Curso Online de FOREX BÁSICO

Curso Online de FOREX BÁSICO

Curso Básico de Forex mostra os conceitos básicos e ensina algumas táticas para quem quer ingressar no mercado financeiro

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Curso Básico de Forex mostra os conceitos básicos e ensina algumas táticas para quem quer ingressar no mercado financeiro

Licenciado em filosofia, Técnico em Hardware (Montagem e Manutenção de Computadores) Técnico em informática,Técnico em Farmácia.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • CURSO BÁSICO EM FOREX

    Forex

    Curso Básico de Forex

  • 1. OBJETIVOS

    2. HISTÓRICO DO MERCADO

    3. APRESENTAÇÃO DO MERCADO

    4. OPERAÇÕES EM FOREX

    4.1. SPOT

    4.2. FORWARD

    4.3. OPÇÕES

    5. DICAS DE TRADE

  • 1. OBJETIVOS

    2. HISTÓRICO DO MERCADO

    3. APRESENTAÇÃO DO MERCADO

    4. OPERAÇÕES EM FOREX

    4.1. SPOT

    4.2. FORWARD

    4.3. OPÇÕES

    5. DICAS DE TRADE

  • O objetivo deste curso é oferecer os fundamentos básicos necessários para o entendimento das operações no mercado internacional de moedas (ForEx).

    Boa Sorte e estamos no decorrer de todo o seu ensinamento torcendo pelo seu sucesso.

    OBJETIVOS

  • 1. OBJETIVOS

    2. HISTÓRICO DO MERCADO

    3. APRESENTAÇÃO DO MERCADO

    4. OPERAÇÕES EM FOREX

    4.1. SPOT

    4.2. FORWARD

    4.3. OPÇÕES

    5. DICAS DE TRADE

  • 1. OBJETIVOS

    2. HISTÓRICO DO MERCADO

    3. APRESENTAÇÃO DO MERCADO

    4. OPERAÇÕES EM FOREX

    4.1. SPOT

    4.2. FORWARD

    4.3. OPÇÕES

    5. DICAS DE TRADE

  • Sistema Monetário Internacional
    O sistema monetário internacional definido em julho de 1944, na Conferência realizada na cidade americana de Bretton Woods criou o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial. A primeira instituição foi pensada para monitorar as políticas econômicas dos países membros e ajudar na tarefa de manter os balanços de pagamentos equilibrados, ou seja, sem déficits persistentes, e a segunda, na reconstrução das economias destruídas pela guerra e as antigas colônias fornecendo empréstimos de longo prazo.
    Entre 1870 e a I Guerra Mundial, o padrão-ouro havia sido o arranjo monetário internacional predominante. As moedas das principais nações estavam atreladas à quantidade de ouro existente nas economias. A lógica do sistema se apoiava nos mecanismos de correção automático dos desequilíbrios no balanço de pagamentos e impunha disciplina à política monetária garantindo baixas taxas de inflação. Foi uma fase de intensa estabilidade e abertura com crescimento do comércio internacional.

    HISTÓRICO DO MERCADO

    Com a I Guerra, os países foram levados a romper com o padrão-ouro para financiar o esforço de guerra. Apesar de tentativas de restabelecê-lo nos anos 20, ao final da década, o sistema entrava novamente em colapso. O mecanismo que assegurava o ajuste do balanço de pagamentos não funcionava mais. A Guerra acabou com o compromisso existente entre os governos no período anterior. Na fase do padrão-ouro, os governos garantiam a conversão da moeda doméstica em ouro e havia liberdade para a exportação e importação de ouro entre os países. As proibições às exportações de ouro levaram à criação de barreiras ao comércio e deflação nas economias industrializadas. A grande instabilidade do período entre guerras inspirou a construção de um sistema acordado entre os países, o sistema de Bretton Woods. Foi estabelecido um sistema de taxas de câmbio fixo, mas ajustável de até 10%, onde todas as moedas mantinham uma paridade fixa ao dólar americano, e o dólar americano tinha um valor invariável em relação ao ouro.

  • Sistema Monetário Internacional
    No entanto, o arranjo demorou a entrar em pleno funcionamento, uma vez que vários países adiaram a introdução da conversibilidade da moeda. Os controles de capital eram permitidos, no entanto, as restrições cambiais e as transações correntes deveriam ser eliminadas o mais breve possível. Os Estados Unidos e o Canadá estabeleceram a conversibilidade em 1945, os países europeus só o fizeram em 1958. A partir de então os mercados de moeda começam a operar com conversibilidade para fins de transações em contas correntes, e tornou-se mais difícil impor controles sobre os movimento de dólares. Assim os mercados financeiros aumentaram seu grau de integração e os movimentos de reservas internacionais se tornaram mais voláteis. As pressões inflacionárias e o aumento nos fluxos de capital pressionavam para que o dólar fosse desvalorizado no início da década de 70. Em 1971, o dólar americano deixou de ser conversível em ouro.

    O fim do arranjo monetário internacional estabelecido em Bretton Woods ocorreu em 1973 com a adoção de taxas de câmbio flutuante por parte dos países industriais. Os artigos do FMI foram adaptados para incluir o novo sistema de câmbio flutuante. Neste caso, os países deveriam intervir apenas para reduzir a volatilidade nas taxas de câmbio.
    O arranjo monetário internacional de taxas de câmbio flutuante significou uma grande ampliação do mercado de capitais internacional. Ao longo das décadas de 80 e 90, a desregulamentação e as inovações financeiras junto com a redução dos controles sobre os movimentos de capitais expandiram significativamente o mercado de moedas com a inclusão dos países em desenvolvimento.

    Autora: Professora Patrícia Cunha da PUCSP

    HISTÓRICO DO MERCADO

  • Negociando Moedas
    No início da década de 90, o presidente Norte Americano da ocasião Sr.George Bush congelou as reservas do Iraque fazendo pressão contrária à política ditatorial de Saddan Hussen. Com 2/3 de suas reservas em dólares congeladas dentro do território dos EUA, o Iraque, maior fornecedor de Petróleo do mundo, frágil de liquidez, convida formalmente os países Europeus a comprarem seu produto em moeda própria, mesmo que ele próprio bancasse alguns necessários prejuízos financeiros de conversão. E assim ocorreu. Este fato foi considerado por muitos historiadores como o maior passo contrário à soberania das negociações comerciais da moeda norte-americana.

    HISTÓRICO DO MERCADO

    Na segunda metade da década de 90, o Iraque já dispunha de uma boa soma de suas reservas em moedas Européias. A troca pela moeda Euro foi o ajuntamento da "fome com a vontade de comer" dos mercados de divisas. O ambiente estava pronto! Esta prática junto com a queda do padrão-ouro no passado, acelerou a ocorrência da natural paridade (preço) entre as moedas. A adesão de outros países Europeus ao bloco de vanguarda do continente reforçou ainda mais a moeda Euro e a necessidade de um grande mercado. O FOREX - Foreign Exchange ou simplesmente fx, faz com que este seja o maior e mais atrativo mercado do mundo para negociação eletrônica. Seu giro diário permeia a marca um pouco superior a U$D 2,0 trilhões, sendo sua alavancagem superior a qualquer bolsa de futuros do mundo. Conforme fontes de sites Americanos, o mercado de Forex é maior de 5 a 7 vezes o volume financeiro da NYSE e CME juntas.

  • 1. OBJETIVOS

    2. HISTÓRICO DO MERCADO

    3. APRESENTAÇÃO DO MERCADO

    4. OPERAÇÕES EM FOREX

    4.1. SPOT

    4.2. FORWARD

    4.3. OPÇÕES

    5. DICAS DE TRADE

  • 1. OBJETIVOS

    2. HISTÓRICO DO MERCADO

    3. APRESENTAÇÃO DO MERCADO

    4. OPERAÇÕES EM FOREX

    4.1. SPOT

    4.2. FORWARD

    4.3. OPÇÕES

    5. DICAS DE TRADE


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Participantes Diretos da Operação Spot
  • Exemplos de operações – Long Euro
  • Exemplos de operações – Short Euro
  • A RELEVÂNCIA DOS INDICADORES MACROECONÔMICOS NAS OPERAÇÕES SPOT