Curso Online de CURSO DE CAPACITAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PÉ DIABÉTICO

Curso Online de CURSO DE CAPACITAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PÉ DIABÉTICO

O Pé Diabético está entre as complicações mais frequentes do Diabetes Mellitus (DM) e suas consequências podem ser dramáticas para a vida...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 20 horas

De: R$ 50,00 Por: R$ 29,90
(Pagamento único)

Mais de 10 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

O Pé Diabético está entre as complicações mais frequentes do Diabetes Mellitus (DM) e suas consequências podem ser dramáticas para a vida do indivíduo, desde feridas crônicas e infecções até amputações de membros inferiores. O exame periódico dos pés propicia a identificação precoce e o tratamento oportuno das alterações encontradas, possibilitando assim a prevenção de um número expressivo de complicações do Pé Diabético. (BRASIL, 2013)

Enfermeira docente e assistencial, especialista em saúde do Trabalhador, centro cirúrgico e saúde da família. Ministro cursos de gestão de pessoas para profissionais de saúde. Curso de farmacologia; Curso Quimioterapia; Curso de urgência e emergência; Assistência de enfermagem a saúde da mulher; Saúde materna e neonatal; Curso Prevenção ao uso indevido de drogas; Curso para o auto cuidado em Diabetes Mellitos; Curso de feridas e estomias; Curso de cuidados geral de enfermagem; Curso Cuidados com os idosos; Curso de epidemiologia e vigilância em saúde; Curso de informática para profissionais de saúde. Presto assistência de enfermagem direta aos pacientes; realizando consultas e procedimentos de maior complexidade e prescrevendo e implementando ações para a promoção da saúde; participando de trabalhos de equipes multidisciplinares; elaborando material educativo; definindo estratégias de promoção da saúde para situações e grupos específicos, participando de campanhas de combate aos agravos da saúde; participando de programas e campanhas da saúde mulher e saúde do trabalhador; elaborando de projetos e políticas de saúde.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • CURSO DE CAPACITAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PÉ DIABÉTICO.

    Facilitadora: Gerlania Nascimento

  • APRESENTAÇÃO

    APRESENTAÇÃO

    O Pé Diabético está entre as complicações mais frequentes do Diabetes Mellitus (DM) e suas consequências podem ser dramáticas para a vida do indivíduo, desde feridas crônicas e infecções até amputações de membros inferiores. O exame periódico dos pés propicia a identificação precoce e o tratamento oportuno das alterações encontradas, possibilitando assim a prevenção de um número expressivo de complicações do Pé Diabético. (BRASIL, 2013)

  • POR QUE AVALIAR OS PÉS DA PESSOA COM DIABETES?

    POR QUE AVALIAR OS PÉS DA PESSOA COM DIABETES?

    O Diabetes Mellitus (DM) é um problema de saúde comum na população brasileira e sua prevalência – que, no ano de 2013, em duas pesquisas nacionais, alcançou as marcas de 6,2% (Pesquisa Nacional de Saúde 2013) e 6,9% (VIGITEL 2013)
    Que vem aumentando nos últimos anos (BRASIL, 2013; 2014a; 2014b). Entre as complicações crônicas do DM, a ulceração e a amputação de extremidades – complicações estas do pé diabético.

  • Pé Diabético – são algumas das mais graves e de maior impacto socioeconômico, sendo, infelizmente, ainda frequentes na nossa população (BRASIL, 2013; SCHIMID et al., 2003; GRUPO DE TRABALHO INTERNACIONAL SOBRE PÉ DIABÉTICO.

  • Alguns números sobre DM e Pé Diabético: • Pessoas com DM apresentam uma incidência anual de úlceras nos pés de 2% e um risco de 25% em desenvolvê-las ao longo da vida. • Aproximadamente 20% das internações de indivíduos com DM são decorrentes de lesões nos membros inferiores.

  • • Complicações do Pé Diabético são responsáveis por 40% a 70% do total de amputações não traumáticas de membros inferiores na população geral. • 85% das amputações de membros inferiores em pessoas com DM são precedidas de ulcerações, sendo os seus principais fatores de risco a neuropatia periférica, as deformidades no pé e os traumatismos.

  • Grande parcela dos casos de amputações de membros inferiores em pessoas com DM é evitável. Portanto, assumem importância central (BRASIL, 2013; GRUPO DE TRABALHO INTERNACIONAL SOBRE PÉ DIABÉTICO, 2001): • A abordagem educativa das pessoas com DM, para a prevenção da ocorrência de ulcerações nos pés, a partir do cuidado diário e adequado dos membros inferiores (nível de evidência B)

  • • O exame periódico dos pés das pessoas com DM, que pode identificar precocemente as alterações, permitindo o tratamento oportuno e evitando o desenvolvimento de complicações (nível de evidência B) (ADA, 2013)

  • Há evidências consistentes de que programas organizados de avaliação e acompanhamento de pessoas com DM para lesões de Pé Diabético reduzem as taxas de amputações quando comparados ao cuidado convencional (MCCABE et al., 1998). Dadas a frequência e a gravidade desta complicação na população com DM, torna-se, portanto, mandatório que as equipes de saúde da Atenção Básica se organizem para prover este cuidado à sua comunidade.

  • Mas, afinal, o que é o Pé Diabético?

    Mas, afinal, o que é o Pé Diabético?

    Denomina-se Pé Diabético a presença de infecção, ulceração e/ou destruição de tecidos profundos associados a anormalidades neurológicas e a vários graus de doença vascular periférica em pessoas com DM (GRUPO DE TRABALHO INTERNACIONAL SOBRE PÉ DIABÉTICO, 2001). As alterações de ordem neurológica e vascular em extremidades, provocadas pelo quadro de DM, produzem distorções na anatomia e fisiologia normais dos pés.

  • A alteração do trofismo muscular e da anatomia óssea dos pés provoca o surgimento dos pontos de pressão, enquanto o ressecamento cutâneo prejudica a elasticidade protetora da pele e o prejuízo da circulação local torna a cicatrização mais lenta e ineficaz. Em conjunto, essas alterações aumentam o risco de úlceras nos pés, podendo evoluir para complicações mais graves, como infecções e amputações (BRASIL, 2013; GRUPO DE TRABALHO INTERNACIONAL SOBRE PÉ DIABÉTICO, 2001).


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 29,90
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • APRESENTAÇÃO
  • POR QUE AVALIAR OS PÉS DA PESSOA COM DIABETES?
  • Mas, afinal, o que é o Pé Diabético?
  • O Pé Diabético pode ser classificado, segundo sua etiopatogenia, em:
  • a classificação fisiopatológica do Pé Diabético é apresentada, acompanhada dos seus sinais e sintomas típicos.
  • COMO A EQUIPE DE ATENÇÃO BÁSICA PODE SE ORGANIZAR PARA AVALIAÇÃO DOS PÉS DAS PESSOAS COM DM ?
  • Acesso: organização da equipe para oferta da avaliação dos pés das pessoas com DM
  • Integralidade: o cuidado que vai além dos pés da pessoa com DM
  • MANUAL DO PÉ DIABÉTICO
  • Longitudinalidade: o cuidado horizontal da pessoa com DM
  • A classificação de risco do Pé Diabético
  • Coordenação do Cuidado: ordenando o fluxo na Rede de Atenção à Saúde
  • Organização da Rede de Atenção à Saúde no cuidado dos pés de pessoas com DM
  • Cuidado preferencialmente realizado na AB
  • Cuidado idealmente realizado na AB pela equipe multiprofissional, podendo ser compartilhado com outros níveis de atenção
  • Cuidado obrigatoriamente compartilhado entre equipe multiprofissional com o angiologista/cirurgião vascular
  • Cuidado obrigatoriamente compartilhado entre equipe multiprofissional e o terapeuta ocupacional
  • Cuidado obrigatoriamente compartilhado entre equipe multiprofissional e o ortopedista
  • Cuidado preferencialmente realizado na AB por equipe multiprofissional capacitada, mas podendo ser compartilhado com outros níveis de atenção
  • Encaminhamento com urgência para internação hospitalar
  • COMO AVALIAR OS PÉS DA PESSOA COM DM?
  • Classificação de risco do Pé Diabético
  • Anamnese
  • Tempo de doença do Diabetes Mellitus e controle glicêmico
  • • História de complicações micro e macrovasculares
  • • História de úlceras, de amputações ou by-pass em membros
  • • História de tabagismo
  • • Dor ou desconforto em membros inferiores
  • Escala WONG-BAKER de Faces de Dor
  • Escala numérica de dor
  • Cuidados de higiene e proteção dos pés
  • • Qualidade da acuidade visual
  • Exame físico
  • Avaliação Clínica Geral
  • Anatomia do pé
  • Hidratação
  • • Coloração, temperatura, distribuição dos pelos
  • Integridade de unhas e pele
  • Técnica para corte de unhas dos pés
  • Avaliação Neurológica
  • . Avaliação da sensibilidade tátil com monofilamento de Semmes-Weinstem
  • Método de avaliação da sensibilidade tátil utilizando o teste com monofilamento de 10 gramas de Semmes-Weinstem
  • Avaliação da sensibilidade vibratória com diapasão de 128 Hz
  • A técnica para avaliação da sensibilidade protetora utilizando o diapasão de 128 Hz é apresentada
  • Local para avaliação do teste com diapasão de 128 Hz
  • . Avaliação do reflexo tendíneo Aquileu
  • Método de avaliação do reflexo tendíneo Aquileu
  • Avaliação Vascular
  • Isquemia crítica de membro
  • Avaliação de sinais de insuficiência venosa
  • Avaliação de feridas
  • Classificação de feridas
  • Classificação de Ferida Diabética da Universidade do Texas
  • Avaliação da presença de infecção
  • Classificação da gravidade das infecções no Pé Diabético
  • Sem infecções
  • Infecção leve
  • Infecção moderada
  • Infecção grave
  • Informações complementares
  • Exames complementares
  • COMO TRATAR AS ALTERAÇÕES IDENTIFICADAS NA AVALIAÇÃO DOS PÉS DA PESSOA COM DM?
  • Ferramentas para o cuidado da pessoa com doença crônica
  • Cuidados recomendados para o Pé Diabético, segundo a Classificação de Risco
  • A neuropatia diabética e as orientações gerais para os cuidados diários
  • Orientações para o autocuidado no Pé Diabético – prevenindo as feridas.
  • As alterações cutâneas mais frequentes
  • • Xerodermia (pele seca)
  • • Calosidades
  • • Alterações ungueais
  • Pequenas cirurgias e outros procedimentos
  • As deformidades
  • A dor neuropática
  • Fármacos usados no manejo da dor neuropática Fármaco Apresentação Posologia
  • A úlcera e os cuidados de curativo
  • Terapias tópicas
  • A troca de curativo
  • A limpeza da ferida
  • Informações complementares:
  • O debridamento
  • O tratamento da infecção
  • Infecções fúngicas
  • Conduta
  • Onicomicose (“micose das unhas”)
  • Conduta:
  • 4.6.2 Infecções bacterianas
  • Infecções leves
  • Infecções moderadas,
  • Orientação para o autocuidado no Pé Diabético – prevenindo as feridas
  • CUIDADO! ISTO PODE SER PERIGOSO PARA OS SEUS PÉS:
  • REFERÊNCIAS