Curso Online de QUÍMICA CAPILAR
4 estrelas 3 alunos avaliaram

Curso Online de QUÍMICA CAPILAR

Capacitar o profissional cabeleireiro as novas técnicas a desenvolver com segurança procedimentos de química.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 9 horas

Por: R$ 49,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Capacitar o profissional cabeleireiro as novas técnicas a desenvolver com segurança procedimentos de química.

Graduada no curso superior de estetica e cosmetologia:Universidade Iguaçu - Unig do Rio de Janeiro pós graduação em Docência do ensino supeior. Especilaista em unhas artificiais de gel.acrigel e fibras. Atua há seis anos na área de estética facial,corporal,terapia capilar,drenagem no pré e pós operatório,eletroterapia aplicada a estética, depilação. Formada pelo senac; curso de maquiagem e cabelereiro profissional. curso superior de terapia capilar.


- Gracieli Santos De Paula

- Fabíola Santos

- Maria Stela De Almeida

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • QUÍMICA CAPILAR

    Curso de cabelereiro módulo 1

  • Introdução

    Procedimentos errados, com produtos químicos fortes ou prejudiciais, podem causar danos capilares e ao couro cabeludo nos mais diversos graus.

    “Esses problemas acontecem por várias razões, como uso inadequado das químicas, sensibilidade aos ingredientes da fórmula, efeitos colaterais do uso de seus ingredientes e associação de mais de uma química no mesmo cabelo”, explica o médico. Segundo ele, procedimentos feitos de maneira errada podem gerar queda e quebra de fio, irritações do couro cabeludo e até mesmo pequenas feridas e queimaduras.

    Introdução

  • O ideal para evitar esse tipo de problema é se prevenir. Vale lembrar que o teste da mecha ajuda a averiguar sobre os riscos aos fios de cabelo, mas não ajuda na verificação da sensibilidade da pele do couro cabeludo.

    Se o dano ocorrer nos fios, o ideal são técnicas de reparação intensas, uso de hidratantes e terapias de recuperação capilar. Se o dano for ao couro cabeludo, o ideal é usar loções que reduzam a inflamação e agentes cicatrizantes se houver queimaduras ou feridas.

  • Química capilar

    O cabelo é consituído, basicamente, de uma proteína: a alfa-queratina. As queratinas (alfa e beta) são, também, consitituintes de outras partes de animais, como unhas, a seda, bicos de aves, chifres, pêlos, cascos, espinhos (do porco-espinho), entre outros.

    Em cada fio de cabelo, milhares de cadeias de alfa-queratina estão entrelaçadas em uma forma espiral, sob a forma de placas que se sobrepoem, resultando em um longo e fino "cordão" protéico. Estas proteínas interagem fortemente entre si, por várias maneiras (veremos adiante), resultando na forma característica de cada cabelo: liso, enrolado, ondulado, etc..

    Química capilar

  • A raiz de cada fio capilar está contida numa bolsa tubular da epiderme chamada folículo capilar. Estima-se que existam cerca de 5 milhões de folículos capilares no corpo humano.

    As únicas partes da pele que não têm folículos são as palmas da mão e as solas dos pés. O fulículo recebe irrigação na epiderme e, algumas vezes, pode apresentar disfunções, levando ou ao crescimento excessivo de cabelos (ou pelos) ou à queda de cabelos, um problema enfrentado por boa parte da população.

    A queda de cabelos é mais frequente nos homens, e estudos indicam que ela está associada à testosterona.

  • Este hormônio é convertido, por uma enzima encontrada nos folículos, em dihidrotestosterona (DHT), que é capaz de se ligar a receptores nos folículos. Segundo Dr. Richard S. Strick, um dermatologista na University of California em Los Angeles, "this binding can trigger a change in the genetic activity of the cells, which initiates the gradual process of hair loss".

  • A cor do cabelo vem de pigmentos, como a melanina, que são agregados ao cabelo a partir do folículo capilar, o aparelho que é responsável pela produção do mesmo.

    Em geral, a cor do cabelo está relacionada à cor da pele: pessoas com pele escura tendem a ter cabelos escuros, e vice-versa. Isto porque a pigmentação do cabelo depende da quantidade de melanócitos presentes.
    um adulto tem cerca de 150 mil fios de cabelos na cabeça; O número total, incluindo todos os pêlos, chega a mais de 1 milhão; o cabelo cresce cerca de 2cm por mês; apenas 3 meses após a fecundação, os primeiros fios de cabelo já nascem no feto;

  • Como se faz o cabelo "Permanente" ?

    Um dos amino-ácidos presentes na queratina é a cisteína, responsável pelas ligações cisteínicas. A cisteína, RSH, pode interagir com outra cisteína da mesma cadeia polipetídica, e formar uma ligação convalente, RSSR. Estas ligações são responsáveis pelas "ondas" que aparecem em nossos cabelos.

    A possibilidade da interconversão entre as formas oxidadas (RSSR) e reduzidas (RSH) da cisteína é que permite ao cabelereiro "moldar" o seu cabelo, ou seja, alisar um cabelo crespo, ou fazer "cachos" e "ondas" em um cabelo liso.

    Como se faz o cabelo "Permanente" ?

  • A primeira etapa consiste na redução de todos os grupos RSSR. Isto se faz, geralmente, com a aplicação do ácido tioglicólico (também conhecido como ácido 2-mercaptoacético) em uma solução de amônia (pH 9). Esta solução reduz os grupos RSSR para RSH. thioglycolic acid (also known as 2-mercaptoacetic acid) in an ammonia solution (about pH 9) reduces RSSR to RSH (os cabelereiros chamam esta solução de "relaxante").

  • A segunda etapa consite em imprimir no cabelo a forma desejada: lisa ou ondulada.

    Após se lavar toda a solução de ácido tioglicólico e se enrolar ou esticar o cabelo, o cabelereiro, então, oxida os grupos RSH para RSSR, com a aplicação de um agente oxidante, tal como o peróxido de hidrogênio (H2O2, água oxigenada) ou borato de sódio (NaBrO3) (os cabelereiros se referem a esta solução como "neutralizante").

    O novo padrão imposto, então, dura até o crescimento do cabelo, quando será uma nova visita ao salão.

  • Como o cabelo pode ser colorido?

    Existem, basicamente, 2 métodos: o primeiro consiste na incorporação de pigmentos na formação do fio de cabelo. Este processo é lento e, em geral, é feito com pigmentos naturais, tais como o encontrado na henna ou na camomila. Devido ao uso constante, em xampus e/ou condicionadores, estes pigmentos começam a fazer parte dos novos fios de cabelos formados.
    O segundo método é a pintura imediata do cabelo, com a destruição dos pigmentos (descoloração) já existentes nos fios, e a incorporação de novos pigmentos. O processo de descoloração é ainda feito, na maioria das vezes, com peróxidos ou amônia, embora ambos os produtos sejam tóxicos. Um dos pigmentos mais utilizados, na coloração, é o acetato de chumbo, embora também seja tóxico. As indústrias investem muito em pesquisa nesta área.

    Como o cabelo pode ser colorido?


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 49,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Introdução
  • Química capilar
  • Como se faz o cabelo "Permanente" ?
  • Como o cabelo pode ser colorido?
  • Modo de ação dos xampus e condicionadores
  • Anatomia do cabelo
  • Estrutura interna do cabelo
  • O pH do cabelo
  • Tabela de PH
  • Tipos de cabelo
  • A cor do cabelo
  • Cabelos saudáveis e cabelos danificados
  • Alisamento e RelaxamentO
  • Processos Físicos e Químicos do Relaxamento Capilar e Alisamento de Cabelos:
  • Hidróxido de Cálcio
  • Hidróxido de Sódio
  • Passo a passo
  • Hidróxido de Lítio
  • Tioglicolato de amônio
  • Passo a passo
  • Formol
  • Escova Progressiva, os Alisantes e o Formol
  • Os riscos do Formol:
  • Aplicações
  • CARBOCISTEÍNA E ÁCIDO GLIOXÍLICO ( ÁCIDO FORMILFÓRMICO )
  • Considerações finais