Curso Online de ARTES-AMPLIANDO O CONHECIMENTO

Curso Online de ARTES-AMPLIANDO O CONHECIMENTO

ARTES-AMPLIANDO O CONHECIMENTO

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 8 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 25,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

ARTES-AMPLIANDO O CONHECIMENTO



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • Curso de educação artística

    Curso de educação artística

  • Conteúdo:

    Conteúdo:

    1. A ARTE NO CONTEXTO ESCOLAR
    2. A ARTE NO ESPAÇO EDUCACIONAL 3. A ARTE COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA 4. O ENSINO DA ARTE E A SALA DE AULA 5. A ARTE E O CONCEITO DE CULTURA 6. A ARTE: UM RAMO DO CONHECIMENTO 7. A CRIANÇA, O ADOLESCENTE E A ARTE 8. DESENVOLVIMENTO DA ARTE NA INFÃNCIA 9. A ARTE NA INFÃNCIA 10. POR QUE ENSINAR ARTE NA INFÂNCIA?

  • 11. O PAPEL DO PROFESSOR NA ARTE-EDUCAÇÃO 12. O PAPEL DO PROFESSOR NA ARTE-EDUCAÇÃO 13. EDUCAÇÃO ARTÍSITCA NO ENSINO FUNDAMENTAL 14. EDUCAÇÃO ARTÍSITCA NO ENSINO FUNDAMENTAL II 15. O FOLCLORE NA ARTE-EDUCAÇÃO 16. O FOLCLORE NA ARTE-EDUCAÇÃO 17. ENTENDENDO O FOLCLORE 18. AS POSSIBILIADES DO USO DO FOLCLORE NA AULA DE EDUCAÇÃO ARTÍSITCA 19. CONSIDERAÇÕES FINAIS  20. CONSIDERAÇÕES FINAIS II

  • 1.A arte no contexto escolar

    1.A arte no contexto escolar

    A arte, ainda no tempo das cavernas permitiu ao homem compreender a atribuir sentido ao mundo e a sua atividade sobre ele. A capacidade de configurar suas experiências passadas e presentes, e discernir o seu futuro, desde os primórdios da humanidade, é alguma coisa ligada indissoluvelmente à experiência estética. De modo geral, a arte é compreendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética, criada por artistas a partir de percepção, emoções e idéias.

  • Em se tratando da arte na escola, utiliza-se a imaginação e criatividade ao inventar coisas novas e ao expressar sentimentos e manifestar diferentes formas de entender a vida.
    Compreende-se que o ensino da arte e a presença da arte na escola realizam uma função essencial que ultrapassa a execução de uma simples disciplina curricular. A arte na escola tem o intuito de fazer com que o aluno se torne participante da sociedade em que ele está inserido, que ele possa criar, pensar, sentir o mundo que o cerca e que possa expressar esses aspectos não somente por meio de palavras, mas por outras linguagens. Esses tipos de linguagens são as Artes Visuais, a Dança, a Música e o Teatro. Além disso, a presença da arte na escola pode possibilitar trocas culturais entre os próprios alunos.

  • 2. A ARTE NO ESPAÇO EDUCACIONAL
    Sendo a escola o primeiro espaço formal onde se dá o desenvolvimento de cidadãos, nada melhor que por aí se dê o contato sistematizado com o universo artístico e suas linguagens: artes visuais, teatro, dança, música e literatura. Contudo, o que se percebe é que o ensino da arte está relegado ao segundo plano, ou é encarado como mera atividade de lazer e recreação. Desde o profissional contratado, muitas vezes tendo que lidar com os conteúdos das linguagens de forma polivalente, até o pequeno número de horas destinadas ao ensino das linguagens artísticas.

  • Ao longo dos anos, muito se tem falado e escrito sobre a necessidade da inclusão da arte na escola de forma mais efetiva. Desde 1971, pela Lei 5692, a disciplina Educação Artística torna-se parte dos currículos escolares. Muitas experiências têm acontecido, mas no contato direto com professores, diretores de escola e coordenadores pedagógicos, as intenções parecem apontar para um caminho interessante, mas é no confronto com a prática pedagógica no campo da arte que se nota a grande distância entre teoria e prática. Muitos equívocos são cometidos e a questão passa batida na maioria das vezes em que se questionam as vivências com a arte.

  • 3. A ARTE COMO PRÁTICA PEDAGÓGICA
    Diretores de escola, coordenadores, professores, pais de alunos e alunos devem estar preparados para entender a arte como ramo do conhecimento em mesmo pé de igualdade que as outras disciplinas dos currículos escolares. Reconhecendo não só a necessidade da arte, mas a sua capacidade transformadora, os agentes educacionais estarão contribuindo para que o acesso a ela seja um direito do homem.

  • Aceitar que o fazer artístico e a fruição estética contribuem para o desenvolvimento de crianças e de jovens é ter a certeza da capacidade que eles têm de ampliar o seu potencial cognitivo e assim conceber e olhar o mundo de modos diferentes. Esta postura deve estar internalizada nos educadores, a fim de que a prática pedagógica tenha coerência, possibilitando ao educando conhecer o seu repertório cultural e entrar em contato com outras referências, sem que haja a imposição de uma forma de conhecimento sobre outra, sem dicotomia entre reflexão e prática.

  • 4. O ENSINO DA ARTE E A SALA DE AULA
    O ensino da arte deve estar em consonância com a contemporaneidade. A sala de aula deve ser um espelho do atelier do artista ou do laboratório do cientista. Neles são desenvolvidas pesquisas, técnicas são criadas e recriadas, e o processo criador toma forma de maneira viva, dinâmica. A pesquisa e a construção do conhecimento é um valor tanto para o educador quanto para o educando, rompendo com a relação sujeito/objeto do ensino tradicional. Este processo poderá ser desafiador. Delimite-se o ponto de partida e o ponto de chegada será resultante da experimentação.

  • Assim, o ensino da arte estará intimamente ligado ao interesse de quem aprende. Esta maneira de propor o ensino da arte rompe barreiras de exclusão, visto que a prática educativa está embasada não no talento ou no dom, mas na capacidade de experienciar de cada um. Estimulam-se os educandos a se arriscarem a desenhar, representar, dançar, tocar, escrever, pois se trata de uma vivência, e não de uma competição. Uma proposta em arte que parta deste princípio traz para as suas atividades um grande número de interessados. Crianças e jovens se reconhecerão como participantes e construtores de seus próprios caminhos e saberão avaliar de que forma se dão os atalhos, as vielas, as estradas. A arte fará parte de suas vidas e terá um sentido, deixando de ser aquela coisa incompreensível e elitista, distante de sua realidade.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 25,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Curso de educação artística
  • Conteúdo:
  • 1.A arte no contexto escolar
  • Roteiro para a educação artística
  • ROTEIRO PARA A EDUCAÇÃO ARTÍSTICA
  • 2. Desenvolver as capacidades individuais
  • 3. Melhorar a qualidade da educação