Curso Online de EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE E CIDADANIA
5 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE E CIDADANIA

O Curso Educação para Diversidade e Cidadania, é destinado a profissionais da educação que buscam por meio da formação continuada, atuali...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 100 horas


Por: R$ 29,90
(Pagamento único)

Mais de 50 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

O Curso Educação para Diversidade e Cidadania, é destinado a profissionais da educação que buscam por meio da formação continuada, atualização dos conhecimentos em relação a diversidade e novas temáticas presentes no ambiente escolar. Entre os diferentes objetivos do curso, podemos citar, o desenvolvimento e a disseminação de metodologias educacionais que contribuam para a inserção dos temas da diversidade no cotidiano das salas de aula, de forma a garantir a todos e todas sem qualquer distinção, a igualdade de direitos e o respeito à diversidade sociocultural, étnico-racial, etária e geracional, de gênero e orientação afetivo-sexual e às pessoas com necessidades especiais, promovendo assim, a cidadania.

Equipe de professores especialistas, mestres e doutores nas disciplinas de administração, história, pedagogia, psicologia, sociologia, matemática, língua portuguesa,ciências biológicas, produção cultural, administração pública,engenheiros, advogados, cineastas, fotógrafos, jornalistas, profissionais e técnicos da saúde.


- Aurineide Rodrigues Araújo

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • Formação humana para a cidadania e educação escolar

    A primeira constatação que é preciso fazer é que a palavra cidadania tem sido muito proferida e em muitos casos pouco esclarecida. Proferimos a palavra e sabemos pouco do seu conteúdo.
    Convido-os a refletirmos e pensarmos juntos sobre o tema cidadania, formação humana e educação escolar.
    Para tal organizei esta fala em três partes: na 1ª parte abordo a origem da palavra cidadania; na 2ª o seu conteúdo na modernidade e após a Revolução Francesa e na 3ª o que hoje podemos considerar cidadania e as contribuições que a educação escolar pode fazer para tal.

  • Cidadania entre os povos latinos- A cidadania em português, corresponde:

    em espanhol, ciudadanía;
    em italiano, cittadinanza;
    em francês, citoyennité;
    Já a cidadão em português corresponde no espanhol ciudadano; cottadino no italiano e citoyen no francês.
    Temos, então que cidadania está na história dos povos latinos, cuja constituição está ligada à cultura greco - romano.

  • Sobre a palavra Cidadania - Se perguntarmos pelo étimo(origem) da palavra cidadania, temos:

    que deriva do latim civitas, que é cidade em latim, no mundo romano;
    corresponde a pólis, a Cidade-Estado dos gregos- daí deriva política governo da cidade.
    a Antiguidade Grega e Romana era um mundo de cidades; Roma chegou no século I d.C. a um milhão de habitantes.
    Portanto, a palavra cidadania, está desde sua origem, associada à vida na cidade, ao governo da cidade.

  • O Coliseu- sua construção data de 70 a 80 d. C.

    Tinha capacidade para receber até noventa mil espectadores.

  • Imagem do Senado Roma Antiga

  • Seu surgimento na língua portuguesa

    Segundo o Dicionário Etimológico de José Pedro Machado, cidadania, na língua portuguesa, surge no século XIII- e se reportava, nesse final de Idade Média ao homem que vivia no burgo, na cidade medieval, aquele que não estava
    “adscrito” ao feudo;
    A final uma minoria, se considerarmos que na Idade Média a vida se faz no feudo, cerca de 90% da população vivia no campo
    Portanto, desde já podemos fixar três sentidos associados a cidadania: do latim: vida na cidade, governo da vida na cidade e liberdade por oposição ao servo da gleba.

  • A Cidadania na cidade medieval

    Liberdade entendida aqui como libertação da servidão. O servo da gleba fugia então dos feudos e penetrava nos muros da cidade, onde se considerava ao mesmo tempo protegido e livre do senhor feudal e da sujeição que devia a ele (a vassalagem). Daí o dito que demonstra o "espírito da época" (cf. Maria Encarnação B. Spósito): "O ar da cidade é o ar da liberdade" ou, melhor, "o ar da cidade é libertador" (Stadtluft macht frei).
    Tratava-se, como é claro, de uma liberdade de fato, o que não
    impedia de torná-las pólos de atração para uma população que
    crescia desde o século XI.
    Mas, ligado ao renascimento do comércio, o processo de urbanização da Europa da Idade Média um fenômeno complexo e controvertido era "lento demais para permitir às cidades absorver a imigração em massa da população rural" (Bronislaw Geremek).

  • Cidade Medieval e seus oficinas de artes e ofícios

  • Mas é na Modernidade (1789- marco da Revolução Francesa para cá) que
    cidadania ganha mais sentido

    Em outubro de 1774, na França, Pierre-Augustin Caron de Beaumarchais, autor da peça - Bodas de Fígaro, depois musicada por Mozart, empregava num discurso, a palavra citoyen, para se referir ao homem livre; ao homem que rompe com o antigo Regime de adscricão feudal, que se pauta pela razão e por estar na cidade.
    Diziä: “Sou um cidadão; isto é, alguma coisa de novo, de inaudito; nem financeiro, nem abade, nem cortesão, nem favorito; nem NADA QUE SE POSSA CHAMAR PODER... Sou um cidadão -o quê os senhores deviam ser desde há
    duzentos anos e hão de ser dentro de vinte, talvez".

  • Bodas de Fígaro

    Trata, entre outros temas, do direito feudal do senhor....

  • Contudo>>>A maioria da população, ao final do século XVIII, era camponesa, não citadina.

    Poucas eram, então, as cidades, a mais numerosa era Londres com um milhão de habitantes, seguida de Paris com meio milhão e, umas outras, com uma população de 100 mil ou mais: duas na França, duas na Alemanha, talvez quatro na Espanha, cinco na Itália, duas na Rússia,, e apenas 1 em Portugal, na Polônia, na Holanda, na Áustria, na Irlanda, na Escócia e na Turquia.
    O verdadeiro homem da cidade tinha desprezo pelo campo atrasado, ainda que dele depende-se porque a cidade ainda dependia do que o campo produzia, dos impostos que arrecadava, dos que o abandonavam e se constituíam operários assalariados nas manufaturas e indústrias nascentes nas cidades.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 29,90
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Formação humana para a cidadania e educação escolar
  • Direitos políticos e direitos Sociais
  • O professor e a construção do saber para a cidadania
  • A Ética e a Pedagogia
  • Concepção dialética de construção de conhecimento
  • Diversidade cultural na escola
  • Educação para a convivência
  • Etnocentrismo, estereótipo e preconceito
  • A dinâmica cultural, o respeito e a valorização da diversidade
  • O sentido de educar
  • O papel da escola
  • Pluralidade cultural, diversidade e cidadania
  • Cidadania e Liberdade de Educação
  • Formação Ética do Educador
  • Repensar a escola e a formação docente
  • Desigualdade social e educacional
  • Educação para as Relações Étnico-Raciais
  • Uma educação política
  • Uma prática educativa dialógica participativa e democrática
  • Ética e Cidadania
  • Relações entre Ética e Cidadania