Curso Online de BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS INDUSTRIAS DE ALIMENTOS
3 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS INDUSTRIAS DE ALIMENTOS

Este curso destina-se aos profissionais das mais diversas áreas ligadas as indústrias de produtos alimentícios, principalmente aos as ind...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 46 horas

Por: R$ 80,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso destina-se aos profissionais das mais diversas áreas ligadas as indústrias de produtos alimentícios, principalmente aos as indústrias de produtoras de produtos de origem animal. Nele você aprenderá a montar e a implantar o Programa de Boas Práticas de Fabricação, em indústria produtora de produtos de origem animal. Este curso fornece as informações básicas nas condições de higiene e manipulação de alimentos, visando a obtenção de produtos seguros à saúde, com custos mais baixos e processos padronizados. Aborda a qualidade dos alimentos, as ferramentas de gestão da qualidade, legislação alimentar, produção primária, recebimento das matérias-primas, armazenamento, produção, prevenção da contaminação cruzada, embalagem, registro e transporte. Neste curso você aprendera sobre a capacitação do profissional, a trabalhar adequadamente e instruí-lo nas Boas Práticas necessárias à funcionalidade e à operacionalização de uma fabrica garantindo a qualidade do ambiente de trabalho e dos produtos ao consumidor final. Para isso foi elaborado o curso a fim de fornecer subsídios para a implantação das Boas Práticas de Fabricação de maneira corretada, com a finalidade de evitar possíveis erros virtude de um erro no durante os processos de produção. Este curso possui 459 slides.

Sou Biológo Licenciado pela Universidade do Estado de Mato Grosso - Unemat, com Especialização em Processamento e Controle de Qualidade em Carnes, Leite e Ovos, pela Universidade Federal de Lavras - UFLA, com 17 (doze) anos de experiência em laticinios, nas mais diverdas aréas, como laboratório Fisico-quimico e Microbiológico,atuando no Controle e na garantia da Qualidade. De 2013 a 2015 trabalhei na area de processamento e no controle de qualidade em um Frigorifico (abatedouro) de Aves, e em uma fabrica de industrializados embutidos de derivados de aves, atuando como Supervisor nas areas de Processamento Industrial na produção de Linguiças, Salsichas, Mortadelas, Presunto e Apresuntado de frango, e no Controle e Garantia da Qualidade. Em outubro de 2015 voltei a para no setor lacteo trabalhando novamente em laticínio, com produção de queijos: Mussarela, Prato, Provolone, Parmessão, Ricota, Minas Frescal, manteiga, doce de leite em pasta e barra, requeijão cremosso, creme de leite, nata, bebida láctea fermentada e não fermentada,iogurte,coalhada, etc. email para contato: jpdanibio@hotmail.com


- Marcos Antonio Delagneze

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS INDUSTRIAS DE ALIMENTOS

    BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS INDUSTRIAS DE ALIMENTOS

    1

    JOÃO PAULO DANI
    Biólogo CRB: 43.140/01
    Especialista em
    Controle de Qualidade

  • 2

    2

    Olá!

    Sejam bem vindos.
    Neste cursos vamos estudar sobre:
    Requisitos necessários para a elaboração e a implantação e manutenção das Boas Práticas de Fabricação – BPF, nas industrias produtoras de alimentos.

    2

    2

  • APRESENTAÇÃO GERAL

    APRESENTAÇÃO GERAL

    3

  • Todos as pessoas que trabalham com alimentos são responsáveis, não só por sua saúde, mas pelos alimentos e também pelo bem-estar, e satisfação de seu consumidores.
    A contaminação dos alimentos podem ocorrer a qualquer instante, se não houver práticas corretas durante o seu manuseio, nos processos de produção, no armazenamento, transporte, e na comercialização final do produto elaborado.

    APRESENTAÇÃO GERAL

    4

  • Adotando os procedimentos corretos de higiene pessoal e operacional, os funcionários com certeza encantarão ainda mais seus consumidores, podendo afirmar que estão fazendo qualidade e vendendo produtos saudáveis para seus consumidores.
    Portanto, todo o tipo de cuidado deve ser previamente tomado para não sermos os responsáveis pela contaminação dos alimentos e adoecimento seus consumidores.

    APRESENTAÇÃO GERAL

    5

  • Sendo respeitadas tais medidas de controle da higiene pessoal e operacional, durante a produção de alimentos, haverá um maior retorno financeiro, conseqüência da adoção destas medidas preventivas.
    Além disso, as empresas estarão atendendo a legislação sanitária e, mantendo-se dentro da legalidade, evitarão transtornos decorrentes de ações de fiscalização, e evitando perdas de produção, ocasionadas pela ação de microrganismos deterioradores.

    APRESENTAÇÃO GERAL

    6

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    7

  • 8

    Até recentemente, o controle da qualidade sanitária dos alimentos era realizado pelas indústrias na forma de análise ou inspeção do produto final, com o objetivo de comparar os resultados com requisitos específicos para verificar se a conformidade foi atendida.
    Esse procedimento não permitia a adoção de ações corretivas, levando a custos e índices de perdas elevados, inerentes a um sistema de inspeção por amostragem.

    INTRODUÇÃO

  • 9

    Surgiu então, a necessidade das indústrias aperfeiçoar seus sistemas de controle da qualidade, com foco, na prevenção das não-conformidades, incluindo, portanto, ações corretivas e reativas e medidas preventiva.
    A regra base de um controle de qualidade, é ser tanto mais preventivo, quanto maior for o risco.

    INTRODUÇÃO

  • 10

    No competitivo mercado de produtos alimentícios, a qualidade dos produtos, deixou de ser apenas uma vantagem competitiva e se tornou requisito fundamental para a comercialização dos produtos.

    Uma das formas mais utilizadas, para se atingir um alto padrão de qualidade é a implantação do Programa de Boas Práticas de Fabricação - BPF.

    Composto por um conjunto de princípios, regras, e princípios, para o correto manuseio de alimentos, que abrange desde as matérias-primas até o produto final.

    INTRODUÇÃO

  • 11

    INTRODUÇÃO

    As normas que estabelecem as chamadas Boas Práticas de Fabricação – BPF, envolvem requisitos fundamentais que vão desde as instalações da indústria, passando por rigorosas regras de higiene pessoal e limpeza do local de trabalho (tais como lavagem correta e freqüente das mãos, utilização adequada dos uniformes, disposição correta de todo o material utilizado nos banheiros e o uso de sanitizantes) até a descrição, por escrito, dos procedimentos envolvidos no processamento do produto.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 80,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NAS INDUSTRIAS DE ALIMENTOS
  • APRESENTAÇÃO GERAL
  • INTRODUÇÃO
  • AS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO NA INDUSTRIA DE ALIMENTOS
  • O QUE SÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (BPF) ?
  • O que são Boas Práticas de Fabricação (BPF) ?
  • O QUE SÃO PROCEDIMENTOS PADRÕES DE HIGIENE OPERACIONAL - PPHO
  • PONTOS BÁSICOS DO PPHO
  • O QUE SÃO POPs ?
  • POR QUÊ IMPLANTAR O PROGRAMA BPF?
  • VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO
  • BENEFÍCIOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO - BPF
  • O QUE SÃO MICRORGANISMOS
  • LOCAL ONDE SÃO ENCONTRADOS?
  • COMO SE MOVIMENTAM?
  • CONDIÇÕES PARA SOBREVIVÊNCIA?
  • COMO SE MULTIPLICAM?
  • TIPOS DE MICRORGANISMOS
  • MICRORGANISMOS NOS ALIMENTOS
  • AGENTES CAUSADORES DE DOENÇAS NO HOMEM
  • VIAS DE TRANSMISSÃO DE CONTAMINAÇÃO
  • DOENÇAS CAUSADAS POR MICRORGANISMOS
  • DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS
  • FORMAS DE CONTAMINAÇÃO
  • COMO OS ALIMENTOS TRANSMITEM DOENÇAS?
  • POR QUE OCORREM AS DOA'S ?
  • HIGIENE RELACIONADA COM OS MANIPULADORES
  • HIGIENE PESSOAL DOS MANIPULADORES
  • CUIDADOS COM HIGIENE E ANSEIO PESSOAL DOS MANIPULADORES
  • UNIFORMES DOS MANIPULADORES
  • HÁBITOS DOS MANIPULADORES
  • EDIFICAÇÕES E INSTALAÇÕES
  • TIPOS DE CONSTRUÇÃO
  • LOCALIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES
  • PISO
  • PAREDES
  • JANELAS
  • PORTAS
  • ESCADAS
  • TETOS
  • INSTALAÇÕES ELETRICAS
  • ILUMINAÇÃO
  • VENTILAÇÃO
  • SISTEMA DE EXAUSTÃO E SUCÇÃO
  • LIMPEZA DAS CAIXAS DE GORDURA CANALETAS E RALOS
  • PÁTIOS
  • LIMPEZA COLETORES DE LIXO
  • INSTALAÇÕES SANITÁRIAS
  • AREA DE PRODUÇÃO
  • MEDIDAS GERAIS PARA A SANIDADE AMBIENTAL E SEGURANÇA DOS ALIMENTOS
  • PROCEDIMENTO PARA ARMAZENAMENTO DE MATÉRIAS PRIMAS
  • PROCEDIMENTO PARA ARMAZENAMENTO DE EMBALAGEM
  • AREA DE ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS ACABADOS
  • PREVENÇÃO À CONTAMINAÇÃO CRUZADA
  • AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRANSPORTE
  • ÁREA DE CARGA E DESCARGA DE PRODUTOS ACABADOS
  • ROTULAGEM E APRESENTAÇÃO
  • LIMPEZA E SANIFICAÇÃO
  • ETAPAS DA LIMPEZA E SANIFICAÇÃO
  • ETAPAS DO PROCESSO DE LIMPEZA E SANIFICAÇÃO
  • HIGIENE RELACIONADA COM OS MANIPULADORES
  • HIGIENE AMBIENTAL
  • HIGIENE DOS ALIMENTOS
  • HIGIENE OPERACIONAL
  • HIGIENE E DESEINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS, UTENSÍLIOS E SUPERFÍCIES DE CONTATO COM ALIMENTOS
  • MÉTODOS DE HIGIENIZAÇÃO
  • HIGIENIZAÇÃO MANUAL
  • HIGIENIZAÇÃO POR IMERSÃO
  • HIGIENIZAÇÃO POR MEIO DE MÁQUINAS LAVA JATO TIPO TÚNEL
  • HIGIENIZAÇÃO POR MEIO DE EQUIPAMENTOS DE SPRAY
  • HIGIENIZAÇÃO POR NEBULIZAÇÃO OU ATOMIZAÇÃO
  • HIGIENIZAÇÃO POR CIRCULAÇÃO
  • PROCEDIMENTO GERAL DE HIGIENIZAÇÃO
  • PRÉ-LAVAGEM
  • LAVAGEM COM DETERGENTES
  • ENXÁGÜE
  • SANIFICAÇÃO
  • CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS
  • CONTROLE DA ÁGUA INDUSTRIAL
  • HIGIENE E DESINFECÇÃO DE RESERVATÓRIO D'ÁGUA
  • MANEJO E DESCARTE DE RESIDUOS
  • PROGRAMA DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS
  • PROGRAMA DE CALIBRAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO
  • PROGRAMA DE RECOLHIMENTO – “RECALL”
  • PROCEDIMENTOS SOBRE RECLAMAÇÕES DOS CONSUMIDORES E/OU IMPORTADORES
  • PROGRAMA DE QUALIDADE ASSEGURADA DE FORNECEDORES
  • PROGRAMA DE TREINAMENTO DE PESSOAL
  • REQUISITO: GARANTIA E CONTROLE DE QUALIDADE
  • MONITORAMENTO, REGISTROS E AVALIAÇÃO DO MONITORAMENTO
  • DOCUMENTAÇÃO E REGISTROS
  • PONTOS IMPORTANTES DE CONTROLE
  • CHECK LIST DE SEGURANÇA E HIGIENE
  • PROGRAMA DE GARANTIA E CONTROLE DE QUALIDADE
  • REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS