Curso Online de Transporte terrestre em UTI Móvel
5 estrelas 8 alunos avaliaram

Curso Online de Transporte terrestre em UTI Móvel

O curso aborda os tipos de ambulâncias, materiais, o transporte de pacientes críticos, vídeos, etc

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 11 horas

Por: R$ 25,99
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

O curso aborda os tipos de ambulâncias, materiais, o transporte de pacientes críticos, vídeos, etc

Cursos com vídeos, imagens ilustrativas, bem explicado. Equipe só enfermagem Duvidas e Sugestões soenfermagem@soenfermagem.net


- Evandro Nascimento Lacerda

- Alexandre Dos Santos

- Marcio Gomes Camara

- Jonathan Rafael Gomes Pereira

- Fabio Francisco Knecht

- JoÃo Carlos Alves Saldanha

- Vagner Porcincula

- Nairo Roberto De Siqueira Garcia

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Transporte terrestre em UTI Móvel

    Transporte terrestre em UTI Móvel

  • Olá, bem-vindo (a) ao curso a distância do Só Enfermagem.

    Utilize as teclas abaixo para sair, voltar ou avançar.

    Bons estudos!

  • Programa de Educação Continuada à Distância
    EAD – Educação à Distância

  • Introdução

  • Veículo destinado ao atendimento e transporte de pacientes com alto risco em urgências pré
    hospitalares ou transporte inter-hospitalar que necessitem de cuidados médicos intensivos.

    Dispõe de equipamentos e materiais para realização de procedimentos complexos e
    avançados de reanimação e estabilização, realizados por médico e enfermeiro

    O Brasil conta com uma moderna frota de ambulâncias desse tipo, especialmente no SUS.

    Para trabalhar em uma UTI móvel são necessários alguns requisitos. O médico precisa estar
    atento em qualificar-se nos parâmetros de uma UTI antes de transportar qualquer paciente
    em UTI móvel.

    É necessário que este profissional tenha feito no mínimo ATLS “advenced treatment support
    of life e ACLS – “Advance carddiology life support” e PHTLS – “pré hospitalar life
    support” e também uma residência médica compatível com o tipo de atividade.

  • O enfermeiro segue os mesmos preceitos do médico, tendo como objetivo básico ficar
    atento aos mínimos detalhes do paciente. Ele deve ter o sentido aguçado para observação,
    submissão sem medo de atuar, deve ter conhecimento profundo de onde se encontram os
    equipamentos e medicações.

  • Urgência e emergência

  • São dois conceitos de suma importância para a decisão de prioridades de atendimento em
    serviços de pronto-socorro.

    Saiba como diferenciar uma EMERGÊNCIA de uma URGÊNCIA.

  • Emergência
    O atendimento deverá ser IMEDIATO em situação SÚBITA aguda, NÃO HABITUAL, que
    implica RISCO de vida IMINENTE.
    Dor intensa, especialmente no peito, opressiva, irradiada ou não para os membros superiores, queixo, estômago, associadas ou não a suores frios, falta de ar e náuseas;
    Alteração súbita do nível de consciência, dificuldade de falar e de movimentar um ou vários membros;
    Perda de sangue em grande quantidade;
    Quando alérgico grave, placas vermelhas e inchadas no corpo, tosse e falta de ar;
    Falta de ar intensa, chiado no peito, suores, incapacidade de permanecer deitado, com pele, lábios e língua arroxeados;
    Movimento do tipo tremores, ou abalos em todo o corpo ou partes dele, com desvio dos olhos e repuxo da boca;
    Aumento súbito da pressão arterial, acompanhada por dor de cabeça, tonturas, falta de ar. Pode ocorrer perda da visão na crise;
    Acidentes graves;
    Perda de líquidos (sangramento, diarréia, vômitos), com queda súbita da pressão arterial, sede intensa, palidez, perda de força e extremidades frias. Há ainda sudorese;
    Fraturas com hemorragia ou perda da consciência;
    Afogamentos;
    Choques elétricos;
    Intoxicações graves;
    Aspiração de corpos estranhos.

  • Urgência.
    Situação aguda, NÃO HABITUAL que aparece em geral de modo súbito, SEM RISCO de
    vida iminente ao paciente, mas que impossibilita a ida até o médico. O atendimento será
    prestado em um prazo de até uma hora.
    Febre elevada de causa não esclarecida e rebelde aos antitérmicos, com dor de cabeça intensa ou antecedente de crise convulsiva;
    Dores de cabeça súbitas e de forte intensidade, não habituais e que não cedem com os medicamentos comuns;
    Tonturas intensas acompanhadas de perda súbita de equilíbrio ou de sonolência;
    Dor lombar súbita muito intensa, acompanhada de náuseas, vômitos e alterações urinárias;
    Cortes profundos;
    Fraturas sem hemorragia;

  • Todo o possível já foi feito pela equipe hospitalar, caso aconteça alguma coisa é de suma
    importância que o médico da UTI móvel melhore ao máximo as condições do paciente, para
    que o transporte não se torne um risco ainda maior.

    Assim fica fácil conceituar o transporte em UTI móvel, pois na grande maioria dos casos
    estaremos fazendo o transporte de pacientes estáveis de uma unidade hospitalar para outra.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 25,99
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Introdução
  • Urgência e emergência
  • História dos atendimentos móveis de urgência
  • Ambulância de Suporte Avançado de Vida
  • Tipos de ambulâncias
  • Veículos utilizados como ambulância
  • Instalações
  • Cuidados com as ambulâncias
  • Materiais e equipamentos da UTI móvel
  • Medicamentos obrigatórios que deverão constar em toda UTI Móvel
  • Tripulação das ambulâncias
  • Atribuições dos profissionais
  • O paciente
  • A razão de trabalhar em UTI móvel
  • As transferências inter-hospitalares
  • Transporte de pacientes críticos
  • Regulamentação
  • Conclusão
  • Bibliografia