Curso Online de CURSO EDUCAÇÃO ESPECIAL DF
4 estrelas 4 alunos avaliaram

Curso Online de CURSO EDUCAÇÃO ESPECIAL DF

Nesse cursos são apresentada: As deficiências apresentadas pelos alunos devem ser acima de tudo, mensuradas, de forma que o professor ten...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 60 horas

De: R$ 80,00 Por: R$ 50,00
(Pagamento único)

Mais de 70 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Nesse cursos são apresentada: As deficiências apresentadas pelos alunos devem ser acima de tudo, mensuradas, de forma que o professor tenha segurança nas proposições das mais diversas atividades. Para isso, o professor deve se apoiar nos conhecimentos que possui, nas limitações de cada aluno e nas suas dificuldades para que possa desempenhar seu papel com segurança e obter resultados satisfatórios.

MINI CURRÍCULO Sou Rosimeire Moreira Quintela, formada em Pedagogia com habilitação em Supervisão Educacional e Pós-Graduada em Educação Especial, Mídias integradas na Educação pelo CIPEAD, e pós em Psicopedagogia em Educação a Distância pela FACINTER, já participei de dois GTR Grupo de Trabalho em Rede pela SEED organizado pelo PDE como cursista e de várias jornadas pedagógicas oferecidas pala UNIOESTE e SEED, trabalho há 18 anos como professora na Escola de Educação Especial Cristian Eduardo Hack Cardozo (ACDD) em Foz do Iguaçu, com alunos Deficientes Físicos Neuromotores, sou concursada 40 horas pela Secretaria de Educação do Estado do Paraná-SEED. Atualmente estou trabalhando na Tutoria Presencial do curso de Pedagogia - UEM/UAB Polo de Foz do Iguaçu e na equipe Pedagógica do Colégio Carmelita e realizando Especialização no Ensino de Ciências.


- Iara Rutz Devantier

"Achei o curso excelente, pela clareza e a simplicidade que o autor usa para explicar, sem excluir os detalhes. Gostei bastante."

- Bianca De Almeida Alves

"O curso muito bom, e me ajudou na minha conclusão da atividades extra curricular do ensino superior, o certificado foi reconhecido e aceito pela universidade federal. obrigado mais uma vez..."

- Luciano Amorim

"gostei e muito bom"

- Ariela Carloto Da Silva

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • CURSO EDUCAÇÃO ESPECIAL

  • CURSO EDUCAÇÃO ESPECIAL DF

    CURSO EDUCAÇÃO ESPECIAL DF

  • DEFICÊNCIAS APRESENTADAS

    DEFICÊNCIAS APRESENTADAS

    . As deficiências apresentadas pelos alunos devem ser acima de tudo, mensuradas, de forma que o professor tenha segurança nas proposições das mais diversas atividades. Para isso, o professor deve se apoiar nos conhecimentos que possui, nas limitações de cada aluno e nas suas dificuldades para que possa desempenhar seu papel com segurança e obter resultados satisfatórios.

  • É PRECISO LEMBRAR

    É PRECISO LEMBRAR

    É preciso lembrar que o trabalho pedagógico com alunos com necessidades especiais, não se restringe apenas ao cognitivo. Ele é muito mais abrangente, uma vez que no dia-a-dia, o professor envolve-se com dificuldades de controle cervical – pessoas impossibilitadas de caminhar ou de se manter em pé – controle do tronco, controle dos braços e pernas; alunos com dificuldades de coordenação motora nos membros superiores e inferiores, além daqueles que precisam ser alimentados diretamente na boca.

  • OBSERVA-SE TAMBÉM QUE ESTES ALUNOS

    OBSERVA-SE TAMBÉM QUE ESTES ALUNOS

    além das características apresentadas, mostram-se inseguros e com a auto-estima abalada, tendo em vista seu estado físico, emocional e intelectual. Assim sendo, o professor deve estar atento às atividades de recuperação destes sentimentos, buscando atividades lúdicas como a música, histórias infantis, jogos entre outras, especialmente a TAC - Tecnologia Assistiva Computacional para que o aluno venha a ter uma participação mais efetiva e com isso, a superação de suas dificuldades e possivelmente avançar nas suas potencialidades.

  • OS CONHECIMENTOS QUE O PROFESSOR

    OS CONHECIMENTOS QUE O PROFESSOR

    Com os conhecimentos que o professor tem de seus alunos relacionados às sua deficiência ele poderá desenvolver atividades com o uso da TAC, no sentido de estar possibilitando melhorias na aprendizagem, na coordenação motora, na área intelectual e em sua forma de comunicação.

  • TECNOLOGIA ASSISTIVA  

    TECNOLOGIA ASSISTIVA  

  • A TECNOLOGIA ASSISTIVA

    A TECNOLOGIA ASSISTIVA

    A tecnologia assistiva é uma área que envolve as mais diversas disciplinas do conhecimento humano, visando promover a qualidade de vida e a inclusão social de pessoas com necessidades educacionais especiais. De forma geral, denomina- A tecnologia assistiva, segundo Santarosa (2002 p.103), refere-se ao conjunto de recursos que de alguma maneira contribui para uma maior independência, qualidade de vida e inclusão social das pessoas com necessidades especiais.

  • TEÓRICOS CITADOS

    TEÓRICOS CITADOS

    De acordo com Bersch (2008 p.3), e outros teóricos citados por ela a tecnologia assistiva, não é somente um conjunto de recursos para proporcionar e ampliar as habilidades de PNEs, mas também como estratégia e metodologias que são implementadas para atender as necessidades de autonomia e qualidade de vida de tais pessoas.

  • AS TECNOLOGIAS

    AS TECNOLOGIAS

    É preciso que as tecnologias não criem um abismo em nossa sociedade, na qual ainda hoje subsistem quadros-negros desbotados, folhas fotocopiadas em lugar de livros e alunos que ouvem as aulas do corredor porque não há lugar para eles nas classes. É preciso, portanto, que, no futuro, a educação seja pensada como parte das políticas implantadas para reduzir as desigualdades, e não como um instrumento para aprofundá-las. Esse é seu desafio. (LITWIN, 2001, p. 22).

  • EQUIPAMENTO

    EQUIPAMENTO

    Qualquer item, peça de equipamento ou sistema de produtos, adquirido comercialmente ou desenvolvido artesanalmente na escola, produzido em série, modificado ou feito sob medida, que é usado para aumentar, manter ou melhorar habilidades de pessoas com limitações funcionais, sejam físicas ou sensoriais denomina-se Tecnologia Assistiva.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 50,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • CURSO EDUCAÇÃO ESPECIAL DF
  • DEFICÊNCIAS APRESENTADAS
  • É PRECISO LEMBRAR
  • OBSERVA-SE TAMBÉM QUE ESTES ALUNOS
  • OS CONHECIMENTOS QUE O PROFESSOR
  • TECNOLOGIA ASSISTIVA  
  • A TECNOLOGIA ASSISTIVA
  • TEÓRICOS CITADOS
  • AS TECNOLOGIAS
  • EQUIPAMENTO
  • A DÉCADA DE 60
  • SASSAKI
  • ASSISTIVA
  • DISPOSITIVOS
  • OBJETO
  • ÁREAS DE APLICAÇÃO
  • computadorizados
  • RECURSOS PARA RECEPÇÃO
  • TECNOLOGIA ASSISTIVA COMPUTACIONAL
  • FORMA GENÉRICA
  • SERIA PRECISO
  • SOFTWARES
  • PESSOA NECESSITA
  • EDUCADORES E EDUCADORAS
  • O USO DA TECNOLOGIA
  • O PROFESSOR CONHECEDOR
  • ENFIM
  • É ATRAVÉS DA ESCOLA
  • CONSTATAÇÃO
  • CONSIDERADOS RECURSOS
  • NECESSIDADES ESPECIAIS
  • A INCLUSÃO DE PESSOAS
  • VYGOSTSKY
  • PODEMOS DIZER
  • AS LIMITAÇÕES
  • LIMITAÇÕES DE INTERAÇÃO
  • INCLUSÃO SOCIAL
  • DESENVOLVER RECURSOS
  • NA MEDIDA
  • EU EM RELAÇÃO AO OUTRO
  • PESSOA
  • A TECNOLOGIA ASSISTIVA EM AMBIENTE COMPUTACIONAL
  • AS TIC’s
  • SISTEMAS AUXILIARES OU PRÓTESE
  • AS TECNOLOGIAS TEM POSSIBILITADO
  • TAMBÉM SÃO UTILIZADAS
  • DIFICULDADES DE MUITAS PESSOAS
  • PESQUISAS
  • GRAVE COMPROMETIMENTO
  • UTILIZANDO AS TIC’s
  • EXEMPLO
  • T A
  • O USO DE TECNOLOGIAS ASSISTIVAS
  • ATIVIDADES COM O USO DA TECNOLOGIA ASSISTIVA
  • O COMPUTADOR EM SALA
  • OBJETO DE PESQUISA
  • A IMPORTÂNCIA
  • A INTERAÇÃO NO COMPUTADOR
  • PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
  • A PROPOSTA BASEOU-SE
  • ESSAS METODOLOGIAS
  • DEFINIÇÃO
  • DESENVOLVIMENTO DA COMUNICAÇÃO
  • EXPRESSÕES VIA ELETRÔNICA
  • O PROFESSOR MEDIADOR
  • BARREIRA
  • SEQÜELAS DE ENCEFALOPATIA
  • UTILIZANDO AS TICs NA EDUCAÇÃO ESPECIAL  
  • DESENVOLVIMENTO DE SEU USO
  • AS TECNOLOGIAS ESTÃO
  • DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO
  • SALA DE AULA
  • AS TECNOLOGIAS ESTÃO
  • MÍDIAS UTILIZADAS
  • NA EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • PROFESSORES DA EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • TECNOLOGIAS APLICADAS
  • TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
  • APRESENTAR RECURSOS TECNOLÓGICOS
  • BUSCAR O DESENVOLVIMENTO
  • ESSAS FERRAMENTAS
  • CONCEITO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
  • DEFINIÇÃO
  • TERMO DEFICIENTE
  • ESSA TENDÊNCIA
  • NOS ÚLTIMO ANOS
  • EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • DECLARAÇÃO DE SALAMANCA
  • Campo pedagógico
  • Essas nessidades
  • 2.2 TIPOS DE DEFICIÊNCIAS
  • CONTEXTO EDUCACIONAL
  • O trabalho pedagógico
  • CONSCIENTE
  • Os alunos especiais
  • É preciso
  • POLITICA
  • 2.2.1 Deficiência visual
  • Os casos
  • As deficiências
  • É evidente
  • As pesquisas
  • É sabido
  • Por isso
  • 2.2.2 Deficiência física  
  • Percebe-se
  • A deficiência física
  • As deficiências físicas
  • Por outro lado
  • O trabalho pedagógico
  • 2.2.3 Deficiência mental  
  • Deficiência mental
  • A preferência
  • Nada impede
  • 2.3 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO – TICS  
  • INFORMÁTICA EDUCATIVA
  • AS TICs
  • A tecnologia de informação
  • MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA
  • NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS
  • EDUCATIVAS ESPECIAIS
  • PREOCUPAÇÃO DOS PROFESSORES
  • TICs
  • ESCOLA É UMA TAREFA
  • OBJETIVO
  • 3 RELATO DO OBJETO DE PESQUISA
  • A IMPORTÂNCIA
  • AFETADA NO ÂMBITO
  • DEIXAR DE CITAR
  • 3.1 METODOLOGIA
  • A metodologia
  • AS METODOLOGIAS
  • DEFINIÇÃO DA METODOLOGIA
  • PLANEJADAS
  • RECURSOS HUMANOS
  • CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES:
  • CRONOGRAMA
  • CRONGRAMA
  • CRONOGRAMA
  • 3.2 RELATO DA EXPERIÊNCIA FEITA COM PROFESSORES E ALUNOS NO USO DAS TICS
  • Inicialmente
  • laboratório de informática
  • USO PEDAGÓGICO
  • REFLEXÕES
  • PESQUISA
  • A pesquisa
  • Trabalho de ampliação
  • UTILIZAR AS MÍDIAS
  •   3.3 RESULTADO DA PESQUISA COM OS PROFESSORES
  • RESULTADO
  • 3.4 ANÁLISE DOS RESULTADOS DA PESQUISA  
  • USO DAS TICs
  • O uso das TICs
  • Sabe-se das dificuldades
  • OPINIÃO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE USAR TV MULTIMÍDIA, INTERNET E COMPUTADOR PEDAGOGICAMENTE
  • INTERNET E COMPUTADOR PEDAGOGICAMENTE
  • PEDAGOGICAMENTE
  • SE O PROFESSOR CONSEGUIU USAR A TV MULTIMÍDIA, INTERNET E COMPUTADOR PEDAGOGICAMENTE APÓS A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA.
  • O trabalho pedagógico
  • SE A EXPERIÊNCIA TROUXE MODIFICAÇÃO PARA O MOMENTO DA APRENDIZAGEM
  • MOMENTO DA APRENDIZAGEM
  • PÓS A EXPERIÊNCIA O PROFESSOR SE SENTIU EM CONDIÇÕES DE USAR AS TICs
  • EXPERIÊNCIA
  • DEFINIÇÃO FONTE: A autora (2010) DA EXPERIÊNCIA EM PALAVRAS SOBRE AS TICs  
  • EM PALAVRAS SOBRE AS TICs
  • EXPERIÊNCIA
  • RECURSOS
  • 3.5 RELATO DO TRABALHO REALIZADO NA ESCOLA
  • TRABALHO
  • REALIZADO
  • 3.5.1 Estrutura da Oficina:  
  • OFICINA
  • b) Justificativa
  • c) Modalidade
  • f) Público alvo
  • g) Carga horária: 16 horas
  • h) Organização
  • i) Metodologia
  • j) Período de realização
  • l) Avaliação
  • m) Conteúdos
  • LABORATÓRIO
  • 2º Encontro - 4 horas:
  • ENCONTRO
  • OS PARTICIPANTES
  • estatuto da pessoa com deficiência
  • 6ª Ediçã
  • APRESENTAÇÃO
  • LDB
  • ECONÔMICO
  • INSTRUMENTO PARA
  • CAUSAS SOCIAIS
  • SENADOR FLÁVIO ARNS
  • Senador Paulo Paim
  • TÍTULO I
  • Substitutivo
  • I - Deficiência Física
  • Deficiência Auditiva
  • III - Deficiê ência Visual
  • Tais como:
  • V – Surdo - cegueira
  • VI - Autismo
  • VIII - Lesão Cerebral Traumática
  • IX - Deficiência Múltipla
  • § 1º Para efeitos
  • VII - Condutas Típicas
  • VIII - Lesão Cerebral Traumática
  • IX - Deficiência Múltipla:
  • § 1º Para efeitos da presente lei
  • § 2º Entende-se como deficiência
  • Art. 3º Para fins de
  • I - apoios especiais
  • II - ajudas técnicas
  • III - procedimentos especiais
  • 3º Encontro: 4 horas
  • Encontro
  • 4º Encontro
  • ENCONTRO
  • 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • CONSIDERAÇÕES
  • PTD - CONTEÚDOS
  • CONTEÚDOS
  • EIXO CONHECIMENTO
  • JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS
  • JUSTIFICATIVA
  • ESTRATÉGIAS E RECURSOS
  • AVALIAÇÃO
  • Art. 4º É dever do Estado
  • Art. 5º Compete à União
  • Art. 6º Nenhuma
  • § 1° Considera-se discriminação
  • § 2° Não constitui discriminação
  • Art. 7° É dever de todos comunicar
  • Art. 8º Todo atentado
  • Art. 9º O Conselho Nacional
  • Art. 10
  • TÍTULO II
  • CAPÍTULO I DO DIREITO À VIDA
  • Art. 11.
  • CAPÍTULO II DO DIREITO À SAÚDE
  • Art. 12.
  • Art. 13
  • Art. 14
  • § 1º Entende-se
  • III
  • IV
  • Art. 16
  • Art. 17
  • Art. 18
  • SUS
  • Parágrafo único.
  • CAPÍTULO III DO DIREITO À HABITAÇÃO
  • Art. 24
  • § 2º
  • Art. 25.
  • I
  • II
  • III
  • IV
  •   CAPÍTULO IV
  • ESCOLA
  • Art. 26
  • Art. 27
  • Parágrafo único
  • Art 28
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • V
  • Art. 19
  • Art. 20
  • Art. 21
  • Art. 22
  • Art. 23
  • SEÇÃO I
  • Art. 29
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • V
  • VI
  • § 1º
  • § 2º
  • Art. 30.
  • VII
  • VIII
  • IX
  • X
  • XI
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • V
  • SEÇÃO II
  • EDUCAÇÃO
  • Art. 31
  • Art. 32
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • V
  • § 1º
  • INCLUSÃO
  • § 2º
  • Art. 33
  • I ADEQUAÇÃO CURRICULAR
  • II LIBRAS
  • III
  • IV
  • V
  • VI
  • Art. 34
  • Art. 35
  • Art. 36
  • SEÇÃO III
  • FORMATURA
  • Art. 37.
  • Art. 38
  • I
  • II
  • III
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • Art. 39.
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • V
  • SEÇÃO IV
  • EDUCATIVO
  • Art. 40
  • § 1º
  • § 2º
  • CAPÍTULO V
  • Art. 41
  • Art. 42
  • SEÇÃO II
  • Art. 43.
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • SEÇÃO II
  • PESSOAS TRABALHO
  • Art. 43
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • § 4º
  • Art. 44
  • I
  • II
  • III
  •   SEÇÃO III
  • MODALIFADES
  • Art. 45
  • I
  • II
  • III
  • Art. 46
  • I
  • II
  • § 1º
  • A
  • B
  • C
  • § 2º
  • § 3º
  • Art. 47
  • SEÇÃO IV
  • Art. 48
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • § 1°
  • § 2°
  • § 3°
  • SEÇÃO V
  • Art. 49.
  • Art. 50
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • Art. 51
  • § 1º
  • I
  • II
  • III
  • § 2º
  • § 3º
  • § 4º
  • Art. 52.
  • I
  • II
  • III
  • Art. 53.
  • Art. 54.
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • Art. 55.
  • CAPÍTULO VI
  • V
  • Art. 56.
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • CAPÍTULO VII
  • Art. 57
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • § 3º
  • § 4º
  • § 5º
  • IV
  • § 1º
  • § 2º
  • § 6º
  • § 7º
  • § 8º
  • § 9º
  • Art. 58
  • Art. 60
  • Art. 61
  • I
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • Art. 62
  • I
  • Art. 59
  • II
  • III
  • IV
  • CAPÍTULO VIII
  • Art. 63
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • § 1º
  • § 2º
  • Art. 64.
  • Art. 65
  • Art. 66.
  •   TÍTULO III
  • Art. 67.
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • V
  • VI
  • VII
  • VIII
  • IX
  • X
  • XI
  • XII
  • Art. 68
  • Art. 69
  • Art. 70
  • Art. 71
  • Art. 72
  • CAPÍTULO II
  • ACESSIBILIDADE
  • Art. 73
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • TÍTULO IV
  • Art. 74.
  • § 1º
  • § 2º
  • Art. 75.
  • Art. 76
  • § 1º
  • § 2º
  • TÍTULO V
  • Art. 77
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • Art. 78.
  • VONTADE POLÍTICA
  • Terceiro Milênio
  • NAÇÕES
  • Art. 79
  • Art. 80.
  • Parágrafo único
  • Art. 81.
  • I
  • II
  • III
  • IV
  • V
  • VI
  • VII
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • Art. 82
  • Art. 83
  • Art. 84
  • Art. 85
  • CAPÍTULO III
  • Art. 86
  • Parágrafo único
  • Art. 87
  • Art. 88
  • AÇÕES
  • § 1º
  • § 2º
  • § 3º
  • § 4º
  • § 5º
  • § 6º
  • § 7º
  • Art. 89
  • § 1º
  • § 2º
  • Art. 90
  • § 6º
  • § 7º
  • Art. 89
  • § 1º
  • § 2º
  • Art. 90
  • Art. 91
  • TÍTULO VI
  • Art. 92
  • Parágrafo único
  • Art. 93
  • Parágrafo único
  • Art. 94
  • TÍTULO VII
  • Art. 95
  • Art. 96
  • Art. 97
  • Art. 98
  • Art. 99
  • Art. 100
  • Art. 101
  • Art. 102
  • Art. 103
  • Art. 104
  • Art. 105
  • Art. 106
  • TÍTULO VIII
  • Art. 107
  • Art. 108
  • Art. 109
  • JUSTIFICAÇÃO
  • CF
  • CARÁTER PROGRAMÁTICO
  • LDB
  • OBJETIVOS
  • SISTEMA ORGANIZACIONAL
  • PARÂMETROS
  • POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO
  • BENEFÍCIO
  • POTENCIAIS BENEFICIÁRIOS
  • RENDA FAMILIAR
  • DISTRITO
  •   CARTA PARA O TERCEIRO MILÊNIO
  • TERCEIRO MILÊNIO
  • DIREITOS HUMANOS BÁSICOS
  • PROGRESSO CIENTÍFICO E SOCIAL
  • ESTATISTICA
  • SÉCULO XX
  • SÉCULO XXI
  • MINUTO
  • PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
  • PAPEL CENTRAL
  • REABILITAÇÃO
  • PAÍSES-MEMBROS
  • CARTA
  • DIVERSIDADE
  • UNIVERSALISMO
  • DNA
  • FAMILIA
  • SER HUMANO
  • VIVER EM DIVERSIDADE
  • VISÃO
  • A POPULAÇÃO DO MUNDO
  • HAVER
  • ESTADOS UNIDOS
  • FATO
  • DIVERSIDADE
  • A IGUALDADE
  • CONVIVÊNCIA SOCIAL
  • IGUALITARISMO
  • INJUSTIÇA DA DISCRIMINAÇÃO
  • IGUALDADE FICA PREJUDICADA
  • FÓRUM PERMANENTE
  • MUNDO SEM GUERRAS
  • PERFEITO PARECE
  • "DEFICIÊNCIA"
  • MELHOR PARA TODOS
  • CONCLUSÃO
  • REFERÊNCIAS