Curso Online de Horticultura Terapia

Curso Online de Horticultura Terapia

Terapia baseada no uso das plantas tendo como instrumento atividades horticulturais e o mundo natural a fim de promover melhorias atravé...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 16 horas

De: R$ 100,00 Por: R$ 65,00
(Pagamento único)

Mais de 10 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído


Terapia baseada no uso das plantas tendo como instrumento atividades horticulturais e o mundo natural a fim de promover melhorias através dos sentidos do tato, mente e espírito.

Engenheiro Agrônomo. Especialista em Educação. Mestre em Entomologia. Área de atuação: Agroecologia, Educação Ambiental, Botânica e Plantas Medicinais.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • Horticultura Terapia

  • Sumário

    Sumário

    I Parte - Terapia
    1. Introdução
    2. História
    3. Relação pessoas e plantas
    3.1. Atividades hortícolas e experiência psíquica
    3.2. Efeitos das plantas
    3.3. Benefícios no bem-estar
    4. Comprovação científica
    5. Perfil do profissional
    6. Métodos para aplicação
    6.1. Atividades
    6.2. Jardim para os sentidos
    6.3. Horticultura para portadores de deficiência visual
    6.4. Horticultura para crianças
    6.5. Horticultura para idosos
    6.6. Horticultura Terapia para Pessoas com Demência e mal de Alzheimer
    6.7. A aplicação em comunidades
    7. Casos de sucesso

    II Parte – Horticultura
    1. Propagação de plantas
    1.1. Propagação por sementes
    1.2. Propagação vegetativa
    2. Cultivo de ervas aromáticas
    2.1. Introdução às ervas
    2.2. Cultivando um jardim de ervas
    2.3. Coleta de ervas
    2.4. Armazenamento das ervas
    2.5. As ervas na cozinha
    2.6. Ervas na Fitoterapia
    2.7. Receitas com ervas
    3. Compostagem
    4. Propagação de rosas
    5. Cultivo de hortaliças em recipientes

  • Apêndices

    Apêndices

    I. Educação especial
    II. Síndrome de Down
    III. Autismo infantil
    IV. Ecoterapia – A saúde através da Natureza
    V. Planejamento Terapêutico
    VI. Formulário de Avaliação
    VII. Normas Técnicas Setoriais Voluntárias – Terapia Holística

    Referências Bibliográficas

  • Autor

    Autor

    Marcelo Rigotti

    Engenheiro Agrônomo – Msc Entomologia
    Doutorando Horticultura

    rigottims@gmail.com

  • I Parte - Terapia 1. Introdução

    I Parte - Terapia 1. Introdução

    A Horticultura Terapia é um programa terapêutico que se baseia na jardinagem, é um instrumento ativo para ser utilizado junto a pessoas em tratamento. Está sendo usado, nos Estados Unidos e Europa em uma variedade de instituições incluindo hospitais psiquiátricos, clinicas de reabilitação física, prisões, programas para desenvolvimento mental para deficientes, programas para tóxico dependentes e de formação profissional. Muitos pacientes, com deficiência física e emocional, têm vindo a fazer parte nesta poderosa forma da terapia que envolve trabalho com plantas para estimular a recuperação.
    No Brasil, talvez este termo, Horticultura Terapia, ainda nunca tenha sido empregado, outros projetos utilizando plantas e o mundo natural como instrumento de recuperação são usados, mas não com a mesma eficiência, talvez por ainda ser desconhecido o potencial de cura desta técnica.
    Horticultura Terapia é definida como "o uso de plantas por um profissional treinado como um meio através dos quais certos objetivos definidos clinicamente são

    atendidos". É um procedimento relativamente novo que também pode ser descrito como "o processo pelo qual os indivíduos podem desenvolver o bem-estar usando plantas e jardinagem”. Em uma definição mais ampla “a Horticultura Terapia é um processo de terapia que usa as plantas tendo como instrumento atividades horticulturais e o mundo natural a fim de promover melhorias através dos sentidos do tato, mente e espírito”.
    Várias denominações têm sido utilizadas para esta técnica, mas sempre com o mesmo sentido de aplicação, tais como: Horticultura Terapia, Terapia de Horticultura, Horticultura Terapêutica, Terapia Hortícola, Agroterapia e Terapia da Jardinagem. A diferença é que a Terapia de Horticultura tem um objetivo definido pré-clínico semelhante ao encontrado em terapia ocupacional enquanto a Horticultura Terapêutica ou Horticultura Terapia é direcionada para a melhoria do bem-estar do indivíduo de uma forma mais generalizada.

  • I Parte - Terapia 1. Introdução

    I Parte - Terapia 1. Introdução

    Outro termo criado no Reino Unido é a Horticultura Terapêutica Social que reconhece também a importância dos aspectos sociais das atividades de horticultura. Todas essas abordagens têm sido empregadas em pessoas com vários tipos de incapacidades, incluindo aquelas com problemas de saúde mental, dificuldades de aprendizagem, deficiências físicas, vítimas de tortura, as minorias étnicas e assim por diante. Na verdade, praticamente todos os grupos e indivíduos podem ser atendidos. A Horticultura Terapêutica Social em geral é praticada por meio de projetos organizados com um grupo de pacientes claramente definidos.
    A Horticultura Terapia é um campo emergente da prática clínica com base nos comprovados benefícios para o bem-estar físico, mental e emocional que resulta da jardinagem como uma cura ou processo terapêutico.

    A interação com a natureza, atividades ao ar livre e os alimentos produzidos que a jardinagem proporciona, são ferramentas que têm sido utilizadas para envolver as pessoas com necessidades especiais, idosos e crianças enfermas ou em risco, assim como as pessoas com problemas de saúde mental. Uma significativa evolução ocorre através deste tipo de trabalho como um beneficio social coerente e como ferramenta de socialização de jovens infratores, presos adultos e as pessoas que utilizavam drogas e álcool em reabilitação. A Horticultura Terapia tem atualmente sido aceita como um mecanismo de intervenção positiva através da implantação de hortas comunitárias em comunidades carentes ou com problemas.
    O contato com o mundo das plantas estimula todos os sentidos, aliviando o estresse. Vários benefícios são adquiridos tais como, ajuda a exercitar o corpo, aguça a imaginação e ameniza o espírito, promovendo assim uma educação das pessoas de forma a melhorar a qualidade de vida.

  • I Parte - Terapia 1. Introdução

    I Parte - Terapia 1. Introdução

    Johnson (1999) propõe duas propriedades que são exclusivas para Horticultura Terapia. A primeira, a melhoria dos ambientes, que beneficiam toda a comunidade e a segunda, o relacionamento planta-pessoa, que é primordial, fornecendo interação que ajuda na resposta ao tratamento e também promove a conexão com a natureza.
    A natureza está ligada à identidade do ser humano em uma variedade de contextos. A hipótese da Biofilia, que suporta uma relação genética entre o homem e a natureza, propõe que “a identidade humana e pessoal de alguma forma dependem da nossa relação com a natureza”. Esta hipótese foi incorporada a um modelo de Horticultura terapêutica e social.
    Varias teorias estão surgindo, que apontam aumento de incidência de problemas de saúde mental e diminuição do bem-estar com o distanciamento da natureza causada pelo estilo de vida moderno.

    Talvez isso explique por que as intervenções que envolvem a atividade ao ar livre, onde a interação com o meio ambiente é incentivada e exposição aos elementos e estações do ano ocorrem, são particularmente eficazes. Isso pode ser reforçado pelo fato de que ambientes naturais incentivam a reflexão e espiritualidade, e facilitam a interação social.

  • I Parte - Terapia 2. História

    I Parte - Terapia 2. História

    Horticultura Terapia é provavelmente mais antiga do que qualquer outro tipo de terapia que conhecemos, começou desde o início dos tempos, mas nunca foi reconhecida como tal.
    A influência da terapia usando as plantas remonta ao antigo Egito, quando médicos prescreviam passeios no jardim para os seus pacientes. O primeiro datado dos casos de “Horticultura Terapêutica” foi em torno de 1600. Isso aconteceu porque as pessoas pobres não podiam pagar as suas faturas de hospital, para isso eles tinham que trabalhar nos jardins como forma de pagamento. Percebeu-se que estes pacientes, bem como aqueles que tinham alguma atividade nos jardins, se recuperaram mais rapidamente que outros pacientes sem qualquer contato com as plantas. Além disso, depois das duas “guerras mundiais” alguns dos feridos militares participaram no que é agora chamado “Horticultura Terapêutica”, trabalharam em jardins para melhorar o funcionamento das partes lesadas, aumentar a função mental, e também recuperar as capacidades físicas..

    A primeira pessoa a se interessar pela Horticultura Terapêutica, e também considerada o criador desta técnica foi o médico norte-americano Dr. Benjamin Rush. Além da sua atividade na medicina ele estava envolvido na política do seu dia e foi um dos signatários da Declaração da Independência Americana.
    Dr. Rush também tem sido considerado como o pai da Horticultura Terapêutica por trazer à atenção do mundo o fato de que a jardinagem tem potencial para tratar pessoas que sofrem de alguns tipos de doença.
    A importância das observações sobre as supostas curas alcançadas pelo Dr. Rush reside no fato de que elas representam um passo na busca de uma explicação causal e científica dos benefícios da horticultura e jardinagem. As pessoas sabem há séculos que os jardins podem ser lugares de paz e de cura, mas agora parece haver algum fundamento para essas crenças. Embora a legitimidade das observações do Dr. Rush possa ser questionável, têm inspirado as pessoas a acreditar que é possível encontrar evidências dos benefícios e consequentemente, os pesquisadores voltaram sua atenção para este campo.

  • I Parte - Terapia 2. História

    I Parte - Terapia 2. História

    Em 1798, o Dr. Benjamin Rush, um signatário da Declaração da Independência e professor no Instituto de Medicina e Práticas Clínicas na Filadélfia, Estados Unidos, reconheceu que o trabalho no campo ajudou a aliviar a loucura em um de seus pacientes. Em 1812, ele observou que o trabalho no jardim foi uma atividade que muitas vezes levou à recuperação de doentes mentais em hospitais.
    Mais tarde em 1800, a Horticultura ganhou aceitação como um meio para facilitar a vida estressante de residentes urbanos de baixa renda e para o desenvolvimento do ensino de indivíduos com deficiência. Em 1879, na Filadélfia o Hospital Friends construiu aquilo que foi a primeira estufa nos Estados Unidos para serem usados exclusivamente com doentes mentais. No início de 1900, a Fundação Menninger em Topeka, Kansas incorporou o trabalho com plantas, jardinagem e natureza como parte integrante das atividades dos pacientes.

    Um hospital, fundado pelos Quakers em 1813, tem utilizado a horticultura terapêutica desde o seu início. Este hospital foi originalmente concebido para ser auto-suficiente, apresentava 30 hectares cultivados com ervas, milho, batata e trigo. Carne e manteiga eram fornecidas por vacas leiteiras, uma horta produziam os legumes para a cozinha. As plantas medicinais e ervas condimentares também eram cultivadas. Grandes áreas de pasto e tranqüilas trilhas florestais eram deixadas para uso recreativo. O hospital proporcionou uma atmosfera serena onde os pacientes podiam se sentir seguros.
    Hoje, este hospital usa a horticultura terapêutica como um tratamento. Os recursos do hospital incluem um grande barracão com espaço para armazenamento, uma moderna estufa, um jardim de flores de corte, um herbário com plantas prensadas e ervas para confeccionar pot-pourri. Este hospital também tem feito alterações em seus 100 acres de terra. Por exemplo, o Jardim Borgeest, construído em 1991, foi construído especificamente para os doentes de Alzheimer, sendo um jardim seguro, onde os doentes podiam andar sem se perder ou ferir-se.

  • I Parte - Terapia 2. História

    I Parte - Terapia 2. História

    Embora não tenha expressão como outras técnicas terapêuticas, como a terapia ocupacional que trabalha muitas vezes da mesma maneira. Em comparação com outros tipos de terapias a Horticultura terapêutica é muito mais intensa. Envolve os pacientes de saúde mental, auxiliando em seu desenvolvimento físico e bem-estar emocional.
    Nos Estados Unidos em 1940, o Governo Federal instituiu hospitais para veteranos em que a horticultura terapêutica era usada para cuidar de feridos. Desde então, a quantidade e qualidade dos programas de formação em Terapia Hortícolas tem crescido. Hoje em dia, muitas faculdades e universidades têm oferecido cursos e programas para a formação de terapeutas hortícolas.
    Em 1955, foi criado um curso de graduação oferecido pela Michigan State University, em 1971 foi criado um programa de graduação na Kansas State University. Isso mostra que a horticultura terapêutica já não é apenas uma idéia, é agora uma profissão que vai continuar a crescer.

    Hoje a Horticultura Terapia é utilizada em todos os tipos de ambientes que talvez nunca se tenha imaginado. Muitas pessoas associam a horticultura com pessoas mais velhas, mas o fato é que a horticultura terapêutica poder ser utilizada por crianças e pessoas de todas as idades. Com isto em mente, pode-se pensar que qualquer ambiente pode trazer benefícios de se utilizar a horticultura como terapia. Hoje ela é usada em hospitais, lares, creches, prisões, centros de reabilitação, nas escolas, nas empresas, e mesmo em casas particulares. E ainda pode crescer se levarmos em consideração as organizações não governamentais, associações de moradores, etc.
    Existem programas de Terapias Hortícolas em todo o mundo concebido para adaptar a horticultura para atender as necessidades especiais de todas as pessoas.
    No Brasil ainda não se conhece nenhuma prática terapêutica utilizando como base a Horticultura, entretanto pode estar associada a outras atividades que tem a mesma função ou se aproxima muito da Horticultura terapia.

  • I Parte - Terapia 2. História

    I Parte - Terapia 2. História

    Horticultura terapêutica é um termo simplificado e difícil de explicar na pratica. Este não é, certamente, um novo conceito de cura, durante séculos os índios norte americanos têm mostrado respeito à ligação entre o homem e a natureza. O que está acontecendo é que finalmente a sociedade moderna esta abrindo os olhos para essa alternativa de cura. Num mundo de alta tecnologia na medicina, o que sem dúvida tem um papel importante na assistência à saúde, é de se admirar quando aparece uma terapia tão pura e básica como esta, por trazer tantas vantagens e benefícios. É um dos poucos processos de cura em que a mente, corpo e espírito são restaurados simultaneamente. É um elemento que pode ser utilizados para ajudar as pessoas que foram de alguma forma perturbada por doenças, ferimentos, problemas sociais e econômicos, perturbações psicológicas e de desenvolvimento, bem como o processo de envelhecimento.

    Os programas de Horticultura terapêutica foram concebidos para ajudar estas pessoas a melhorar as suas capacidades para a realização de tarefas simples, bem como ajudá-las a lidar com as mudanças que têm ocorrido por vezes inesperadamente, em suas vidas.
    Nos últimos anos, a jardinagem tem sido usada como uma forma de lazer, ao contrário do passado, quando a humanidade era dependente do cultivo de plantas alimentares apenas para a sobrevivência, as pessoas hoje estão usando a horticultura para satisfação pessoal e melhoria da qualidade de vida.
    Até pouco tempo muitos hospitais, especialmente nos hospitais psiquiátricos tinham jardins que produziam alimentos para os pacientes e funcionários, e funcionavam como uma distração para os pacientes que nelas trabalham. Este tipo de jardim já quase desapareceu, mas os jardins em hospitais começaram a reaparecer em diferentes formas como jardins ornamentais e pequenas hortas. Existe uma percepção de que o espaço construído para jardins e da atividade da jardinagem são benéficas e até terapêutica. Os jardins são importantes para se contemplar e para trabalhar. A estrutura de alguns novos hospitais foi alterada para incorporar esse sentimento à natureza.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 65,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Sumário
  • Apêndices
  • Autor
  • I Parte - Terapia 1. Introdução
  • I Parte - Terapia 2. História
  • I Parte - Terapia 3. Relação pessoas e plantas
  • I Parte - Terapia 4. Comprovação científica
  • I Parte - Terapia 5. Perfil do profissional
  • I Parte - Terapia 6. Métodos para aplicação
  • I Parte - Terapia 7. Casos de sucesso
  • II Parte - Horticultura 1. Propagação de plantas
  • II Parte - Horticultura 2. Cultivo de ervas aromáticas
  • II Parte - Horticultura 3. Compostagem
  • II Parte - Horticultura 4. Propagação de rosas
  • II Parte - Horticultura 5. Cultivo em recipientes
  • Apêndices Educação Especial
  • Apêndices Síndrome de Down
  • Apêndices Autismo
  • Apêndices Ecoterapia
  • Apêndices Planejamento terapêutico
  • Apêndices Formulário de avaliação
  • Apêndices Normas Técnicas Setoriais Voluntárias – Terapia Holística
  • Referências Bibliográficas
  • Apêndices Normas Técnicas Setoriais Voluntárias – Terapia Holística