Curso Online de TÉCNICAS PARA TRABALHO EM ALTURA - NR 35
5 estrelas 3 alunos avaliaram

Curso Online de TÉCNICAS PARA TRABALHO EM ALTURA - NR 35

TÉCNICAS PARA TRABALHO EM ALTURA - NR 35; *Técnicas para Trabalho em Altura - NR 35; *A queda não é o único perigo no trabalho em altur...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 50 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

TÉCNICAS PARA TRABALHO EM ALTURA - NR 35;
*Técnicas para Trabalho em Altura - NR 35;
*A queda não é o único perigo no trabalho em altura;
*Ao ficar pendurado pelo cinturão de segurança é também perigoso;
*Ficar pendurado pelo cinto de segurança gera a suspensão inerte; *Quando a parte inferior do cinto de segurança,
*Suspensão prolongada causada por sistemas de detecção de quedas;
*Tipos de Equipamentos de Proteção Individual - EPI;
*ATR - Autorização para trabalhos de Risco;
*PT - Permissão de Trabalho;
*ART - Análise de Risco de Tarefa;
*Acidentes mais comuns em Trabalho em Alturas;

Especializações & Competências: *Graduado em Gestão Ambiental, *Graduando Engenharia de Produção, *Técnico em Meio Ambiente, *Técnico em Segurança do Trabalho Reg.MTE nº 25.482/MG; *Bombeiro Profissional Civil - Nível 2 -ABNT/NBR 14.276; *Instrutor de Curso de Operador de Empilhadeiras; *Coordenador de Brigada de Emergência; E-mail: tecsegtrab.aguiar@hotmail.com.br ou tecsegtrab.aguiar@gmail.com - Siga no Blog: http://aguiarsst.blogspot.com/ https://www.linkedin.com/mynetwork/ Cursos Complementares: *Política Nacional de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PNGRS; *OHSAS 18000:2007 - Sistema de Gestão de saúde e Segurança Ocupacional; *ABNT/NBR 14276 - NR 23 - Brigadista de Incêndio; *TPM - Total Perfeição da Manufatura; *NR 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; *Curso de Operador de Empilhadeiras -SEST/SENAT; *MOPP - Movimentação e Operação de Produtos Perigosos; *Curso de Auto Controle (Qualidade) - SENAI; *Legislação Trabalhista - SENAI; *Educação Ambiental -SENAI; *Saúde e Segurança Rural - SENAR; *PPRA, PCMAT, PPP,CIPA, SIPAT, LTCAT, FMEA, PAE, PGR. *NR 12 - Segurança de Máquinas e Equipamentos; *NR 33 - Supervisor de Espaço Confinado; *Curso de Yellow Belt;


- Carla Daniela Alves Pereira

- Priscila Audley Martins Da Silva

- João Luiz Maciel

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • Izaias de Souza Aguiar

    TRABALHO EM ALTURA
    NR 35

  • Trabalho em altura – Introdução;
    Segurança e a Saúde do Trabalhador;
    Normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura;
    Acidentes típicos em trabalho em altura;
    Condições impeditivas ao trabalho em altura;
    Riscos potencias inerentes ao trabalho em altura, medidas de prevenção e controle;
    Medidas de proteção contra quedas de altura;
    EPI para proteção contra quedas com diferença de nível;
    Análise de Risco;
    Permissão de Trabalho – PT;
    Condutas em situações de emergência (noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros);
    Treinamento em campo;

    CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

  • > 2m

    < 2m mas havendo risco abaixo

    O que é trabalho em altura?

  • Exemplos de trabalho em altura?

    - Estruturas metálicas

  • ASPECTOS GERAIS CONSIDERADOS PARA AVALIAÇÃO DE SAÚDE
    DO TRABALHADOR

    Antes de se executar qualquer tipo de Trabalho em altura, deve se procurar a enfermaria ou responsável para analise necessária, (Pressão e verificação do ASO).
    Riscos inerentes, o desgaste físico, a postura para o trabalho, aspectos psicológicos, técnicas organizacionais e o ambiente.

    Todos os trabalhadores devem ter além de treinamento específico seu acompanhamento médico periódico em dia para executar tarefas em altura.
    Desde o exame médico admissional o serviço de saúde deverá estar ciente das tarefas que o funcionário ira executar para avalia-lo quanto sua capacidade física de executar tais tarefas, porém algumas doenças passageiras podem comprometer as condições de trabalho de um individuo.
    Recomenda-se então que sempre antes de iniciar uma tarefa de risco o individuo deve avaliar sua condição pessoal, em caso de dúvidas consultar o serviço de saúde.

  • EXEMPLO DE DOENÇAS QUE IMPEDEM O TRABALHO EM ALTURA

    *Doenças Cardíacas;
    *Hipertensão Arterial;
    *Epilepsia;
    *Labirintite crônica;
    *Diabetes;
    *Doenças da Coluna Vertebral;
    *Doenças psiquiátricas (uso de tranquilizantes ou anti depressivos);
    *Deficiências visuais e auditivas;
    *Qualquer doença que possibilite a perde de consciência repentina ou desequilíbrio.

    EXEMPLO DE DOENÇAS OU CONDIÇÕES DE SAÚDE QUE DESACONSELHAM O TRABALHO EM ALTURA

    * Gripes e resfriados fortes;
    * Febre de qualquer natureza;
    * Indisposições gástricas (diarreias, vômitos);
    * Tonturas;
    * Dores de cabeça;
    * Falta de Alimentação adequada;
    * Indisposições físicas;
    * Stress;

  • OUTROS FATORES DE RISCO NO TRABALHO EM ALTURA RELACIONADOS AO PESSOAL

    Fatores de risco relacionados indiretamente com as condições de saúde do trabalhador, já que saúde envolve por definição, psicológico e social do individuo.
    Estas condições prejudicam a atenção e a concentração necessárias ao trabalho em altura.
    Problemas Sócio/Financeiro;
    Pânico por altura/Isolamento;
    Postura Inadequada;
    Substituição por pessoa não qualificada;
    Organização do trabalho (método/ambiente);
    Equipe não entrosada;
    situações de urgência de trabalho;
    Situações de emergência (acidentes);

  • CONSEQUÊNCIAS DE UMA QUEDA

    ‘’É muito mais fácil e melhor evitar uma queda que cuidar de sua consequências ’’

    A utilização eficaz de técnicas e equipamentos por funcionários bem treinados e conscientes dos riscos que ocorrem, aumenta a segurança no trabalho aumentando a confiança a tranquilidade e a produtividade.

    Além dos traumatismos tipo contusões, fraturas, cortes, hemorragias, etc.., causados pela queda de uma pessoa.

    O uso correto do equipamento de segurança minimiza os efeitos de uma queda.
    O equipamento devera estar bem ajustado e confortável durante o dia de trabalho para não trazer consequências de fadiga ao final do dia ou prejudicar o individuo que por ventura possa sofrer uma queda.

  • A queda não é o único perigo no trabalho em altura. Ao ficar pendurado pelo cinturão de segurança é também perigoso. Ficar pendurado pelo cinto de segurança gera a ¨suspensão inerte¨, quando a parte inferior do cinto de segurança, que se prende às pernas, impede a circulação do sangue e este se acumula nelas. Se estas não se movem, o sangue fica lá e o coração não consegue bombear o sangue para a cabeça provocando a ¨intolerância ortostática¨ que se caracteriza por atordoamento, tremor, fadiga, dor de cabeça, fraqueza e desmaios. Suspensão prolongada causada por sistemas de detecção de quedas pode causar a intolerância ortostática que, por sua vez, pode resultar em perda de consciência seguida por morte em menos de 30 minutos. Em caso de quedas o resgate deve ser urgente !

    A queda não é o único perigo no trabalho em altura. Ao ficar pendurado pelo cinturão de segurança é também perigoso.

    Ficar pendurado pelo cinto de segurança gera a ¨suspensão inerte¨, quando a parte inferior do cinto de segurança, que se prende às pernas, impede a circulação do sangue e este se acumula nelas. Se estas não se movem, o sangue fica lá e o coração não consegue bombear o sangue para a cabeça provocando a ¨intolerância ortostática¨ que se caracteriza por atordoamento, tremor, fadiga, dor de cabeça, fraqueza e desmaios.

    Suspensão prolongada causada por sistemas de detecção de quedas pode causar a intolerância ortostática que, por sua vez, pode resultar em perda de consciência seguida por morte em menos de 30 minutos. Em caso de quedas o resgate deve ser urgente !

  • Fator Queda 0 : condição ideal

  • Fator 0: Praticamente sem queda


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • *Técnicas para Trabalho em Altura - NR 35;
  • *A queda não é o único perigo no trabalho em altura;
  • *Ao ficar pendurado pelo cinturão de segurança é também perigoso;
  • *Ficar pendurado pelo cinto de segurança gera a ¨suspensão inerte; *Quando a parte inferior do cinto de segurança,
  • *Suspensão prolongada causada por sistemas de detecção de quedas;
  • *Tipos de Equipamentos de Proteção Individual - EPI;
  • *ATR - Autorização para trabalhos de Risco;
  • *PT - Permissão de Trabalho;
  • *ART - Análise de Risco de Tarefa;
  • *Acidentes mais comuns em Trabalho em Alturas;
  • Izaias de Souza Aguiar - Técnico em Segurança do Trabalho Reg.MTE nº25.482/