Curso Online de Fundamentos da Educação Inclusiva

Curso Online de Fundamentos da Educação Inclusiva

A Educação Geral reconhece que todos os alunos precisam de uma educação de qualidade focada em atender às suas necessidades individuais. ...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 80 horas


Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 10 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

A Educação Geral reconhece que todos os alunos precisam de uma educação de qualidade focada em atender às suas necessidades individuais. A inclusão promove uma educação efetiva para todos, e as escolas como comunidades educativas devem atender às necessidades de todos os alunos, independentemente de suas características pessoais, psicológicas ou sociais.
O Ministério da Educação conceitua a Educação Especial como modalidade da educação escolar; processo educacional definido em uma proposta pedagógica, assegurando um conjunto de recursos e serviços educacionais especiais, organizados institucionalmente para apoiar, complementar, suplementar e, em alguns casos, substituir os serviços educacionais comuns em todas as etapas e modalidades da educação.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • Fundamentos da Educação Inclusiva

  • A educação inclusiva é antes de tudo uma questão de direitos humanos, já que defende que não se pode segregar a nenhuma pessoa como consequência de sua deficiência, de sua dificuldade de aprendizagem, do seu gênero ou mesmo se esta pertencer a uma minoria étnica.
    Educação Geral considera a necessidade de que todos os alunos recebam uma educação de qualidade centrada na atenção das suas necessidades individuais.
    A da inclusão promove uma educação efetiva para todos, e as escolas como comunidades educativas devem atender às necessidades de todos os alunos, independentemente de suas características pessoais, psicológicas ou sociais.

  • A educação inclusiva, embora trate prioritariamente de crianças, não se refere somente a elas, mas de todos, jovens e adultos.
    Tradicionalmente, a educação especial tem sido concebida apenas ao atendimento de alunos que apresentam deficiências mental, visual, auditiva, físico-motoras e múltiplas; condutas típicas de síndromes e quadros psicológicos, neurológicos ou psiquiátricos, bem como de alunos que apresentam altas habilidades/superdotação. Hoje a ação da educação especial amplia-se, passando a abranger dificuldades de aprendizagem relacionadas à dificuldades cognitivas, psicomotoras e de comportamento como a dislexia e disfunções correlatas; problemas de atenção, perceptivos, emocionais, de memória, cognitivos, psicolinguísticos, psicomotores, de comportamento; e ainda fatores ecológicos e socioeconômicos, como as privações de caráter sociocultural e nutricional.

  • O Ministério da Educação conceitua a Educação Especial como modalidade da educação escolar; processo educacional definido em uma proposta pedagógica, assegurando um conjunto de recursos e serviços educacionais especiais, organizados institucionalmente para apoiar, complementar, suplementar e, em alguns casos, substituir os serviços educacionais comuns em todas as etapas e modalidades da educação.

  • LEGISLAÇÃO

  • O país vem reunindo esforços para assegurar o direito á educação de qualidade a todos os portadores de necessidades especiais preferencialmente em escolas regulares.

    Em 1989 a lei N. 7.853, de 24 de outubro de 1989 foi implantada e em linhas gerais dispõe sobre o apoio às pessoas com deficiências, sua integração social, assegurando o pleno exercício de seus direitos individuais e sociais.

  • Ao participar em 1990, em Jomtien, na Tailândia, o Brasil optou pela construção de um sistema inclusivo concordando com a Declaração Mundial de Educação para todos.
    Também em1990 a lei n º8.069/90 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - de 13 de julho de 1990 estabelece entre outras determinações:
    Art. 5º - Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais. Art. 11. § 1º.
    A criança e o adolescente portadores de deficiência receberão atendimento especializado.

  • As mudanças na educação especial continuam a acontecer.
    O Brasil esteve em consonância com as propostas da conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais em Salamanca (Espanha, 1994).
    Propostas denominadas DECLARAÇÃO DE SALAMANCA que tiveram a participação de delegados de 88 governos e 25 organizações internacionais e o objetivo de estabelecer princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais.

  • Documento oficial foi adaptado à terminologia educacional brasileira onde foi alterado o termo “necessidades educativas especiais“ por “necessidades educacionais especiais” e da mesma forma, a expressão “integrada” ou “integradora” foi também substituída por “inclusiva”.
    A expressão necessidades educacionais especiais é utilizada para referir-se a crianças e jovens cujas necessidades decorrem de sua elevada capacidade ou de suas dificuldades para aprender.
    Está associada, portanto, a dificuldades de aprendizagem, não necessariamente vinculada a deficiência(s).

  • O Brasil demonstrou traços de uma política educacional inclusiva já na promulgação da Constituição Federal em 1988 no TÍTULO VIII capítulo Da Ordem Social:
    O dever do Estado com a Educação será efetivado mediante a garantia de: III - atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino.
    IV - atendimento em creche e pré-escola às crianças de 0 a 6 anos de idade.
    Art. 227 : II §- 1º criação de programas de prevenção e atendimento especializado para os portadores de deficiência física, sensorial ou mental, bem como de integração social do adolescente portador de deficiência, mediante o treinamento para o trabalho e a convivência, e a facilitação do acesso aos bens e serviços coletivos, com a eliminação de preconceitos e obstáculos arquitetônicos.

  • A lei disporá sobre normas de construção dos logradouros e dos edifícios de uso público e de fabricação de veículos de transporte coletivo, a fim de garantir acesso adequado às pessoas portadoras de deficiência.
    A educação especial como modalidade da educação escolar ganha mais um dispositivo legal e político-filosófico: a lei Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996 - LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL capítulo V Da educação especial :
    Entende-se por educação especial, para os efeitos desta Lei, a modalidade de educação escolar, oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos portadores de necessidades especiais.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA
  • LEGISLAÇÃO
  • DECRETO NO 3.298, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999
  • LEI Nº 8.859 DE 23 DE MARÇO DE 1994
  • LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002
  • PORTARIA Nº 319, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1999
  • RESOLUÇÃO Nº 2, DE 11 DE SETEMBRO DE 2001
  • DESENVOLVIMENTO INFANTIL
  • FASES DE DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA
  • PROFESSOR DE CRIANÇAS ESPECIAIS
  • FORMAÇÃO DO PROFESSOR
  • RECURSOS PARA PROMOÇÃO DE ACESSIBILIDADE NA ESCOLA
  • PROTEÇÃO SOCIAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
  • REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL
  • MORTALIDADE INFANTIL
  • VÍNCULO
  • ENSINO INTEGRADO E ENSINO INCLUSIVO
  • PRÁTICA PEDAGÓGICA
  • ÉTICA
  • CUIDADOS COM A CRIANÇA
  • ROTINAS DO INFANTIL
  • ALIMENTAÇÃO
  • HIGIENE
  • INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA
  • EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO
  • INCLUSÃO
  • ENSINO PARA ESTUDANTES COM DEFICIÊNCIA
  • PROGRAMA BRASIL ALFABETIZADO
  • EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
  • PAPEL DA ESCOLA COMO FORMADORA DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS
  • LINGUAGEM
  • COMUNICAÇÃO
  • HIPERATIVIDADE E IMPULSIVIDADE
  • DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR
  • ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA
  • ENSINO DE LIBRAS
  • FAMÍLIA DO ALUNO
  • ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA MENTAL E A EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • ALFABETIZAÇÃO E APRENDIZAGEM PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL
  • ESPAÇO FÍSICO E MOBILIÁRIO
  • ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM SURDEZ
  • ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA
  • PARALISIA CEREBRAL
  • CONHECENDO O ALUNO COM DEFICIÊNCIA FÍSICA
  • TECNOLOGIA ASSISTIVA
  • COMUNICAÇÃO AUMENTATIVA E ALTERNATIVA
  • PRANCHAS DE COMUNICAÇÃO
  • DOENÇAS NEUROMUSCULARES
  • MALFORMAÇÕES CONGÊNITAS
  • TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO
  • AUTISMO
  • AFETIVIDADE
  • LIBRAS
  • RECURSOS PARA PROMOÇÃO DE ACESSIBILIDADE NA ESCOLA