por um período certo e determinado, por força de uma situação de excepcional interesse público. não são nomeados em caráter efetivo, que tem como qualidade a definitividade – art. 37, inc. ix, da constituição federal.
    os particulares em colaboração são agentes públicos, mas não integram a administração e não perdem a característica de particulares. ex.: jurados, recrutados para o serviço militar, mesário de eleição.

  • 2. Princípios Constitucionais

    2. princípios constitucionais

    2.1. acessibilidade a cargos e empregos
    o art. 37, inc. i, da constituição federal dispõe que os brasileiros e estrangeiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei terão acesso aos cargos, aos empregos e às funções públicas.
    essa norma é de eficácia contida, ou seja , possui aplicabilidade direta e imediata, mas possivelmente não integral (há uma limitação - restrição - à eficácia e à aplicabilidade. a constituição federal permitiu o amplo acesso aos cargos, aos empregos e às funções públicas, porém, excepciona- se a relação trazida pelo § 3.º do art. 12 da constituição federal, que define os cargos privativos de brasileiros natos:
    presidente da república e vice;
    presidente da câmara dos deputados;
    presidente do senado;
    ministros do supremo tribunal federal;
    carreira diplomática;
    oficial das forças armadas.

  • 2.2. concursos públicos e contratações excepcionais
    o art. 37, inc. ii, da constituição federal estabelece que para a investidura em cargo ou emprego público é necessário a aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego.
    a exigência de concurso é válida apenas para os cargos de provimento efetivo – aqueles preenchidos em caráter permanente.
    os cargos preenchidos em caráter temporário não precisam ser precedidos de concurso, pois a situação excepcional e de temporariedade, que fundamenta sua necessidade, é incompatível com a criação de um concurso público.
    para os cargos em comissão também não se exige concurso público (art. 37, inc. v), desde que as atribuições sejam de direção, chefia e assessoramento. esses devem ser preenchidos nas condições e nos percentuais mínimos previstos em lei.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • 1. Teoria da Imprevisão
  • Agentes Públicos – 1.Classificação
  • 2. Princípios Constitucionais
  • 3. Regime Jurídico do Servidor Público
  • 1. Serviços Públicos
  • 1. Licitação
  • 2. Contratos
  • 3. Responsabilidade
  • 4. Subconcessão
  • 5. Contratação de Terceiros
  • 6. Intervenção
  • 7. Formas de Extinção
  • 8. Autorização
  • 9. Considerações Tributárias
  • Bens Públicos – 1. Conceito
  • 3. Regime Jurídico
  • 4. Uso dos Bens Públicos
  • 6. Instrumentos para Transferência do Uso
  • 7. Formas de Aquisições de Bens Públicos
  • 8. Bens da União (Art. 20 da Const. Federal)
  • 9. Bens do Patrimônio Nacional (art. 225, § 4.º, da Constituição Federal)
  • 1. Responsabilidade do Estado
  • 1. Limitações do Estado ao Direito de Propriedade
  • 1. Desapropriação
  • 1. Fases da Desapropriação
  • Procedimentos Administrativos – 1.Introdução
  • 2. Princípios do Procedimento Administrativo
  • 3. Fases do Procedimento Administrativo
  • 4. Processo Administrativo Disciplinar
  • 5. Sindicância
  • 6. Revisão