Curso Online de ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR
5 estrelas 6 alunos avaliaram

Curso Online de ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

A Net Cursos Profissionalizantes Esta disponibilizando a você os cursos de *TEORIAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS *GESTÃO ESTRATÉGICA *GESTÃO ES...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 115 horas

Por: R$ 55,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

A Net Cursos Profissionalizantes
Esta disponibilizando a você os cursos de
*TEORIAS E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
*GESTÃO ESTRATÉGICA
*GESTÃO ESCOLAR
*PSICOPEDAGOGIA HOSPITALAR
*TUTORIA NA EAD
*Retrospectiva das teorias e práticas pedagógicas
*Administração, gerência ou gestão?
*Direção tem que enfrentar desafios
*INCLUSÃO: EDUCAÇÃO DE QUALIDADE PARA TODOS
*PAPEL DO PROFESSOR NA ESCOLA INCLUSIVA
*PAPEL DA PSICOPEDAGOGIA NA ESCOLA INCLUSIVA
*O PEDAGOGO NA ARTICULAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO!
*SUCESSO ESCOLAR
*A FAMÍLIA NA CLINICA PSICOPEDAGÓGICA
*TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM ( DSM-IV)
* CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA TRANSTORNO DA MATEMÁTICA (DSM IV)
*PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM
*NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS : NEE
* Psicoses infantis -
ENTRE OUTRO FATORES QUE OCORREM NA EDUCAÇÃO, TUDO SOBRE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR.





A Net Cursos Profissionalizantes, utiliza métodos eficientes de Ensino e Aprendizagem, que proporcionam aos seus alunos, um conhecimento sólido e preciso dentro de sua área específica.


- Carina Fontes Cupertino

- Antonia Elda Pereira Azevedo

- GilvÂnia Lima Santos

- Maria Neuma Rabelo Bantim

- Renato Vieira

- AmÉrico Sampaio Barreto

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • 125 h/aulas

    ADMINISTRAÇÃO
    ESCOLAR

    CURSO EM DESTAQUE

    115 h/ AULA

  • A Net Cursos Profissionalizantes

    Esta disponibilizando a você os cursos de

  • TEORIAS E
    PRÁTICAS
    PEDAGÓGICAS

  • GESTÃO
    ESTRATÉGICA

  • GESTÃO ESCOLAR

    GESTÃO ESCOLAR

  • PSICOPEDAGOGIA HOSPITALAR

  • TUTORIA NA EAD

    TUTORIA NA EAD

  • TEORIAS
    E
    PRÁTICAS
    PEDAGÓGICAS

  • Retrospectiva das teorias e
    práticas pedagógicas:
    Antiguidade
    Idade Média
    Renascença
    Idade Moderna

  • Sócrates

  • Platão Aristóteles


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 55,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • GESTÃO ESCOLAR
  • TUTORIA NA EAD
  • PRÉ-SOCRÁTICOS: Tales de Mileto – 640 - 546 a.C. Anaxímenes – Escola de Mileto Anaximandro – Escola de Mileto Heráclito – ? - 545 a.C. Parmênides – 510 - 470 a.C. Zenão de Eléia 488–430 a.C. Pitágoras - ? – 450 a.C. Empédocles – 490 – 430 a.C. Demócrito – 460 – 370 a.C. Sofistas: Protágoras, Górgias 440-380 a.C.
  • Sócrates através de Platão 470 – 399 a.C.
  • (Sócrates)470-399 a.C.
  • O MITO DA CAVERNA
  • O QUE NOS DIZ O MITO?
  • São Tomás de Aquino 1224 a 1274
  • São Tomás de Aquino – 1224 a 1274
  • Aprender é um ato Mecânico ou Autopoiético?
  • A escolástica
  • Jean Jacques Rousseau – 1712 - 1778
  • Pedagogia Tradicional
  • Pedagogia Renovada ou Escola Nova
  • Pedagogia Tecnicista
  • Pedagogia Progressista
  • Correntes pedagógicas contemporâneas LIBANEO, J.C. IN: Educação na era do conhecimento em rede e transdisciplinaridade. Campinas: Alínea, 2005
  • Construtivismo pós-piagetiano
  • Complexidade e Transdisciplinaridade
  • Novos Papéis
  • Nossa principal função passa a ser...
  • NOVAS ESTRATÉGIAS
  • Planejamento e Prática da Gestão Escolar.
  • O que é planejamento?
  • PLANEJAMENTO
  • PLANO
  • PLANO E PLANEJAMENTO
  • O que representa cada um:
  • PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO
  • Reflexão:
  • É PRECISO (RE)SIGNIFICAR A PRÁTICA DO PLANEJAMENTO
  • PLANEJAMENTO ESCOLAR
  • Níveis de Colaboração
  • Aluno Virtual
  • Planejamento e Avaliação
  • A avaliação...
  • Dimensão da Avaliação
  • Definir a dimensão do planejamento
  • Valor social da educação
  • Prática do Professor
  • Em suma...
  • Finalizando
  • O que diz a LDB I
  • O que diz a LDB II
  • Lei estadual
  • Gestão escolar
  • O que precisa mudar
  • Escolha dos diretores -I
  • Conselhos Escolares
  • A Educação Especial, entende-se como um processo educacional definido por uma proposta pedagógica que assegure recursos e serviços educacionais especiais, organizados institucionalmente para apoiar, complementar, suplementar e, em alguns casos, substituir os serviços educacionais comuns de modo a garantir a educação escolar e promover o desenvolvimento das potencialidades dos educandos que apresentam necessidades educacionais especiais, em todas as etapas, modalidades e níveis de ensino.
  • FUNDAMENTOS LEGAIS
  • Artigo 227
  • Definição referendada na Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional - n.º 9394/96, nas Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica e demais marcos legais do Conselho Nacional de Educação Resolução 02/2001- CNE e do Conselho Estadual de Educação Resolução 261/2002CEE
  • Capítulo V – Lei n.º 9394/96 Artigo n.º 58
  • Artigo n.º 59 da LDB
  • Decreto 3298/99 Refere-se a Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência Lei 7 853/89 Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoa, disciplina atuação do Ministério Público, define crimes e dão outras providências.
  • Implantação do Núcleo de Atividades de Altas Habilidades – NAAH/MT
  • Parâmetros Gerais do Curso
  • Exemplo: Ford
  • Missão: Exemplos Terceiro Setor
  • Visão
  • O PEDAGOGO NA ARTICULAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO!
  • O Papel do Pedagogo
  • Ser pedagogo significa ter o domínio sistemático e intencional das formas(método) através dos quais se deve realizar o processo de formação cultural. (Saviani 1985)
  • GESTÃO DEMOCRÁTICA
  • PRESSUPOSTO BÁSICO O QUE É REALMENTE DEMOCRÁTICO NA ESCOLA PÚBLICA? A SOCIALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO
  • GESTÃO DEMOCRÁTICA
  • INSTÂNCIAS COLEGIADAS Gestão Escolar Papel do Pedagogo/ Direção
  • INSTÂNCIAS COLEGIADAS
  • GRÊMIO ESTUDANTIL Papel do Pedagogo ENTENDIMENTO DO SIGNIFICADO DO REPRESENTANTE DO CORPO DISCENTE CONCEPÇÃO DE REPRESENTAÇÃO/REPRESENTATIVIDADE
  • CONSELHO DE CLASSE
  • PRÉ- CONSELHO
  • PÓS- CONSELHO
  • DOCUMENTOS ESCOLARES
  • ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO PAPEL DO PEDAGOGO
  • ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGIGO( cont.)
  • ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGIGO (cont.)
  • ENSINO (professor) Papel do Pedagogo
  • APRENDIZAGEM (ALUNO)
  • APRENDIZAGEM (ALUNO) - Escuta - Acompanhamento escola/ família - Diálogo - Orientação de estudos - Acompanhar freqüência
  • Somente será considerado pedagogo aquele que fará surgir um “ mais” na e pela articulação teoria – prática na educação. Tal é a caldeira da fabricação pedagógica. ( Libâneo 1996)
  • Proposta de Trabalho
  • Caso 2
  • Ata 1º Bimestre 2º B
  • Ata 2º Bimestre 2º B
  • Ata 3º Bimestre 2º B
  • Caso 3
  • Caso 4
  • Caso 5
  • Caso 6
  • Ata do 4º bimestre
  • Caso 7
  • Caso 8
  • Caso 9
  • TRANSTORNO OU DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM
  • TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
  • NOS TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
  • TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM ( DSM-IV)
  • TRANSTORNO OU DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM DEFINIÇÃO
  • CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA O TRANSTORNO DE LEITURA (DSM IV)
  • CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA TRANSTORNO DA MATEMÁTICA (DSM IV)
  • CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA TRANSTORNO DA EXPRESSÃO ESCRITA (DSM IV)
  • OUTRAS CARACTERÍSTICAS DAS CRIANÇAS COM TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
  • PREVALÊNCIA DO TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
  • DISTÚRBIOS NO DESENVOLVIMENTO DA ATENÇÂO
  • PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO NA MEMÓRIA
  • PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM
  • PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO NA MOTRICIDADE FINA
  • PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO DE OUTRAS FUNÇÕES
  • FRACASSO ESCOLAR, PSICOPEDAGOGIA E AFETIVIDADE
  • A Educação Especial, entende-se como um processo educacional definido por uma proposta pedagógica que assegure recursos e serviços educacionais especiais, organizados institucionalmente para apoiar, complementar, suplementar e, em alguns casos, substituir os serviços educacionais comuns de modo a garantir a educação escolar e promover o desenvolvimento das potencialidades dos educandos que apresentam necessidades educacionais especiais, em todas as etapas, modalidades e níveis de ensino.
  • FUNDAMENTOS LEGAIS
  • Artigo 227
  • Definição referendada na Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional – n.º 9394/96, nas Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica e demais marcos legais do Conselho Nacional de Educação Resolução 02/2001- CNE e do Conselho Estadual de Educação Resolução 261/2002CEE
  • Capítulo V – Lei n.º 9394/96 Artigo n.º 58
  • Artigo n.º 59 da LDB
  • Decreto 3298/99 Refere-se a Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência Lei 7 853/89 Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoa, disciplina atuação do Ministério Público, define crimes e dão outras providências.
  • Implantação do Núcleo de Atividades de Altas Habilidades – NAAH/MT
  • Parâmetros Gerais do Curso
  • Exemplo: Ford
  • Missão: Exemplos Terceiro Setor
  • Visão
  • O PEDAGOGO NA ARTICULAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO!
  • O Papel do Pedagogo
  • Ser pedagogo significa ter o domínio sistemático e intencional das formas(método) através dos quais se deve realizar o processo de formação cultural. (Saviani 1985)
  • GESTÃO DEMOCRÁTICA
  • PRESSUPOSTO BÁSICO O QUE É REALMENTE DEMOCRÁTICO NA ESCOLA PÚBLICA? A SOCIALIZAÇÃO DO CONHECIMENTO
  • GESTÃO DEMOCRÁTICA
  • INSTÂNCIAS COLEGIADAS Gestão Escolar Papel do Pedagogo/ Direção
  • INSTÂNCIAS COLEGIADAS
  • GRÊMIO ESTUDANTIL Papel do Pedagogo ENTENDIMENTO DO SIGNIFICADO DO REPRESENTANTE DO CORPO DISCENTE CONCEPÇÃO DE REPRESENTAÇÃO/REPRESENTATIVIDADE
  • CONSELHO DE CLASSE
  • PRÉ- CONSELHO
  • PÓS- CONSELHO
  • DOCUMENTOS ESCOLARES
  • ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO PAPEL DO PEDAGOGO
  • ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGIGO( cont.)
  • ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGIGO (cont.)
  • ENSINO (professor) Papel do Pedagogo
  • APRENDIZAGEM (ALUNO)
  • APRENDIZAGEM (ALUNO) - Escuta - Acompanhamento escola/ família - Diálogo - Orientação de estudos - Acompanhar freqüência
  • Somente será considerado pedagogo aquele que fará surgir um “ mais” na e pela articulação teoria – prática na educação. Tal é a caldeira da fabricação pedagógica. ( Libâneo 1996)
  • Proposta de Trabalho
  • Caso 2
  • Ata 1º Bimestre 2º B
  • Ata 2º Bimestre 2º B
  • Ata 3º Bimestre 2º B
  • Caso 3
  • Caso 4
  • Caso 5
  • Caso 6
  • Ata do 4º bimestre
  • Caso 7
  • Caso 8
  • Caso 9
  • TRANSTORNO OU DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM
  • TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
  • NOS TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
  • TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM ( DSM-IV)
  • TRANSTORNO OU DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM DEFINIÇÃO
  • CRITÉRIOS DIAGNóSTICOS PARA O TRANSTORNO DE LEITURA (DSM IV)
  • CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA TRANSTORNO DA MATEMÁTICA (DSM IV)
  • CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS PARA TRANSTORNO DA EXPRESSÃO ESCRITA (DSM IV)
  • OUTRAS CARACTERÍSTICAS DAS CRIANÇAS COM TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
  • PREVALÊNCIA DO TRANSTORNO DE APRENDIZAGEM
  • DISTÚRBIOS NO DESENVOLVIMENTO DA ATENÇÂO
  • PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO NA MEMÓRIA
  • PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM
  • PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO NA MOTRICIDADE FINA
  • PROBLEMAS NO DESENVOLVIMENTO DE OUTRAS FUNÇÕES
  • LEMBRETES
  • FRACASSO ESCOLAR, PSICOPEDAGOGIA E AFETIVIDADE
  • Principais Disfunções
  • FICHAMENTO
  • Ainda
  • MODELO DE FICHAMENTO
  • FICHÁRIO
  • FICHAS DE LEITURA
  • FICHAS DE INDICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA
  • FICHAS DE RESUMO
  • FICHAS DE TRANSCRIÇÃO
  • FICHAS DE COMENTÁRIO
  • PRATICANDO
  • RESUMO
  • UM RESUMO DEVE SER …
  • ESQUEMA
  • UM BOM ESQUEMA DEVE …
  • DICAS ÚTEIS
  • NORMAS PARA TRABALHOS ACADÊMICOS
  • 1 REGRAS DE APRESENTAÇÃO 1.1 FORMATO  Papel branco, formato A4. Papel branco, formato A4. Utilização da fonte tamanho 12 para o texto e tamanho 10 para citações longas e notas de rodapé. Recomenda-se a utilização da fonte Times New Roman ou Arial no Word.  1.2 MARGEM  Esquerda e superior com 3,0 cm. Direita e inferior de 2,0 cm. 
  • 3.1 BIBLIOTECA A Biblioteca tem uma freqüência de aproximadamente 600 pessoas por dia.
  • 1.8 EQUAÇÕES E FÓRMULAS   É permitido o uso de uma entrelinha maior que comporte seus elementos (expoentes, índices e outros). Quando destacadas dos parágrafos são centralizadas e, se necessário, deve-se numerá-las.
  • 1.9.1 Figuras As figuras podem ser: * quadros; * lâminas; * plantas; * fotografias; * gráficos; * organogramas; * fluxogramas; * esquemas; * desenhos e outros. As legendas devem ser claras, breves, (de maneira que dispensem consulta ao texto). sendo inseridas o mais próximo possível das ilustrações a que se referem.  
  • Exemplo: Tabela 1- População de Cornélio Procópio _________________________________________________________________ INFORMAÇÃO DATA ESTATÍSTICA _____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ População Censitária 2000 46.861 habitantes População Estimada 2005 46.997 habitantes População Econ. Ativa 2000 24.102 pessoas População Ocupada 2000 20.067 pessoas Número de Domicílios 2000 15.406 __________________________________________________________________________ Fonte: IBGE (2000)
  • 2 ESTRUTURA DO TRABALHO 2.1 Objetivo 2.2 Definições 2.3 Estrutura 2.3.1 Elementos pré-textuais 2.3.1.1 Capa 2.3.1.2 Folha de rosto 2.3.1.3 Folha de aprovação 2.3.1.4 Dedicatória 2.3.1.5 Agradecimentos 2.3.1.6 Epígrafe 2.3.1.7 Resumo em língua vernácula 2.3.1.8 Resumo em língua estrangeira
  • 3 CITAÇÕES 3.1 Citação direta  3.2 Citação indireta 3.3 Citação curta 3.4 Citação longa 3.5 Citação de citação 3.6 Supressões, Comentários e destaques 3.7 Sistema de chamada 3.8 Autor pessoa 3.9 Autor entidade 3.10 Autor evento 3.11 Documento sem autoria
  • 4 REFERÊNCIAS 4.1 Como fazer uma referência 4.2 Regras de apresentação 4.3 Localização das referências 4.4 Transcrição dos elementos 4.4.1 Autoria pessoal 4.4.1.1 Um autor 4.4.1.2 Dois e três autores 4.4.1.3 Mais de três autores 4.4.1.4 Autoria desconhecida 4.4.2 Autor entidade / instituição 4.4.3 Título e subtítulo 4.4.4 Edição 4.4.5 Local 4.4.6 Casa publicadora 4.4.7 Data 4.4.8 Descrição física 4.4.9 Série e coleção
  • 4.5 Documentos a serem referenciados 4.5.1 Livros (Monografias) considerados no todo 4.5.1.1 Documentos considerados em parte 4.5.2 Teses, dissertações e monografias 4.5.3 Publicação periódica  4.5.3.1 Artigos de periódicos 4.5.3.2 Artigos de jornais 4.5.4 Normas técnicas 4.5.5 Entrevistas 4.5.5.1 Entrevistas não publicadas 4.5.5.2 Entrevistas publicadas 4.5.6 Documentos eletrônicos 4.5.6.1 CD-ROM 4.5.6.1.1 Bases de dados em CD-ROM 4.5.6.2 Documentos on-line 4.5.6.2.1 E-mail 4.5.7 Documentos cartográficos (atlas) 4.6 Listagem das referências
  • Artigo Científico
  • Artigo original
  • Artigo de revisão
  • Normas para Submissão de Artigos
  • Artigo Científico Normas da ABNT
  • Estrutura do Artigo
  • Elementos Pré-Textuais
  • Elementos Textuais
  • Elementos Pós-Textuais
  • Título e Sub-Título
  • Nome do autor ou autores
  • Resumo na língua do texto
  • Palavras-chave na língua do texto
  • Introdução
  •   Desenvolvimento
  •   Conclusão
  • Título e Sub-Título em Língua Estrangeira
  • Resumo em Língua Estrangeira
  • Palavras-Chave em Língua Estrangeira
  • Referências
  • Sites Recomendados
  • Modelo
  • Mais informações relevantes a elaboração do Artigo Científico
  • Formas de apresentação
  • Espacejamento
  • Numeração Progressiva
  • Citações
  • Citações diretas, literais ou textuais
  • Citações diretas, literais ou textuais
  • Citação indireta ou “paráfrase”
  • Citação de citação
  • Sistemas de chamada
  • Sistema numérico
  • Sistema Numérico
  • Apresentação das citações Sistema Autor-Data
  • Apresentação da autoria das citações
  • Forma de apresentação da autoria das citações
  • Ilustrações
  • Modelo de quadro
  • Modelo de tabela
  • Alíneas e Sub-alíneas
  • Apêndice(s)
  • Anexo(s)
  • Referências
  • Referência
  • Metáfora WWW@W
  • AUTOR
  • TÍTULO
  • EDIÇÃO
  • LOCAL
  • EDITORA
  • DATA
  • Referências: Regras gerais (NBR-6023, 2002)
  • Modelos e exemplos de Referências por Tipo de Documento
  • Fascículo de revista
  • OUTROS TIPOS DE DOCUMENTOS Entrevistas
  • DOCUMENTOS ONLINE
  • DICAS
  • NORMA ABNT ISO 9000
  • Objetivo e campo de aplicação
  • Justificativas para sistemas de gestão da qualidade
  • Requisitos para sistemas de gestão da qualidade e requisitos para produtos
  • Abordagem de sistemas de gestão da qualidade
  • Abordagem de processo
  • Política da qualidade e objetivos da qualidade
  • Função da Alta Direção no sistema de gestão da qualidade
  • Valor da documentação
  • Tipos de documentos usados em sistemas de gestão da qualidade
  • Processos de avaliação do sistema de gestão da qualidade
  • Auditoria do sistema de gestão da qualidade
  • Análise crítica de sistema de gestão da qualidade
  • Auto-avaliação
  • Melhoria contínua
  • Função das técnicas estatísticas
  • Termos e definições
  • ISO 9001: 2008
  • Objetivo
  • Fatores enfatizados
  • Fatores que influenciam a implantação de um projeto de gestão da qualidade
  • Modelo de um sistema de gestão da qualidade (GQ/QM)
  • Escopo