Curso Online de Vacinas

Curso Online de Vacinas

História das vacinas, atuação do sistema imune, calendário vacinal, tipos de imunidade, principais mecanismos de destruição de micro-orga...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 17 horas

Por: R$ 50,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

História das vacinas, atuação do sistema imune, calendário vacinal, tipos de imunidade, principais mecanismos de destruição de micro-organismo pela imunidade inata, gestantes e vacinas, reação anafilática.


  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Vacinas

    Vacinas

    Enfª Priscila Silva
    2017

  • As vacinas permitem a prevenção, o controle, a eliminação e a erradicação das doenças imunopreveniveis, assim como a redução da morbimortalidade por certos agravos, sendo a sua utilização bastante custo-efetiva.
    A administração de imunobiológico confere imunização ativa ou passiva ao individuo. Para que este processo se de em sua plenitude e com segurança, as atividades de imunização devem ser cercadas de cuidados, adotando-se procedimentos adequados antes, durante e após a administração dos imunobiológicos.

    Enf Priscila Silva

  • No Brasil, desde o inicio do século XIX, as vacinas são utilizadas como medida de controle de doenças. No entanto, somente a partir do ano de 1973 e que se formulou o Programa Nacional de Imunizações (PNI), regulamentado pela Lei Federal no 6.259, de 30 de outubro de 1975, e pelo Decreto n° 78.321, de 12 de agosto de 1976, que instituiu o Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SNVE).

    Enf Priscila Silva

  • Constituem competências da esfera federal

    Constituem competências da esfera federal

    A coordenação do PNI (incluindo a definição das vacinas nos calendários e das campanhas nacionais de vacinação), as estratégias e as normatizações técnicas sobre sua utilização;
    O provimento dos imunobiológicos definidos pelo PNI, considerados insumos estratégicos;
    A gestão do sistema de informação do PNI, incluindo a consolidação e a analise dos dados nacionais e a retroalimentação das informações a esfera estadual;

    Enf Priscila Silva

  • Constituem competências da esfera estadual

    Constituem competências da esfera estadual

    A coordenação do componente estadual do PNI;
    O provimento de seringas e agulhas, itens que também são considerados insumos estratégicos;
    A gestão do sistema de informação do PNI, incluindo a consolidação e a analise dos dados
    municipais, o envio dos dados ao nível federal dentro dos prazos estabelecidos e a retroalimentação das informações a esfera municipal.

    Enf Priscila Silva

  • Constituem competências da esfera municipal

    Constituem competências da esfera municipal

    A coordenação e a execução das ações de vacinação integrantes do PNI, incluindo a vacinação de rotina, as estratégias especiais (como campanhas e vacinações de bloqueio) e a notificação e investigação de eventos adversos e óbitos temporalmente associados a vacinação;
    A gerência do estoque municipal de vacinas e outros insumos, incluindo o armazenamento e o transporte para seus locais de uso, de acordo com as normas vigentes;

    Enf Priscila Silva

  • O descarte e a destinação final de frascos, seringas e agulhas utilizados, conforme as normas técnicas vigentes;
    A gestão do sistema de informação do PNI, incluindo a coleta, o processamento, a consolidação e a avaliação da qualidade dos dados provenientes das unidades notificantes, bem como a transferência dos dados em conformidade com os prazos e fluxos estabelecidos nos ambitos nacional e estadual e a retroalimentação das informações as unidades notificadoras.

    Enf Priscila Silva

  • ESF e vacinação

    ESF e vacinação

    No contexto da vacinação, a equipe da ESF realiza a verificação da caderneta e a situação vacinal e encaminha a população a unidade de saúde para iniciar ou completar o esquema vacinal, conforme os calendários de vacinação.
    E fundamental que haja integração entre a equipe da sala de vacinação e as demais equipes de saúde, no sentido de evitar as oportunidades perdidas de vacinação, que se caracterizam pelo fato de o individuo ser atendido em outros setores da unidade de saúde sem que seja verificada sua situação vacinal ou haja encaminhamento a sala de vacinação.

    Enf Priscila Silva

  • Como é inserido um novo imunobiológico?

    Como é inserido um novo imunobiológico?

    A inserção de um novo imunobiológico no programa e o estabelecimento de novos grupos populacionais são decisões respaldadas em bases técnicas e cientificas, tais como:
    evidencia epidemiológica;
    eficácia e segurança da vacina; e
    garantia da sustentabilidade da estratégia, como, por exemplo, pela capacidade de produção dos laboratórios públicos nacionais e capacidade institucional de armazenamento e distribuição.

    Enf Priscila Silva

  • Atuação do sistema imune

    Atuação do sistema imune

    1) Ele reage rapidamente (de minutos a horas) aos agentes infecciosos, como, por exemplo, a fagocitose e outros mecanismos que já estão presentes no organismo antes da infecção. Essa e a resposta natural, inata ou inespecífica.
    2) Ele desenvolve mais lentamente (ao longo de dias ou semanas) uma resposta imune especifica,
    como, por exemplo, a produção de anticorpos específicos para o sarampo. Essa e a resposta
    adquirida, adaptativa ou específica.

    Enf Priscila Silva

  • Os seres humanos estão constantemente expostos a agentes infecciosos, como parasitas, bactérias, vírus e fungos.

    As células da resposta imunológica são produzidas na medula óssea. Os linfócitos T e os linfócitos B são encontrados na medula óssea, no timo, nos gânglios linfáticos, no baço e nas placas de Peyer, no intestino.

    Enf Priscila Silva


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 50,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Vacinas
  • Constituem competências da esfera federal
  • Constituem competências da esfera estadual
  • Constituem competências da esfera municipal
  • ESF e vacinação
  • Como é inserido um novo imunobiológico?
  • Atuação do sistema imune
  • Imunidade inespecífica (natural ou inata)
  • Seus principais componentes
  • Principais mecanismos de destruição de micro-organismo pela imunidade inata
  • Imunidade específica (adquirida ou adaptativa)
  • Imunidade ativa
  • Imunidade passiva
  • Gestantes e vacinas
  • Reação anafilática
  • Pacientes imunodeprimidos
  • Antitérmico profilático
  • Dose e esquema de vacinação
  • Adjuvantes
  • Funções da equipe da sala de vacinação
  • Organização e funcionamento da sala de vacinação
  • Rede de frio
  • Limpeza do refrigerador doméstico
  • Caixas térmicas
  • Procedimentos de administração dos imunobiológicos
  • Procedimentos para administração de vacina por via intradérmica
  • Peculiaridades da administração de 2 vacinas no vasto lateral
  • Passos na administração intramuscular
  • Procedimentos específicos para a administração na região vastolateral da coxa
  • Procedimentos específicos para a administração na região deltoidea
  • Procedimentos específicos para a administração de imunobiológicos na região dorso glútea
  • Via endovenosa (EV)
  • As vacinas que integram a rotina de vacinação do PNI são as seguintes:
  • Contraindicações comuns a todo imunobiológico
  • Situações especiais
  • Situações para adiamento da vacinação
  • Vacina BCG
  • Esquema, dose e volume da BCG
  • Vacina hepatite B (recombinante)
  • Esquema, dose e volume da vacina Hepatite B
  • Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante) e Haemophilus influenzae b (conjugada) (Penta)
  • Esquema, dose e volume da Penta
  • difteria, tétano e pertussis (acelular) tipo adulto dTpa em gestante
  • Vacina adsorvida difteria, tétano e pertussis (DTP)
  • Esquema, dose e volume da DTP
  • Vacina poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) (VIP)
  • Esquema, dose e volume da VIP
  • Vacina poliomielite 1, 2, 3 (atenuada) (VOP)
  • Esquema, dose e volume da VIP
  • Vacina pneumocócica conjugada 10 valente (Pneumo 10)
  • Esquema, dose e volume da Pneumo 10
  • Vacina rotavírus humano G1P1 (atenuada) (VORH)
  • Esquema, dose e volume da Rotavírus
  • Vacina meningocócica C (conjugada) (Meningo C)
  • Vacina febre amarela (atenuada) (FA)
  • Esquema, dose e volume de febre amarela
  • Vacina sarampo, caxumba, rubéola (Tríplice Viral)
  • Esquema, dose e volume da tríplice viral
  • Vacina hepatite A
  • Esquema, dose e volume da hepatite A
  • Vacina sarampo, caxumba, rubéola e varicela (atenuada) (Tetra Viral)
  • Esquema, dose e volume da tetra viral
  • Vacina adsorvida difteria e tétano adulto dT (dupla adulto)
  • Esquema, dose e volume da dT
  • Vacina papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (recombinante) (HPV)
  • Esquema, dose e volume da HPV
  • Vacina influenza (fracionada, inativada)
  • Esquema, dose e volume da Influenza
  • Vacina raiva (inativada)
  • Esquema, dose e volume da raiva
  • Vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) (Pn23)
  • Esquema, dose e volume da pneumocócica 23
  • Vacina varicela (VZ)
  • Esquema, dose e volume da varicela
  • Calendário 2016
  • NOVIDADES em 2017