Curso Online de APICULTURA

Curso Online de APICULTURA

HA MILHÕES DE ANOS A APICULTURA TEM SIDO EXPLORADA PELO HOMEM, HOJE GRAÇAS À EVOLUÇÃO E A IMPLANTAÇÃO DE TÉCNICAS SÓ SE TEM PRODUZIDO CAD...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 10 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

HA MILHÕES DE ANOS A APICULTURA TEM SIDO EXPLORADA PELO HOMEM, HOJE GRAÇAS À EVOLUÇÃO E A IMPLANTAÇÃO DE TÉCNICAS SÓ SE TEM PRODUZIDO CADA VEZ MAIS MEL. O BRASIL VEM SE DESTACADO CADA VEZ MAIS ENTRE OS MAIORES PRODUTORES MUNDIAL DE MEL.

BACHAREL EM ZOOTECNIA PELA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • APICULTURA

    Fredisson Luiz V. Louzeiro – Zootecnista – fluiz.zootecnista@bol.com.br

  • Dados históricos revelam que as abelhas existem no mundo há mais de 50 milhões de anos e o mais curioso é que quase não sofreram mutações durante este tempo. Já o início da atividade apícola foi oficialmente reconhecido no Egito, há cerca de 2.400 anos a.C.

    INTRODUÇÃO

  • As abelhas existem a milhões de anos. Todos os povos primitivos da Ásia, África e Europa conheciam as abelhas e utilizavam seus produtos e derivados.
    Os egípcios são considerados os primeiros apicultores, uma vez que 2.400 anos a.C.

  • Do Egito, a apicultura difundiu-se entre os gregos e romanos que a aperfeiçoaram.
    As abelhas sempre foram muito importantes para estes povos, tanto que a valorizavam no comércio e na literatura, as estampavam em moedas, medalhas e roupas.

  • A CLASSIFICAÇÃO ZOOLÓGICA DAS ABELHAS, SEGUNDO OS BIÓLOGOS, É A SEGUINTE

    REINO- Animal
    FILO- Arthropoda
    CLASSE- Insecta
    ORDEM- Hymenoptera
    SUBORDEM- Apocrita
    SUPERFAMÍLIA- Apoidea
    NOME CIENTÍFICO: Apis mellifera
    NOME COMUM: Abelha
    NOME EM INGLÊS: Bee

  • Antes de 1840, as abelhas criadas no Brasil eram as nativas, ou seja, abelhas Melipônicas ou indígenas, cuja variedade é muito grande. Abelhas mansas e sem ferrão, as Melipônicas produzem mel de excelente qualidade, porém em menor quantidade.

    A APICULTURA NO BRASIL

  • Depois desta época, as abelhas européias Apis mellifera mellifera foram trazidas para o Brasil por padres jesuítas. Por serem originarias de países que apresentam inverno rigoroso, estas abelhas tinham o hábito de estocar alimento em quantidade para hibernar durante as estações mais frias do ano. Elas se adaptaram muito bem ao clima brasileiro e por se tratarem de abelhas dóceis e de fácil manejo, o seu desenvolvimento se deu de forma acelerada, produzindo ótimos resultados.

    Entre os anos de 1845 e 1880, novas colônias foram introduzidas por imigrantes italianos e alemães que se estabeleceram no sul e sudeste do país.

  • AS PRINCIPAIS RAÇAS

    Algumas são bem produtivas, outras nem tanto. O ideal é que antes de iniciar a atividade se conheça as características de cada uma das raças.

    As abelhas são pertencentes à família Apidae, que é dividida em duas sub-famílias; a Meliponinae e a Apínae. A primeira é constituída pelas chamadas abelhas indígenas, que habitam regiões tropicais e subtropicais. Entre estas abelhas, algumas possuem ferrão e outras não. Elas são subdivididas em três gêneros; Lestriinellitini, Trigonini e Meliponini.

  • Não são todas as espécies que aceitam habitar colmeias artificiais.

  • Jataí Mandaçaias Mandaguaris Tuiuvas Tiúba Jrapua Mombuca Moçabranca Uruçu Jandaira Mirim Manduris Guarupus Uruçú-boca-de-renda Mamangava

    Jataí Mandaçaias Mandaguaris Tuiuvas Tiúba Jrapua Mombuca Moçabranca Uruçu Jandaira Mirim Manduris Guarupus Uruçú-boca-de-renda Mamangava

    Entre as mais conhecidas no Brasil, destacam-se nomes como;

  •  

    ANATOMIA DAS ABELHAS

    O corpo da abelha é constituído de três partes: cabeça, tórax e abdômen. Cada uma dessas partes é responsável por diversas funções exercidas diariamente em uma colônia.

    Conhecer as características das abelhas é o primeiro passo para quem pretende explorar a apicultura e obter bons resultados econômicos.
     


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Jataí Mandaçaias Mandaguaris Tuiuvas Tiúba Jrapua Mombuca Moçabranca Uruçu Jandaira Mirim Manduris Guarupus Uruçú-boca-de-renda Mamangava
  • - 3 dias na fase de ovo - 7 na fase de larva - 14 na fase de pupa
  • A rainha é quase duas vezes maior que as operárias e vive cerca de 3 a 6 anos. No entanto, a partir do terceiro e quarto ano a sua fecundidade decai. A sua única função, do ponto de vista biológico, é a postura de ovos, já que ela é a única abelha feminina com capacidade de reprodução. Mas a abelha rainha desempenha um importante papel do ponto de vista social: Ela é a responsável pela manutenção do chamado 'Espírito da colmeia', ou seja, pela harmonia e ordenação dos trabalhos da colônia.
  • Somente os zangões mais fortes e rápidos conseguem alcança-la após detectar o ferormônio. Localizada a "princesa", dá-se início à cópula. No entanto, os vários zangões que conseguirem a façanha terão morte certa e rápida, pois seus órgãos genitais ficarão presos no corpo da rainha, que continuará a copular com quantos zangões forem necessários para encher a sua *espermática, em média a rainha é fecundada por 6 a 8 zangões.
  • E-mail: fluiz.zootecnista@bol.com.br/77 9907-8973