Curso Online de A Arte de contar Histórias Na Educação Infantil
3 estrelas 2 alunos avaliaram

Curso Online de A Arte de contar Histórias Na Educação Infantil

A arte de contar histórias na Educação Infantilnos convida a fazer reflexões sobre a importância da arte de contar histórias na Educação ...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

A arte de contar histórias na Educação Infantilnos convida a fazer reflexões sobre a importância da arte de contar histórias na Educação Infantil.Bem como a importância da literatura no desenvolvimento da criança. Algumas sugestões de como se tornar um bom contador de histórias...

Lucimar, formada nas Faculdades Integradas do Vale do São Lourenço - EDUVALE nos cursos de Ciências Contábeis e Pedagogia. Pós-graduada em Avaliação do Ensino e Aprendizagem, Psicopedagogia e Ensino das Artes(cursando). Professora nas redes Estadual e Municipal de Ensino em Jaciara-MT.


"o conteudo é muito bom mas faltou dinamismo pois parece apenas uma explanação em slide somente"

- Sidnei José De Paula

"poderia ser bem melhor acho que faltou ilustrações e uma melhor colocação sobre o tema"

- Sidnei José De Paula

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • A
    Arte de Contar Histórias na Educação Infantil

  • Esse curso nos convida a fazer reflexões sobre a importância da arte de contar histórias na Educação Infantil.
    Bem como a importância da literatura no desenvolvimento da criança.

  • Até as duas primeiras décadas do século XX, as obras didáticas produzidas para a infância, apresentavam um caráter ético-didático, ou seja, o livro tinha a finalidade única de educar, apresentar modelos, moldar a criança de acordo com as expectativas dos adultos. A obra dificilmente tinha o objetivo de tornar a leitura como fonte de prazer, retratando a aventura pela aventura. Havia poucas histórias que falavam da vida de forma lúdica, ou que faziam pequenas viagens em torno do cotidiano, ou a afirmação da amizade centrada no companheirismo, no amigo da vizinhança, da escola, da vida.

  • A leitura é um processo no qual o leitor realiza um trabalho ativo de construção do significado do texto. Segundo Coelho (2002) a leitura, no sentido de compreensão do mundo é condição básica do ser humano.
     
    Quando a criança ouve ou lê uma história e é capaz de comentar, indagar, duvidar ou discutir sobre ela, realiza uma interação verbal, que neste caso, vem ao encontro das noções de linguagem de Bakhtin (1992). Para ele, o confrontamento de idéias, de pensamentos em relação aos textos, tem sempre um caráter coletivo, social.

  • Hoje a dimensão de literatura infantil é muito mais ampla e importante. Ela proporciona à criança um desenvolvimento emocional, social e cognitivo indiscutíveis. Segundo Abramovich (1997) quando as crianças ouvem histórias, passam a visualizar de forma mais clara, sentimentos que têm em relação ao mundo. As histórias trabalham problemas existenciais típicos da infância, como medos, sentimentos de inveja e de carinho, curiosidade, dor, perda, além de ensinarem infinitos assuntos.

  • Hoje a dimensão de literatura infantil é muito mais ampla e importante. Ela proporciona à criança um desenvolvimento emocional, social e cognitivo indiscutíveis. Segundo Abramovich (1997) quando as crianças ouvem histórias, passam a visualizar de forma mais clara, sentimentos que têm em relação ao mundo. As histórias trabalham problemas existenciais típicos da infância, como medos, sentimentos de inveja e de carinho, curiosidade, dor, perda, além de ensinarem infinitos assuntos.

  • Os primeiros livros direcionados ao público infantil, surgiram no século XVIII. Autores como La Fontaine e Charles Perrault escreviam suas obras, enfocando principalmente os contos de fadas. De lá pra cá, a literatura infantil foi ocupando seu espaço e apresentando sua relevância. Com isto, muitos autores foram surgindo, como Hans Christian Andersen, os irmãos Grimm e Monteiro Lobato, imortalizados pela grandiosidade de suas obras. Nesta época, a literatura infantil era tida como mercadoria, principalmente para a sociedade aristocrática. Com o passar do tempo, a sociedade cresceu e modernizou-se por meio da industrialização, expandindo assim, a produção de livros.

  • A partir daí os laços entre a escola e literatura começam a se estreitar, pois para adquirir livros era preciso que as crianças dominassem a língua escrita e cabia a escola desenvolver esta capacidade. De acordo com Lajolo & Zilbermann, “a escola passa a habilitar as crianças para o consumo das obras impressas, servindo como intermediária entre a criança e a sociedade de consumo”. (2002, p.25)

  • “Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro”.
    Henry Thoreau

  • a escola busca conhecer e desenvolver na criança as competências da leitura e da escrita e como a literatura infantil pode influenciar de maneira positiva neste processo. Assim, Bakhtin (1992) expressa sobre a literatura infantil abordando que por ser um instrumento motivador e desafiador, ela é capaz de transformar o indivíduo em um sujeito ativo, responsável pela sua aprendizagem , que sabe compreender o contexto em que vive e modificá-lo de acordo com a sua necessidade. 

  • A compreensão e sentido daquilo que o cerca inicia-se quando bebê, nos primeiros contatos com o mundo. Os sons, os odores, o toque, o paladar, de acordo com Martins (1994) são os primeiros passos para aprender a ler.Ler, no entanto é uma atividade que implica não somente a decodificação de símbolos, ela envolve uma série de estratégias que permite o indivíduo compreender o que lê. Neste sentido, relata os PCN’s (2001, p.54.):


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Ainda acabo fazendo livros onde as nossas crianças possam morar." (Monteiro Lobato)
  • A leitura engrandece a alma. (Voltaire)
  • Então por que devo contar Histórias?
  • Para Ramos (2003) “a leitura é o meio mais importante para se chegar ao conhecimento. Não importa a quantidade que lemos, o que importa é com que profundidade chega-se a esse entendimento.”
  • Na atualidade a mídia está substituindo, cada vez mais o dialogo nas famílias diminuindo as oportunidades do desenvolvimento da imaginação.
  • A capacidade imaginativa das pessoas diminui a cada dia que passa, pois as histórias apresentadas na TV, cd, entre outros meios de comunicação já vem tão completos que ninguém precisa imaginar mais nada. E dessa forma não há o diálogo final, ninguém interpreta cabe ao ouvinte olhar e escutar em silêncio.
  • O meio mais importante para resgatarmos a imaginação da criança é contar histórias e proporcionar a leitura, conduzidas num ambiente agradável para a viagem imaginária
  • Podemos utilizar recursos materiais para contar uma história, devemos ser bem criativos. Devemos ler várias vezes a historinha que apresentaremos para não gaguejarmos na hora da apresentação.
  • Além disso, devemos observar nossa voz dando uma entonação adequada para cada personagem, assim ficará mais divertido para o ouvinte.
  • Sugestões para um bom Contador de Histórias:
  • Que História devo Contar?
  • Referências: