Curso Online de DESENHO TÉCNICO MECÂNICO
5 estrelas 3 alunos avaliaram

Curso Online de DESENHO TÉCNICO MECÂNICO

Este curso online de Interpretação Desenho Tecnico a Distancia é extremamente necessário para todo aluno que pretende entrar na área de d...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 15 horas

De: R$ 50,00 Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Mais de 250 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso online de Interpretação Desenho Tecnico a Distancia é extremamente necessário para todo aluno que pretende entrar na área de desenho industrial, autocad ou maquetes eletrônicas.
Servindo como base técnica preparatória para todo projetista seja em ferramentas 2D ou 3D. O curso de Interpretação Desenho Tecnico a Distancia também é fundamental para planejador de obras, orçamentistas ou mestre de obras.

Trabalho a 10 anos na área de Informática Formação ? TI Técnico em Redes e Manutenção Administrador de Redes Certificações ? Cisco RS e CCNA Security


- Donizete Cruz De Miranda

- Willame Ferreira Silva

- Edimar Reis Da Silva

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • Introdução

    desenho técnico mecânico

  • Visão Espacial

    capítulo 1: conceitos básicos resumo 1.0 – introdução 2.0 - visão espacial 3.0 – origem do desenho técnico 4.0 - tipos de desenho técnico 5.0 – elaboração de desenhos técnicos referência bibliográfica capítulo 2: instrumentos para desenho resumo 1.0 – introdução 2.0 - lista de instrumentos e materiais 3.0 - precauções com os materiais 4.0 – lápis e lapiseira

  • Origem do desenho técnico

    capítulo 3: normas técnicas
    resumo
    1.0 - introdução
    2.0 – normas abnt
    3.0 – formatos de papel
    4.0 - legenda
    5.0 – notas adicionais
    5.0 – caligrafia técnica
    6.0 - linhas
    6.1 - linha para contornos e arestas visíveis
    6.2 - linha para contornos e arestas não visíveis
    6.3 - eixo de simetria
    6.4 – linhas de cota
    6.5 - linhas de chamada ou extensão
    6.6 - linhas de corte
    6.7 - linhas para rupturas curtas
    6.8 - linhas para rupturas longas
    6.9 - linhas para hachuras
    7.0 - escalas

  • Tipos de desenhos técnicos

    capítulo 4: projeções ortogonais
    resumo
    1.0 - introdução
    2.0 – conceituação
    3.0 – arestas ocultas
    4.0 – arestas coincidentes
    5.0 - linhas de centro e de simetria
    6.0 – vistas auxiliares
    7.0 - vistas essenciais
    8.0 – vista única

    capítulo 5: cotagem
    resumo
    1.0 - introdução
    2.0 – cotas
    3.0 - regras para a cotagem
    4.0 - tipos de cotagem
    5.0 - cotagem de cordas e arcos
    6.0 - cotagem de ângulos, chanfros e escareados
    7.0 - cotagem de elementos eqüidistantes e/ou repetidos
    referência bibliográfica

  • Elaboração de desenhos técnicos

    capítulo 6: perspectivas
    resumo
    1.0 - introdução
    2.0 - perspectiva isométrica
    2.1 - perspectiva isométrica de objetos planos
    2.2 - perspectiva isométrica de objetos cilíndricos
    3.0 - perspectiva cavaleira
    3.1 - perspectiva cavaleira de objetos planos
    3.2 - perspectiva cavaleira de objetos cilíndricos
    4.0 - cotagem em perspectivas

    capítulo 7: cortes, seções e rupturas
    resumo
    1.0 - introdução
    2.0 – definições
    3.0 – tipos de planos corte
    3.1 - plano de corte horizontal
    3.2 - plano de corte vertical
    3.2.1 - plano de corte longitudinal
    3.2.2 - plano de corte transversal
    4.0 - linha de corte
    5.0 - corte total
    6.0 – hachuras
    7.0 – corte em desvio
    8.0 - corte parcial

  • Referências Bibliograficas

    9.0 - seções 9.1 - seções traçadas sobre as vistas 9.2 - seção traçada fora da vista 9.3 - seções traçadas com a interrupção das vistas 10.0 - rupturas 11.0 – convenção abnt

  • apresentação

    a execução dos projetos das áreas técnicas ainda é dependente dos desenhos bidimensionais que são utilizados para fazer o detalhamento dos detalhes construtivos que envolvem o objeto projetado.
    diferentemente das imagens tridimensionais, que podem ser entendidas por qualquer pessoa, os desenhos bidimensionais se constituem em uma linguagem gráfica que só pode ser entendida por quem a estuda.
    assim, um desenhista técnico deve, não só insinuar a sua intenção, mas dar uma informação exata e positiva de todos os detalhes de máquina ou estrutura existente em sua imaginação. eis por que o desenho é mais do que uma simples representação de um objeto, é uma linguagem gráfica completa, por meio da qual pode descrever minuciosamente cada operação e guardar um registro completo da peça, para reprodução ou reparos.
    o objetivo desse curso, portanto, é que, tanto o mantenedor mecânico quanto o operador técnico, entenda esta linguagem e consiga não só lê-la prontamente quando escrita por outras pessoas, mas também escrevê-la, expressando-a com clareza.
    para que isso seja possível, o texto foi estruturado em quatro capítulos, a saber:
    no capítulo 1 apresenta-se conceitos e definições básicas, visando esclarecer a necessidade e aplicabilidade do desenho técnico.
    no capítulo 2, por outro lado, relaciona-se alguns dos instrumentos necessários para a elaboração de desenhos técnicos.

  • o desenho técnico, como linguagem gráfica técnica, tem necessidade fundamental do estabelecimento de regras e normas. por exemplo, a representação de uma determinada peça deve possibilitar a todos que intervenham na sua construção, mesmo que em tempos e lugares diferentes, interpretar a produzir peças tecnicamente iguais. portanto, no capítulo 3 são apresentadas as padronizações e normas empregadas para a elaboração e interpretação de desenhos técnicos.
    o capítulo 4 fornece subsídios para a utilização e distinção dos vários tipos de projeções ortogonais existentes, as quais permitem reproduzir a forma exata dos objetos, com as suas três dimensões principais (comprimento, largura e altura) sobre um plano.
    no capítulo 5 são apresentados os procedimentos para a inserção de cotas nos desenhos, ou seja, a sua cotagem, permitindo informar as dimensões de um objeto representado.
    o capítulo 6 fornece procedimentos para a interpretação de perspectivas. observa-se que a perspectiva é uma técnica de representação tridimensional que possibilita a ilusão de espessura e profundidade das figuras e, assim, pode-se representar os objetos tais como se apresentam à nossa vista e, portanto, trata-se de um assunto de grande importância.
    finalizando, quando uma peça a ser desenhada possui muitos detalhes internos ou invisíveis, as projeções ortogonais apresentam muitas linhas tracejadas e, em geral, dificultam a compreensão do desenho. para facilitar a interpretação desses detalhes são utilizadas vistas em corte, cujo estudo é o objetivo do capítulo 7.

  • capítulo 1: conceitos básicos

    resumo
    este capítulo apresenta conceitos e definições básicas, visando esclarecer a necessidade e aplicabilidade do desenho técnico.

    1.0 - introdução
    o desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que possui a finalidade de representar tanto a forma quanto as dimensões e posição de objetos de acordo com as diferentes necessidades requeridas pelas diversas atividades na construção de máquinas e estruturas.

    utilizando-se de um conjunto constituído por linhas, números, símbolos e indicações escritas normalizadas internacionalmente, o desenho técnico é definido como linguagem gráfica universal da área técnica.

    assim como a linguagem verbal escrita exige alfabetização, a execução e a interpretação da linguagem gráfica do desenho técnico exige treinamento específico, porque são utilizadas figuras planas (em duas dimensões) para representar formas espaciais.

    o desenho técnico, não mostrando o objeto tal como ele é visto quando terminado, só pode ser interpretado por quem compreender a sua linguagem.
    assim, conhecendo-se a metodologia utilizada para elaboração do desenho em duas dimensões é possível entender e conceber mentalmente a forma espacial representada na figura plana.

    na prática pode-se dizer que, para interpretar um desenho técnico, é necessário enxergar o que não é visível e a capacidade de entender uma forma espacial a partir de uma figura plana é chamada visão espacial.

  • 2.0 - visão espacial

    conforme descrito em [1], visão espacial é um dom que, em princípio todos têm, dá a capacidade de percepção mental das formas espaciais. perceber mentalmente uma forma espacial significa ter o sentimento da forma espacial sem estar vendo o objeto.

    por exemplo, fechando-se os olhos pode-se imaginar a forma espacial de um motor ou outro equipamento qualquer

    em outras palavras, a visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos.

    3.0 – origem do desenho técnico
    o desenho técnico, tal como ele é entendido hoje, foi desenvolvido graças ao matemático francês gaspar monge (1746-1818). os métodos de representação gráfica que existiam até aquela época não possibilitavam transmitir a idéia dos objetos de forma completa, correta e precisa.

    monge criou um método que permite representar, com precisão, os objetos que têm três dimensões (comprimento, largura e altura) em superfícies planas, como, por exemplo, uma folha de papel, que tem apenas duas dimensões (comprimento e largura).

    esse método, conhecido como mongeano, quando foi publicado em 1715, foi chamado de geometria descritiva, sendo os seus princípios a base do desenho técnico.

    no século xix, com a revolução industrial, foi necessário normalizar a forma de utilização da geometria descritiva para transformá-la numa linguagem gráfica que, a nível internacional, simplificasse a comunicação e viabilizasse o intercâmbio de informações tecnológicas.

    desta forma, a comissão técnica tc 10 da international organization for standardization – iso normalizou a forma de utilização da geometria descritiva como linguagem gráfica da área técnica e da arquitetura, chamando-a de desenho técnico [1].

  • na atualidade, a expressão desenho técnico inclui todos os tipos de desenhos utilizados nas áreas técnicas incorporando também os desenhos tais como gráficos, diagramas, fluxogramas e outros.

    4.0 - tipos de desenho técnico

    o desenho técnico é dividido em dois grandes grupos, a saber:
    desenho projetivo

    são os desenhos resultantes de projeções do objeto em um ou mais planos de projeção e correspondem às vistas ortográficas e às perspectivas.

    desenho não-projetivo
    na maioria dos casos corresponde a desenhos resultantes dos cálculos algébricos e compreendem os desenhos de gráficos, diagramas e outros.

    os desenhos projetivos compreendem a maior parte dos desenhos feitos nas indústrias e alguns exemplos de utilização são, conforme [1]:
    a) projeto e fabricação de máquinas, equipamentos e de estruturas nas indústrias de processo e de manufatura (indústrias mecânicas, aeroespaciais, químicas, farmacêuticas, petroquímicas, alimentícias etc.);
    b) projeto e construção de edificações com todos os seus detalhamentos elétricos, hidráulicos, elevadores etc.;
    c) projeto e construção de rodovias e ferrovias mostrando detalhes de corte,

    aterro, drenagem, pontes, viadutos etc.;
    d) projeto e montagem de unidades de

    processos, tubulações industriais, sistemas de tratamento e distribuição de


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Introdução
  • Visão Espacial
  • Origem do desenho técnico
  • Tipos de desenhos técnicos
  • Elaboração de desenhos técnicos
  • Referências Bibliograficas